Podcasts de história

União Soviética

União Soviética


21-5 Fatos interessantes sobre a Rússia Soviética

21. George Koval, o mestre espião soviético infiltrado no projeto Manhattan, roubou quase todos os segredos nucleares dos EUA, forneceu sozinho a tecnologia-chave para o arsenal nuclear da Rússia e # 8217s, só foi descoberto como espião em 2002. & # 8211 Fonte

22. Em 1933, a Rússia Soviética despejou 6200 pessoas em uma ilha na Sibéria e deixou-as com apenas farinha para comida, uma pequena quantidade de ferramentas e nenhum abrigo. Um mês depois, cerca de 4000 deles estavam mortos. & # 8211 Fonte

23. Durante a crise dos mísseis cubanos, um submarino soviético foi atacado por cargas de profundidade, o capitão presumiu que a 3ª Guerra Mundial havia começado e se preparava para lançar uma arma nuclear, mas seu oficial executivo o rejeitou. Acontece que as cargas de profundidade eram rodadas de treinamento usadas para sinalizá-los para a superfície. & # 8211 Fonte

24. O documento físico que dissolveu a União Soviética está ausente em 7 de fevereiro de 2013. & # 8211 Fonte

25. A primeira aeronave artificial a pousar com sucesso em outro planeta e enviar dados de volta foi a Venera 7 soviética em 1970. Após pousar em Vênus, a nave enviou de volta apenas 23 minutos de dados fracos, provavelmente porque pousou de lado. & # 8211 Fonte


Na União Soviética, padres e freiras foram crucificados, fervidos em alcatrão e afogados

Soldados antibolcheviques. Wikimedia Commons.

À medida que as tropas soviéticas se moviam para o território controlado pelos brancos, muitas vezes não faziam distinção entre os civis e as pessoas contra as quais lutavam. Se uma aldeia era controlada por seus inimigos, eles presumiam que as pessoas que moravam lá os apoiavam. Isso significava que eles também podiam ser considerados inimigos. Freqüentemente, isso significava ondas de execuções. E padres, monges e freiras eram alvos frequentes. Mosteiros e igrejas foram saqueados e os que estavam lá dentro eram frequentemente levados para áreas isoladas nas proximidades, onde muitas vezes eram forçados a cavar suas próprias sepulturas antes de serem baleados.

Em um caso, um padre que tentou fazer o sinal da cruz antes de sua execução teve seu braço cortado. Outros assassinatos foram ainda mais brutais. Os sacerdotes foram crucificados em uma imitação zombeteira de Jesus. Outros receberam chumbo derretido para consumir como comunhão. Em Voronezh, os soldados souberam que um convento de freiras estava orando pela vitória dos brancos. Eles arrombaram a porta do convento e, segundo consta, cozeram as freiras vivas em alcatrão quente. Em outro caso, um padre foi preso e vestido com roupas femininas. Os soldados então o mandaram dançar. E quando ele se recusou, ele foi assassinado.

Em Petrogrado, um padre foi descoberto realizando uma cerimônia para pessoas assassinadas pelos bolcheviques. Ele e outros 32 foram levados a um penhasco com vista para o mar. Lá, ele foi autorizado a realizar a última cerimônia para as vítimas, uma a uma, antes de serem baleadas e empurradas para a água. Na cidade de Perm, um padre foi preso pela Cheka por apoiar os brancos. Eles o desfilaram pelas ruas antes de arrancar seus olhos. Depois de horas de tortura, ele foi enterrado vivo. Enquanto isso, o arcebispo da cidade realizava um rito de anátema aos bolcheviques por seus crimes. Um assassinato em massa do clero da cidade e rsquos seguiu logo depois como vingança.

Qualquer pessoa que se manifestasse contra os assassinatos seria condenada à morte. E muitas vezes, até mesmo tentar recolher o corpo de um padre assassinado para o enterro era uma sentença de morte. Em um caso, a esposa de um padre ortodoxo veio à Cheka para pedir o corpo de seu marido. Ela foi assassinada no local, e seu corpo foi mutilado antes de ser deixado para apodrecer. Enquanto isso, os soviéticos estavam começando a fechar as igrejas ortodoxas e colocá-las em um novo uso como depósitos ou quartéis-generais bolcheviques. Houve até relatos de orgias de bêbados ocorrendo nos prédios fechados.

Um padre que foi torturado e morto por orar pelo czar durante a Guerra Civil. Wikimedia Commons.

Em toda parte, os bolcheviques estavam tentando erradicar séculos de cultura religiosa russa. As igrejas e catedrais medievais foram simplesmente dinamitadas. Os corpos dos santos foram exumados e declarados nada além de ossos empoeirados. A perseguição contra a Igreja continuou após o fim da Guerra Civil. Só depois da Segunda Guerra Mundial, quando os soviéticos perceberam o poder da Igreja para ajudar a unir a nação russa, a perseguição foi abrandada. Dezenas de milhares de padres foram presos e assassinados nesse ínterim. Mas a Igreja resistiu durante anos de violência. A religião também era uma ideia poderosa, e nem mesmo os soviéticos puderam destruí-la.


Líderes da União Soviética

Vladimir Lenin

Vladimir Lenin nasceu em Ulyanovsk, Rússia, em 1870. Ele fundou o Partido Comunista em 1912, mas passou anos liderando a Revolução Russa no exílio no exterior antes que a Alemanha arranjasse para que ele voltasse à Rússia para tirá-los da Guerra Mundial 1. De lá, Lenin liderou a Revolução de Outubro para derrubar o governo provisório que havia derrubado a monarquia durante a Revolução de fevereiro. Lenin e os comunistas rapidamente consolidaram o poder e acabaram ganhando a Guerra Civil Russa (1917-22). Lenin então passou os últimos anos de sua vida tentando moldar o futuro da União Soviética.

Josef Stalin

A advertência de Lenin em seus últimos anos sobre o poder incontrolado dos membros do partido foi ignorada, no entanto, e isso levou a uma luta de poder pelo controle após sua morte. Joseph Stalin nasceu em Gori, Geórgia em 1878, que era então uma parte da Rússia Império. Como Lenin, Stalin estava no exílio antes da Revolução Russa. Stalin então ajudou a moldar a jovem União Soviética durante a Guerra Civil Russa, a Guerra Polonês-Soviética e a invasão da Geórgia. Durante este período, Stalin entrou em confronto com Lenin e outros líderes soviéticos sobre ideologia, estratégia e suas tendências violentas. Após a morte de Lenin, Stalin acumulou poder, eventualmente se tornando o líder inquestionável em 1929. Stalin então passou anos liderando a Segunda Guerra Mundial promovendo sua política econômica de Coletivização e tentando industrializar o país. Stalin também passou esse tempo expurgando, executando e deportando seus inimigos para a Sibéria. Os soviéticos e os alemães assinaram um pacto de não agressão e concordaram em dividir a Europa Oriental, mas então Hitler o violou e invadiu a União Soviética. Stalin liderou a União Soviética à vitória na Segunda Guerra Mundial sobre a Alemanha. Stalin assumiu o controle da Europa Oriental após a Segunda Guerra Mundial e estabeleceu o Bloco Soviético. As relações com o Ocidente se deterioraram e a Guerra Fria começou em 1947. Stalin morreu alguns anos depois, em 1953.

Georgy Malenkov

Georgy Malenkov nasceu em Orenburg, Rússia em 1902. Seu avanço no partido foi feito por suas conexões familiares com Lenin e mais tarde sob o olhar vigilante de Stalin. Ele esteve fortemente envolvido no expurgo de Stalin de seus inimigos na década de 1930, ganhando o favor de Stalin e evitando sua ira. Após a morte de Stalin, Malenkov tornou-se o líder da União Soviética. No entanto, Malenkov teve uma tendência reformista ao pedir cortes nos gastos militares e abrandamento da repressão política. Este fato levou à sua ruína, algumas semanas depois, Nikita Khrushchev organizou uma coalizão como ele e minou toda a sua autoridade como líder. Em 1955, Malenkov não era mais o líder da União Soviética. Em 1957, ele se juntou a uma tentativa fracassada de golpe contra Khrushchev e foi expulso do Partido Comunista. Malenkov foi então enviado ao Cazaquistão para servir como gerente de uma usina hidrelétrica e passar o resto de sua vida em desgraça. Ele morreu em 1988.

Nikita Khrushchev

Em 1894, Nikita Khrushchev nasceu em Kalinovka, Rússia. Em 1918, Khrushchev ingressou no Partido Comunista e lutou no Exército Vermelho. Khrushchev ascendeu rapidamente na hierarquia do Partido Comunista durante as décadas de 1930 e 40. Pouco depois de assumir a liderança da União Soviética de Malenkov, Khrushchev fez um discurso no qual denunciou os excessos do governo de Stalin. Esse discurso foi o início de sua política de desestalinização, que resultou em protestos na Polônia e na Hungria, que foram reprimidos. Khrushchev relaxou as restrições à liberdade de expressão, libertou prisioneiros políticos e lançou objetivos agrícolas ousados, mas inatingíveis. Em grande parte, ele tentou seguir uma política de coexistência pacífica com o Ocidente, mas ao mesmo tempo deu início à Crise dos Mísseis de Cuba e à construção do Muro de Berlim. O fraco crescimento econômico, a deterioração das relações com a China e outras questões levaram Khrushchev a ser deposto do poder por "se aposentar" devido a sua saúde. Khrushchev passou os anos restantes em sua propriedade, morrendo em 1971.

Leonid Brezhnev

Leonid Brezhnev nasceu em Kamianske, Ucrânia, em 1906, que então fazia parte do Império Russo. Ele se juntou ao Komsomol (organização política da juventude) em 1923 e em 1929 tornou-se membro pleno do Partido Comunista. Brezhnev lutou na Segunda Guerra Mundial, alcançando o posto de major-general e em 1952 tornou-se membro do Comitê Central. Brezhnev assumiu como líder de Khrushchev e encerrou suas reformas culturais reprimindo a liberdade cultural e devolveu à KGB alguns de seus antigos poderes sob Stalin. A economia soviética cresceu sob Khrushchev a um ritmo que estava no ritmo de alcançar a América, mas em meados da década de 1970 entrou em uma era de estagnação e nunca se recuperou. Brezhnev também construiu as forças armadas da União Soviética às custas de sua economia. Durante a década de 1970, Brezhnev seguiu uma política de détente com o Ocidente, tentando normalizar as relações, mas a custosa decisão do soviete de invadir o Afeganistão em 1979 acabou com a política de détente. Em seus últimos anos, a saúde de Brezhnev piorou e ele era principalmente uma cabeça figurada. Ele morreu em 1982.

Yuri Andropov

Yuri Andropov nasceu no governadorado de Stavropol em 1914, que então fazia parte do Império Russo. Andropov ingressou no Partido Comunista em 1939, e seus superiores logo perceberam suas habilidades, tornando-o chefe do Komsomol. Depois de ser transferido para Moscou em 1951, ele foi designado para a equipe do Secretariado e depois se tornou embaixador na Hungria de 1954 a 1957. Depois de retornar a Moscou de seu cargo de embaixador, ele subiu rapidamente na hierarquia do partido e tornou-se chefe da KGB em 1967. Andropov começou a se posicionar para a sucessão como líder da União Soviética com Brezhnev com saúde debilitada. Andropov foi declarado seu sucessor e rapidamente consolidou o poder. Andropov liderou uma campanha anticorrupção e demitiu muitos ministros e secretários do partido. Andropov também relutantemente continuou a guerra soviética no Afeganistão. No entanto, seu governo foi curto porque em agosto de 1983 sua saúde o atingiu e ele passou seus últimos dias no hospital, morrendo em 1984.

Konstantin Chernenko

Konstantin Chernenko nasceu no governadorado de Yeniseysk em 1911, que então fazia parte do Império Russo. Chernenko ingressou no Komsomol em 1929 e tornou-se membro pleno do Partido Comunista em 1931. Chernenko começou a trabalhar para o departamento de propaganda em 1933 e subiu na hierarquia. O ponto de virada em sua carreira foi um encontro com o futuro líder soviético Leonid Brezhnev em 1948. Brezhnev continuou a ajudá-lo a subir na hierarquia, com Chernenko se tornando membro do Comitê Central em 1971. Chernenko substituiu Andropov como líder, apesar de sua saúde debilitada . Chernenko apoiou um papel maior para os sindicatos e a reforma da educação e da propaganda. Chernenko negociou um pacto comercial com a China, mas pouco fez para desacelerar a Guerra Fria, boicotou as Olimpíadas de 1984 e não encerrou a guerra no Afeganistão. Em meados de 1984, a saúde de Chernenko começou a piorar e ele morreu em março de 1985.

Mikhail Gorbachev

Mikhail Gorbachev nasceu em Stavropol Krai, Rússia, em 1931. Ele ingressou e se tornou muito ativo no Partido Comunista enquanto estudava na Universidade Estadual de Moscou e também se formou em direito. Em 1979, ele se tornou um candidato a membro do Politburo e em 1985 ele se tornou o líder da União Soviética após a morte de Chernenko. Gorbachev se envolveu em uma corrida para acumular armas nucleares no espaço com os Estados Unidos, o que se provou caro para a economia soviética em sofrimento. Gorbachev conseguiu encerrar a custosa guerra soviética no Afeganistão em 1987. Ele trabalhou para fornecer mais liberdades e reformas ao povo soviético com suas políticas de glasnost e perestroika (abertura e reestruturação). Em 1989, Gorbachev organizou eleições para exigir que os membros do Partido Comunista concorressem contra os não-membros para criar um sistema eleitoral mais democrático. Ele também removeu o papel constitucional do Partido Comunista no governo do estado, que inadvertidamente levou à dissolução da União Soviética. Este fato foi apesar de Gorbachev querer manter a União Soviética unida. Em 1990, Gorbachev lutava com diferentes grupos que travavam guerra e exigiam independência, junto com uma economia soviética em decadência. Em 1991, o rival de Gorbachev, Boris Yeltsin, foi eleito presidente da República Russa e estava promovendo mudanças radicais na economia. No final de dezembro de 1991, a União Soviética havia desmoronado completamente, e Gorbachev renunciou e deu a Iéltzin poder completo sobre a Rússia.

Gennady Yanayev

Gennady Yanayev nasceu em Perevoz, Rússia, em 1937. Ele passou anos na política local antes de chegar à proeminência como presidente do Conselho Central de Sindicatos de Todos os Sindicatos. Esse fato o ajudou a ganhar uma cadeira no Politburo em 1990 e, mais tarde naquele ano, com a ajuda de Gorbachev, ele se tornou o primeiro vice-presidente da União Soviética. Yanayev rapidamente teve dúvidas crescentes sobre as políticas de reforma de Gorbachev e começou a trabalhar com a Gangue dos Oito contra Gorbachev. Ele assumiu a liderança formal da Gangue dos Oito e depôs Gorbachev durante o golpe de agosto de 1991. O golpe desmoronou depois de três dias devido à popularidade crescente de Boris Yeltsin, e Yanayev foi preso. Ele foi perdoado em 1994 e passou o resto de sua vida trabalhando para a administração de turismo da Rússia até sua morte em 2010.


Referências

Davies, R W (1994), "Changing Economic Systems: An Overview." em R W Davies, M Harrison e S G Wheatcroft (eds), A transformação econômica da União Soviética, 1913-1945Cambridge: Cambridge University Press, pp. 1-23.

Davies, R W, M Harrison, O Khlevniuk e S G Wheatcroft (em preparação), The Industrialization of Soviet Russia, vol. 7. A Economia Soviética e a Abordagem da Guerra, 1937-1939. Basingstoke: Palgrave.

Dexter, K e I Rodionov (2017), “As fábricas, os estabelecimentos de pesquisa e design da indústria de defesa soviética: um guia: ver. 18 ”, University of Warwick, Department of Economics.

Goskomstat Rossii (1997), Naselenie Rossii za 100 let (1897-1997). Statisticheskii sbornik, Moscou.

Harrison, M (2017a), "The Soviet Economy, 1917-1991: Its Life and Afterlife", The Independent Review 22(2): 199-206.

Harrison, M (2017b), "Foundations of the Soviet Command Economy, 1917 to 1941", em S Pons and S Smith (eds), The Cambridge History of Communism, vol. 1: Revolução Mundial e Socialismo em um país, Cambridge: Cambridge University Press, pp. 327-347.

Markevich, A e M Harrison (2011), "Great War, Civil War, and Recovery: Russia’s National Income, 1913 to 1928", Journal of Economic History 71(3): 672-703.

Novokmet, F, T Piketty e G Zucman (2017), “From Soviets to Oligarchs: Inequality and Property in Russia, 1905-2016”, documento de trabalho WID.world no. 2017/09.

Singer, J D, S Bremer e J Stuckey (1972), "Capability Distribution, Uncertainty, and Major Power War, 1820-1965", em B Russett (ed.), Paz, guerra e números, Beverly Hills: Sage, pp. 19-48.

TsSU (1972), Narodnoe khoziaistvo SSSR. 1922-1972. Iubileinyi statisticheskii sbornik. Moscou: Statistika.


Quais são os melhores livros de história soviética?

Lenin & # x27s Tomb, de David Remnick, do The New Yorker. Mãos para baixo. É de um período verificável da história da URSS. Muitas das primeiras coisas eram / estão repletas de propaganda.

Você acha que poderia expandir um pouco o que o livro cobre?

Editar: Sim, sabemos que este é o verdadeiro Tom Hanks, então, por favor, pare de apontá-lo.

Muito obrigado, não deixarei de conferir.

Se você estiver interessado na segunda guerra mundial, geralmente recomendo Guerra de Ivan e # x27 por Catherine Merridale. É uma visão fascinante e bem pesquisada de como a União Soviética foi afetada e reagiu à invasão alemã e aos quatro anos de conflito que se seguiram.

Ele toca não apenas na grande escala dos eventos, mas investiga a experiência no nível individual - como era a vida para soldados individuais e aqueles que estavam atrás das linhas de frente.

Stalingrado: The Fateful Siege, 1942-1943 por Antony Beevor

Stalin: A Corte do Czar Vermelho, de Simon Sebag Montefiore

Moscou, 1937 por Karl Schlögel

A espada e o escudo: o arquivo Mitrokhin e a história secreta da KGB, de Christopher M. Andrew, Vasili Mitrokhin

Cortina de Ferro: O Esmagamento da Europa Oriental, 1945-1956

Bloodlands: Europe Between Hitler and Stalin por Timothy Snyder

A Estrutura da História Soviética: Ensaios e Documentos de Ronald Grigor Suny

Política soviética 1917-1991 por Mary McAuley

Nações Vermelhas: A Experiência das Nacionalidades na URSS e depois dela, por Dr. Jeremy Smith

Agora, você também pode querer ler a maior parte do que Solzhenitsyn escreveu. Não como pesquisa histórica, a maior parte de seu material é romantizado ou novelizado. Mas ele tem muitos retratos da vida soviética, que é bom ter como pano de fundo.

& quotRed Tsar & quot é um retrato intenso da paranóia cultural

Obrigado, esta é uma lista excelente.

A trilogia de Tony Cliff & # x27s Building the Party, All Power to the Soviets e Revolution Besieged é um trabalho fantástico, embora muito detalhado e denso. É uma grande explicação para qualquer pessoa interessada em como o período soviético surgiu, em primeiro lugar, por que é até chamado de período soviético e como os revolucionários que exigiam democracia podiam ver seus sonhos "estanques", resultando em Stalin. Tem uma visão muito partidária em relação à questão de "Lênin levou a Stalin?", Portanto, esteja avisado se "neutralidade" é o seu lugar.

Stephen Kotkin & # x27s Magnetic Mountain - boa mistura das partes & # x27 direta & # x27 e mais complexas e & # x27revisionista & # x27 da historiografia soviética.

Você deve verificar a seção História da Rússia Moderna em nossa lista de livros, se ainda não o fez.

Realmente depende de que aspecto específico da União Soviética você está procurando. Há uma grande quantidade de literatura cobrindo a URSS, examinando quase todos os tópicos possíveis, então é difícil dar uma resposta adequada sem restringi-la um pouco.

I & # x27m particularmente interessado no início da história soviética 1917-1953

Stephen Kotkin & # x27s Montanha Magnética: Estalinismo como Civilização vale a pena ler. It & # x27s adaptado de uma coleção de diários que o próprio Kotkin encontrou, e realmente aborda a vida cotidiana e os desafios dos cidadãos soviéticos durante a era stalinista, discute (embora como uma questão de fato) o colonialismo de colonos soviéticos a leste dos Urais e dá você tem uma ideia de como era o sistema econômico soviético. Já faz um tempo que eu o li, mas a principal desvantagem é que estou muito desconfortável com a visão de Kotkin de que as pessoas são basicamente racionais e estão em constante negociação com um sistema totalitário que afeta profundamente suas vidas, mas não seus pensamentos ou sonhos . Para mim, essa análise de nível superficial é insuficiente, e romances soviéticos satiricamente críticos da mesma época, como Mestre e Margarita de Bulgakov, na verdade fazem um trabalho muito melhor de entrar na pele dos soviéticos e explorar pequenas intimidades que estão entrelaçadas no poder totalizante de o Estado.


Uma breve história da União Soviética de 1917 a 1991

Como temos um interesse particular em visitar os países e territórios que outrora formaram a URSS, oficialmente a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, pensamos que seria benéfico criar uma breve história de como este vasto império surgiu e o que eventualmente levou a sua queda. Claro, o tópico é muito mais profundo e complexo do que a narrativa de 1.500 palavras que geramos abaixo para descrevê-lo, mas nosso objetivo era manter este post curto e fornecer apenas uma visão geral.

Mapa da União Soviética

As origens do comunismo - Karl Marx e Friedrich Engels

Tudo começou com filósofos e cientistas sociais alemães, Karl Marx e Friedrich Engels que, em 1848, escreveram O Manifesto Comunista para um grupo de socialistas revolucionários com sede em Londres conhecido como Liga Comunista. No manifesto, Marx e Engels argumentaram que o capitalismo, tal como existiu em toda a Europa do século XIX, acabaria por se autodestruir e ser substituído por um governo liderado pelos trabalhadores em que os trabalhadores possuiriam e se beneficiariam conjuntamente de todos os meios de produção. Nasceu o comunismo, que significa a abolição da propriedade privada e onde "cada um contribui e recebe de acordo com suas habilidades e necessidades".

A Revolução Russa e Vladimir Lenin

O conceito de comunismo não foi comprovado até que um membro do partido revolucionário bolchevique russo, Vladimir Ilyich Ulyanov, mais conhecido como Lenin, aproveitou a oportunidade para controlar e coordenar a agitação do proletariado na Rússia contra o governo monarquista aristocrático russo liderado pelo czar Nicolau II, a membro da família governante Romanov. Em 1917, a Rússia já estava em turbulência e Lenin planejou a derrubada da dinastia Romanov, fazendo com que Nicolau II abdicasse primeiro e depois fosse assassinado.

Ao longo dos anos seguintes, Lenin e seus companheiros bolcheviques consolidaram a Revolução Russa e estabeleceram uma série de conselhos regionais chamados sovietes tanto na Rússia quanto nas "colônias" russas anexadas do Cazaquistão, Quirguistão, Moldávia, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão. Os bolcheviques também apoiaram seus vizinhos em revoluções semelhantes e assinaram tratados com as repúblicas da Transcaucásia (Armênia, Azerbaijão e Geórgia), Ucrânia e Bielo-Rússia e, em 1924, a Rússia havia criado a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, a URSS, composta por doze repúblicas. Durante a segunda guerra mundial, os estados bálticos da Estônia, Letônia e Lituânia foram adicionados, trazendo o total para quinze estados dentro da união.

A União Soviética sob Joseph Stalin

Quando Lenin morreu em 1924 e após uma breve luta pelo poder, sua posição como chefe do governo foi assumida pelo georgiano Joseph Stalin. E assim começou o período mais negro da história da União Soviética. A interpretação de Stalin do marxismo-leninista levou à fome de 1932-33, à rápida expansão dos campos de trabalhos forçados conhecidos como gulags, vários expurgos políticos (particularmente o Grande Expurgo de 1936-38), e em 1937 ele havia se tornado um ditador no comando de um estado totalitário e totalmente obcecado com a autoglorificação um culto à personalidade. Ele implementou um grande crescimento de estátuas patrióticas em locais públicos elogios constantes na imprensa estatal, que o posicionou como uma figura paterna benevolente e atenciosa, o tema de criações artísticas na literatura, pinturas, filmes e música extensa renomeação de ruas, lugares e áreas geográficas características e uma forma de arquitetura pomposa ornamentada baseada nas formas góticas e barrocas que ficaram conhecidas como arquitetura stalinista.

O apogeu da União Soviética e a Guerra Fria

Após a morte de Stalin em 1953, sua posição como secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética foi assumida primeiro por Georgy Malenkov, que durou apenas seis meses e foi então deposto por Nikita Khrushchev, que quase imediatamente iniciou o processo de desestalinização - o desmantelamento da reputação de Stalin e reconstrução da União Soviética ao longo de linhas menos repressivas. As políticas agrícola e industrial de Khrushchev fracassaram em grande parte e ele foi substituído por Leonid Brezhnev em 1964, que permaneceu como secretário-geral até sua morte em 1982. Brezhnev foi sucedido por Yuri Andropov, que durou dois anos antes de ser substituído por Konstantin Chernenko que, um ano depois, em 1985 e após a morte de Chernenko, foi sucedido por Mikhail Gorbachev, o arquiteto involuntário da dissolução da URSS.

No período de trinta anos que vai de Khrushchev a Gorbachev, sucessivos líderes da URSS lutaram com a ascensão do capitalismo na Europa Ocidental e na América do Norte e as melhorias visíveis associadas nos padrões de vida, educação, riqueza material, práticas agrícolas, tecnologia e saúde, e vários líderes tentaram neutralizar as percepções soviéticas de que a URSS estava ficando para trás. Khrushchev, por exemplo, redirecionou arquitetos soviéticos para projetar e construir estilos mais simples e funcionais de edifícios, criando o que agora é conhecido como o estilo de arquitetura do Modernismo Soviético, um ramo da arquitetura brutalista. Ele também relaxou a censura das artes, permitindo, por exemplo, a publicação da descrição da vida de Aleksandr Solzhenitsyn em um gulag soviético, Um dia na vida de Ivan Denisovich, publicado em 1962 e provavelmente a acusação mais selvagem dos gulags de Stalin.

Leonid Brezhnev reverteu muitas das políticas de liberalização de Khrushchev e ao longo de seus dezoito anos no poder, Brezhnev voltou ao modelo stalinista usando repressão e medo para implementar suas políticas agrícolas e militares, e fez muito pouco para desacelerar a Guerra Fria com a Europa e os EUA apesar de seu apoio à détente. Embora Brezhnev tenha fortalecido o poderio militar da URSS, incluindo armas nucleares, sua política agrícola e outras políticas de manufatura em casa fracassaram e a economia da Rússia estagnou.

Nem Andropov nem Chernenko estiveram no poder por tempo suficiente para ter qualquer impacto na economia da Rússia e coube a Mikhail Gorbachev reiniciar o processo de alinhar a Rússia e os estados da URSS com o crescimento da prosperidade na Europa Ocidental e na América do Norte.

Perestroika e glasnost

Antes de se tornar o oitavo e último secretário-geral, Gorbachev era um grande defensor do programa de desestalinização de Khrushchev e foi fortemente influenciado pelo desastre da usina nuclear de Chernobyl em 1986 e pelas tentativas subsequentes de encobrir o que havia acontecido. Ele também sentiu que a Rússia e toda a URSS precisavam desesperadamente de uma reforma social e, em 1985, quando se tornou secretário-geral, implementou seus dois famosos programas de perestroika e glasnost. A Perestroika, que significa reestruturação, visava reformar as políticas e práticas do Partido Comunista da União Soviética para se tornar mais parecido com o sistema de livre mercado ocidental baseado em eleições democráticas e na aceitação, ao invés da repressão, de diferentes culturas e religiões. Glasnost, que significa abertura e transparência, foi um programa introduzido em todos os níveis de governo com o objetivo de encorajar críticas construtivas aos programas locais e nacionais, algo que nunca teria acontecido sob o governo de Stalin.

Selo da URSS: Propaganda para a Perestroika. Diz "Reestruturação é a confiança na criatividade viva das massas".

O colapso da União Soviética

Embora um socialista comprometido, Gorbachev sentia que sem a liberdade de expressão proporcionada pela glasnost e as reformas de livre mercado embutidas na perestroika, a URSS não sobreviveria contra os sistemas capitalistas do Ocidente. Seu objetivo era construir uma melhor implementação do comunismo e, nisso, ele falhou. Seis anos depois, em 1991, a URSS foi dissolvida e todos os Estados membros voltaram ao status de autônomo.

Isso não era surpreendente. Se você olhar para a história, por exemplo, dos 'stans' - Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão, verá que cada área foi originalmente anexada pela Rússia em vários momentos no século XIX e, assim, tornou-se parte do Império Russo. Quando os bolcheviques chegaram ao poder em 1917, os 'stans' foram automaticamente incluídos na conversão a um estado soviético comunista e sempre houve um ressentimento com o domínio russo e, em particular, a russificação, um processo pelo qual uma comunidade não russa deu sua cultura e idioma em favor do russo. Quando Gorbachev anunciou seus programas de perestroika / glasnost, cada um desses estados-satélite viu isso como uma oportunidade para recuperar sua independência nacional e começou a reformar segundo as linhas nacionais.

O mesmo aconteceu nos outros estados soviéticos (repúblicas da Transcaucásia, Ucrânia e Bielo-Rússia) e, particularmente, nos três estados bálticos atribuídos à Rússia após a segunda guerra mundial. Toda a URSS fervilhava de movimentos separatistas e, ironicamente, foi um estado não pertencente à URSS, a Alemanha Oriental, que selou o destino da URSS. A Alemanha Oriental ficou sob controle comunista no final da 2ª Guerra Mundial, mas nunca foi formalmente admitida na URSS, semelhante a outros estados comunistas da Europa Oriental, como Polônia, Hungria, Romênia, Tchecoslováquia, Albânia e Iugoslávia. Em novembro de 1989, o mundo assistiu aos alemães orientais derrubarem o odiado Muro de Berlim e invadirem Berlim Ocidental, iniciando assim o processo de reunificação da Alemanha. Este momento muito emocionante da história deu força de propósito a todos os outros estados da URSS e satélites e em 26 de dezembro de 1991, a dissolução da URSS foi completa. Mikhail Gorbachev renunciou no dia anterior, dizendo que seu gabinete de secretário-geral não existia mais e entregou seu cargo de presidente da Rússia a Boris Yeltsin. Quando Yeltsin morreu em 2007, Vladimir Putin se tornou o presidente e permanece até hoje.

O rescaldo da dissolução da União Soviética

Ao longo de todas as quinze repúblicas originais dos países que compunham a URSS, você encontrará muitos vestígios dessa experiência no comunismo: estátuas de líderes como Lenin e Stalin (embora as políticas de descomunicação em países como a Ucrânia, por exemplo, tenham causado muitas estátuas e outras imagens de ambos os homens a serem removidas e destruídas) monumentos que exaltam a glória patriótica dos edifícios da Mãe Rússia nos estilos do modernismo stalinista e soviético, muitos agora em estado de decadência, obras artísticas como baixo-relevo, mosaicos e pinturas que glorificam o trabalhadores, unidades familiares e militares e outros vestígios da época, incluindo museus, especialmente o Museu Stalin em Gori, local de nascimento de Stalin na Geórgia, que se esforça, mas não consegue ser imparcial e não venerar o líder tirânico.

É de se perguntar o que Marx e Engels teriam feito com o crescimento e declínio da URSS. Não há dúvida de que ambos eram sinceros em sua crença de que o comunismo era o único caminho a seguir, mas parece que eles deixaram de levar em conta os aspectos mais pragmáticos dos efeitos do governo e do poder. É uma pena que eles não tenham sido capazes de tomar nota da famosa observação de Lord Acton em uma carta ao bispo Creighton, "O poder tende a corromper, e o poder absoluto corrompe de maneira absoluta. Grandes homens são quase sempre homens maus, mesmo quando exercem influência e não autoridade, ainda mais quando você superadiciona a tendência ou a certeza da corrupção pela autoridade. "A carta foi escrita em abril de 1887, trinta e nove anos depois de Marx e Engels produzirem O Manifesto Comunista.

PROCURE NOSSAS POSTAGENS DE BLOGES DESTACANDO OS PAÍSES DA ANTIGA URSS

VEJA MAIS MONUMENTOS E A ARQUITETURA DA ANTIGA UNIÃO SOVIÉTICA

VOCÊ GOSTA DE APRENDER SOBRE A HISTÓRIA DOS LUGARES QUE VISITA? POR FAVOR, PIN ESTE POST ...


Junte-se à nossa lista de mala direta para receber atualizações regulares (mas não muito regulares!) Da estrada menos percorrida.

We aim to send a monthly newsletter which includes a round-up of our newest posts featuring off-the-beaten-path destinations, unusual things to do, abandoned places, street art, and more. All designed to help you discover quirky and unusual things to do and see, and explore off-beat destinations.


Were there any elections in the USSR?

It&rsquos somewhat surprising that the Soviet one-party system had elections at all. Mas aconteceu. Since the new Soviet constitution, adopted in 1936, had established a legislative body called the Supreme Soviet of the Soviet Union, people were supposed to vote its members into office every four years.

And election day would often resemble a public holiday marked by mass celebrations.

Music, deficit goods and festivities

Akin to other states, where political power was monopolized, the turnout of the Soviet elections was always exceptional: near 100%. Those who participated in the Soviet elections say there was no pressure to attend. Instead, people went to vote voluntarily, because they considered demonstrating their faith in the system their duty, but also because they were subtly incentivized to attend by the authorities.

Prior to elections, authorities always launched campaigns aimed to increase the turnout. Newspapers printed announcements of upcoming elections to inform people of the date. Soviet newspapers also flooded people with rather boring reports about preparations for elections.

Agitational posters also incentivized people to cast a vote.

Voters also received personal notes that appealed to comrades&rsquo consciousness:

Judging by the massive turnout, the strategy worked. People would come to cast a vote together with family members and friends and often staged group photos to memorize the remarkable day. The environment at the voting stations was usually festive.

The elections to the Supreme Soviet of the USSR in 1958.

Music played and people would even dance at some of the voting stations.

Artists perform for the voters at the polling stations in Georgian SSR, March 4, 1984.

&ldquoWe always went to vote first thing in the morning, because at the voting stations, you could buy deficit goods like oranges, cake, pastries and also some rare books that were otherwise impossible to buy and these were quickly sold out,&rdquo remembers Alexandra Goryushina, an 83-year-old woman who participated in Soviet elections.

&lsquoSacred duty&rsquo

Although the festive environment and deficit goods did their share in luring people to the voting stations, the prevailing majority of the Soviet citizens believed it was their duty to vote, as every vote at the non-alternative elections automatically became a vote of confidence in the validity of the communist system.

Elections to the Supreme Soviet of the USSR in a reindeer-breeding state farm, June 15,1975.

&ldquoPeople were coming to voting stations regardless of the opportunity to buy deficit [products and goods]. Some people wanted sausage, some didn&rsquot. But everyone thought it was necessary to vote. It was a sacred [duty],&rdquo said Nikolay Bobrov who has participated in Soviet elections since 1971.

March 4, 1984. Workers of Tumanovskiy Collective Farm of Arzamas district of Gorky region go to the elections.

Even if someone did not like the idea of voting for already pre-approved candidates that faced no competition while running for an elected office, peer pressure forced them to cast a vote anyhow.

&ldquoMy father, for example, did not like elections very much, but he went to vote [nonetheless],&rdquo said Bobrov.

Uncontested candidates

There was no opposition in the USSR. The Communist Party of the Soviet Union (CPSU) was the only legitimate political force in the country. All citizens were expected to support it and any opposition to the party line was regarded as a sign of untrustworthy dissent.

A candidate to the Supreme Soviet addresses Soviet people.

Most of the candidates ran on the CPSU&rsquos platform, yet there were also formally independent candidates. Nonetheless, those also ran in alliance with the CPSU candidates and not against them.

In each electoral district there was only one candidate who ran on the platform of what was known as the &ldquounbreakable bloc of Communists and non-party members&rdquo.

Leningrad. Elections to the Supreme Soviet. March 1, 1984.

One was allowed to vote against the only candidate available, but to do so, a person had to use a polling booth, while a vote for the uncontested candidate could be cast by submitting a blank ballot (a process that didn&rsquot require stepping in a polling booth).

Most people simply cast a blank ballot and those who entered polling booths were eyed with suspicion as potential dissidents.

Only after Mikhail Gorbachev introduced democratization measures in the Soviet political system by establishing a new legislative body, known as the Congress of People's Deputies in 1989, did the Soviet people have a taste of a competitive election process.

Click here to learn how Russian women won the right to vote.

Se usar qualquer conteúdo do Russia Beyond, parcial ou totalmente, forneça sempre um hiperlink ativo para o material original.


Aniversários famosos

Birthdays 1 - 100 do 299

Vladimir Lenin

1870-04-22 Vladimir Lenin [Vladimir Ilich Ulyanov], Marxist Revolutionary and Soviet Leader, born in Simbirsk, Russia (d. 1924)

    Mikhail Kalinin, Soviet communist leader and statesman, born in Verkhnyaya Troitsa, Russia (d. 1946) [OS] Felix Dzerzhinsky [Iron Felix, Bloody Felix], Ivyanets, Lithuania, Soviet statesman, established and developed Soviet secret police (Cheka, forerunner to the KGB)

Joseph Stalin

1878-12-18 Joseph Stalin, Dictator and General Secretary of the Soviet Union (1922-53), born in Gori, Tiflis Governorate, Russian Empire (d. 1953)

    Kliment J Woroshilov, marshal/president USSR (1953-60) Bela Kun, Czehul Romania, head of Hungarian Soviet Republic (1919) Heinrich Neuhaus, Soviet pianist (The Art of Piano Playing), born in Elisavetgrad, Russian Empire (d. 1964)

Vladimir Zworykin

1888-07-29 Vladimir K. Zworykin, Russian-American inventor (development of television, cathode ray tube), born in Murom, Russian Empire (d. 1982)

    Solomon Mikhoels, Soviet actor and chairman of the Jewish Anti-Fascist Committee (d. 1948) William Christian Bullitt Jr., 1st US ambassador to USSR, born in Philadelphia, Pennsylvania (d. 1967) Vlas Chubar, Soviet politician (d. 1939) Sergey Ivanovich Vavilov, Soviet physicist (d. 1951) W Averell Harriman, American (Gov-D-NY)/ambassador to USSR (1943-46) E. H. Carr, English historian (History of Soviet Russia), born in London (d. 1982) Vsevolod Pudovkin, Soviet film director/theorist (Mother, Deserter) Vladimir Mayakovsky, Russian poet (Ode to Revolution), born in Baghdati, Soviet Georgia (d. 1930) [OS=7/7] Ernst Toller, German playwright, President of Bavarian Soviet Republic (1919), born in Samotschin (d. 1939)

Nikita Khrushchev

1894-04-15 Nikita Khrushchev, First Secretary of the Communist Party of the Soviet Union (1953-64), born in Kalinovka, Russia (d. 1971)

    Nikolai Bulganin, Premier of USSR (1955-58), born in Gorky, Russia (d. 1975 Miron Merzhanov, Soviet architect (d. 1975) Richard Sorge, German spy for the Soviet Union in Tokyo during World War II, born in Baku, Russian Empire (d. 1944) Anastas Mikoyan, Armenian revolutionary and member of Supreme Soviet, born in Sanahin, Yelizavetpol Governorate, Russian Empire (d. 1978) Dziga Vertiv [Denis A Kaufman], Russian director (Sjagai, Soviet!) Hovhannes Bagramyan, Soviet military commander and Marshal of the Soviet Union of Armenian origin, born in Yelizavetpol, Elisabethpol Governorate, Russian Empire (d. 1982)

Lavrentiy Beria

1899-03-29 Lavrentiy Beria, Soviet politician and head of the NKVD secret service, born in Merkheuli, Russian Empire (d. 1953)

    Ivan Ivanov-Vano Soviet animator and Russian animation director (d. 1987) Sergey Vladimirovich Obraztsov, Soviet puppet master, born in Moscow, Russia (d. 1992) Igor Kurchatov, Russian nuclear physicist, born in Sim, Chelyabinsk Oblast, Russia (d. 1960) Nikolaj V Podgorny, pres USSR (1965-77) Aram Khachaturian, Soviet composer (Gayane Sabre Dance), born in Tbilisi, Georgia (d. 1978) Aleksei N Kosygin, Soviet premier (1964-80) Nikolai Tikhonov, Soviet politician (Chairman of the Council of Ministers of the Soviet Union 1980-85), born in Kharkiv, Kharkov Governorate, Russian Empire (d. 1997) Mikhail Sholokhov, Soviet writer (And Quiet Flows the Don, Nobel 1965), born in Veshenskaya, Don Host Oblast, Russian Empire (d. 1984) Oleg Antonov, Soviet aircraft designer (d. 1984) Klavdiya Shulzhenko, Soviet jazz and pop singer ("Let's Smoke"), born in Kharkiv, Russian Empire (now Ukraine) (d. 1984) William Hayter, British diplomat and Ambassador to the Soviet Union (1953-57), born in Oxford, England (d. 1995)

Leonid Brezhnev

1906-12-19 Leonid Brezhnev, General Secretary of the Soviet Union (1964-82), born in Kamenskoye, Ukraine (d. 1982)

    Yevgeniy Abalakov, Soviet mountaineer (d. 1948) Anthony Blunt, British art historian and spy for USSR, born in Bournemouth, Hampshire, England (d. 1983) Fyodor Matveyevich Okhlopkov, Yakut-born Soviet sniper (d. 1968) Harrison E Salisbury, journalist/author (50th Anniv of Soviet Union) Vladimir Alatortsev, USSR, International Chess Master (1950) Andrei Gromyko, Soviet politician (President of Union of Soviet Socialist Republics), born in Staryya Hramyki, Mogilev Governorate, Russian Empire (d. 1989) [NS 7/18] Andrei Gromyko, Soviet politician (President of Union of Soviet Socialist Republics), born in Staryya Hramyki, Mogilev Governorate, Russian Empire (d. 1989) [OS 7/5] Aleksandr Tvardovsky, Russian poet and editor in chief (Novyj Mir), born in Zagorye, Russian Empire (d. 1971) [OS=June 8] Mikhail Botvinnik, Russian world chess champion (1948-63), born in Repino, Russia (d. 1995) Sergey Sokolov, Soviet marshal and Minister of Defence of the Soviet Union (1984-87), born in Yevpatoria, Russian Empire (d. 2012)

Konstantin Chernenko

1911-09-24 Konstantin Chernenko, General Secretary of the Communist Party of the Soviet Union (1984-85), born in Bolshaya Tes, Yeniseysk Governorate, Russian Empire (d. 1985)

Kim Philby

1912-01-01 Kim Philby, British spy and Soviet mole who was a member of the "Cambridge Five", born in Ambala, Punjab, India (d. 1988)

Yuri Andropov

1914-06-15 Yuri Andropov, General Secretary of the Communist Party of the Soviet Union (1982-84) and KGB Chief (1967-82), born in Nagutskaya, Stavropol Region, Russian Empire (d. 1984)

    Vasily Zaitsev, Soviet World War II hero (d. 1991) Georgy Sviridov, Soviet Russian neo-romantic composer (The Blizzard Time Forward!), born in Fatezh, Kursk Governorate, Russian Empire (d. 1998) Paul Keres, USSR, chess grandmaster (1950) Yuri "Petrovich" Lyubimov, USSR, director (Taganka) Nikolai Ogarkov, Soviet field marshal, born in Molokovo, Tver, Russian Republic (d. 1994) Yevgeny Pepelyaev, Bodaybo, Irkutsk, Soviet Union, fighter pilot, (d. 2013) Marcus Klingburg, Israeli soviet spy and epidemiologist Nina Dumbadze, Soviet discus thrower (Olympic bronze 1952), born in Odessa, Ukraine (d. 1983) Oleg Penkovsky, Soviet military intelligence (GRU), born in Vladikavkaz, Russia (d. 1963) Yegor Ligachev, Soviet politician Georgy Beregovoy, Soviet cosmonaut (Soyuz 3), born in Fedorivka, Poltava Oblast, Ukrainian Soviet Socialist Republic (d. 1995)

Dmitri Polyakov

1921-07-06 Dmitri Polyakov, Soviet Major General and spy for the CIA, born in Ukraine (d. 1988)

    Maria Gorokhovskaya, Russian gymnast (Olympic Champion 1952), born in Yevpatoria, Soviet Union Viktor Chukarin, Soviet gymnast (Olympic gold 1952, 56), born in Mariupol, Ukraine (d. 1984) Anatoli Papanov, Russian actor (Cold Summer of 1953) named as a People's Artist of the USSR (1973), born in Vyazma, Russia (d. 1987) Vsevolod Bobrov, Soviet ice hockey left wing (Olympic gold 1956) and soccer striker (3 caps), born in Morshansk, Tambov, Russia (d. 1979) Yelena Bonner, Soviet dissident and wife of Andre Sakharov, born in Merv, Turkmenistan, Soviet Union (d. 2011) [1] Aleksandra Chudina, Soviet athlete, track jumper (Olympic-2 silver-1952), born in Kurkinsky District, Russia (d. 1990) Gevork Vartanian, Soviet intelligence agent (Operation Long Jump), born in Rostov-on-Don (d. 2012) Nina Bocharova, Soviet-Ukrainian gymnast (Olympic gold balance beam, team 1952), born in Suprunivka, Ukraine (d. 2020) Sergey Yablonsky, Soviet and Russian mathematician and one of the founders of the Soviet school of mathematical cybernetics and discrete mathematics (d. 1998), born in Moscow, Russia Pavel Belyayev, Soviet fighter pilot and cosmonaut (Voskhod II), born in Chelishchevo, Russia (d. 1970) Arkady Natanovich Strugatsky, Soviet-Russian sci-fi author (Tale of the Troika), born in Batumi, Georgia (d. 1991) Yakov Rylsky, USSR sabre team (Olympic bronze 1956), born in Aleksandrovka, Verkhubinsky District, Kazakhstan (d. 1999) Vladimir Shainsky, Soviet and Russian composer, born in Kiev, Ukraine (d. 2017) Konstantin Petrovich Feokistov, USSR, cosmonaut (Voskhod I) Sergei Filatov, Soviet equestrian dressage (Olympic gold 1960), born in Lysyye Gory, Tambov Governorate (d. 1997) Galina Vishnevskaya, Russian soprano opera singer (Britten's "War Requiem"), born in Leningrad, Russia (d. 2012) Ivan Kalita, Soviet equestrian dressage (Olympic silver 1968), born in Tambov Governorate (d. 1996) Mstislav Rostropovich, Soviet-Russian cellist and conductor, born in Baku, Azerbaijan SSR (d. 2007) Eldar Ryazanov, Russian film director and screenwriter (A Cruel Romance), born in Kuybyshev, USSR (d. 2015) Vladimir Shatalov, Soviet cosmonaut (Soyuz 4, 8, 10), born in Petropavlovsk, Kazakh SSR

Eduard Shevardnadze

1928-01-25 Eduard Shevardnadze, President of Georgia (1995-2003) and Soviet Foreign Minister (1985-90), born in Mamati, Georgia (d. 2014)

    Vasily Grigoryevich Lazarev, Siberia USSR, cosmonaut (Soyuz 12, 18A) Nina Otkalenko, USSR, 800m runner (9 world records) Valentin Muratov, Russian gymnast (4 gold, 1 silver medals 1952, 1956 Olympics), born in Moscow, Russia (d. 2006) Rudolf Plyukfelder, Soviet light heavyweight lifter (Olympic gold 1964), born in Novoorlivka, Ukraine Nina Ponomareva Romaschkova, Soviet discus thrower (Olympic gold 1952, 60), involved shoplift scandal, born in Smychka (d. 2016) Vladimir Antoshin, USSR, International Chess Grandmaster (1964) Tigran Petrosian, Soviet Armenian world chess champion (1963-69), born in Tiflis, Georgian SSR, Soviet Union (d. 1984) Larisa Bogoraz, Soviet dissident (d. 2004)

Francis Gary Powers

1929-08-17 Francis Gary Powers, American spy captured by the USSR after his U-2 spy was shot plane in 1959, born in Jenkins, Kentucky (d. 1977)

    Elizabeta Bagrintseve, USSR, discus thrower (Olympic silver 1952) Andrian Grigoryevich Nikolayev, Soviet cosmonaut (Vostok III, Soyuz 9), born in Shorshely, Russia (d. 2004) Nikolay Ryzhkov, Premier of USSR (1985-1991) Lev Yashin, Soviet-Russian football goalkeeper (Soviet Union 1954-1967) Alevtina Koltschina, USSR, cross coutry relay skier (Olympic gold 1960) Yury Tyukalov, Soviet rower (Olympic 1952,56 Gold), born in Leningrad, Russia (d. 2018) Yuri Petrovich Artyukin, USSR, cosmonaut (Soyuz 14) Konstantin Vyrupayev, Soviet wrestler (Greco-Roman Bantamweight Olympic Gold 1956), born in Irkutsk, Russia (d. 2012)
  • Anterior
  • 1

Key Facts & Information

HISTORICAL BACKGROUND

  • After the Bolshevik triumph at the end of October, 1917, Lenin needed the support of the Russians as the nation was near collapse. Despite the lack of experience in running a government, Lenin, Trotsky, and the Bolshevik Party were able to introduce new laws right after the revolution.
  • Initially, the Bolsheviks showed support of the Constituent Assembly. However, with the return of Lenin in 1917, he distinguished the party from other socialist- and bourgeois-dominated bodies, including the Provisional Government and the Constituent Assembly.
  • After the election, Lenin anonymously issued the Theses on the Constituent Assembly on December 26, 1917, in the Bolshevik newspaper Pravda. He argued that a republic of Soviets should not be composed of a Constituent Assembly with bourgeois members.
  • On July 16, 1918, the last of the Russian royal family was sentenced to death. Many believed that the impromptu murder was planned by the Bolsheviks. All of Nicholas II’s family, his wife, and children were executed.
  • In line with the promise of giving the Russian people peace, Bolshevik leader Lenin signed a peace treaty with the Central Powers composed of Germany, the Austro-Hungarian Empire, Bulgaria, and the Ottoman Empire.
  • On December 22, 1917, open talks between representatives took place in Brest-Litovsk (modern-day Belarus).
  • On March 3, the Treaty of Brest-Litovsk was signed, and Russia was successful in exiting the war but faced humiliating territorial loss.
  • Between 1918 and 1920, the Russian Civil War occurred in opposition to Lenin’s regime. Groups composed of militarists, monarchists, and some foreigners were collectively known as the Whites, while Lenin supporters were the Reds.
  • After the Russian Civil War, the once small Bolshevik Party held total control of Russia. Moreover, Lenin recaptured several territories of the former Russian Empire and organized them into socialist republics all ruled by the Soviets.
  • By 1922, the Union of the Soviet Socialist Republics, commonly known as the USSR, was established by Lenin. After two years, each Republic delegated representatives to the Congress of Soviets and agreed with a constitution.

THE UNION OF THE SOVIET SOCIALIST REPUBLICS

  • Aside from having a supreme governing body with the Central Executive Committee of the Congress, Russia became a Communist one-party state.
  • In 1924, upon the death of Lenin, Joseph Stalin rose to power, defeating expected successor Leon Trotsky. Stalin ruled as a dictator and employed a series of brutal policies, including the Great Purge.
  • From 1924 until Stalin’s death in 1953, the USSR changed from an agrarian society to an industrial and military nation.
  • In order to transform the Soviet Union, Stalin led a series of Five-Year Plans which included collectivization of agriculture and rapid industrialization. The succeeding Five-Year Plans still included industrialization plus the massive production of armaments.
  • Collectivization was Stalin’s policy, which initially encouraged the transformation of agriculture from private-capitalist to collective-socialist production.
  • Collective farms were called kolkhoz and were composed of 50 to 100 families that replaced outmoded farms owned by the peasantry. Richer peasants known as the kulaks were excluded.
  • In order to modernize agriculture, small farms were combined into one and machinery like tractors was used to boost productivity. All products were sold to the government and farmers received wages.
  • In 1930, many peasants rebelled against Stalin’s policy of Collectivization. They burned farmland and killed domestic animals rather than selling to the state.
  • The direct consequence was famine. After a year, Stalin doubled the policy this worsened the famine. Stalin blamed the kulaks who were sent to gulags. By 1939, 99% of farmland was collectivized and 90% of all production went to the government.
  • Dekulakization was Stalin’s response to the kulaks’ organized protests against Collectivization. There were also reports of kolkhoznik (collective farmers) attacked by non-collective neighbors.
  • During the initial years of the Second World War, Stalin signed a nonaggression pact with Adolf Hitler with hopes that the Fuhrer would spare the USSR. However, Hitler launched Operation Barbarossa against the USSR. In response, Stalin made an alliance with the U.S. and Britain.
  • After the surrender of the Nazis, Stalin felt uncomfortable with his alliance. By 1948, he installed communist governments in Eastern Europe.
  • As a result of Communist expansionism, the U.S. and Britain were threatened. In response, NATO or the North Atlantic Treaty Organization was founded in 1949.
  • By 1955, the USSR and its allies in the Eastern bloc formed the Warsaw Pact which set the stage for the Cold War. The Cold War lasted until 1991, the same year of the union’s collapse.
  • Upon the death of Stalin, Nikita Khrushchev consolidated power and became the premier of the USSR.
  • Under Khrushchev, tensions of the Cold War rose. He instigated the Cuban Missile Crisis in 1962, against U.S. President John F. Kennedy.
  • Khrushchev became known for his de-Stalinization policy. Through a speech, he criticized Stalin’s regime. Among his policies included the release of political prisoners, loosening of censorship, and closing of gulags or labor camps.
  • After the success of the Soviet’s Sputnik 1 and Yuri Gagarin’s mission, technological rivalry against the United States began with the Space Race.

THE USSR AND GORBACHEV

  • After the costly space race and military conflicts in Berlin, Cuba, and Afghanistan, Mikhail Gorbachev inherited a stagnant economy and unstable political system.
  • With the emergence of Mikhail Gorbachev in the late 1980s as the new Soviet leader, the USSR began to implement policies that aimed to restructure the Soviet economy and politics. By the time of Gorbachev’s succession, the USSR’s economy had stagnated and the nation was isolated from the West. Some of his initial policies included:
    • Withdrawal of the Red Army from Afghanistan
    • Strategic Arms Reduction Talks (START) and the Intermediate-Range Nuclear Forces Treaty agreement with the U.S.
    • The implementation of democratization in governance
    • The introduction of reconstruction concepts including perestroika and glasnost

    The Soviet Union Worksheets

    This is a fantastic bundle which includes everything you need to know about the Soviet Union across 23 in-depth pages. Estes são ready-to-use The Soviet Union worksheets that are perfect for teaching students about the Soviet Union, officially known as the Union of Soviet Socialist Republics or the USSR, which was formed in 1922 through a treaty between Russia, Ukraine, Belarus, and Transcaucasia by the Communist leader, Vladimir Lenin. Before its collapse in 1991, the USSR grew and, at its height, controlled 15 Soviet Socialist Republics.

    Complete List Of Included Worksheets

    • The Soviet Union Facts
    • Mapping the USSR
    • From Lenin to Gorbachev
    • Soviet Glossary
    • Soviet Infographic
    • The Cold War
    • Soviet Pact and Facts
    • Collectivization Bulletin
    • Soviet Events
    • The Man of Steel
    • The Soviet Union and WWII

    Link / cite esta página

    Se você fizer referência a qualquer conteúdo desta página em seu próprio site, use o código a seguir para citar esta página como a fonte original.

    Use com qualquer currículo

    Essas planilhas foram projetadas especificamente para uso com qualquer currículo internacional. Você pode usar essas planilhas no estado em que se encontram ou editá-las usando o Apresentações Google para torná-las mais específicas para seus próprios níveis de habilidade dos alunos e padrões de currículo.


    Assista o vídeo: 4 ZŁE NAWYKI, które RUJNUJĄ twój związek! Jak naprawić relację? (Dezembro 2021).