Podcasts de história

Imperador Taizong

Imperador Taizong


Imperador Taizong - História

O imperador Taizong de Tang (599-649) foi o segundo imperador de Tang e frequentemente considerado um dos imperadores mais bem-sucedidos da história chinesa. Ele nasceu Li Shimin, filho do imperador Gaozu, o fundador da dinastia Tang. Ele assumiu o nome de Taizong em 626, quando se tornou imperador.

Vida pregressa

Li Shimin (Imperador Taizong) nasceu de mãe, duquesa Dou, e pai de Li Yuan (que mais tarde se tornaria Imperador Gaozu. Seu nome de nascimento, Shimin, foi tirado de uma frase chinesa que significa & # 8216 salvar a terra e pacificar o pessoas & # 8217. Li Shimin tinha três irmãos: Li Jiancheng (mais velho), Li Yuanji (mais jovem) e Li Xuanba (também mais jovem, mas morreu em 614).

Aos 14 anos, Li Shimin era casado com a sobrinha de Gao Shilian, um oficial da dinastia Sui então governante. Dois anos depois, em 615, Li Shimin se juntou ao exército em resposta a um chamado do imperador Wen para que os homens ajudassem contra os ataques do Tujue oriental. Em 616, quando Li Yuan foi nomeado governador da grande cidade de Taiyuan, Li Shimin foi com ele.

Com a dinastia Sui começando a entrar em colapso, Li Yuan e outros oficiais começaram a cair em desgraça com o imperador Yang. Li Shimin secretamente começou a tramar uma rebelião contra o imperador com dois dos sócios de seu pai, Liu Wenjing e Pei Ji. O trio revelou seus planos a Li Yuan, Pei Ji o lembrou que se o imperador Yang descobrisse que Li Yuan havia cometido adultério com suas concubinas (o que Pei Ji permitiu que acontecesse), o imperador o mataria. Com isso, Li Yuan concordou com o plano.

Os irmãos de Li Shimin e # 8217s foram convocados para a cidade de Tiayuan e a família começou a reunir forças. Li Shimin foi nomeado duque de Dunhuang e também general do exército. Sob condições climáticas adversas e forte oposição, Li Yuan ordenou a retirada logo após o início da campanha. No entanto, Li Shimin, assim como seu irmão Li Jiancheng, objetou veementemente, convencendo seu pai a continuar. Logo as forças foram consolidadas e a capital, Chang & # 8217an, foi capturada.

Inicialmente, Li Yuan instalou Yang You (neto do imperador Yang) como Imperador Gong de Sui. Em 618, quando o Imperador Yang foi assassinado, o Imperador Gong concedeu o trono a Li Yuan. Nesse ponto, Li Yuan criou a dinastia Tang e se tornou o imperador Gaozu. Ele nomeou Li Shimin como o Shangshu (responsável pelo governo executivo) e também como Príncipe de Qin. Ele também permaneceu um major-general ativo.

Durante os primeiros anos da dinastia Tang, Li Shimin continuou a exibir habilidades militares impressionantes. Seus exércitos derrotaram com sucesso os principais rivais da dinastia Tang, às vezes em número muito inferior. Embora Li Shimin fosse amplamente respeitado entre os militares, assim como por seu pai, o ciúme aumentou em seu irmão mais velho, Li Jiancheng, pelo título de príncipe herdeiro. Li Jiancheng teve o apoio de seu irmão mais novo, Li Yuanji, e juntos eles conseguiram convencer o imperador Gaozu a deixar Li Jiancheng como príncipe herdeiro.

Batalha pela coroa

A rivalidade entre Li Shimin e Li Jiancheng começou a se intensificar em 624. Li Jiancheng começou a aumentar seus exércitos contra os regulamentos do imperador Gaozu. O imperador convocou Jiancheng ao palácio e o prendeu, prometendo fazer de Li Shimin o príncipe herdeiro. Depois, Li Shimin foi enviado para liderar a batalha contra o comandante de Li Jiancheng & # 8217s, Yang Wen & # 8217gan, que estava se rebelando. Depois que Li Shimin deixou Li Jiancheng, Li Yuanji, bem como membros da equipe e concubinas, pleitearam o caso de Li Jiancheng & # 8217s com o imperador. Ele foi convencido a libertar Li Jiancheng e deixá-lo como príncipe herdeiro.

Quando Li Shimin adoeceu com intoxicação alimentar após comer no palácio de Li Jiancheng, ele se convenceu de que era um atentado contra sua vida. Houve vários incidentes entre os irmãos, incluindo Li Jiancheng fazendo Li Shimin cavalgar um cavalo que era famoso por derrubar cavaleiros.

Em 626, o imperador Gaozu escolheu Li Yuanji em vez de Li Shimin para liderar uma batalha crucial contra os Tujue orientais e o problema atingiu o ápice. Li Shimin acusou Li Yuanji e Li Jiancheng de adultério com as concubinas do imperador. Como ele esperava, o imperador Gaozu imediatamente convocou os dois para seu palácio. Li Shimin preparou uma emboscada fora dos portões principais. Quando seus dois irmãos rivais se aproximaram, eles foram mortos. Li Shimin entrou no palácio do imperador Gaozu e insistiu em nomear Li Shimin como príncipe herdeiro. Ele fez.

Li Shimin também matou os filhos de seus irmãos, temendo uma rebelião. Ele tomou a esposa de Li Yuanji como concubina. Depois de apenas dois meses, o imperador Gaozu foi convencido a deixar o trono e Li Shimin se tornou o imperador Taizong de Tang.

Imperador de Tang

O imperador Taizong fez muitas mudanças na dinastia Tang. Ele lançou centenas de Ladies in Waiting, embora se diga que mais tarde ele acumulou ainda mais do que lançou. Ele retirou os títulos e a classificação de vários membros da família real, atribuindo seu status de acordo com sua contribuição para a sociedade Tang. Ele enterrou seus irmãos assassinados com honras.

O imperador Taizong libertou a maioria dos conselheiros e funcionários de seu pai. Ao reestruturar o governo, ele levou em consideração sugestões e críticas de seus funcionários. Ele implementou suas ideias onde achou apropriado. Embora ele tenha enfrentado a rebelião de vários parentes descontentes, todos foram rapidamente derrotados. Em 627, o imperador Taizong consolidou muitos pequenos condados e prefeituras. Ele também criou outro nível de governo dentro da dinastia Tang, os circuitos.

Em 628, a oposição de longa data da dinastia Tang, Eastern Tujue, começou a enfraquecer. Alguns aliados e oficiais anteriores desertaram para Tang. Sem o apoio desta região, Liang não foi mais capaz de lutar contra as forças do Imperador Taizong. Naquele ano, Liang caiu para a Dinastia Tang, finalmente realizando o objetivo de unir a China.

Em 629, enquanto o Tujue oriental continuava enfraquecendo, o imperador Taizong viu a oportunidade de finalmente conquistar seus inimigos de longa data. Com Li Jing liderando o exército e Li Shiji, Chai e Xue Wanche como generais, o Imperador se preparou para a batalha. Eles lançaram com sucesso um ataque contra vários pontos. Em 630, o imperador Taizong declarou vitória sobre o Tujue oriental.

Por volta de 634, o imperador Taizong já havia estabelecido seu governo e tinha funcionários investigando os circuitos para garantir que as pessoas fossem atendidas e os líderes fossem capazes. Por esta altura, ele também estava enfrentando um novo rival Murong Fuyun de Tyuhun que estava atacando as fronteiras após negociações fracassadas para o Príncipe de Zun se casar com uma princesa Tang. Por volta de 635, as forças de Yuyuhun foram derrotadas. Naquele mesmo ano, o pai do imperador Taizong, o ex-imperador Gaozu, morreu.

Em 636, o imperador Taizong começou a atribuir cargos importantes a seus filhos e irmãos, com títulos apropriados. Ele não mudou o título de Li Tai, Príncipe de Wei, que estava se tornando seu filho favorito. Naquele ano, sua esposa, a Emperess Zhangsun, morreu. Taizong lamentou profundamente sua perda.

Nos anos seguintes, o Imperador Taizong fez várias outras mudanças na estrutura de Tang, incluindo o Registro de Clãs. Esta foi uma tentativa de classificar os clãs com base em suas contribuições e feitos, pois ele acreditava que eles estavam abusando do poder de seus nomes nobres. Embora tenha encarregado funcionários de compilar o trabalho, ele posteriormente o revisou, pois discordava de algumas de suas conclusões.

Desafios de vários povos inimigos foram evitados com sucesso nos anos seguintes. Em 640, relações pacíficas com Tufan foram estabelecidas por meio do casamento de uma princesa Tang. No ano seguinte, um dos ataques mais significativos ocorreu na região de Eastern Tujue From Yi & # 8217nan. As forças Tang lideradas por Li Shiji prevaleceram.

Em 643, o imperador Taizong estava começando a enfrentar uma agitação dentro de sua própria família. Li You, um dos filhos do imperador & # 8217s, encenou uma rebelião. No entanto, Li You foi capturado por seus próprios oficiais e entregue ao imperador Taizong, que o forçou a cometer suicídio. Este incidente gerou outro complô de rebelião de Li Chengqian, que temia ser substituído por Li Tai como o próximo imperador. Quando um dos próprios oficiais de Li Chengqian & # 8217s revelou a trama ao imperador, ele decidiu depor Li Chengqian, deixando-o viver.

Inicialmente, o imperador Taizong pretendia fazer de Li Tai o príncipe herdeiro. No entanto, após investigação, ele decidiu depor Li Tai também, devido à sua manipulação na questão da queda de Li Chengqian & # 8217s. Li Zhi, um filho mais novo, foi nomeado príncipe herdeiro.

Em 645, o Imperador Taizong & # 8217s, as forças começaram a travar uma batalha amarga e malsucedida contra o Goguryeo. Ele também adoeceu neste mesmo ano e, segundo todos os relatos, nunca se recuperou completamente. Nos anos seguintes, as forças Tang lideraram uma batalha bem-sucedida contra Xueyantuo e começaram a planejar um novo ataque contra Goguryeo. Em 649, as forças foram definidas para começar esta nova batalha, no entanto, o imperador Taizong morreu antes que pudesse iniciar o ataque. Três dias após sua morte, foi oficialmente anunciado e Li Zhi tornou-se imperador Gaozong de Tang.


Taizong o imperador

Com este golpe começou o reinado do imperador Taizong. Sua imagem seria reverenciada por mais de um milênio, não apenas pelos monarcas chineses, mas por estadistas japoneses e coreanos e pelos governantes dos povos vizinhos da China ao norte. Não é fácil separar o Taizong real dos mitos que ele mesmo encorajou e que seus próprios historiadores incorporaram ao registro dinástico. Eles foram apresentados em um relato vívido e idealizado de sua corte, o Zhenguan zhengyao, escrito em 708–710, como um modelo utópico de governo ideal. Ele dá a imagem de um imperador poderoso e decisivo governando com a ajuda de um grupo de ministros-chefes talentosos e bem escolhidos. Isso o mostra como receptivo às suas exortações e protestos francos e como empático para com os sentimentos de seu povo.

No início, o estilo de governo do imperador Taizong se aproximou de sua imagem ideal. Ele ainda era muito jovem, um usurpador que precisava resolver as diferenças entre seus próprios apoiadores na corte e aqueles que apoiavam seus irmãos. Seus mentores moralistas confucionistas foram Wei Zheng, que serviu a um regime rebelde rival e mais tarde foi conselheiro de Li Jiancheng, e que assumiu o papel de consciência pública de Taizong, e Xiao Yu, um descendente de uma antiga família governante do sul. Os arquitetos práticos de suas políticas foram Du Ruhui e Fang Xuanling, que o serviram desde 618, e seu cunhado muito mais jovem, Changsun Wuji, cuja irmã era a imperatriz de Taizong e que era a melhor amiga e conselheira de Taizong. Todos esses homens tiveram um mandato muito longo e deram muito do caráter especial ao reinado de Taizong.

Seja qual for o estilo de Taizong, a maioria das políticas e instituições básicas da dinastia foram postas em prática por seu pai, o imperador Gaozu. A estrutura do governo e o código legal detalhado, que deveriam fornecer modelos para todo o Leste Asiático, já estavam concluídos. A tarefa de Taizong era fazer com que essas instituições funcionassem de maneira eficaz.

O principal problema foi restabelecer o governo local após anos de rebelião e guerra civil. Demorou a maior parte do reinado de Taizong para restaurar a administração civil normal e criar um serviço civil unificado. Mesmo assim, no final de seu reinado, suas administrações locais conseguiram registrar apenas cerca de um terço dos que haviam se registrado no Sui. Embora fosse conhecido por seu governo relativamente frugal, Taizong tinha pouca escolha: sua base tributária foi reduzida em quase dois terços. A base tributária reduzida foi ainda mais cortada por um sistema de milícia que visava fornecer uma grande reserva permanente de mão de obra militar autossuficiente. Os soldados receberam isenção de impostos e serviços trabalhistas.

O imperador Taizong também teve que lidar com os grandes clãs de Shandong, que se consideravam os superiores da casa real. Ele fez isso produzindo um compêndio nacional de genealogias, classificando a casa real em primeiro lugar. Taizong desenvolveu ainda mais as escolas estaduais estabelecidas por Gaozu e criou uma diretoria da academia nacional para supervisioná-las. Escolas provinciais, incluindo escolas médicas, foram estabelecidas em todo o país, e um esforço sistemático foi lançado para editar os textos do cânone confucionista e fornecer comentários padrão para os candidatos aos exames. Histórias oficiais também foram compiladas.


Imperador Taizong de Tang


Taizong (nome de nascimento, Li-Shimin, 598-649 dC, r. 626-649 dC) foi o segundo imperador da Dinastia Tang e é considerado um dos maiores governantes da história chinesa por suas reformas do governo e das leis, sua tolerância religiosa e a prosperidade que a China desfrutou sob seu reinado. Taizong estabeleceu o padrão para os governantes da Dinastia Tang, considerada a Idade de Ouro da história chinesa, pela qual seus sucessores foram avaliados. O reinado de Taizong tornou-se lendário na medida em que o último bom imperador da Dinastia Tang, Xuanzong II (846-859 DC) modelou seu próprio reinado após o de Taizong e foi lembrado após sua morte como "Pequeno Taizong".

Taizong era filho do primeiro imperador da Dinastia Tang, Gaozu (618-626 CE) e serviu sob ele como general na derrubada do governo da corrupta Dinastia Sui (589-618 CE). Taizong foi preterido na sucessão em favor de seu irmão mais velho, mas encenou um golpe no qual assassinou seu irmão, outros irmãos e, finalmente, seu pai para tomar o trono e o poder imperial. Ele provou ser um governante tão eficaz que esses crimes foram perdoados e ele reinou com sucesso até sua morte, quando foi sucedido por seu filho, Gaozong (649-683 DC) e, em seguida, sua ex-concubina Wu Zetian (683-704 DC), o único monarca na história da China, que aprendeu suas habilidades como imperatriz com Taizong.

O nome de nascimento de Taizong era Li-Shimin e ele nasceu em 598 EC na atual província de Shaanxi, o segundo filho de Li-Yuan. Li-Yuan era o duque de Tang e um general do exército da dinastia Sui, que se tornava cada vez mais corrupto. Nos anos finais, os últimos imperadores dos Sui esgotaram o tesouro imperial em campanhas militares, ignorando as necessidades do povo. Li-Yuan juntou-se a outros rebeldes para liderar uma revolta que derrubou a Dinastia Sui e se estabeleceu como Gaozu, primeiro imperador da Dinastia Tang.


TAIZONG FOI UM BRILHANTE ESTRATÉGICO & UM LÍDER CARISMÁTICO CUJAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EXTREMIDADE DO SUI FORAM RECOMPENSADAS QUANDO SEU PAI O NOMEOU DUQUE DO ESTADO DE QIN.

De acordo com a história pessoal posterior de Taizong, ele foi fundamental nos aspectos mais importantes da vitória de Tang, fornecendo as táticas para seu pai. Taizong foi um estrategista brilhante e líder carismático cujas contribuições para a derrubada dos Sui foram recompensadas quando seu pai o nomeou Qinguogong, um vassalo do estado, e mais tarde Qin Wang, duque do estado de Qin. Como Qin Wang, ele esmagou a resistência ao governo de Gaozu e estabilizou o país.

Gaozu foi um bom imperador que deu continuidade às melhores políticas da Dinastia Sui enquanto reduzia os abusos e reformava as políticas que os permitiam. Foi Gaozu quem implementou as práticas burocráticas que Taizong mais tarde modificou e que ainda são usadas na China hoje. Embora governasse bem, Qin Wang estava se tornando mais popular entre o povo por suas ações militares contra os legalistas Sui e isso preocupava seus irmãos. Qin Wang era apenas o duque, não o príncipe herdeiro, e seu irmão mais velho Li-Jiancheng temia que ele pudesse tentar substituí-lo como herdeiro, então Li-Jiancheng conspirou com os outros irmãos para eliminar Qin Wang.

Gaozu parecia alheio a esses problemas e continuou a governar bem, criando o Código Legal Tang em 624 dC, que seria usado por futuras dinastias e até mesmo copiado por outras nações como Japão, Coréia e Vietnã. Ele também reformou a aristocracia para evitar a tributação excessiva dos agricultores camponeses e redistribuiu as parcelas de terra. Enquanto ele estava ocupado governando o país, seus filhos trabalhavam em várias conspirações para se livrar de Qin Wang e garantir a sucessão legítima. Qin Wang foi informado dos planos de seus irmãos e contou a seu pai sobre eles. Pouco antes disso, Gaozu havia nomeado Li-Jiancheng seu herdeiro e este decreto foi mais do que Qin Wang poderia suportar. Ele acreditava que merecia algo melhor do que a posição de Duque de Qin por causa de seus esforços para reprimir as rebeliões Sui e devido à sua popularidade entre o povo.

Qin Wang ouviu que seus irmãos iam encenar um golpe para remover Gaozu e assumir o trono. Eles então seriam capazes de assassiná-lo facilmente e Li-Jiancheng se tornaria imperador com os irmãos elevados a cargos de corte superior. Qin Wang colocou soldados leais a ele perto do Portão Xuanwu do palácio, a rota que ele sabia que seus irmãos iriam tomar, que então atacaram quando estavam passando e mataram todos eles. Qin Wang foi feito príncipe herdeiro, forçou seu pai a abdicar para ele e foi feito imperador da China. Uma vez que foi imperador, ele assumiu o nome de Taizong, executou seus oponentes (incluindo seu pai, finalmente) e então usou o conceito de adoração aos ancestrais a seu favor e declarou que todos aqueles que haviam sido mortos eram agora seus conselheiros celestiais. Taizong mostrou-se um general e estadista tão eficaz sob a administração de seu pai que ninguém o questionou depois que assumiu o controle.

Uma das primeiras coisas que Taizong fez foi criar a Comissão de História para registrar a ascensão e queda da Dinastia Sui e como ele, Taizong, fundou a Dinastia Tang. Na versão da história de Taizong, ele sempre foi a força por trás de seu pai. Ele então se dedicou a provar sua conta, tornando-se um imperador maior que seu pai. Por volta de 630 dC, ele derrotou os Goturks e recuperou o controle dos territórios que eles haviam confiscado. Como medida de segurança, ele proibiu todas as viagens não autorizadas ao exterior para limitar a possibilidade de espiões no país. Não se sabe até que ponto essa proibição foi eficaz, mas o famoso monge budista e escritor de viagens Xuanzang (602-664 dC) escreveu sobre quantos postos de controle havia ao longo das fronteiras e como ele teve que passar por cima dos guardas no Passo de Yumen em seu caminho para a Índia.

TAIZONG ERA UM BUDISTA DEVOTO E ACREDITAVA QUE TODAS AS FÉS DEVEM SER CAPAZES DE VIVER EM PAZ.

Em 634 dC Taizong assinou um tratado de paz com o Tibete e deu ao rei tibetano sua filha adotiva como noiva. A tolerância religiosa e a diversidade na China floresceram sob o reinado de Taizong. O budismo tornou-se amplamente praticado, superando o confucionismo e restringindo a popularidade do taoísmo. Taizong permitiu que o missionário cristão Alopen pregasse sua religião na China em 635 EC, introduzindo conceitos cristãos ao país e em 638 EC uma missão persa foi autorizada a estabelecer grupos zoroastrianos. Entre 638-645 EC, delegados de vários governos, incluindo o bizantino, foram a Taizong solicitando ajuda para impedir a disseminação militante do Islã, mas Taizong recusou porque não queria se envolver em guerras religiosas. Taizong era um budista devoto e acreditava que todas as religiões deveriam ser capazes de viver juntas pacificamente.

Da mesma forma que acolheu todas as diferentes religiões, ele abraçou diversas etnias e elevou pessoas de diferentes grupos étnicos a posições na corte imperial. Ele estava aberto a conselhos e ouvia atentamente a sabedoria de seus conselheiros. Quando seu chanceler, Wei Zheng, apontou mais de 200 erros que o imperador havia cometido até então em seu reinado, Taizong aceitou as críticas e as corrigiu. Quando soube que uma expedição militar seria muito cara para o povo, ele a abandonou. Ele gostava de sua própria companhia e era um poeta e escritor talentoso que escreveu dois livros, Di Fan e Zhen Guan Zheng Yao (Modelo de um imperador e a estratégia de governo do imperador), que se tornariam recursos importantes para governantes posteriores.

Em c. 638 CE Taizong selecionou uma linda garota de quatorze anos, Wu Zhao, como uma de suas concubinas. O termo "concubina" é freqüentemente associado ao sexo, mas na verdade as concubinas da corte imperial prestavam muitos serviços ao imperador, como cantar, dançar, limpar e lavar roupa. Wu Zhao foi designado para trabalhar na lavanderia e desempenhou bem suas tarefas.

Ela sabia, porém, que era feita para coisas melhores do que lavar roupas e lençóis sujos de outras pessoas e, um dia, quando se viu sozinha com Taizong, começou a falar com ele como se ele fosse outra pessoa na lavanderia, não o homem mais poderoso da China. Taizong ficou surpreso ao ver que sua lavadeira era tão bem informada sobre a história chinesa e tão hábil na conversação. Ele logo descobriu que ela também cantava, dançava, tocava música, escrevia poesia e tinha ideias interessantes sobre governo e história. Ele tirou Wu Zhao da lavanderia e fez dela sua secretária pessoal.

Wu Zhao tornou-se o companheiro constante de Taizong na corte e estava envolvido em todas as reuniões e conferências que o imperador mantinha com seus conselheiros e dignitários estrangeiros. Taizong a chamava de Mei-Niang, "linda garota" e a mantinha presente durante todas as suas transações comerciais, bem como em seus momentos de lazer. Wu Zhao foi uma observadora atenta que absorveu tudo o que ela experimentou durante essas reuniões e aprendeu as habilidades que Taizong usava para governar de forma tão eficaz. Ela era esperta e inteligente, mas também bonita, e atraiu a atenção de muitos homens da corte. Um desses homens era Li Zhi, filho de Taizong, que já era casado na época, mas se apaixonou profundamente por Wu Zhao. Ela começou um caso com ele enquanto ainda mantinha sua posição como a concubina favorita de Taizong.

As campanhas militares de Taizong foram realizadas principalmente entre 640-649 CE contra os chamados Estados Oásis dos Goturks. Taizong entendeu que uma força militar profissional era necessária para a defesa e também para a expansão de seu reino. O historiador Justin Wintle escreve:

Sob Taizong, um total de 600 unidades de milícia foram formadas, consistindo de 800 a 1200 homens. Militamen, isento de impostos, podia servir em destacamentos de curto prazo para a capital ou em guarnições de fronteira ou em suas próprias províncias. Eles eram supervisionados por um corpo profissional de oficiais, girando em torno do império para impedir a possibilidade de formarem bases de poder pessoais. Os Tang também mantinham uma força permanente, a elite "Exército do Norte", acampada fora da capital. Essas e outras medidas relacionadas eram caras, mas por 150 anos elas se pagaram permitindo que o império se expandisse comercialmente, bem como territorialmente, sem as distrações da revolta interna (143).

Taizong enviou seu exército contra o Khaganato turco oriental na Bacia de Tarim depois que as medidas diplomáticas falharam. Originalmente, as relações entre a Dinastia Tang e a cidade de Gaochang eram calorosas. O rei de Gaochang, Qu Wentai, visitou Taizong em Chang'an em 630 EC, mas surgiu uma disputa entre Gaochang e uma cidade vizinha de Yanqi que irrompeu em hostilidades e fez Taizong declarar guerra.

A cidade de Yanqi ficava em uma estrada comercial que serpenteava pelo deserto até centros importantes na China. A estrada foi fechada por Taizong para impedir seu uso por espiões ou rebeldes e os mercadores de Yanqi tiveram que viajar por Gaochang para chegar à China. Esses comerciantes começaram a negociar em Gaochang em vez de fazer uma viagem mais longa para a China. O rei de Yanqi, Long Tuqizhi, enviou um emissário a Taizong solicitando que a estrada fosse reaberta porque seus mercadores não estavam obtendo os preços de seus produtos em Gaochang que costumavam receber em Chang'an. Taizong concordou com o pedido e a estrada foi reaberta, mas isso enfureceu Gaochang, que atacou Yanqi. O rei Qu Wentai de Gaochang então se aliou a tribos hostis à Dinastia Tang e invadiu outros assentamentos Yanqi, destruindo cidades e capturando cidadãos para resgate ou venda como escravos.

Taizong enviou um emissário a Gaochang pedindo a Qu Wentai que enviasse um emissário em troca para discutir a situação. Em vez de honrar Taizong enviando o emissário especificamente solicitado, Qu enviou um oficial inferior e firmou novos tratados com cidades hostis ao governo Tang. Em 640 EC, Taizong enviou seu general Hou Junji para quebrar o poder de Gaochang e forçar Qu Wentai a obedecer aos decretos de Tang. Quando Qu Wentai soube que o grande exército Tang estava marchando sobre sua cidade, ele morreu, provavelmente de um ataque cardíaco. Seu filho Qu Zhisheng o sucedeu e rapidamente escreveu ao General Hou se desculpando pelo comportamento passado de Gaochang e prometendo melhores relações no futuro. Hou Junji rejeitou o apelo e exigiu que Qu Zhisheng se rendesse incondicionalmente. Qu Zhisheng recusou e o general Hou atacou Gaochang.

O exército de Qu Zhisheng não era páreo para o exército Tang altamente treinado e a cidade caiu rapidamente. Taizong então anexou os territórios e os guarneceu com tropas. Os problemas com Gaochang foram resolvidos, mas agora os Yanqi se aliaram ao Khaganato turco ocidental e se declararam hostis aos interesses Tang em c. 644 CE. Taizong os derrotou e reivindicou suas terras e então enviou o exército para subjugar os turcos orientais, finalmente reivindicando toda a Bacia de Tarim como parte de seu reino em 648 CE.

Taizong contraiu disenteria e morreu em 649 EC. Ele foi enterrado com grande cerimônia em sua província natal em uma tumba conhecida como Mausoléu de Zhao. Li Zhi o sucedeu como imperador e adotou o nome de Gaozong. Gaozong teria que continuar as guerras de seu pai na Bacia do Tarim enquanto os turcos se revoltavam e o exército Tang era enviado para acabar com as rebeliões. Após a morte de Taizong, todas as suas concubinas tiveram a cabeça raspada e foram enviadas para viver o resto de suas vidas em um mosteiro. Gaozong estava tão apaixonado por Wu Zhao, porém, que a trouxe de volta ao palácio e fez dela sua primeira concubina. Ela se tornou o poder por trás do trono desde 660 DC e quando Gaozong morreu em 683 DC Wu Zhao tomou o poder e se tornou a imperatriz Wu Zetian.

Embora muitos aspectos de seu reinado tenham sido duramente criticados por historiadores chineses posteriores, Wu Zetian seguiu o exemplo de Taizong de muitas maneiras e aprimorou suas políticas. Wu Zetian lançou as bases para o próximo grande imperador da China, Xuanzong (712-756 DC), sob cujo reinado a Dinastia Tang alcançaria seu auge. Embora suas realizações fossem próprias, ela aprendera suas habilidades com Taizong.

Taizong se tornou o imperador modelo que estabeleceu o padrão para todos os outros governantes de sucesso que o seguiram. Seu nome sempre foi invocado em louvor por suas políticas e ele ainda é considerado um dos maiores governantes da história chinesa. Os outros imperadores da Dinastia Tang foram medidos pelo quão perto eles alcançaram os padrões de Taizong e muito poucos, possivelmente nenhum, jamais os excederam.

Quase todos os outros governantes Tang, incluindo os bem-sucedidos Wu Zetian e Xuanzong que o seguiram diretamente, perderam de vista sua responsabilidade para com o povo e a terra e se entregaram a seus próprios prazeres privados. Taizong permaneceu fiel às suas responsabilidades desde o momento em que assumiu o controle do governo até sua morte e, portanto, continua a ser considerado com honra como o modelo de um grande imperador.


Conteúdo

O Reino de Silla fez inúmeros pedidos ao tribunal Tang de assistência militar contra Goguryeo, que o tribunal Tang começou a considerar não muito depois de terem derrotado definitivamente os Göktürks em 628. [5] Ao mesmo tempo, no entanto, Silla também estava engajado em hostilidades abertas com Baekje em 642. [5] Um ano antes, em 641, o rei Uija havia assumido o trono de Baekje. [6] Em 642, o Rei Uija atacou Silla e capturou cerca de 40 pontos fortes. [7] Enquanto isso, em 642, o ditador militar Yeon Gaesomun assassinou mais de 180 aristocratas Goguryeo e tomou o trono de Goguryeo. [6] Ele colocou um rei fantoche no trono após matá-lo em 642. [8] Esses governos recém-formados em Baekje e Goguryeo estavam se preparando para a guerra e estabeleceram uma aliança mútua contra Tang e Silla. [6]

Conflito em 645 Editar

O imperador Taizong de Tang usou o assassinato do rei Goguryeo por Yeon Gaesomun como pretexto para sua campanha e iniciou os preparativos para uma força de invasão em 644. [8] O general Li Shiji comandou um exército de 60.000 soldados Tang e um número não revelado de forças tribais [8] ] que se reuniram em Youzhou. [8] O imperador Taizong comandou uma cavalaria blindada de 10.000 homens. [8] Sua cavalaria eventualmente se reuniu e se juntou ao exército do general Li Shiji durante a expedição. [8] Uma frota de 500 navios também transportou mais 40.000 soldados recrutados e 3.000 cavalheiros militares (voluntários da elite de Chang'an e Luoyang). [8] Esta frota navegou da Península de Liaodong para a Península da Coréia. [8]

Em abril de 645, o exército do general Li Shiji partiu de Yincheng (atual Chaoyang). [9] Em 1º de maio, eles cruzaram o rio Liao em território Goguryeo. [9] Em 16 de maio, eles sitiaram Gaimou (Kaemo), que caiu após apenas 11 dias, capturando 20.000 pessoas e confiscando 100.000 shi (6 milhões de litros) de grãos. [9]

Depois disso, o exército do general Li Shiji avançou para Liaodong (Ryotong). [9] Em 7 de junho, eles esmagaram um exército Goguryeo de 40.000 soldados, que havia sido enviado à cidade para libertar a cidade do cerco de Tang. [9] Poucos dias depois, a cavalaria do Imperador Taizong chegou a Liaodong. [9] Em 16 de junho, o exército Tang conseguiu incendiar Liaodong com projéteis incendiários e rompeu suas paredes defensivas, [9] resultando na queda de Liaodong para as forças Tang. [9] [10]

O exército Tang marchou ainda mais para Baiyan (Paekam) e chegou lá em 27 de junho. [9] No entanto, os comandantes Goguryeo renderam a cidade ao exército Tang. Posteriormente, o imperador Taizong ordenou que a cidade não fosse saqueada e seus cidadãos não fossem escravizados. [9]

Em 18 de julho, o exército Tang chegou à Fortaleza de Ansi. [9] Um exército Goguryeo, incluindo tropas Mohe, foi enviado para socorrer a cidade. [9] O exército de reforço Goguryeo totalizou 150.000 soldados. [11] No entanto, o imperador Taizong enviou o general Li Shiji com 15.000 soldados para atrair as forças de Goguryeo. [9] Enquanto isso, outra força Tang secretamente flanqueava as tropas inimigas por trás. [9] Em 20 de julho, os dois lados se encontraram na Batalha de Jupilsan e o exército Tang saiu vitorioso. [9] A maioria das tropas Goguryeo se dispersou após sua derrota. [11] As tropas Goguryeo restantes fugiram para uma colina próxima, mas se renderam no dia seguinte após um cerco Tang. [9] As forças Tang capturaram 36.800 soldados. [9] Destes prisioneiros, as forças Tang enviaram 3.500 oficiais e chefes para a China, executaram 3.300 tropas Mohe e, eventualmente, libertaram o resto dos soldados Goguryeo comuns. [9] No entanto, o exército Tang não conseguiu invadir a cidade de Ansi, [5] [10] [12] que foi defendida pelas forças de Yang Manchun. [5] [10] As tropas Tang atacavam a fortaleza seis ou sete vezes por dia, mas os defensores os repeliam todas as vezes. [13] Com o passar dos dias e semanas, o imperador Taizong considerou abandonar o cerco de Ansi para avançar mais profundamente em Goguryeo, mas Ansi foi considerado uma ameaça muito grande para ser abandonada durante a expedição. [12] Eventually, Tang staked everything on the construction of a huge mound, but it was captured and successfully held by the defenders despite three days of frantic assaults by Tang troops. [14] Furthermore, exacerbated by worsened conditions for the Tang army due to cold weather (winter was approaching) and diminishing provisions, Emperor Taizong was compelled to order a withdrawal from Goguryeo on October 13, [14] but left behind an extravagant gift for the commander of Ansi Fortress. [10] Tang Taizong's retreat was difficult and many of his soldiers died. [14]

Taizong himself tended to the injuries of the Tujue Generals Qibi Heli and Ashina Simo, who were both wounded during the campaign against Goguryeo. [15]

Conflicts in 654–668 and fall of Goguryeo Edit

Under Emperor Gaozong's reign, the Tang Empire formed a military alliance with the Silla Kingdom. [16] When Goguryeo and Baekje attacked Silla from the north and west respectively, Queen Seondeok of Silla sent an emissary to the Tang empire to desperately request military assistance. [16] In 650, Emperor Gaozong received a poem, written by Queen Jindeok of Silla, from the princely emissary Kim Chunchu, who would later accede the Silla throne as King Muyeol. [5] In 653, Baekje allied with Yamato Wa. [17] Even though Baekje was allied with Goguryeo, the Han River valley separated the two states and was a hindrance in coming to each other's aid in time of war. [17] King Muyeol assumed the Silla throne in 654. [18] Between 655 and 659, the border of Silla was harassed by Baekje and Goguryeo Silla therefore requested assistance from Tang. [19] In 658, Emperor Gaozong sent an army to attack Goguryeo [20] but was unable to overcome Goguryeo's stalwart defenses. [21] King Muyeol suggested to Tang that the Tang–Silla alliance first conquer Baekje, breaking up the Goguryeo–Baekje alliance, and then attack Goguryeo. [21]

In 660, the Tang empire and the Silla kingdom sent their allied armies to conquer Baekje. [20] The Baekje capital Sabi fell to the forces of Tang and Silla. [22] [23] Baekje was conquered on 18 July 660, [16] when King Uija of Baekje surrendered at Ungjin. [5] The Tang army took the king, the crown prince, 93 officials, and 20,000 troops as prisoners. [23] The king and the crown prince were sent as hostages to the Tang empire. [16] The Tang empire annexed the territory and established five military administrations to control the region instead of Silla, which they painfully accepted. [24] In a final effort, General Gwisil Boksin led the resistance against Tang occupation of Baekje. [25] He requested military assistance from their Yamato allies. [25] The Tang fleet, comprising 170 ships, advanced towards Chuyu and encircled the city at the Baekgang River. [26] As the Yamato fleet engaged the Tang fleet, they were attacked by the Tang fleet and were destroyed. [26] In 663, the Baekje resistance and Yamato forces were annihilated by the Tang and Silla forces at the Battle of Baekgang. [27] Subsequently, Prince Buyeo Pung of Baekje and his remaining men fled to Goguryeo. [26]

After the conquest of Baekje in 660, the Tang and Silla forces planned to invade Goguryeo. [22] In 661, the Tang forces set off to Goguryeo. [28] As the Tang army advanced with 350,000 troops, [29] Silla was only requested to provide supplies during this expedition. [29] In 662, Yeon Gaesomun defeated General Pang Xiaotai at the Battle of Sasu. [30] [31] The Tang army besieged Pyongyang, Goguryeo's capital, for several months until February 662, when it had to withdraw from the campaign due to the harsh winter conditions [28] and the defeat of its subsidiary force. [32]

In 666, the Goguryeo dictator Yeon Gaesomun died and an internal struggle between his sons for power broke out. [29] Goguryeo was thrown into chaos and weakened by the succession struggle among his sons and younger brother, with his eldest son (and successor) defecting to Tang and his younger brother defecting to Silla. [4] [33] Yeon Gaesomun's death paved the way for a fresh invasion by Tang and Silla in 667, this time aided by Yeon Gaesomun's oldest son. [4] The violent dissension resulting from Yeon Gaesomun's death proved to be the primary reason for the Tang–Silla triumph, thanks to the division, defections, and widespread demoralization it caused. [3] The alliance with Silla also proved to be invaluable, thanks to the ability to attack Goguryeo from opposite directions, and both military and logistical aid from Silla. [3] In 668, the Tang and Silla forces besieged and conquered Pyongyang, which led to the conquest of Goguryeo. [5] [22] [29] Over 200,000 prisoners were taken by the Tang forces and sent to Chang'an. [34]

In 669, the Tang government established the Protectorate General to Pacify the East to control the former territories of Goguryeo. [29] A subordinate office was placed in Baekje. [29] By the end of the war, the Tang empire had taken control over the former territories of Baekje and Goguryeo and tried to assert dominion over Silla. [35] Large parts of the Korean Peninsula were occupied by the Tang forces for about a decade. [28]

However, the Tang occupation of the Korean Peninsula proved to be logistically difficult due to shortage of supplies which Silla had provided previously. [36] Furthermore, Emperor Gaozong was ailing, so Empress Wu took a pacifist policy, and the Tang empire was diverting resources towards other priorities. [37] This situation favored Silla, because soon Silla would have to forcibly resist the imposition of Chinese rule over the entire peninsula. [37] War was imminent between Silla and Tang. [35] [37]

The Tang dynasty general Gao Juren of Goguryeo descent ordered a mass slaughter of Sogdians, identified by their big noses, and had their children impaled in Jicheng (Beijing) when he defeated An Lushan's rebels. [38] [39]


Taizong of the Tang Dynasty (reign: 626 AD – 649 AD)

Emperor Taizong of Tang improved the imperial examination systems for applicants into the civil service

The son of Emperor Gaozu (born Li Yuan), the founder of the Tang dynasty of China, Emperor Tang played a significant role in consolidating the gains his father made. Together with his father, Taizong fought bravely to oust the Sui Dynasty. He then worked very hard to lay the pillars for a successful Tang Dynasty, making many to claim that he was the co-founder of the Tang dynasty.

However, standing in between him and the throne was his older brother the Crown Prince. In what would later be called the Xuanwu Gate ambush, Taizong killed the Crown Prince and his younger brother.

Taizong reign saw the introduction of many reforms in the economy and the government, thereby ushering in a golden age of prosperity and stability for China. His reign was so critically acclaimed that many historians consider him one of the best emperors in Chinese history.

With the support of influential statesmen and generals, including Li Jing, Emperor Taizong’s reign saw massive military and economic gains, which in turn made the Tang dynasty one of the most successful dynasties of imperial China.

The Emperor introduced better imperial examination systems for applicants into the civil service. He was known for allowing some amount of criticisms against him. A truly rational ruler and considered by many as one of the most enlightened rulers of China, Taizong halted the spread of superstitious beliefs that he reasoned caused the empire to retrogress.

Você sabia: Because many emperors took a page from Emperor Tang’s policies, it was not uncommon for sinologists and historians to tag the second emperor of the Tang Dynasty as the greatest Chinese emperor of all time?


From Li Shimin to Taizong

Li Shimin , as Taizong was named at birth, was born in A.D. 598. He was the second son of the Tang Dynasty’s first emperor, Gaozu. Born into an influential family during the Sui Dynasty, Li Shimin was privileged to receive a high Confucian education. And even at an early age, Li Shimin exhibited valor. At 17 years old, he led a rescue operation when emperor Yang of the Sui Dynasty was ambushed by the Turk army of the Eastern Turkic Khaganate, and was successful.

When the Sui Dynasty was on the brink of collapse, he encouraged his father to build a new and better dynasty. Li Shimin served under his father as a general during the successful overthrow of the tyrannical dynasty. After his father ascended the throne as emperor Gaozu, Li Shimin was given the title of the Duke of Qin.

As the Duke of Qin , he waged battles and fought rivals, including the local military in Gansu, the forces of Song Jingang, and many more. He was victorious in many of his military conquests, so much so that his brothers were overshadowed by his milestones and soon cultivated hatred toward Li Shimin.

Li Shimin overshadowed his brothers due to his many military conquests. (Image: wikimedia / CC0 1.0)

But the man was not oblivious to his two brothers’ plot to eliminate him and usurp his military influence. He informed his father about the scheme and deployed his troops at Xuanwu Gate, the northern entrance leading into the palace where his brothers would meet their father the following day.

On the day of his brothers’ coup attempt, Li Shimin successfully prevented their evil plan, killing them in the process. Days later, he was given the title of prince, and after a few months, his father abdicated and passed the throne to him, making him the second emperor of the Tang Dynasty. Li Shimin, from then on, was renowned as Emperor Taizong.


7. Genghis Khan (1162 AD–1227 AD)

Often referred to as “the conqueror of the world,” Genghis Khan was the founder of the Mongolian Empire. The first great khan of the empire, he reigned from 1206 AD to 1227 AD and the empire flourished for years after his death.

Genghis Khan is also known as “the genocidal ruler” due to his brutality towards civilians. He expanded his empire, making the Mongolian Empire the largest empire in the history of China. He invaded many Eurasian and prominent Asian regions during his rule and almost every invasion led to the deaths of thousands of civilians which is how he gained such a fearsome reputation.

Despite being known for his brutality, Genghis Khan made many positive developments during his reign. He encouraged religious freedom, established the first international postal system and as a result of conquering various states of different ethnicities, his rule saw much trading and exchange of cultures.

Genghis Khan might have had a ferocious reputation but he played a major role in bringing Eastern and Western cultures into contact. Mongolians remember him as the founding father of Mongolia.


Wuhou

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Wuhou, Wade-Giles romanization Wu-hou, nome original Wu Zhao, também chamado Wu Zetian, (born 624 ce , Wenshui [now in Shanxi province], China—died December 16, 705, Luoyang), posthumous name (shi) of the woman who rose from concubinage to become empress of China during the Tang dynasty (618–907). She ruled effectively for many years, the last 15 (690–705) in her own name. During her reign, Tang rule was consolidated, and the empire was unified.

Why was Wuhou important?

Wuhou brought stability to the Tang dynasty and needed reforms to the reunified Chinese empire. Under her policy, China changed its social structure from a military and political aristocracy to a bureaucracy with officials selected by examination.

Who ruled after Wuhou?

In 705 Wuhou’s ministers and generals formed a conspiracy, seized the palace, and forced her to abdicate in favour of Zhongzong, her son whom she had deposed in 683 only one month after he assumed the throne. Zhongzong reigned until 710.

Wu Zhao entered the palace of the Tang emperor Taizong (ruled 626–649) in 638, at the age of 14, as a junior concubine. By that time, the Tang dynasty had recently reunited China, largely through the efforts of Taizong. Little is known of Wu’s life as a concubine of Taizong, but, on his death in 649, she is traditionally said to have already entered into intimate relations with his heir, the Gaozong emperor. Relegated to a Buddhist convent on the death of Taizong, as custom required, the future empress Wuhou was visited there by the new emperor, who had her brought back to the palace to be his own favourite concubine. She first eliminated her female rivals within the palace—the existing empress and leading concubines—and in 655 gained the position of empress for herself, eventually bearing Gaozong four sons and one daughter.

Wuhou used her authority to bring about the fall of the elder statesmen, all of whom had served Taizong and still exercised great influence over the government. These men opposed her elevation to the position of empress, mainly because, although she was the daughter of a relatively senior officer, her family was not one of the great aristocratic clans. They also objected to the nature of her relationship with Gaozong, on the grounds that, as she had been a concubine of Taizong, it was incestuous. By 660 the empress had triumphed over all opponents, who had been dismissed, exiled, and, in many instances, finally executed. Even the emperor’s uncle, the head of the great family of the Changsun, of imperial descent, was hounded to death, and his relatives were exiled or ruined.

Virtually supreme power was now exercised by the Wuhou empress in the name of the sickly Gaozong, who was often too ill to attend to state affairs for long periods. The emperor, who was weak in character, relied on her entirely, and, for the last 23 years of his life, the empress was the real ruler of China. She continued to eliminate potential rivals, even when these were her own relatives, but she governed the empire with great efficiency, employing able men who clearly felt loyalty to her and stood by her when she was challenged. Her great ability as an administrator, her courage, decisive character, and readiness to use ruthless means against any opponent, however highly placed, won her the respect, if not the love, of the court. In the years between 655 and 675, the Tang empire conquered Korea under military leaders who were picked and promoted by the empress.

When Gaozong died in 683, he was succeeded by his son Li Xian (by Wuhou), known as the Zhongzong emperor. The new emperor had been married to a woman of the Wei family, who now sought to put herself in the same position of authority as that of Wuhou, for Zhongzong was as weak and incompetent as his father. After one month Wuhou deposed her son, exiled him, and installed as emperor her second son, Li Dan (the Ruizong emperor), whose authority was purely nominal. A revolt was raised by Tang loyalists and ambitious young officials in the south. It was crushed within weeks with the loyal cooperation of the main armies of the throne. This demonstration of the support she commanded in the public service made the position of the empress unshakable.

Six years later, in 690, at age 65, the empress usurped the throne itself. Accepted without revolt, she ruled for 15 years. During that period the question of the succession began to assume great urgency. Her own nephews of the Wu family had hoped that, as she had already changed the name of the dynasty to Zhou, she would also displace the Tang heirs of the Li family and leave the throne to one of the Wu nephews. Neither of them nor their sons was popular or unusually capable on the other hand, Wuhou’s own sons, the two former emperors Zhongzong and Ruizong, had little support and less ability. But, even among her loyal supporters, there was a growing hope that the Tang family of Li would not be discarded. In 698 the empress decided to accede to these views the exiled Zhongzong was recalled to court and made crown prince. The empress showed her remarkable quality in this decision she did not place her own family in the line of succession or designate one of her nephews as her heir. She seems to have had no ambition on behalf of her own family, only a determination to retain power for herself to the end.

In the last years of her life, from 699, the empress gave her favour to the Zhang brothers, artistic but depraved courtiers who engaged her affection by elaborate entertainments and skillful flattery. They were intensely resented by the court and senior officials, many of whom had the temerity—and courage—to warn the empress of their pernicious activity. She did not heed these warnings and, as she gradually fell into ill health, depended increasingly on the care of the Zhang brothers. In February 705 a conspiracy formed among the leading ministers and generals, who seized the palace, executed the Zhang brothers, and compelled the empress, old and ill, to yield power to Zhongzong, who reigned until 710. She retired to another palace and died there in December of that year.

The Wuhou empress was a highly competent ruler, using men of her own choice, regardless of their social standing. Although her motives were to secure her own authority, the consequences of her policies were to be of great historical importance. The transformation of Chinese society in the Tang period from one dominated by a military and political aristocracy to one governed by a scholarly bureaucracy drawn from the gentry was promoted by her policy. The significance of this aspect of her rule was long obscured by the prejudice of Chinese historians against an usurping empress and her many acts of cruelty toward opponents. She established the new unified empire on a lasting basis and brought about needed social changes that stabilized the dynasty and ushered in one of the most fruitful ages of Chinese civilization.


Assista o vídeo: She began to fight back after her transformation!Ruyis Royal Love (Dezembro 2021).