Podcasts de história

Por que o Japão não conseguiu decifrar o Código Navajo na 2ª Guerra Mundial, quando capturaram um falante nativo Navajo?

Por que o Japão não conseguiu decifrar o Código Navajo na 2ª Guerra Mundial, quando capturaram um falante nativo Navajo?

Todas as citações vêm do comentário r / askhistorians do usuário druidofdarrowdelf, mas não responde às minhas próprias perguntas.

Os japoneses capturaram um prisioneiro de guerra Navajo, Joe Kieyoomia, que não fazia parte do programa Code Talker. Ele foi forçado a ouvir as transmissões de seus captores. Os japoneses estudaram as transmissões em navajo e as reduziram por meio de um longo processo (não consigo entender japonês, portanto não consigo ler as fontes primárias. Desculpe pela imprecisão), para descobrir que era navajo. Kieyoomia ouviu essas transmissões e ouviu frases como "Solo vermelho à frente" entre todas as informações organizacionais que também foram codificadas. Ele achou que era um jargão completo e disse aos japoneses que não fazia sentido. Os japoneses pensaram que ele estava mentindo e o torturaram regularmente para extrair dele mais informações sobre a língua e o código navajo. Não acho que a resistência do Kieyoomia aos esforços japoneses tenha levado os japoneses a acreditar que era realmente apenas a linguagem, e isso limitou seus esforços de quebra de código ali.

O código em si era simples, uma gíria glorificada com uma sintaxe estranha, com aplicações para o alfabeto militar. A CIA fornece um exemplo de nomes de navios. Em inglês ou em qualquer outro idioma, isso pode ser resolvido com o tempo. Imagine um esquadrão de infantaria moderno dos EUA pedindo "apoio Apache". Para alguém sem conhecimento dos sistemas de armas dos EUA, isso pareceria um pedido estranho. No entanto, depois de ouvir algumas vezes isso e ter helicópteros de combate aparecendo, o link pode ser desenhado e parte do código pode ser quebrado.

Então, por que os japoneses não puderam usar a tradução de Joe Kieyoomia para inferir a causa entre as palavras navajo e sua "Mensagem ou leitura verdadeira", e assim decifrar o código? Por exemplo, parece simples e de bom senso que "o Navajo não tinha uma palavra para submarino então eles traduziram para peixe de ferro".

Não sei se a Comunidade de Inteligência Japonesa estava em frangalhos. A rivalidade Exército / Marinha foi replicada entre as diferentes organizações, resultando em nenhum esforço unificado claro e real e em alguns esforços para roubar a glória um do outro. Havia mais focado em códigos de operação americanos que eram transmitidos em texto, com muito mais regularidade e frequência e continham mais informações. Mas tudo isso parece irrelevante, quando os japoneses pareciam já ter conquistado avanços no Código Navajo.

Pesquisa na língua Navajo

O navajo é uma das línguas mais difíceis de aprender. Sua família de línguas é a língua Athabaskan. POUCOS não-navajos foram quase fluentes. O navajo depende fortemente de inflexões de tom e do uso de ruídos nasais nas vogais, portanto, mudanças simples no tom de uma vogal significam uma palavra completamente diferente.

Navajo está sendo melhor preservado agora devido a muitos programas e alcance educacional. Mas em 1942 o navajo era uma língua moribunda e havia POUCOS textos sobre ela. Você não pode simplesmente escolher livros sobre Navajo da prateleira.

Pesquisa sobre o uso verbal e a velocidade dos Navajo Code Talkers

O Código Navajo era um código tático e muito raramente estratégico que era submetido apenas verbalmente. O Código Navajo nunca foi usado por escrito. Se tivesse sido, poderia ter sido submetido aos mesmos métodos de quebra de código que o mundo estava usando em códigos operacionais e estratégicos como o Enigma. O código Navajo era muito menos complexo do que o Enigma e não teria resistido bem a tais ataques. As gravações de áudio em cilindros de cera eram caras e difíceis de manter no teatro do Pacífico, então mesmo gravar as mensagens de rádio enviadas pelos Code Talkers era incrivelmente difícil.

O Código Navajo não foi usado apenas em um nível tático, mas em uma escala muito menor do que os códigos operacionais dos Estados Unidos. Quando o programa Code Talkers estava em desenvolvimento, o tempo era seu principal argumento de venda, não sua criptografia pesada. A maneira atual para as forças dos EUA se comunicarem em um nível aberto era "às claras", ou seja, apenas por meio do rádio, ou usar uma máquina de codificação que normalmente levava cerca de uma hora para codificar e decodificar as mensagens. Os primeiros, os japoneses exploraram fortemente com sua alta porcentagem de falantes fluentes de inglês que reuniram informações sobre os EUA e "enviaram mensagens falsas em código americano para atrair fuzileiros navais para emboscadas". Este último não era ótimo quando você precisava de suporte de fogo.

Por outro lado, os Code Talkers podiam comunicar mensagens a outros Code Talkers quase que instantaneamente. Apoio de fogo, movimentos, posições, tudo poderia ser transmitido quase "às claras" em termos de velocidade. Além disso, os Code Talkers funcionavam como uma espécie de senha ou chave. Com Navajo sendo tão complexo e os Code Talkers sendo um grupo tão pequeno, eles se reconheciam e se conheciam durante as transmissões. E uma vez que as unidades anexadas também reconhecessem isso, as mensagens dos Code Talkers eram tratadas como criticamente importantes, os japoneses não podiam transmiti-las falsamente. Os codificadores foram capazes de avisar a todos quando os japoneses enviaram mensagens falsas como se fossem americanos. Essa singularidade manteve o código no arsenal militar (e a linguagem Navajo foi classificada) até 1965, quando rádios de salto de frequência começaram a se tornar disponíveis e substituíram o conceito de Code Talkers.


Pergunta: Por que o Japão não conseguiu decifrar o Código Navajo na 2ª Guerra Mundial, quando capturaram um falante nativo Navajo?

Porque não era suficiente apenas falar Navajo, eles ainda tinham que conhecer o código.

Então, digamos que no código uma tartaruga significasse uma companhia de soldados e subir a colina significasse ir para a costa sul da ilha. Seria necessário um orador navajo para dizer a você que três tartarugas estavam subindo a colina. Mas se você não sabia o que isso significava, não tinha esperança de entender o código.

O código foi falado por linhas telefônicas com fio que os japoneses acessaram. As mensagens poderiam ter sido quebradas se os oradores Navajo fornecidos fossem situacionalmente relevantes para a mensagem. Mas, sendo prisioneiros de guerra, muitas vezes recebiam mensagens para traduzir quando removidos do campo de batalha, tanto por tempo quanto por distância. Isso significava que eles não podiam comparar as mensagens com eventos reais no campo de batalha para tentar decifrá-los. Eles não conseguiram apenas ler, 3 tartarugas subiram a colina, e viram três companhias de homens começarem a descer para a costa sul, e associar os dois eventos.

Dos comentários:

@Oleg Lobachev Quão difícil é aprender a quantidade necessária de navajo de qualquer maneira? Um oficial de inteligência poderia fazer isso e, em seguida, observar o campo ... -

É basicamente impossível aprender em alguns meses para ser útil aos japoneses, especialmente em um Japão em tempo de guerra, sem nenhum recurso. Que recursos um decifrador de código japonês teria para aprender um idioma se a população que fala esse idioma está atrás das linhas inimigas e existem poucos textos em idioma?

PBS
Embora o navajo seja a língua nativa americana mais falada nos EUA, raramente é falado fora da reserva navajo. Uma linguagem não escrita sem um alfabeto ou símbolos tradicionais [uma linguagem escrita foi desenvolvida antes da Segunda Guerra Mundial], a extrema complexidade da sintaxe do Navajo torna-o ininteligível para qualquer pessoa sem extensa exposição e treinamento.

.

a partir de Kentaro
Desculpe, eu reverti meu voto positivo. O motivo é a sua reivindicação acima sem qualquer prova. - (Esta afirmação sem qualquer prova)

@JMS Meu entendimento é que os japoneses sabiam que os fuzileiros navais estavam usando índios Navaho como conversadores de código.

Minhas desculpas, os comentários são um espaço muito apertado para fornecer fontes, então muitas vezes eu nem tento. Eu digo que os japoneses sabiam que os fuzileiros navais estavam usando índios Navajo como codificadores, porque eles procuraram um prisioneiro de guerra Navajo e o alistaram para ajudar a quebrar o código. Assim, os japoneses sabiam que estavam lidando não apenas com um código indígena americano, mas especificamente com um baseado na língua navajo.

Joe Kieyoomia era um soldado Navajo do Novo México, que não falava em códigos. Ele foi capturado pelos japoneses quando as Filipinas caíram no início da guerra. Os japoneses tentaram sem sucesso colocá-lo para trabalhar tentando decifrar o código Navajo.

Joe Kieyoomia
Os japoneses tentaram, sem sucesso, fazer com que ele decodificasse mensagens do "Código Navajo" usado pelo Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, mas embora Kieyoomia entendesse o Navajo, as mensagens pareciam absurdas para ele porque, embora o código fosse baseado na língua Navajo, era decifrável apenas por indivíduos especificamente treinados em seu uso.

.

@Swansea
@JMS Por que os japoneses não entregaram as interceptações aos prisioneiros de guerra Navajo e de volta à inteligência japonesa em tempo hábil, como você escreveu? Para usar o exemplo da minha citação, por que os japoneses não relataram, depois que os EUA chamaram de "apoio ao Apache", tudo o que se seguiu, incluindo helicópteros de combate aos prisioneiros de guerra Navajo?

    1. Esses campos de batalha nas Ilhas do Pacífico não eram pequenos negócios localizados, eles envolviam dezenas de milhares de homens. A Batalha de Okinawa utilizou 180.000 tropas de combate americanas. Não houve "helicópteros Apache" na Segunda Guerra Mundial, mas como os japoneses poderiam saber a que qualquer mensagem se referia quando seu inimigo estava operando em tal escala?
    1. O código transmitido pelo Navajo foi feito profissionalmente. Não foi tão fácil quanto apenas ouvir as palavras-chave e tentar combiná-las com o que estava acontecendo. Pense em um código feito em inglês. Não seria um grande código se, ao ouvi-lo algumas vezes, o outro sujeito soubesse do que você está falando.
    1. Não acredito que o prisioneiro de guerra Navajo em questão, Joe Kieyoomia, tenha deixado seu acampamento em Nagasaki. Não era prático mandá-lo para as ilhas sob invasão. Os EUA tinham literalmente centenas de codificadores Navajo. Os japoneses não estavam procurando apenas um cara, eles precisavam da capacidade de treinar centenas de oficiais de inteligência neste código para capitalizar ao quebrá-lo. De grosseiro, embora eles nunca o quebrassem.
    1. As interceptações japonesas eram de rádio e mensagens com fio. Ambos tinham desafios ao utilizar o POW próximo ao campo de batalha. Ambos necessitavam de um componente clandestino que proibiria também que essas fontes estivessem inteiramente cientes das ocorrências em uma frente de batalha que poderia ter muitos quilômetros de largura. Escutas de arame tiveram que ser conduzidas atrás das linhas americanas, teria sido difícil trazer um prisioneiro de guerra fluente Navajo para tal missão; muito menos transportá-lo para locais remotos sob cerco.

de kentaro @Então, preciso da fonte! Você não precisa se apressar, sua resposta não é ruim, então estou esperando seu esforço. Enfim obrigada

(sobre como a JIA associou a linguagem Navajo ao código inquebrável.)

@Kentaro, Parece que os interrogatórios dos muitos prisioneiros de guerra da Marinha que os japoneses capturaram seriam a fonte óbvia. Não estou afirmando isso como um fato, embora seja provável que tenham descoberto. Eu encontrei esta fonte que afirma que um interrogador japonês Goon juntou as peças ao interrogar Joe Kieyoomia. Não parece razoável que este tradutor, a milhares de quilômetros de distância do campo de batalha em Nagasaki, junte tudo isso. Acho que os prisioneiros de guerra capturados que certamente teriam sido questionados vigorosamente sobre o conhecimento desse código seriam a fonte mais razoável. Então Goon se envolveu quando os japoneses procuraram em seus acampamentos por um falante nativo de Navajo. Essa é apenas minha hipótese. Os japoneses sabiam sobre Joe Kieyoomia porque, quando o capturaram nas Filipinas, o confundiram com uma pessoa de etnia japonesa. Demorou algum tempo para ele os convencer de que era Navajo. Aqui está essa fonte.

Code Talker: a primeira e única memória de um dos codificadores originais navajo
Apesar da insistência dos Estados Unidos no sigilo, os japoneses de alguma forma aprenderam que o código inquebrável utilizado pelos americanos tinha algo a ver com a língua navajo. Ninguém sabe exatamente como ou quando essa informação foi obtida, mas foi levantada a hipótese de que um tradutor japonês com o sobrenome Goon primeiro associou o idioma Navajo ao código inquebrável enquanto participava do interrogatório de Joe Kieyoomia. Kieyoomia, um homem Navajo que sobreviveu à Marcha da Morte de Bataan, foi questionado por Goon e torturado por seus captores japoneses na tentativa de forçá-lo a decifrar o código ...

Vários prisioneiros Navajo relataram, no pós-guerra, que os japoneses haviam tentado fazer com que eles descobrissem o código da marinha. Nenhum desses cativos era falador de códigos e nenhum lançou qualquer luz sobre a complicada linguagem secreta.


Os japoneses capturaram um prisioneiro de guerra Navajo, Joe Kieyoomia, que não fazia parte do programa Code Talker. Ele foi forçado a ouvir as transmissões de seus captores. Os japoneses estudaram as transmissões em navajo e as reduziram por meio de um longo processo (não consigo entender japonês, portanto não consigo ler as fontes primárias. Desculpe pela imprecisão), para descobrir que era navajo. Kieyoomia ouviu essas transmissões e ouviu frases como "Solo vermelho à frente" entre todas as informações organizacionais que também foram codificadas.

Por favor, forneça-me uma fonte de que as forças japonesas lidaram com Joe Kieyoomia dessa forma.


2 fontes irrefutáveis ​​de que o JIA não sabia que o código dos EUA era baseado no Navaho durante a guerra do Pacífico.

Depois de pesquisar no Google Japão como "guerra do Pacífico, Navaho", esta página apareceu.

Diz,

こ れ ら の 暗号 暗号 は そ の 後 も も 再 び 使用 さ れ る 可能性 が あ っ た た め 、 1980 年代 ま で 米 軍 の の 機密 情報 と し て 扱 わ わ れ て た た め 、 1980 年代 ま で 米 軍 の 機密 機密 と し て て 扱 わ れ て い た。

Esses códigos (incluindo outros índios, como Choctaw, Comanche, Seminole) tiveram um uso potencial novamente, as forças dos EUA mantiveram em segredo até 1980.

Depois de saber tal informação, pesquisei em inglês e encontrei este site.

Há uma linha,

Demorou muito mais do que o esperado, mas Adolph Nagurski, falecido codificador da Nação Navajo, finalmente foi reconhecido por seus serviços aos Estados Unidos. Como membro do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, Nagurski estava entre centenas de cidadãos Navajo que usaram sua língua para transmitir, receber e traduzir códigos durante a Segunda Guerra Mundial. Oficiais militares creditaram a seu sistema - que nunca foi quebrado por inimigos estrangeiros - por ajudar os EUA e seus aliados a alcançar a vitória no Pacific Theatre. Mas, como seus colegas recrutas, Nagurski manteve seu serviço durante a guerra em segredo. Mesmo que o projeto Code Talker tenha sido desclassificado em 1968, sua história não se tornou mais conhecida até que o Congresso reconheceu os heróis com medalhas de ouro e prata.

Portanto, até o site dos EUA diz que o código foi "classificado" até 1968.

Como as forças da JIA poderiam saber que tal código secreto era de Navajo, que foi desclassificado 23 anos depois do fim da guerra?

Agora é muito provável que o infeliz Joe Kieyoomia tenha sido linchado (de acordo com o site japonês) apenas provavelmente pelo JIA, que tentou buscar qualquer informação de um dos "soldados comuns".


Os nativos americanos tinham palavras em código para coisas que não estavam em sua língua. Por exemplo, "peixe de ferro" pode significar "submarino". Portanto, os japoneses não apenas tiveram que traduzir a língua, mas também decodificar as frases e colocá-las juntas. Combine esta resposta com a resposta de JMS e você terá uma boa imagem do que estava acontecendo com os locutores de código.


Assista o vídeo: Piedošana. Masaki Nakagawa (Dezembro 2021).