Curso de História

Comunidade Europeia do Ferro e Aço

Comunidade Europeia do Ferro e Aço

A Comunidade Européia de Ferro e Aço (EISC) é vista por muitos como o início do processo que levou à União Europeia. A Comunidade Européia de Ferro e Aço foi proposta por Robert Schuman e Jean Monet e surgiu em 1951.

Em 1950, muitas partes da Europa Ocidental devastada pela guerra tiveram uma boa recuperação do impacto devastador da Segunda Guerra Mundial. O principal motivo dessa recuperação foi o dinheiro fornecido à Europa Ocidental pelo Plano Marshall. Marshall acreditava que uma Europa Ocidental financeiramente e economicamente segura não cairia no comunismo e que a região se tornaria um importante parceiro comercial da América. O otimismo de Marshall para a Europa Ocidental não foi totalmente compartilhado por muitos na França. Havia um sentimento geral na França de que a região ainda seria novamente dominada pela Alemanha Ocidental se as oportunidades certas ocorressem. Portanto, havia uma chance de a Alemanha Ocidental ameaçar a França mais uma vez no futuro.

Schuman e Monet começaram a encontrar uma maneira de amarrar a França e a Alemanha Ocidental mais próximas, de modo que o próprio pensamento de uma ameaça à outra retrocedesse no passado. Eles propuseram que as indústrias siderúrgicas da Europa Ocidental fossem ligadas sob uma

"Alta autoridade comum em uma organização aberta a todos os outros países."

Houve alguma cooperação econômica entre a Alemanha e a França antes da Segunda Guerra Mundial e houve um desejo de restaurar isso depois da guerra.

A França tinha uma boa razão econômica para colocar seu peso por trás do projeto, pois a produção de carvão e aço da Alemanha Ocidental estava se expandindo rapidamente. O que se tornaria o EISC deu à França uma alavanca para esse crescimento. O clima político da época não permitiu que a Alemanha Ocidental dominasse nenhuma nova organização e o único país que poderia desempenhar esse papel era a França. Os franceses avaliaram, com razão, que o Reino Unido não ingressaria em uma organização que exigisse que qualquer membro entregasse efetivamente o controle de sua indústria siderúrgica a um órgão externo.

Embora o Reino Unido quisesse manter seu domínio sobre as indústrias siderúrgicas, isso não acontecia na Europa Ocidental continental. Itália, Holanda, Bélgica e Luxemburgo, todos viram o valor de uma maior integração européia se o futuro conflito fosse erradicado. Essas nações aderiram às discussões e em 1951 o Tratado de Paris foi assinado.

O Tratado de Paris criou a Comunidade Européia de Ferro e Aço, com a França, Alemanha Ocidental, Itália e os países do Benelux. O tratado tinha três pontos principais:

1) Haveria um mercado para os produtos de carvão e aço dos seis países membros, com o fim dos direitos aduaneiros entre eles.

2) O EISC estaria sob o controle da 'Alta Autoridade'. Jean Monet foi o primeiro presidente da Autoridade.

3) O tratado também estabeleceu um Conselho de Ministros, uma Assembléia Parlamentar e um Tribunal de Justiça.

A lógica do EISC era garantir que os estados membros continham um fornecimento regular de ferro e aço e que o custo de cada produto fosse acessível. No entanto, o lucro não era visto como uma palavra suja, pois era necessário dinheiro para manter o EISC constantemente modernizado. Os líderes do EISC também acreditavam que a organização precisava se expandir para se desenvolver. O que seria um grande desenvolvimento econômico na Europa também levou a um grande rival da indústria siderúrgica do Reino Unido. Essa rivalidade quase certamente contribuiu para o sentimento anti-europeu que existia no Reino Unido na época - um que deveria ser identificado e captado por Charles de Gaulle.

Posts Relacionados

  • O Tratado de Versalhes

    O Tratado de Versalhes foi o acordo de paz assinado após o término da Primeira Guerra Mundial, em 1918, e à sombra da Revolução Russa e…