Podcasts de história

Sterling Hayden

Sterling Hayden

Sterling Hayden nasceu em Upper Montclair, New Jersey, em 26 de março de 1916. Após a morte de seu pai, sua mãe casou-se novamente e a família mudou-se para o Maine, onde ele estudou na Wassookeag School em Dexter. Ele largou o colégio aos 16 anos e conseguiu um emprego como companheiro de escuna.

Hayden mais tarde comandou uma escuna comercial no Caribe, após obter sua licença de mestre, e em 1937 ele serviu como imediato em um cruzeiro mundial de escuna ianque. No ano seguinte, ele recebeu seu primeiro comando, comandando o rigger quadrado Florence C. Robinson 7.700 milhas de Gloucester, Massachusetts, ao Taiti em 1938.

Hayden, que tinha 1,96 m de altura, foi convidado a trabalhar como modelo. Isso o levou a ser contratado pela Paramount Pictures. Seu primeiro filme foi Virgínia (1941). Durante a realização do filme, ele se apaixonou pela consagrada atriz inglesa Madeleine Carroll. O casal se casou e apareceu junto em Bahama Passage (1942). A Paramount o promoveu como o "Homem mais bonito do cinema!"

A irmã de Madeleine foi morta na Blitz e ela decidiu desistir de atuar para trabalhar em hospitais de campanha como enfermeira da Cruz Vermelha na Europa. Hayden também queria participar da Segunda Guerra Mundial e, usando o pseudônimo de "John Hamilton", ingressou na Marinha como soldado raso. Suas habilidades foram logo reconhecidas e ele foi recomendado para a Escola de Candidatos a Oficiais. Após a formatura, ele foi contratado como segundo-tenente e foi transferido para o serviço como agente secreto sob William J. Donovan.

Em 1944, como membro do Office of Strategic Services (OSS), esteve envolvido no fornecimento de partidários na Itália e na Iugoslávia. Isso incluiu aqueles liderados por Josip Tito. Ele foi premiado com a Estrela de Prata por sua bravura. A citação afirma que ele "demonstrou grande coragem ao fazer viagens marítimas perigosas em águas infestadas pelo inimigo e reconhecimento em áreas controladas pelo inimigo". Hayden também foi lançado de pára-quedas na Croácia e promovido ao posto de capitão em 14 de fevereiro de 1945. Hayden mais tarde admitiu que durante a guerra ele havia sido "arrebatado pelos Partidários da Iugoslávia" e "ficou exposto à ideologia comunista".

Hayden ingressou no Partido Comunista Americano em junho de 1946 e tornou-se ativo em organizações de esquerda em Hollywood. Ele deixou a festa depois de alguns meses: "O que eu me importava com o trabalho? Para a discriminação racial? Para as liberdades civis e a guerra entre as classes? Oh, eu me importava à minha própria maneira. Eu me importava apenas o suficiente para abraçar essas coisas como adereços , me debatendo noite após noite em festas semi-bêbados ... Prefiro estar errado sozinho do que estar certo sobre a palavra de outra pessoa. "

Hayden retomou o trabalho como ator de cinema e apareceu em Chama do meio-dia(1947), El Paso (1949) e Maltratado (1949). Mais tarde, ele lembrou: "Não há nada de errado em ser ator, se é isso que um homem deseja. Mas há tudo de errado em alcançar um status exaltado simplesmente porque se fotografa bem e é capaz de lidar com o diálogo ... Em última análise, um ator é apenas um peão - às vezes brilhante, raro e talentoso, capaz de trazer prazer e até inspiração para os outros, mas não menos um peão para isso. "

O filme revolucionário de Hayden veio em 1950, quando o diretor, John Huston, o convidou para aparecer em The Asphalt Jungle. O filme recebeu cinco indicações ao Oscar e Bosley Crowther, o crítico de cinema de O jornal New York Times, argumentou: "Este filme, derivado por Ben Maddow e John Huston do livro do Sr. Burnett e dirigido pelo Sr. Huston em estilo brilhantemente naturalista, dá uma imagem eletrizante de todo o círculo vicioso de um crime ... Desde o primeiro tomada, em que a câmera pega um bandido rondando, deslizando entre edifícios para evitar um carro da polícia na madrugada cinzenta e líquida, há autoridade implacável nesta imagem, a dureza e clareza do aço, e uma sugestão incrivelmente sutil que transmite uma envolvimento total de personalidade distorcida e crime inveterado. "

Em 8 de março de 1951, o Comitê de Atividades Antiamericanas iniciou uma "Investigação do Comunismo no Campo do Entretenimento". Sterling Hayden apareceu em 10 de abril. Robert Vaughn, o autor de Somente Vítimas: Um Estudo da Lista Negra do Show Business (1972) argumentou que "Hayden ... foi o primeiro de muitos que optou por colocar a continuação de suas carreiras à frente das amizades pessoais e profissionais." Pessoas nomeadas por Hayden incluem Robert Lees, Karen Morley e Abraham Polonsky. Hayden também disse: "Um deles era alguém chamado Bernie, mas eu nunca soube seu sobrenome. Ele era uma espécie de tipo intelectual e liderava as discussões educacionais." Ele estava falando sobre o jovem roteirista Bernard Gordon, que mais tarde foi nomeado por William Alland.

Hayden comentou mais tarde em sua autobiografia, Andarilho (1963): "Não é frequente um homem ser elogiado por ter se comportado de uma maneira que ele mesmo despreza. Assinei um serviço de recortes de imprensa. Eles me enviaram dois mil clipes de jornais do leste e do oeste, grandes e pequenos, e de dezenas de revistas. A maioria só elogiava meu show one-shot de stoolie. Apenas um punhado - liderado por O jornal New York Times - denunciou esta revogação das liberdades constitucionais por meio da qual o banquinho poderia ganhar status em uma terra de pessoas amedrontadas. "

A confissão de Hayden permitiu que ele continuasse fazendo filmes. Isto incluiu A estrela (1952), Pena Flamejante (1952), Portão do Inferno (1952), Ataque de lutador (1953), Kansas Pacific (1953), Álibi Nu (1954), Flecha no pó (1954), Guitarra johnny (1954), De repente (1954), Top Gun (1955), O Último Comando (1955), A matança (1956), Crime passional (1957), Valerie (1957), Batalha de armas em Monterey (1957), Zero hora (1957) e Terror em uma cidade do Texas (1958).

Em 22 de novembro de 1963, o presidente John F. Kennedy foi assassinado em Dallas. Hayden tinha sérias dúvidas de que Lee Harvey Oswald fosse o único atirador e apoiou Mark Lane em suas tentativas de reabrir o caso e se juntou ao Comitê de Inquérito dos Cidadãos. Lane apontou em Plausible Negial: A CIA estava envolvida no assassinato de JFK (1991): "Tendo quase exaurido os recursos tradicionais disponíveis, voltei-me para uma rede informal que havia sido estabelecida anos antes ... Formei uma organização .. . Comissão de Inquérito dos Cidadãos. Tinha por finalidade, desde a sua fundação, em 1964, reunir interessados ​​em apurar os factos relativos ao falecimento do presidente. Era evidente que era necessária uma resposta extraordinária para responder ao esforço de a polícia e as organizações de espionagem para oferecer uma solução higienizada para o assassinato e para desencorajar investigações sérias. "

Outros filmes em que Hayden apareceu incluem Dr. Strangelove (1964), Contrato Difícil (1969), Amoroso (1970), O padrinho (1972), O longo adeus (1973), O Programa Final (1973), Estranhos mortais (1974), 1900 (1976), Rei dos ciganos (1978), Winter Kills (1979), O lado de fora (1980), Nove para as cinco (1980), Gás (1981) e Veneno (1981).

Sterling Hayden morreu de câncer de próstata em sua casa em Sausalito em 23 de maio de 1986.

Não é frequente que um homem seja elogiado por ter se comportado de uma maneira que ele mesmo despreza. Apenas um punhado - liderado por O jornal New York Times - denunciou a revogação das liberdades constitucionais por meio da qual o banquinho poderia ganhar status em uma terra de pessoas amedrontadas.


O longo adeus (filme)

O longo adeus é um filme de suspense americano de 1973 neo-noir [2] [3] [4] dirigido por Robert Altman e baseado no romance de 1953 de Raymond Chandler. O roteiro foi escrito por Leigh Brackett, que co-escreveu o roteiro de Chandler's O grande sono em 1946. O filme é estrelado por Elliott Gould como Philip Marlowe e apresenta Sterling Hayden, Nina Van Pallandt, Jim Bouton (em um raro papel de ator), Mark Rydell e uma aparição inicial não creditada de Arnold Schwarzenegger.

O período da história foi movido de 1949-1950 para Hollywood dos anos 1970. O longo adeus foi descrito como "um estudo de um homem moral e decente lançado à deriva em uma sociedade egoísta e obcecada por si mesmo, onde vidas podem ser jogadas fora sem um olhar para trás. e quaisquer noções de amizade e lealdade não têm sentido". [5]


O escritor de Suffolk retrata a vida de Sterling Hayden de Hollywood

O residente de Suffolk, Lee Mandel, nem sempre foi escritor. Mas com a publicação de seu terceiro livro, "Sterling Hayden's Wars", uma biografia autorizada bem escrita e exaustivamente pesquisada, ele mais do que se qualificou.

Mandel, um médico aposentado da Marinha e ex-residente do Western Branch, sempre foi um fã de Sterling Hayden - um ator, autor e marinheiro.

Ele viu Hayden atuar pela primeira vez no filme "Suddenly", de 1954, com Frank Sinatra. Sinatra interpretou um assassino presidencial. Hayden retratou o xerife da cidade onde aconteceu.

"Sempre achei ele muito legal", disse Mandel. “Eu também vi um filme chamado 'O Mar Eterno'. Ele interpretou um aviador naval, um dos pioneiros da aviação a jato baseada em porta-aviões ", disse ele. "É engraçado como acabei como cirurgião de vôo em porta-aviões."

Muito antes de pensar em ser escritor, Mandel era um médico da Marinha especializado em medicina interna e aeronáutica. O nativo de Nova York serviu 9 anos e meio como médico da Marinha antes de deixar o serviço. Ele voltou para a Marinha nove anos e meio depois e serviu por mais 15 anos.

"Eu amei a Marinha. Senti muita falta dela quando saí", disse ele. "Às vezes você tem que fazer desvios para perceber a que lugar pertence."

Como médico da Marinha, Mandel teve uma "carreira muito interessante". Ele serviu na equipe de quatro hospitais navais. Mandel foi retirado do Hospital Naval da Filadélfia para servir no Gabinete do Médico Assistente no Congresso dos EUA.

Mandel também serviu como oficial médico sênior em três porta-aviões da Marinha dos EUA - o USS Saratoga, o USS Harry S. Truman e o USS George H.W. Arbusto.

Ele sempre amou história. Quando ele estava na faculdade, ele era um "típico nerd pré-medicina".

Dez anos atrás, quando ele começou seu primeiro livro - "Moryak: Um Romance da Revolução Russa" - ele não tinha experiência na escrita. Em russo, moryak significa "marinheiro". Seu primeiro livro, uma peça de ficção histórica, foi publicado pelo próprio. "Moryak" rendeu a Mandel o grande prêmio de ficção do Santa Fe Creative Arts Council.

"O livro foi muito bom. Recebeu críticas muito boas", disse Mandel. "Depois de três anos, fui contatado por uma editora europeia. Eles queriam adquirir os direitos do livro. Isso me transformou de escritor independente em escritor publicado."

Seu segundo livro, uma biografia, foi intitulado "Guerreiro improvável: a jornada de um rabino pacifista do púlpito a Iwo Jima". O capelão do Corpo de Fuzileiros Navais, Rabino Roland Gittelsohn, foi o assunto desta biografia.

A biografia mais recente de Mandel, "Sterling Hayden's Wars", teve sua gênese de quatro a cinco anos atrás, enquanto ele navegava no site dos Arquivos Nacionais. Anunciou que foram divulgados os registros pessoais de várias celebridades que trabalharam no Escritório de Serviços Estratégicos durante a Segunda Guerra Mundial. O OSS era uma agência de coleta de informações dos EUA.

"Um era Sterling Hayden. Não sabia que ele estava no OSS. Baixei o arquivo e li", disse Mandel. "Tinha uma narrativa que ele escreveu no final de seu serviço nos Bálcãs. Era absolutamente fascinante. Eu não sabia muito sobre a Segunda Guerra Mundial nos Bálcãs."

Enquanto a intenção original de Mandel era escrever sobre as façanhas de Sterling Hayden na Segunda Guerra Mundial, o cara - Hayden - provou ser tão interessante que Mandel simplesmente não conseguia parar por aí.

Ele leu a autobiografia de Hayden, "Wanderer". Foi um best-seller internacional. Mandel foi fisgado. Hayden escreveu dois livros em sua vida, ambos best-sellers internacionais. O outro livro de Hayden chamava-se "Voyage: A Novel of 1896".

Ler ambos os livros de Hayden e revisar as operações de combate mencionadas foi apenas o começo. Mandel dirigiu até os Arquivos Nacionais em College Park, Maryland, para obter os relatórios das operações. A próxima coisa que Mandel soube foi que ele havia escrito 170 páginas apenas sobre as façanhas de Hayden na Segunda Guerra Mundial.

Depois de terminar o manuscrito inicial, Mandel escreveu uma carta para a viúva de Hayden, Catherine Hayden. Ela leu o manuscrito e o convidou a ir a Connecticut para falar com ela.

"Nós nos tornamos bons amigos. Kitty é o apelido dela", disse Mandel. "Kitty, seu filho mais novo, David, e eu nos tornamos amigos. Eles compartilharam suas memórias e todos esses materiais comigo."

Hayden conseguiu que Mandel tivesse acesso aos artigos de Sterling Hayden no Howard Gotlieb Archival Research Center da Boston University. Ela também forneceu fotos - a maioria inédita - para publicação na biografia de Mandel.

Mandel sempre reconheceu que Hayden era um ator "bastante sólido". Em alguns filmes - "The Asphalt Jungle" e "Dr. Strangelove" - ​​ele era brilhante, disse Mandel.

"Uma coisa que me surpreendeu em Sterling Hayden foi o cara multifacetado e talentoso que ele era", disse Mandel. “Nunca imaginei que ele pudesse escrever tão bem. Ele deveria ter sido escritor, mas só publicou seu primeiro livro,“ Wanderer ”, aos 47 anos.

"Hayden também foi um dos maiores marinheiros. Ele não usava rádios. Ele sentiu que não precisava deles."


Andarilho

Este é um livro de memórias notável. Verdadeiro, honesto, direto. perfeitamente salgado e um pouco áspero, mas isso é parte do fascínio, uma vez que entra na personalidade do autor. Melhor ainda, aqui está uma história sobre o Sr. Hayden e Wanderer:

Anos atrás, recebi uma breve passagem (página 24) deste livro. Ele fala para não passar pela vida dizendo / sentindo & quotEu gostaria de poder. & quot e não olhar para trás na vida com & quotpoderia, teria, deveria ter. Verdadeiro, honesto, direto. perfeitamente salgado e um pouco áspero, mas isso é parte do fascínio, já que entra na personalidade do autor. Melhor ainda, aqui está uma história sobre o Sr. Hayden e Wanderer:

Anos atrás, recebi uma breve passagem (página 24) deste livro. Ele fala sobre não passar pela vida dizendo / sentindo "Eu gostaria de poder" e não olhar para trás na vida com "poderia ter, teria, deveria ter". Ele começa com: "Pouco foi dito ou escrito sobre as maneiras pelas quais um homem pode se libertar".

Naquela época, eu estava planejando uma estada no exterior e essa passagem praticamente me empurrou a seguir minha ideia. Então eu parti. O que pensei que seriam seis ou oito meses se transformou em cinco anos. Eu fui à França. Depois, para a Itália. Durante o verão, fui chef de um iate particular de uma família italiana.

Anos após meu retorno, finalmente decidi ler Wanderer. Uma noite, depois de um daqueles dias de trabalho do tipo "Não quero mais fazer isso", eu estava lendo um capítulo que se aprofundou na história. apenas para saber que o Sr. Hayden, sessenta e cinco anos antes - era o capitão original no iate exato em que eu trabalhava!

Se isso não fosse um teste para "feliz por ter feito isso" com uma conclusão de círculo completo, eu teria dificuldade em discutir o ponto.

Eu gostei desta leitura há um tempo mais do que esperava, e o fato de que estou adicionando meus pensamentos agora é provavelmente uma prova de seu estranho poder assustador. O ator Sterling Hayden, mais conhecido (para mim) como Gen. Jack Ripper no clássico de Kubrick Dr. Strangelove, colocou tudo o que tinha neste livro de memórias de suas perambulações ao longo da vida a bordo de vários navios de mar que ele obteve a todo e qualquer custo, sempre que o mundo se tornou demais para ele.

Hayden nunca se sentiu confortável em sua pele como um ator bonitão, e algumas das melhores passagens de que gostei foram lidas há um tempo mais do que eu esperava, e o fato de que estou adicionando meus pensamentos agora é provavelmente uma prova de seu estranho poder assombroso. O ator Sterling Hayden, mais conhecido (para mim) como Gen. Jack Ripper no clássico de Kubrick Dr. Strangelove, colocou tudo o que tinha neste livro de memórias de suas perambulações ao longo da vida a bordo de vários navios de mar que ele obteve a todo e qualquer custo, sempre que o mundo se tornou demais para ele.

Hayden nunca se sentiu confortável em sua pele como um ator atraente, e algumas das melhores passagens vêm quando ele comenta sobre o mundo acelerado de Hollywood e a América do meio do século em geral. Outra grande seção segue suas façanhas durante a 2ª Guerra Mundial como um agente OSS chamado John Hamilton entregando armas para partidários iugoslavos, um esforço ousado e heróico que ele surpreendentemente minimiza - e eu gostaria de saber mais sobre. Ele nem sempre se sai tão bem. Ele vendeu amigos que haviam se envolvido em círculos comunistas / socialistas para o Comitê de Atividades Não Americanas da Câmara e, mais tarde, desafiando uma ordem judicial, basicamente fugiu com seus filhos em um barco a vela em um incidente notoriamente irresponsável. Mas Hayden reconhece todas as suas falhas e a sociedade que o formou. Algumas breves passagens são francamente poéticas. Para mim, isso é melhor Na estrada por suas críticas a uma cultura das ovelhas e do Homem, um grito conturbado do lado negro da América dos anos 1950. . mais

“Pouco depois da meia-noite, ela chegou ao fim da estrada e, com a Luz do Ponto de Vênus rumo ao sul, a três milhas de distância, nós a transportamos até o amanhecer. E o navio dormia sob um manto de estrelas, assim como a maioria de sua tripulação. Mas não o que está no comando. Ele caminhava sozinho, sozinho e perdido nas memórias da época ... ”Wanderer, página 247.

Hayden escreveu The Wanderer (1963) e depois Voyage (1976). Ambos os livros parecem Conrad e Melville, com Hayden vivendo a vida de um aventureiro antes e depois de Hollywood. Ele “Pouco depois da meia-noite, ela chegou ao fim da estrada e, com a Luz do Ponto de Vênus rumo ao sul, a três milhas de distância, nós a levamos até o amanhecer. E o navio dormia sob um manto de estrelas, assim como a maior parte de sua tripulação. Mas não aquele que está no comando. Ele caminhava sozinho, sozinho e perdido nas memórias da época ... ”Wanderer, página 247.

Hayden escreveu The Wanderer (1963) e depois Voyage (1976). Ambos os livros parecem Conrad e Melville, com Hayden vivendo a vida de um aventureiro antes e depois de Hollywood. Ele é Melville e um personagem de Melville. Hayden fugiu de casa aos quinze para velejar os Grandes Bancos de Newfoundland: navegou ao redor do mundo pela primeira vez aos vinte e um, comandou um rigger quadrado de Gloucester ao Taiti aos vinte e dois, e ele foi o navegador da escuna Gertrudes L. Thebaud na Copa dos Pescadores no ano seguinte. A cobertura noticiosa da corrida levou Hollywood a chamar o velejador para o oeste, mas ele recusou inicialmente. Ele viajaria ao redor do mundo uma segunda vez antes de se apresentar aos estúdios da Paramount em 1941. Ele se casou e parecia ter uma vida e uma renda sóbrias, mas seguras. A Paramount concedeu-lhe um contrato de sete anos a partir de US $ 250 por semana, o que era um dinheiro muito bom na época. Ele quebraria seu contrato em menos de um ano. Ele sentiu o vento e deixou a costa. Wanderer.

Hayden não era um homem fácil de perder na multidão: aos seis e cinco anos, com uma aparência robusta que lhe valeu o apelido de "O Belo Deus Viking Loiro", ele conseguiu se alistar no Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, ver a ação, ganhar os dois Silver Star e Bronze Star e outras condecorações de combate, ganhe pelo primeiro nome com "Wild Bill" Donovan do OSS, precursor da CIA, e execute inúmeras operações secretas de resgate e tiroteio na Iugoslávia antes que se soubesse que ele era um ator bizarro de Hollywood. Em outras palavras, Hayden se alistou usando um nome falso. Ele jantou com FDR como John Hamilton. Isso é atuação. As missões de Hayden para a nascente CIA não foram desclassificadas até 2008.

Hayden era um homem interessante. Como autor, ele, como outro ator que amava o mar, Humphrey Bogart, conhecia seu Conrad, London, Melville e Stevenson por dentro e por fora. Wanderer, no estilo típico de Hayden, começou como um ato aberto de desafio. Desafiando uma ordem judicial, ele pegou seus quatro filhos e navegou para os mares do sul. Ele zarpou sem rádio. Wanderer não é uma versão de celebridade da vida em fuga com todos os apetrechos chiques, é ficção literária tirada de viver a dura vida no mar com crianças e Hayden demonstra a amplitude de seu conhecimento marítimo e a profundidade de sua leitura, para a abertura do livro com um incipit fundamental de Walter de la Mare. Substitua Wanderer por ‘Traveller’ e você verá Sterling Hayden, o autor e homem que amava seus filhos e o mar. Ele era tanto Ismael quanto Acabe. . mais


Sterling Hayden

Sterling Walter Hayden (nascido Sterling Relyea Walter em 26 de março de 1916 e # x2013 23 de maio de 1986) foi um ator e escritor americano. Durante a maior parte de sua carreira como protagonista, ele se especializou em westerns e filmes noir, como Johnny Guitar, The Asphalt Jungle e The Killing. Mais tarde, ele se tornou conhecido como ator por papéis como o general Jack D. Ripper em Dr. Strangelove ou: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb (1964). Ele também interpretou o policial irlandês-americano, Capitão McCluskey, em O Poderoso Chefão, de Francis Ford Coppola, em 1972, e o romancista Roger Wade, em 1973, The Long Goodbye. Ele desempenhou o papel de Leo Dalc & # x00f2 no ​​filme de Bernardo Bertolucci 1900 em 1976. Com seis pés e cinco polegadas (196 cm), ele era mais alto do que a maioria dos atores.

Ele nasceu em Montclair, New Jersey, filho de George e Frances Walter, que o chamou de Sterling Relyea Walter. Depois que seu pai morreu, ele foi adotado aos nove anos por James Hayden e renomeado Sterling Walter Hayden. Ele cresceu em cidades costeiras da Nova Inglaterra e, quando criança, morou em New Hampshire, Massachusetts, Pensilvânia, Washington, D.C. e Maine, onde estudou na Escola Wassookeag em Dexter, Maine.

Hayden foi um genuíno aventureiro e homem de ação, não muito diferente de muitos de seus papéis no filme. Ele largou o colégio aos 16 anos e conseguiu um emprego como companheiro de escuna. Sua primeira viagem foi para Newport Beach, Califórnia, de New London, Connecticut. Mais tarde, ele foi pescador no Grand Banks of Newfoundland, dirigiu um iate fretado e serviu como bombeiro em onze viagens a Cuba a bordo de um navio a vapor. Ele comandou uma escuna comercial no Caribe após obter sua licença de mestre e, em 1937, serviu como imediato em um cruzeiro mundial da escuna Yankee. Depois de servir como marinheiro e bombeiro em navios maiores e navegar ao redor do mundo várias vezes, ele recebeu seu primeiro comando aos 22 anos, comandando o rigger quadrado Florence C. Robinson 7.700 milhas de Gloucester, Massachusetts, ao Taiti em 1938.

Anos de Hollywood e serviço militar

Hayden tornou-se um modelo de impressão e mais tarde assinou um contrato com a Paramount Pictures, que apelidou o ator de 6 '5 & quot (1,96 m) de & quotO homem mais bonito do cinema & quot e & quotO belo e loiro Deus viking & quot. Seu primeiro filme, Virginia (1941), foi estrelado por Madeleine Carroll, por quem se apaixonou e se casou.

Depois de dois papéis no cinema, ele deixou Hollywood e se juntou aos fuzileiros navais como soldado raso, sob o nome de & quotJohn Hamilton & quot (um pseudônimo que Hayden só usou nas forças armadas). Enquanto estava em Parris Island, foi recomendado para a Officer Candidate School. Após a formatura, ele foi contratado como segundo-tenente e transferido para o serviço como agente secreto no escritório do COI de William J. Donovan. Ele permaneceu lá depois que se tornou o OSS.

Como agente do OSS John Hamilton, seu serviço na Segunda Guerra Mundial incluiu navegar com suprimentos da Itália para guerrilheiros iugoslavos e saltar de pára-quedas na Croácia fascista. Hayden, que também participou da campanha Nápoles-Foggia e estabeleceu equipes de resgate da tripulação aérea em território ocupado pelo inimigo, tornou-se primeiro-tenente em 13 de setembro de 1944 e capitão em 14 de fevereiro de 1945. Ele recebeu a Estrela de Prata (por bravura em ação nos Bálcãs e no Mediterrâneo & quot. Hamilton demonstrou grande coragem ao fazer viagens marítimas perigosas em águas infestadas pelo inimigo e reconhecimento em áreas controladas pelo inimigo & quot), um dispositivo de ponta de flecha de bronze para pára-quedismo atrás das linhas inimigas e uma recomendação do marechal Tito da Iugoslávia. Ele deixou a ativa em 24 de dezembro de 1945.

Sua grande admiração pela bravura dos partidários comunistas levou a uma breve filiação ao Partido Comunista. Ele aparentemente apoiou ativamente um esforço do sindicato dos pintores cinematográficos controlados pelos comunistas para absorver outros sindicatos da indústria cinematográfica. À medida que o Red Scare se aprofundava nos EUA, ele cooperou com o Comitê de Atividades Não Americanas da Câmara, confessando seus breves laços comunistas e "nomeando os nomes". Sua esposa na época, Betty de Noon, insistiu que os "nomes" fornecidos por seu ex-marido já estavam nas mãos do Comitê, que tinha uma cópia da lista de membros do Partido Comunista. Em qualquer caso, Hayden subsequentemente repudiou sua cooperação com o Comitê, declarando em sua autobiografia "Não acho que você tenha a menor noção do desprezo que tenho por mim desde o dia em que fiz isso."

Sterling Hayden costumava professar aversão por atuação cinematográfica, alegando que o fazia principalmente para pagar seus navios e viagens. Em 1958, após um divórcio amargo, ele recebeu a custódia dos filhos. Ele desafiou uma ordem judicial e navegou para o Taiti com os quatro filhos, Christian, Dana, Gretchen e Matthew. A tripulação navegou da Baía de São Francisco para o Taiti, onde Hayden planejava filmar um filme. Hayden também convidou o conhecido fotógrafo Dody Weston Thompson para documentar a viagem e ajudar na escolha do local. Seu fólio South Seas está repleto de fotografias fascinantes do navio de Hayden, The Wanderer, fotos no convés da vida a bordo do navio, gravuras coloridas de seus filhos, mulheres e crianças taitianas e de artefatos únicos na costa. O filme não se materializou, no entanto, e de acordo com as notas de Dody, a U.S. Camera imprimiu essas fotos do paraíso em 1961.

O juiz do Tribunal Superior do Condado de Marin, Harold Haley, ordenaria posteriormente que Hayden reembolsasse a Republic Pictures, que financiou a viagem com duas notas promissórias, quase US $ 50.000 por não cumprir um acordo para pagar a dívida. Em 1960, ele se casou com Catherine Devine McConnell. Eles tiveram dois filhos, Andrew e David, e se casaram até sua morte em 1986. McConnell também teve um filho de seu primeiro casamento, com o jornalista Scott McConnell.

No início dos anos 1960, Hayden alugou uma das casas-piloto da balsa aposentada Berkeley, ancorada em Sausalito, Califórnia, onde residia enquanto escrevia sua autobiografia Wanderer, publicada pela primeira vez em 1963. Nela, ele relembra momentos decisivos em sua vida :

& quotO sol bate e você dá um passo, você anda e você anda. Sua mente voa livre e você se vê como um ator, condenado a uma esteira na qual homens e mulheres conspiram para dar vida a um roteiro que supostamente retrata a vida como era no velho oeste selvagem. Você se vê acordando em qualquer uma das mil manhãs entre a primavera de 1954 e a de 1958 & # x2011 sozinho em uma cama de casal em uma grande casa branca no subúrbio de Sherman Oaks, não muito longe de Hollywood. & quotAs janelas estão escancaradas e, além delas, fica a piscina do quintal, inerte e verde, dentro de uma cerca de estacas. Você se vira e olha para um par de mesas não muito longe da cama de casal. Este é o seu escritório particular, o lugar que abriga suas maiores esperanças: essas escrivaninhas tão arrumadas, esperando pacientemente pelo dia que nunca chega, o dia em que você finalmente se sentará e começará a escrever. ”Por que você nunca escreveu? Por que, em vez disso, você rastejou ao longo de meses e anos intermináveis ​​como ator de motion & # x2011picture? O que o prendeu a isso, a algo que você professava tão veementemente desprezar? Será que você secretamente gostou & # x2014que ​​a grana, a casa grande e a vida nobre significam mais do que a aura que você criou para as pessoas ao seu redor verem? "Hayden é selvagem", disseram eles. 'Ele é meio maluco & # x2011, mas você tem que admitir. Ele não dá a mínima para o saque ou o estrelato ou coisas assim & # x2014, algo a ver com sua navegação marítima, ou talvez o que ele passou na guerra. . . '& quot

Na década de 1970, após sua aparição em O Poderoso Chefão, ele apareceu várias vezes no programa da NBC's Tomorrow Show com Tom Snyder, onde falou sobre o ressurgimento de sua carreira e como isso financiou suas viagens e aventuras ao redor do mundo. Hayden comprou uma barcaça de canal na Holanda em 1969, eventualmente mudando-a para o coração de Paris e morando nela parte do tempo. Ele também morava em Wilton, Connecticut, com sua família e tinha um apartamento em Sausalito.

Hayden escreveu dois livros aclamados: uma autobiografia, Wanderer (1962), e um romance Voyage (1976).

Sterling Hayden morreu de câncer de próstata em Sausalito em 1986, aos 70 anos.

Wanderer. Nova York: Knopf. 1963. ISBN 1-57409-048-8.

Voyage: A Novel of 1896. New York: Putnam. 1976. ISBN 0-399-11665-6.

Referências na cultura popular

No filme Three Days of the Condor (Sydney Pollack, 1975), dois oficiais veteranos da CIA estavam relembrando seu passado. Higgins (Cliff Robertson) perguntou ao Sr. Wabash, "Você serviu com o coronel Donovan no OSS, não foi, senhor?" Não parece uma grande guerra agora, mas foi. & Quot

Em 2011, o cantor e compositor americano Tom Russell lançou a música & quotSterling Hayden & quot em seu álbum Mesabi.

Hayden, sob seu nome de guerra, Tenente John Hamilton, e seu papel como agente da OSS desempenham um papel secundário no romance Deaths Door de 2012: Um mistério de Billy Boyle na Segunda Guerra Mundial do autor James R. Benn. Hayden / Hamilton ajuda a levar o protagonista Billy Boyle pela Itália ocupada pela Alemanha.

STERLING HAYDEN AKA: John Hamilton Stirling Hayden Sterling Relyea Walter Nascido em: 26/03/1916 Local de nascimento: Montclair, New Jersey, EUA Falecimento: 23/05/1986 Causa de morte: câncer de próstata Nacionalidade: Estados Unidos Profissão: modelo, ator, marinheiro, autor

Biografia Uma bela e viril estrela do final dos anos 1940 e 50, Sterling Hayden passou vários anos no mar antes de assinar com a Paramount em 1940, aparecendo em dois filmes com a futura esposa Madeleine Carroll. Diversamente aclamado pela máquina de publicidade do estúdio como "O homem mais bonito dos filmes" ou "O belo e loiro deus viking", o ator rompeu seu contrato em 1941 para ingressar na Marinha. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele ajudou os partidários iugoslavos na luta contra os alemães e juntou-se brevemente ao Partido Comunista em 1946 (renunciando após seis meses) antes de retomar sua carreira de ator no ano seguinte. Pouco depois de sua excelente atuação em & quotThe Asphalt Jungle & quot (1950), Hayden foi incluído na lista de cinzas e não pôde trabalhar em Hollywood por seis meses. Ele então pediu em particular ao FBI que fizesse uma declaração a respeito de suas antigas afiliações comunistas, mas foi intimado pelo HUAC em 1951 e obrigado a testemunhar em público, citando seus companheiros crentes. Hayden foi então autorizado a continuar trabalhando, embora ele expressasse sua culpa por ter & quot nomeado nomes & quot em sua autobiografia de 1966, & quotWanderer & quot. Ironicamente, na comédia clássica de Stanley Kubrick & quotDr. Strangelove & quot (1963), Hayden interpretou o perturbado General Jack D. Ripper, cujo desejo excessivamente zeloso de parar a & quot ameaça comunista & quot dá início à Terceira Guerra Mundial. Entre seus outros papéis memoráveis ​​estavam o capitão da polícia corrupto em & quotThe Godfather & quot (1972) e o presidente do conselho na comédia & quot9 to 5 & quot (1980). Ele completou sua carreira interpretando John Brown na minissérie da CBS Civil War & quotThe Blue and the Gray & quot (1982).

Família PAI: George Walter. Morreu em 1925. MÃE: Frances Walter. PASSO-PAI: James Hayden. Sterling adotado. FILHO: Christian Winslow Hayden. Nasceu em agosto de 1948, mãe Betty de Noon. FILHO: Dana Morgan Hayden. Nasceu em junho de 1949, mãe, Betty de Noon. FILHA: Gretchen Belle Hayden. Nasceu em setembro de 1950, mãe, Betty de Noon. FILHO: Matthew Grant Hayden. Nasceu em julho de 1952, mãe, Betty de Noon. FILHO: Andrew Hayden. Nasceu em fevereiro de 1961, mãe, Catherine D McConnell. FILHO: David Hayden. Nasceu em setembro de 1962, mãe de 1961, Catherine D McConnell.

Companheiro ESPOSA: Madeleine Carroll. Ator. Married in 1942 divorced in 1946. WIFE: Betty de Noon. Was married and divorced three times between 1947 and 1958 mother of four of Hayden's children WIFE: Catherine Devine McConnell. Married from 1960 until his death: mother of Hayden's two younger children.

Milestone Raised in New England and the Washington, DC, area At age 17, ran away from home and became a ship's mate, seaman and fireman on various vessels 1940: Signed to a film contract by Paramount Pictures billed as "The Most Beautiful Man in Movies" 1941: Film acting debut in "Virginia" 1941: Left performing to join the Marines used pseudonym John Hamilton During WWII, assisted Yugoslavian partisans by running guns through a German blockade briefly flirted with joining the Communist Party 1947: Returned to film acting in "Variety Girl" and "Blaze of Noon" 1950: Co-starred in "The Asphalt Jungle" During 1950s "Red Scare", cooperated with House UnAmerican Activities Committee 1954: Acted in "Johnny Guitar" 1956: Co-starred in "The Killing" 1960: Played title role in CBS adaptation of "Ethan Frome" 1964: Cast by Stanley Kubrick as General Ripper in "Dr. Strangelove, or How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb" 1972: Portrayed the brutal, corrupt police captain in "The Godfather" 1973: Appeared in "The Long Goodbye" 1976: Co-starred in "1900" 1978: Had featured role as one of the monarchs in "King of the Gypsies" 1980: Played the chairman of the board in a cameo appearance in "9 to 5" 1982: Final film, "Venom" 1982: Last TV acting role as John Brown in the Civil War drama "The Blue and the Gray"

Educação Brown-Nichols School - Cambridge , Massachusetts Wassookaeg School - Dexter , Maine - prep school

Bibliografia "Wanderer" Sterling Hayden 1966 "Voyage" Sterling Hayden 1976

Citizenship Estados Unidos

Notas Hayden was reportedly offered the role of Quint, the sea captain, in "Jaws" but had to decline the role because of a problem with the IRS.


Sterling Hayden

Sterling Walter Hayden (born Sterling Relyea Walter March 26, 1916 – May 23, 1986) was an American actor and author. For most of his career as a leading man, he specialized in westerns and film noir, such as Johnny Guitar, The Asphalt Jungle and The Killing. Later on he became noted as a character actor for such roles as Gen. Jack D. Ripper in Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb (1964). He also played the Irish-American policeman, Captain McCluskey, in Francis Ford Coppola's The Godfather in 1972, and the novelist Roger Wade in 1973's The Long Goodbye. He played the role of Leo Dalcò in Bernardo Bertolucci's 1900 in 1976. At six feet five inches (196 cm), he was taller than most actors.

He was born in Montclair, New Jersey, to George and Frances Walter, who named him Sterling Relyea Walter. After his father died, he was adopted at the age of nine by James Hayden and renamed Sterling Walter Hayden. He grew up in coastal towns of New England, and as a child lived in New Hampshire, Massachusetts, Pennsylvania, Washington, D.C., and Maine, where he attended Wassookeag School in Dexter, Maine.

Hayden was a genuine adventurer and man of action, not dissimilar from many of his movie parts. He dropped out of high school at the age of 16 and took a job as mate on a schooner. His first voyage was to Newport Beach, California from New London, Connecticut. Later, he was a fisherman on the Grand Banks of Newfoundland, ran a charter yacht, and served as a fireman on eleven trips to Cuba aboard a steamer. He skippered a trading schooner in the Caribbean after earning his master's license, and in 1937 he served as mate on a world cruise of the schooner Yankee. After serving as sailor and fireman on larger vessels and sailing around the world several times, he was awarded his first command aged 22, skippering the square rigger Florence C. Robinson 7,700 miles from Gloucester, Massachusetts, to Tahiti in 1938.

Hollywood years and military service

Hayden became a print model and later signed a contract with Paramount Pictures, who dubbed the 6' 5" (1.96 m) actor "The Most Beautiful Man in the Movies" and "The Beautiful Blond Viking God". His first film, Virginia (1941), starred Madeleine Carroll, with whom he fell in love and married.

After two film roles, he left Hollywood and joined the Marines as a private, under the name "John Hamilton" (a pseudonym Hayden only used in the military). While at Parris Island he was recommended for Officer Candidate School. After graduation, he was commissioned a second lieutenant and was transferred to service as an undercover agent with William J. Donovan's COI office. He remained there after it became the OSS.

As OSS agent John Hamilton, his World War II service included sailing with supplies from Italy to Yugoslav partisans and parachuting into fascist Croatia. Hayden, who also participated in the Naples-Foggia campaign and established air crew rescue teams in enemy-occupied territory, became a first lieutenant on September 13, 1944, and a captain on February 14, 1945. He received the Silver Star (for gallantry in action in the Balkans and Mediterranean "Lt. Hamilton displayed great courage in making hazardous sea voyages in enemy-infested waters and reconnaissance through enemy-held areas"), a Bronze Arrowhead device for parachuting behind enemy lines, and a commendation from Yugoslavia's Marshal Tito. He left active duty on December 24, 1945.

His great admiration for the bravery of the Communist partisans led to a brief membership in the Communist Party. He was apparently active in supporting an effort by the Communist-controlled motion picture painters' union to absorb other film industry unions. As the Red Scare deepened in U.S., he cooperated with the House Un-American Activities Committee, confessing his brief Communist ties and "naming names." His wife at that time, Betty de Noon, insisted that the 'names' her ex-husband provided were already in the hands of the Committee, which had a copy of the Communist Party's membership list. In any event, Hayden subsequently repudiated his cooperation with the Committee, stating in his autobiography "I don't think you have the foggiest notion of the contempt I have had for myself since the day I did that thing."

Sterling Hayden often professed distaste for film acting, claiming he did it mainly to pay for his ships and voyages. In 1958, after a bitter divorce, he was awarded custody of his children. He defied a court order and sailed to Tahiti with all four children, Christian, Dana, Gretchen and Matthew. The crew sailed from San Francisco Bay to Tahiti, where Hayden had planned to film a movie. Hayden also invited well known photographer Dody Weston Thompson along to document the trip and to help shoot location choices. Her South Seas folio is replete with fascinating photographs of the Hayden's ship The Wanderer, on-deck photos of life aboard the ship, colorful prints of his children, Tahitian women and children, and of unique artifacts on shore. The film did not materialize, however, and according to Dody's notes U.S. Camera printed these photographs of paradise in 1961.

Marin County Superior Court Judge Harold Haley would later order Hayden to repay Republic Pictures, who financed the trip with two promissory notes, nearly $50,000 for defaulting on an agreement to repay the debt. In 1960, he married Catherine Devine McConnell. They had two sons, Andrew and David, and were married until his death in 1986. McConnell also had a son from her first marriage, to journalist Scott McConnell.

In the early 1960s, Hayden rented one of the pilot houses of the retired ferryboat Berkeley, docked in Sausalito, California where he resided while writing his autobiography Wanderer, which was first published in 1963. In it, he reminisces about turning points in his life:

"The sun beats down and you pace, you pace and you pace. Your mind flies free and you see yourself as an actor, condemned to a treadmill wherein men and women conspire to breathe life into a screenplay that allegedly depicts life as it was in the old wild West. You see yourself coming awake any one of a thousand mornings between the spring of 1954, and that of 1958 ‑ alone in a double bed in a big white house deep in suburban Sherman Oaks, not far from Hollywood. "The windows are open wide, and beyond these is the backyard swimming pool inert and green, within a picket fence. You turn and gaze at a pair of desks not far from the double bed. This is your private office, the place that shelters your fondest hopes: these desks so neat, patiently waiting for the day that never comes, the day you'll sit down at last and begin to write."Why did you never write? Why, instead, did you grovel along, through the endless months and years, as a motion‑picture actor? What held you to it, to something you so vehemently professed to despise? Could it be that you secretly liked it—that the big dough and the big house and the high life meant more than the aura you spun for those around you to see? "'Hayden's wild,' they said. 'He's kind of nuts𠄛ut you've got to hand it to him. He doesn't give a damn about the loot or the stardom or things like that—something to do with his seafaring, or maybe what he went through in the war . . .'"

In the 1970s, after his appearance in The Godfather, he appeared several times on NBC's Tomorrow Show with Tom Snyder, where he talked about his career resurgence and how it had funded his travels and adventures around the world. Hayden bought a canal barge in the Netherlands in 1969, eventually moving it to the heart of Paris and living on it part of the time. He also shared a home in Wilton, Connecticut with his family and had an apartment in Sausalito.

Hayden wrote two acclaimed books: an autobiography, Wanderer (1962), and a novel Voyage (1976).

Sterling Hayden died of prostate cancer in Sausalito in 1986, age 70.

Wanderer. New York: Knopf. 1963. ISBN 1-57409-048-8.

Voyage: A Novel of 1896. New York: Putnam. 1976. ISBN 0-399-11665-6.

References in Popular Culture

In the film Three Days of the Condor (Sydney Pollack, 1975), two veteran CIA officers were reminiscing about their past. Higgins (Cliff Robertson) asked Mr. Wabash, "You served with Col. Donovan in the OSS, didn't you, sir?" Wabash (John Houseman) replies, "I sailed the Adriatic with a movie star at the helm. It doesn't seem like much of a war now, but it was."

In 2011 the American singer-songwriter Tom Russell released the song "Sterling Hayden" on his album Mesabi.

Hayden, under his nom de guerre Lieutenant John Hamilton, and his role as an OSS agent play a secondary part in the 2012 novel Deaths Door: A Billy Boyle World War II mystery by author James R. Benn. Hayden/Hamilton assists in getting protagonist Billy Boyle through German-occupied Italy.

STERLING HAYDEN AKA: John Hamilton Stirling Hayden Sterling Relyea Walter Born: 1916-03-26 Birth place: Montclair, New Jersey, USA Death: 1986-05-23 Death cause: prostate cancer Nationality: United States Profession: model, actor, seaman, author

Biografia A handsome, virile star of the late 1940s and 50s, Sterling Hayden spent several years at sea before signing with Paramount in 1940, appearing in two films with future wife Madeleine Carroll. Variously touted by the studio publicity machine as "The Most Beautiful Man in Movies" or "The Beautiful Blond Viking God", the actor broke his contract in 1941 to join the Marines. During WWII, he assisted the Yugoslavian partisans fight against the Germans and briefly joined the Communist Party in 1946 (resigning after six months) before resuming his acting career the following year. Shortly after his superb performance in "The Asphalt Jungle" (1950), Hayden was gray-listed and was unable to work in Hollywood for six months. He then privately called on the FBI to make a statement concerning his former Communist affiliations, but was subpoenaed by HUAC in 1951 and obliged to testify in public, naming his fellow believers. Hayden was then allowed to continue working, though he expressed his guilt over having "named names" in his 1966 autobiography, "Wanderer". Ironically, in Stanley Kubrick's classic comedy "Dr. Strangelove" (1963), Hayden played the deranged General Jack D. Ripper, whose over-zealous desire to stop the "communist threat" sets World War III in motion. Among his other memorable roles were the corrupt police captain in "The Godfather" (1972) and the chairman of the board in the comedy "9 to 5" (1980). He rounded out his career portraying John Brown in the CBS Civil War miniseries "The Blue and the Gray" (1982).

Família FATHER: George Walter. Died in 1925. MOTHER: Frances Walter. STEP-FATHER: James Hayden. Adopted Sterling. SON: Christian Winslow Hayden. Born in August 1948 mother Betty de Noon. SON: Dana Morgan Hayden. Born in June 1949 mother, Betty de Noon. DAUGHTER: Gretchen Belle Hayden. Born in September 1950 mother, Betty de Noon. SON: Matthew Grant Hayden. Born in July 1952 mother, Betty de Noon. SON: Andrew Hayden. Born in February 1961 mother, Catherine D McConnell. SON: David Hayden. Born in September 1962 1961 mother, Catherine D McConnell.

Companion WIFE: Madeleine Carroll. Actor. Married in 1942 divorced in 1946. WIFE: Betty de Noon. Was married and divorced three times between 1947 and 1958 mother of four of Hayden's children WIFE: Catherine Devine McConnell. Married from 1960 until his death: mother of Hayden's two younger children.

Milestone Raised in New England and the Washington, DC, area At age 17, ran away from home and became a ship's mate, seaman and fireman on various vessels 1940: Signed to a film contract by Paramount Pictures billed as "The Most Beautiful Man in Movies" 1941: Film acting debut in "Virginia" 1941: Left performing to join the Marines used pseudonym John Hamilton During WWII, assisted Yugoslavian partisans by running guns through a German blockade briefly flirted with joining the Communist Party 1947: Returned to film acting in "Variety Girl" and "Blaze of Noon" 1950: Co-starred in "The Asphalt Jungle" During 1950s "Red Scare", cooperated with House UnAmerican Activities Committee 1954: Acted in "Johnny Guitar" 1956: Co-starred in "The Killing" 1960: Played title role in CBS adaptation of "Ethan Frome" 1964: Cast by Stanley Kubrick as General Ripper in "Dr. Strangelove, or How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb" 1972: Portrayed the brutal, corrupt police captain in "The Godfather" 1973: Appeared in "The Long Goodbye" 1976: Co-starred in "1900" 1978: Had featured role as one of the monarchs in "King of the Gypsies" 1980: Played the chairman of the board in a cameo appearance in "9 to 5" 1982: Final film, "Venom" 1982: Last TV acting role as John Brown in the Civil War drama "The Blue and the Gray"

Educação Brown-Nichols School - Cambridge , Massachusetts Wassookaeg School - Dexter , Maine - prep school

Bibliografia "Wanderer" Sterling Hayden 1966 "Voyage" Sterling Hayden 1976

Citizenship Estados Unidos

Notas Hayden was reportedly offered the role of Quint, the sea captain, in "Jaws" but had to decline the role because of a problem with the IRS.


Sterling Hayden > Quotes

&ldquoTo be truly challenging, a voyage, like a life, must rest on a firm foundation of financial unrest. Otherwise, you are doomed to a routine traverse, the kind known to yachtsmen who play with their boats at sea. "cruising" it is called. Voyaging belongs to seamen, and to the wanderers of the world who cannot, or will not, fit in. If you are contemplating a voyage and you have the means, abandon the venture until your fortunes change. Only then will you know what the sea is all about.

"I've always wanted to sail to the south seas, but I can't afford it." What these men can't afford is not to go. They are enmeshed in the cancerous discipline of "security." And in the worship of security we fling our lives beneath the wheels of routine - and before we know it our lives are gone.

What does a man need - really need? A few pounds of food each day, heat and shelter, six feet to lie down in - and some form of working activity that will yield a sense of accomplishment. That's all - in the material sense, and we know it. But we are brainwashed by our economic system until we end up in a tomb beneath a pyramid of time payments, mortgages, preposterous gadgetry, playthings that divert our attention for the sheer idiocy of the charade.

The years thunder by, The dreams of youth grow dim where they lie caked in dust on the shelves of patience. Before we know it, the tomb is sealed.

Where, then, lies the answer? In choice. Which shall it be: bankruptcy of purse or bankruptcy of life? &rdquo
― Sterling Hayden, Wanderer


Sterling Hayden American Actor

Sterling Hayden was previously married to Catherine Devine McConnell (1960 - 1986) , Betty De Noon (1956 - 1958) and Madeleine Carroll (1942 - 1946) .

Sterling Hayden was in relationships with Joanne Dru (1958 - 1959) , Karin Booth (1941) , Patricia Morison (1941 - 1942) and Yvonne De Carlo.

Sterling Hayden had an encounter with Shelley Winters (1954 - 1955) .

Cerca de

American Actor Sterling Hayden was born Sterling Relyea Walter on 26th March, 1916 in Montclair, New Jersey, United States and passed away on 23rd May 1986 Sausalito, California, United States aged 70. He is most remembered for Dix Handley In The Asphalt Jungle (1950), Brigadier General Jack D. Ripper In Dr. Strangelove (1964).. His zodiac sign is Aries.

Sterling Hayden was in 2 on-screen matchups, including Jane Wyman in So Big (1953) and Madeleine Carroll in Bahama Passage (1941) .

Sterling Hayden is a member of the following lists: Actors from New Jersey, Cancer deaths in California and American actors.

Contribuir

Help us build our profile of Sterling Hayden! Login to add information, pictures and relationships, join in discussions and get credit for your contributions.

Relationship Statistics

ModeloTotalLongestAverageShortest
Namorando4 10 months, 6 days 3 months, 1 day 1 month
Married3 27 years, 4 months 15 years, 5 months 6 years, 4 months
Encontro1 1 year - -
Total8 27 years, 4 months 6 years 1 month

Detalhes

First Name Sterling
Last Name Hayden
Full Name at Birth Sterling Relyea Walter
Era 70 (age at death) years
Birthday 26th March, 1916
Birthplace Montclair, New Jersey, United States
Died 23rd May, 1986
Place of Death Sausalito, California, United States
Cause of Death Prostate Cancer
Sepultado Cremated, Ashes scattered at sea
Altura 6' 5" (196 cm)
Build Average
Hair Color Grey
Zodiac Sign Aries
Ethnicity Branco
Nationality American
High School Dropped Out
Occupation Text Actor, Author, Sailor, Model, Marine, OSS Agent.
Occupation Actor
Claim to Fame Dix Handley In The Asphalt Jungle (1950), Brigadier General Jack D. Ripper In Dr. Strangelove (1964).
Year(s) Active 1941󈞾, 1941�
Father George
Mãe Frances Walter

Sterling Walter Hayden (born Sterling Relyea Walter March 26, 1916 – May 23, 1986) was an American actor, author, sailor and decorated Marine Corps officer and OSS agent (from services during World War II). A leading man for most of his career, he specialized in westerns and film noir throughout the 1950s, in films such as John Huston's The Asphalt Jungle (1950), Nicholas Ray's Johnny Guitar (1954), and Stanley Kubrick's The Killing (1956). He became noted for supporting roles in the 1960s, perhaps most memorably as General Jack D. Ripper in Kubrick's Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb (1964).


AMERICAN SILVER PLATE MARKSMARKS AND HALLMARKS OF USA AND CANADASILVERPLATE AND ELECTROPLATED SILVER MAKERS

The two common forms of plated silver are Sheffield plate and silverplate/electroplate.
Sheffield Plate is a cheaper substitute for sterling, produced by fusing sheets of silver to the top and bottom of a sheet of copper or base metal. This 'silver sandwich' was then worked into finished pieces. At first it was only put on one side and later was on top and bottom.
Modern electroplating was invented by Italian chemist Luigi V. Brugnatelli in 1805. Brugnatelli used his colleague Alessandro Volta's invention of five years earlier, the voltaic pile, to facilitate the first electrodeposition. Unfortunately, Brugnatelli's inventions were repressed by the French Academy of Sciences and did not become used in general industry for the following thirty years.
Silver plate or electroplate is formed when a thin layer of pure or sterling silver is deposited electrolytically on the surface of a base metal. By 1839, scientists in Britain and Russia had independently devised metal deposition processes similar to Brugnatelli's for the copper electroplating of printing press plates.
Soon after, John Wright of Birmingham, England, discovered that potassium cyanide was a suitable electrolyte for gold and silver electroplating.
Wright's associates, George Elkington and Henry Elkington were awarded the first patents for electroplating in 1840. These two then founded the electroplating industry in Birmingham England from where it spread around the world.
Common base metals include copper, brass, nickel silver - an alloy of copper, zinc and nickel - and Britannia metal-a tin alloy with 5-10% antimony. Electroplated materials are often stamped EPNS for electroplated nickel or silver, or EPBM for electroplated Britannia metal.
Sheffield plate by the fusion process was not made in America, but factories here did turn out quantities of electroplated silver. In fact, it was so popular that one English firm with several variations of its name, but all including Dixon, sold quantities of electroplated silver, issued catalogues, and even had a New York showroom.
Today there is a great deal of American plated silver which has been treasured for years. Many families had plated silver as well as fine sterling. Some of it was inherited some prized for sentimental reasons. If you have this plated ware, and it is as dear to you as fine early silver, then you are among the happy people of this world.
On plated silver the terms 'triple' and 'quadruple' indicate the number of coatings received by the base metal in the electroplating process. Naturally the more metal used in the plating the longer the piece should last. Polishing and wear have taken their toll of much of this plated ware and whether pieces are worth replating depends on their usefulness and your pleasure in them. If you like them well enough to spend money on them, then by all means have the work done, but remember a piece is worth at market value only the metal that is in it, the base metal under the plating being worth very little.

E.P.N.S. (Electroplated Nickel Silver) and EPBM (Electroplated Britannia Metal) are the most common names attributed to silver plate items. But many other names are used for silver plate:
EPWM, Electroplate on White Metal, EPC, Electroplate On Copper, EPCA, Electro Plated Copper Alloy, EPGS - Electro Plated German Silver, EPMS - Electro Plated Magnetic Silver, African Silver, Albion Silver, Alpha Plate, Ambassador Plate, Angle Plate, Argentium, Argentine Plate, Argentum, Ascetic, Austrian Silver, Brazilian Silver, Britanoid, Cardinal Plate, Electrum, Embassy Plate, Encore, Exquisite, Insignia Plate, Kingsley Plate, New Silver, Nevada Silver, Norwegian Silver, Pelican Silver, Potosi Silver, Royal County Plate, Silva Seal, Silverite, Sonora Silver, Spur Silver, Stainless Nickel, Stainless Nickel Silver, Unity Plate, Venetian Silver, Welbeck Plate,


VeryImportantPotheads.com

Sterling Hayden the 6' 5" actor who starred in The Asphalt Jungle and played General Jack D. Ripper in Dr. Strangelove, switched from alcohol to marijuana and spoke about it late in his life.

As an OSS agent in WWII, Hayden received a Silver Star and a commendation from Marshal Tito. An early member of the Communist party, Hayden named names to the HUAC committee, a move he deeply regretted later. In 1963, he released his autobiography, Wanderer, which was praised as &ldquobeautiful&rdquo and &ldquosuperb.&rdquo

In 1972, however, the actor &ndash a longtime heavy drinker &ndash suffered what he termed a &ldquocomplete breakdown.&rdquo It wasn&rsquot until the start of the next decade that Hayden conquered his battle with the bottle, but he frankly reported that he had replaced his drinking with marijuana and hashish.

&ldquoThe main thing right now is to bring the booze under control,&rdquo Hayden told a Toronto Sun reporter in 1980. &ldquoGrass is all I do now. Grass and hash. Grass came into me and said take it easy. That&rsquos why I love it so much.&rdquo Eight months after that interview, Hayden was arrested at the Toronto International Airport after more than an ounce of hashish was found in his luggage by customs officials. The drug possession charges were later dismissed.

Hayden spent half of each year with his wife and children in Connecticut, and the other half living alone on a Dutch canal barge in France, called the Who Knows. In 1982, Hayden was the subject of an acclaimed documentary, Pharos of Chaos, which showed his life aboard the Who Knows. The film on the actor&rsquos life was his last appearance on screen. On May 1986, Hayden died following a lengthy battle with cancer.

Hayden remarried several times (even the same woman a few times) and fathered families, but escape from himself -- escape into women, into the sea, into writing -- seems to have remained a priority. Then, in the 1960s, he discovered marijuana and began escaping into himself. He described it as a means of survival, of maintaining his inner peace, when landlocked. His co-workers have said that he would load his meerschauum pipe with it anywhere and everywhere, smoking it freely without regard to its illegality, and apparently had no problems with the law about it. He spoke about pot as if it were the great illumination of his life, and he was writing a book about the role it had come to play in his life at the time his final illness was diagnosed. Unfortunately, that second volume of autobiography never surfaced.

When Sterling Hayden appeared on TOMORROW. for the third and last time, he was clearly ill, a more diminished Biblical figure. He was dressed like a hippie, in a form-fitting T-shirt (possibly tie-dyed) and a headband, and he made horrendous deep-breathing noises as he fought to dredge oxygen from his lungs between drags of his chain-smoked cigarettes. He talked about the marijuana manifesto he was trying to write, and about the difficulty of writing.


Assista o vídeo: CNN NEWS. Flat Top Classic Sterling Hayden Film 1952. World War 2 (Dezembro 2021).