Curso de História

América e tecnologia de foguetes

América e tecnologia de foguetes

Os Estados Unidos também se esforçaram bastante na pesquisa de foguetes. Na primavera de 1945, a Marinha dos EUA sozinha possuía 1.200 fábricas que trabalhavam na produção de foguetes. No entanto, a aquisição americana de Wernher von Braun e sua contribuição para o desenvolvimento de foguetes no pós-guerra nos Estados Unidos tenderam a ofuscar o trabalho realizado pelos EUA durante a guerra.

Provavelmente o foguete de maior sucesso desenvolvido pelos americanos foi a bazuca. O desenvolvimento da bazuca começou em dezembro de 1940. O resumo dos cientistas foi o desenvolvimento de uma arma que pudesse levar um tanque, mas que não apresentasse os problemas inerentes que atormentavam qualquer arma que disparasse uma concha que perfurava uma armadura - recuo alto. O míssil disparado pela bazuca desenvolveu sua velocidade durante o vôo - não quando foi disparado. Portanto, era muito mais fácil para um soldado de infantaria usá-lo em combate, em vez de uma arma que tivesse potencialmente um recuo prejudicial. O míssil disparado por uma bazuca pesava 3 ½ libras, tinha 21 polegadas de comprimento e foi disparado de um tubo de 7 polegadas.

Na guerra, a bazuca era uma arma formidável. Poderia destruir um tanque a 200 metros e um alvo fixo, como um poste de metralhadora, poderia ser destruído a partir de 750 metros. Versões maiores foram desenvolvidas para aviões. À medida que a guerra avançava, o 'whiz-bang' de 20 tubos e o 'grand slam' de 24 tubos eram usados ​​pelos aviões. No Extremo Oriente, um lançador de foguetes de 120 tubos, o 'Woofus', foi instalado em embarcações desembarcadas. Os foguetes lançados eram lentos (200 km / h e tinham um alcance de apenas 200 metros), mas eram altamente eficazes. Eles foram usados ​​para bombardear uma praia quando a embarcação de desembarque se aproximou, dando assim aos soldados que estavam pousando mais proteção contra os defensores japoneses.

Um interessante desenvolvimento de foguetes americanos envolveu ataques com submarinos. Era muito fácil para um avião atacante ultrapassar o alvo pretendido - um submarino - para que suas bombas não atingissem o alvo. A Marinha dos EUA usou um retrocesso em suas bombas para diminuir a velocidade de descida de suas bombas, tornando-as muito mais precisas e mortais. O último submarino a ser afundado na Segunda Guerra Mundial foi em 30 de abril de 1945, no Golfo da Biscaia - por uma dessas bombas.

Os americanos também desenvolveram o 'Morcego', na foto acima, que era um míssil guiado de longo alcance com quase 12 pés de comprimento e capaz de 3.000 mph. Tinha um alcance de 32 quilômetros. No entanto, entrou em produção tarde demais na guerra para causar um grande impacto.

Posts Relacionados

  • América e tecnologia de foguetes

    Os Estados Unidos também se esforçaram bastante na pesquisa de foguetes. Na primavera de 1945, a Marinha dos EUA sozinha possuía 1.200 fábricas que funcionavam…