Podcasts de história

6 tesouros perdidos famosos

6 tesouros perdidos famosos


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

1. Arca da Aliança

De acordo com a Bíblia Hebraica, Moisés mandou construir o baú de madeira folheado a ouro, conhecido como a Arca da Aliança, de acordo com o projeto de Deus. Seu objetivo era guardar relíquias sagradas, incluindo duas tábuas de pedra contendo os Dez Mandamentos. Os israelitas carregaram a Arca ao longo dos 40 anos que passaram vagando no deserto, e mais tarde a abrigaram no templo do Rei Salomão em Jerusalém. Em 607 a.C., os babilônios cercaram a capital israelita, massacrando mais de um milhão de pessoas e levando os sobreviventes ao exílio. Quando os israelitas retornaram, a Arca havia desaparecido, junto com muitos outros tesouros inestimáveis. Não se sabe se o baú sagrado estava escondido em algum lugar antes do cerco como proteção ou destruído pelos invasores babilônios. Seja qual for o caso, arqueólogos e caçadores de tesouros o procuram há mais de um século, com pouco sucesso.

2. Tesouro de Montezuma

Quando Hernán Cortés chegou à capital asteca de Tenochtitlan em 1519, o Imperador Montezuma II o saudou e seus homens com grande cerimônia. Os astecas até ofereceram ouro e prata a Cortés na esperança de que esses “deuses” de pele branca deixassem Tenochtitlan em paz. Ávidos por mais, os espanhóis colocaram Montezuma em prisão domiciliar e, com a ajuda de aliados locais, saquearam a cidade e aterrorizaram seus habitantes. Depois de um massacre brutal durante um festival religioso, os astecas se rebelaram e Montezuma foi morto na confusão. As forças espanholas fugiram de Tenochtitlan sob ataque total e foram forçadas a despejar todas as suas riquezas saqueadas nas águas do Lago Texcoco em sua corrida louca para escapar. Embora Cortés tenha retornado com um exército reconstruído no ano seguinte e conquistado os astecas para sempre, o chamado "Tesouro de Montezuma" permaneceria perdido. De acordo com a teoria mais popular, as riquezas ainda estão no fundo do Lago Texcoco, embora muitos tenham procurado lá sem sucesso. Mas, como diz uma lenda - transmitida por alguns descendentes astecas - mais de 2.000 homens recuperaram os tesouros e os levaram (com o cadáver exumado de Montezuma) para o norte, talvez até o sul de Utah.

3. Tesouro do Barba Negra

Acredita-se que o pirata mais famoso da história (nome real: Edward Teach) tenha servido como um corsário britânico durante a Guerra da Sucessão Espanhola no início do século 18 antes de embarcar em sua breve mas notória carreira na pirataria. De 1716 a 1718, Barba Negra e sua nau capitânia de 40 armas, Queen Anne’s Revenge, rondaram as Índias Ocidentais e a costa atlântica da América do Norte, atacando navios que voltavam para a Espanha carregados com ouro, prata e outros tesouros do México e da América do Sul. No final de 1718, uma força naval britânica liderada pelo tenente Robert Maynard conseguiu matar Barba Negra após uma batalha difícil; Maynard decapitou o infame pirata e pendurou sua cabeça no gurupés de seu navio. Antes de sua morte, Barba Negra afirmou ter escondido seu enorme tesouro, mas ele nunca disse a ninguém sua localização. Os caçadores de tesouros têm procurado por ele desde então, buscando pistas em todos os lugares, da Baía de Chesapeake, na Virgínia, ao Caribe e às Ilhas Cayman.

4. Tesouro de Lima

Em 1820, enquanto as forças do líder revolucionário José de San Martín avançavam sobre Lima, Peru, as autoridades espanholas se apressaram em salvar as riquezas que acumularam desde a conquista do Império Inca no século XVI. Eles encarregaram o capitão do mar britânico William Thompson de esconder o tesouro a bordo de seu navio, o Mary Dear, e navegar até que fosse seguro retornar a Lima. Em vez disso, Thompson e sua equipe mataram os guardas do vice-rei espanhol e fugiram com o saque. Quando um navio espanhol capturou o Mary Dear, toda a tripulação foi executada, exceto Thompson e seu primeiro imediato, que prometeu revelar onde haviam enterrado o tesouro. Mas quando chegaram à Ilha de Cocos, perto da atual Costa Rica, Thompson e seu companheiro fugiram para a selva e nunca mais se ouviu falar dele. Desde então, mais de 300 expedições tentaram - e não conseguiram - encontrar o Tesouro de Lima. A compra perdida, que supostamente incluía uma imagem em ouro maciço em tamanho real da Virgem Maria incrustada com pedras preciosas, estima-se que valha cerca de US $ 200 milhões hoje.

5. Tesouro de Mosby

No início de março de 1863, o ranger confederado Coronel John Singleton Mosby e seu bando de guerrilheiros surpreenderam mais de 40 soldados da União no Tribunal Fairfax e os venceram sem disparar um tiro. Dos alojamentos do General da União Edwin Stoughton, Mosby supostamente pegou um saco de estopa com mais de US $ 350.000 em ouro, prata, joias, castiçais e outras relíquias de família, todos retirados das casas de ricos fazendeiros da Virgínia. Enquanto Mosby transportava Stoughton e os outros prisioneiros de volta para a linha confederada, seus batedores o alertaram sobre um grande destacamento de soldados da União nas proximidades. Em caso de batalha, Mosby disse a seus homens para enterrar o saco de tesouro entre dois grandes pinheiros, que ele marcou com sua faca. Os invasores de Mosby evitaram o confronto e voltaram para trás das linhas confederadas, mas quando ele enviou sete de seus homens para recuperar as riquezas, eles foram capturados e enforcados como guerrilheiros acusados. Mosby nunca voltou para pegar o tesouro e nunca disse a ninguém sua localização exata - até onde sabemos, ele permanece enterrado nos bosques do condado de Fairfax, na Virgínia, hoje.

6. Ouro nazista no lago Toplitz da Áustria

Durante os meses finais da Segunda Guerra Mundial, quando a Alemanha se viu à beira da derrota, o regime nazista procurou esconder os tesouros valiosos que passou os últimos seis anos saqueando de museus e famílias judias condenadas por toda a Europa. Ainda hoje, rumores continuam a circular sobre um “trem fantasma” nazista carregando até 300 toneladas de ouro e outras riquezas através de uma rede secreta de túneis na Polônia. No lago Toplitz, localizado na densa floresta alpina da Áustria, acredita-se que oficiais nazistas tenham afundado bilhões de dólares em ouro do Reichsbank - nenhum dos quais foi recuperado até agora. Em 1959, mergulhadores recuperaram contêineres cheios de milhões de dólares em moeda falsa de nações aliadas, parte de um plano nazista para destruir as economias de seus inimigos por meio da inflação. Até o momento, pelo menos sete pessoas se afogaram nas águas geladas do lago em busca do ouro nazista perdido.



Os Arquivos Nacionais armazenam alguns dos documentos mais valiosos e raros da história e dos raros. A segurança é rigorosa nos depósitos antropológicos mais importantes do mundo, mas isso não impediu os ladrões de fugir com algumas de suas peças de valor inestimável.

Os documentos de patentes que descrevem em detalhes o conceito de Wilbur e Orville Wright & rsquos para uma máquina voadora foram levantados por um vigarista desconhecido sem que ninguém percebesse. Só em 2003 alguém descobriu que ele estava faltando e, desde então, ninguém foi capaz de prender o culpado.

Roubos nos Arquivos tornaram-se tão comuns que uma força-tarefa armada foi designada para rastrear as peças perdidas. As fotos tiradas pelos astronautas durante o pouso na Lua foram recuperadas, assim como as fitas de áudio do Hindenburg batida. Mas até que alguém tente leiloar esboços de aviões desenhados à mão no início dos anos 1900, talvez nunca saibamos para onde os papéis das patentes foram.


Havia numerosos navios de tesouro espanhóis batizados São Miguel, e mais de um deles afundado entre o Novo Mundo e a Espanha, mas um em particular é atraente. San Miguel de Archangel & ndash São Miguel Arcanjo & ndash fazia parte da frota do Tesouro espanhol de 1715 que partiu de Havana a tempo de encontrar um furacão na costa da Flórida e ser completamente destruída. A frota carregava ouro, prata, esmeraldas, pérolas e outras pedras preciosas roubadas dos astecas pelos espanhóis, com o objetivo de reforçar os cofres do Império Espanhol. Em vez disso, 300 anos depois, porções da fortuna perdida ainda chegam à costa do tesouro da Flórida.

Grande parte da Frota do Tesouro foi descoberta e resgatada, perto de Sebastian Inlet, onde o furacão fez os navios afundarem três séculos atrás. A frota espanhola era composta por vários tipos de navios, entre os quais os galeões pesados, todos perdidos e descobertos, e um número menor de naus. A carraca era uma embarcação mais leve, mais fácil de manusear em ventos variados e mar agitado, e também mais rápida à vela do que os galeões. As carracas eram favorecidas para o transporte de carga, incluindo os tesouros dos astecas, com os galeões considerados mais adequados para a defesa da frota (embora também carregassem tesouros). San Miguel de Archangel era uma carraca.

Devido aos registros mantidos pelos espanhóis em Havana, o tamanho e a composição da frota do tesouro são conhecidos hoje. Os navios vinham de Vera Cruz, Cartagena e Porto Bello para Havana, carregados com as riquezas saqueadas do México. Um comerciante francês, Le Griffon, uniu-se para valer-se da proteção dos galeões espanhóis contra os piratas que rondavam o Caribe, na esperança de roubar os tesouros que os espanhóis haviam roubado do que chamavam de Nova Espanha. No total, onze navios espanhóis se reuniram no porto de Havana, além do navio francês. A ameaça de piratas levou os espanhóis a atrasar deliberadamente sua partida até o início da temporada de tempestades, acreditando que poderiam contornar a costa da Flórida e se abrigar perto de Santo Agostinho.

A frota sobreviveu cerca de uma semana depois de deixar Havana, mais de mil marinheiros morreram nas tempestades. Os espanhóis sabiam onde a maioria dos navios afundava e conseguiram resgatar pelo menos metade do tesouro que afundou nos navios, usando mergulhadores nativos e escravos. No final do século XX, os salvadores modernos recuperaram mais do tesouro e, de tempos em tempos, porções da riqueza da Nova Espanha ainda chegam à costa ao longo da Costa do Tesouro da Flórida, incluindo correntes de ouro, cálices e, ocasionalmente, lingotes de ouro e prata. Todos os navios da frota do tesouro foram identificados, seu paradeiro conhecido, mas um.

A carraca San Miguel de Archangel acredita-se que tenha corrido antes da tempestade, alcançando latitudes mais ao norte do que o resto da frota, antes de também se perder para o mar. É impossível saber quanto mais ao norte, mas provavelmente permaneceu perto da costa, já que os ventos do furacão o teriam impedido de alcançar o mar aberto. Muito possivelmente, o navio mais rico de toda a frota do tesouro de 1715 está descansando no fundo da costa da Flórida, esperando para ser descoberto e retirado de suas placas de ouro e prata e das esmeraldas, diamantes e pérolas que carregava quando partiu de Havana três séculos atrás.


5 o navio fantasma Mary celeste

Em 1872, o navio foi avistado ao largo dos Açores, no Atlântico, completamente intacto e sem perturbações, à parte a tripulação desaparecida. Nem uma única pessoa, viva ou morta ou não-morta, pôde ser encontrada, apesar dos pertences pessoais de todos ainda estarem sentados intactos onde foram deixados. Mesmo pequenas coisas como objetos de valor e música de piano estavam exatamente onde deveriam estar. Era como se sua tripulação simplesmente tivesse evaporado.

O estranho caso do desaparecimento da tripulação do navio mercante Mary celeste não é apenas o mistério marítimo mais famoso da história, é o episódio que serviu de parteira para a histeria do Triângulo das Bermudas.

Então, como todo mundo simplesmente desapareceu? Fantasmas? Alienígenas? Monstros marinhos? Vórtice dimensional? De acordo com o History Channel, sim. Afinal, o caso provou ser difícil de decifrar. Todos os documentos do navio estavam faltando, mas o diário de bordo ainda estava são e salvo. A pirataria é improvável, pois não havia sinais de luta e nenhum butim faltando. A escotilha principal foi selada e não houve relatos de tempestades ou interrupções de tempo / espaço na área.

Os cientistas agora apontam para a única pista desconcertante que o navio nos deixou: de sua carga de 1.701 barris de álcool, nove estavam vazios. Nós sabemos o que você está pensando: a tripulação jogou o capitão ao mar para que eles pudessem se embriagar com o álcool puro e levar o bote salva-vidas para um passeio, que correu esplendidamente até bater em uma baleia. Parece um fim de semana interessante, mas a verdade é um bilhão de vezes mais incrível.

Acredita-se que o maior mistério marítimo da história tenha sido o assunto de uma das mais incríveis explosões da história do álcool. Dra. Andrea Sella, professora de química da University College London, criou uma réplica do Mary Celeste's reter em 2006 apenas para que ele pudesse encontrar uma maneira MacGyverish de explodi-lo sem deixar um único sinal de incêndio. Ele simulou um vazamento dos nove barris de álcool do navio e descobriu que uma vez que o vapor foi inflamado, digamos por um cano ou uma faísca, ele criou um "tipo de explosão de onda de pressão. Houve uma onda espetacular de chamas, mas, por trás dela , era um ar relativamente frio. Nenhuma fuligem foi deixada para trás e não houve queima ou escaldamento. "

Isso mesmo, o Mary celeste provavelmente estava sujeito a um explosão de fantasma estranha poderoso o suficiente para explodir todas as escotilhas, mas no final das contas deixa tudo e todos no barco completamente ilesos. A tripulação, no entanto, teria experimentado um surto semelhante a quando os nazistas abriram a Arca da Aliança.

Parece que a tripulação desaparecida ficou tão horrorizada que se amontoaram no bote salva-vidas do navio sem qualquer coisa útil como comida ou água, afundando ou morrendo de sede e exposição. Sim o Mary celeste ainda teria parecido perfeitamente bem quando eles navegaram para os braços abertos da Morte, mas pergunte-se: você teria se oferecido para voltar para aquele navio?


Os maiores tesouros perdidos do mundo, ainda esperando para serem encontrados

Hoje em dia, em grande parte graças ao Google Earth, parece que nem um centímetro deste planeta ficou inexplorado ou um único tesouro não foi descoberto. Mas isso não é verdade. Algumas das riquezas mais incríveis do mundo, de tesouros de piratas a joias reais, ainda estão por aí em algum lugar, perdidas, esperando para serem encontradas.

Alguns deles são lendários e uma mera menção estimula a imaginação: o Santo Graal, procurado durante séculos por homens devotos na esperança de encontrar a taça que antes continha o sangue de Cristo. Ou El Dorado, a mítica cidade inca pavimentada com ouro e tesouros inimagináveis ​​que levou ondas de conquistadores à loucura de ganância.

Ainda hoje, a arte da caça ao tesouro sobrevive, e poucos tesouros são mais atraentes do que naufrágios. Provavelmente, o maior tesouro entre eles é La Flor de la Mar - A Flor do Mar - uma fragata portuguesa que zarpou de Malaca, Malásia, em 1511 carregando o maior tesouro já reunido na história naval de Portugal. O navio foi pego por uma violenta tempestade no estreito de Malaca e naufragou nos recifes de Sumatra, dividindo-se em dois e derramando seu precioso conteúdo nas ondas.

A Frota do Tesouro da Espanha de 1715 também é um troféu dos sonhos. No auge de seu império, a Espanha reuniu uma das mais ricas frotas de tesouros já vista: 11 navios, todos cheios até a amurada com prata, ouro, pérolas e esmeraldas do Novo Mundo. Os navios deixaram Cuba pouco antes da temporada de furacões na esperança de dissuadir os piratas. Funcionou, mas alguns dias depois uma tempestade afundou todos os 11 navios, mandando milhares de marinheiros e toneladas de tesouros para o fundo do mar. Sete dos navios foram localizados, mas apenas uma pequena porcentagem da recompensa foi recuperada.

Outra forma mais macabra de caça ao tesouro é a busca para descobrir os locais de descanso das maiores figuras da história. Os túmulos da rainha egípcia Nefertiti e do imperador mongol Genghis Khan nunca foram encontrados, embora se acredite que ambos possuam grandes riquezas. Outra tumba muito procurada é a de Qin Shi Huang, o primeiro imperador da China. Na verdade, foi encontrado - protegido pelo famoso Exército de Terracota - e acredita-se que contenha artefatos de valor inestimável. Mas a escavação é lenta porque o solo ao redor da área de sepultamento tem uma alta concentração de mercúrio tóxico que pode envenenar o abastecimento de água se manuseado incorretamente.

O busto de Nefertiti é retratado durante uma prévia da exposição 'In The Light Of Amarna' no Neues Museum em Berlim, Alemanha, quarta-feira, 5 de dezembro de 2012. (AP Photo / Michael Sohn, piscina)

Quando pensamos em tesouros há muito esquecidos, imaginamos uma coisa: joias. Veja as joias da coroa do rei João. Este governante corrupto da Inglaterra realmente amava as exibições ostentosas de riqueza. Mas em 1216, as joias da coroa majestosa foram perdidas quando uma enchente levou os carros que os transportavam. John morreu vários dias depois, e as joias nunca foram encontradas.

Quando os bolcheviques invadiram o palácio do czar em 1918, oito ovos Fabergé de valor inestimável - feitos com pedras preciosas, metais caros e engenharia precisa - desapareceram de uma coleção de 50. Embora nunca tenham sido encontrados, dizem que vários deles conseguiram para o Reino Unido e os EUA

O ovo Fabergé "The Coronation Egg", 1897, é exibido em uma exposição no museu Bellerive em Zurique, Suíça, quarta-feira, 7 de junho de 2006. (AP Photo / Keystone, Alessandro Della Bella)

Mas muitos dos tesouros mais procurados do mundo são muito maiores. É o caso da lendária Sala Âmbar, uma sala forrada com painéis de âmbar, ouro e espelhos que foi dada a Pedro, o Grande, como um presente de Friedrich Wilhelm I em 1716.

Como um quarto pode sumir? Bem, em 1943, soldados alemães desmontaram a sala depois de invadir a Rússia, embalaram-na em 27 caixas e enviaram-na para Kaliningrado. Dizem que os bombardeios aliados da Segunda Guerra Mundial o destruíram, embora algumas evidências sugiram que ele foi realmente enviado para fora da cidade nos meses seguintes e escondido junto com outros tesouros nazistas.

Mais objetos de valor nazistas poderiam estar no fundo do lago Toplitz, nos Alpes austríacos. Durante uma retirada apressada, os oficiais nazistas jogaram um punhado de engradados de ferro misteriosos no lago. Até agora, o tesouro tem escapado aos mergulhadores que tentam alcançá-lo por causa de uma densa camada de troncos afundados na metade do caminho para o fundo do lago.

Claro, muitas caças ao tesouro são baseadas em boatos e boatos. E à medida que os anos passam e os fatos se misturam às lendas, torna-se difícil distinguir a verdade da história. No entanto, exemplos recentes mostram que ainda há esperança para o aspirante a Indiana Jones.

Em junho de 2011, bilhões de dólares em ouro e joias de valor inestimável foram descobertos sob o Templo Sree Padmanabhaswamy, na Índia. E este ano, a descoberta de um naufrágio do século 19 na costa da Carolina do Sul revelou milhões de dólares em moedas de ouro e lingotes.

Certo, procurar a tumba de Nefertiti pode não ser um plano de aposentadoria confiável, a menos que você não precise do dinheiro de qualquer maneira e esteja nele apenas para se divertir.

Uma fotografia de 27 de junho de 2011 do Templo Sree Padmanabhaswamy do século 16 em Trivandrum, capital do estado de Kerala, no sul da Índia. (Foto AP)


3 Tumba Secreta Cheia de Ouro do Imperador Tu Duc (Vietnã)

Tu Duc foi um imperador vietnamita que passou a vida enterrado na bunda. Apesar (ou talvez por causa) do fato de ser totalmente infértil, o cara tinha 104 esposas. Não amantes - esposas oficiais. Não estamos nem contando seu exército de concubinas.

Quanto à sua morte, ele (possivelmente) está gastando-o enterrado na segunda melhor coisa depois do burro: muito e muito ouro. E ninguém o encontrou ainda.

A tumba de Tu Duc é grande o suficiente para que você se perca e, aparentemente, foi exatamente isso que ele fez. Como não tinha filhos para cuidar dos preparativos para o funeral, o velho Duque decidiu cuidar disso ele mesmo e humildemente encomendou um enorme palácio funerário para seus restos mortais. Mais importante, alguns dizem que todo o ouro que ele não gastou na construção daquele lugar o acompanhou até o túmulo.

Os turistas ainda se aglomeram para ver o castelo da tumba de Tu Duc, mas os guias de viagem do Vietnã insistem que o lugar onde eles estão tirando suas selfies do tipo "olhe para mim, eu sou tão cultural" é apenas um pedaço vazio de granito: seu túmulo real, junto com todos seu tesouro, está escondido em um local secreto em algum lugar da área.

Claro, a riqueza de Tu Duc não flutuou apenas para o local secreto: alguém teve que carregar essa merda. Pelo menos um daqueles caras teve que ficar bêbado e contar tudo sobre o tesouro, certo? Não, porque Tu Duc era tão protetor com seu dinheiro que, segundo a lenda, ele ordenou que todos os seus 200 servos leais fossem decapitados assim que terminassem de enterrá-lo. Sim, apenas para evitar o roubo do dinheiro que ele nunca iria usar.

Essa coisa toda pode facilmente ser uma besteira que uma agência de viagens inventou para que você visitasse o Vietnã, especialmente porque não encontramos nenhuma menção à história antes de 2001, mas se você é um caçador de tesouros, ainda assim vale a pena tentar. Lembre-se de que sempre existe a possibilidade de que ele tenha pedido para ser enterrado com todas as suas esposas em uma enorme orgia de mortos-vivos, então realmente pergunte a si mesmo o quanto você deseja esse ouro.

Relacionado: 5 mentiras sobre a Guerra do Vietnã em que você provavelmente acredita


Henry Gordier era um francês que se juntou à corrida de garimpeiros para os campos de ouro da Califórnia na década de 1850. Gordier foi um dos sortudos que reivindicou o direito e conseguiu extrair uma fortuna considerável em ouro. O francês não tinha intenção de permanecer nas minas por toda a vida e em 1857 comprou um grande terreno no vale do Lago Honey, com a intenção de se tornar um fazendeiro. Um rebanho de gado logo foi comprado para pastar em suas terras e ele construiu uma casa de fazenda, celeiros e as necessidades de uma fazenda de trabalho.

Gordier era altamente considerado pela maioria de seus vizinhos, com exceção de três que moravam em uma cabana próxima situada no riacho Lassen. Dois desses homens eram suspeitos de várias atividades nefastas e um quarto logo se juntou a eles, alegando interesse em adquirir parte do rebanho de Gordier & rsquos. Este homem, William Thorrington, visitou a área na primavera de 1858. Um jogador conhecido e afiado, Thorrington não abordou Gordier sobre a compra de seu gado, em vez disso, os dois homens que originalmente ocuparam a cabana, Asa Snow e John Mullen, se aproximaram ele sobre uma possível compra.

Gordier recusou-se a vender suas ações e, em março, Asa Snow mudou-se para a casa de Gordier & rsquos, informando aos outros vizinhos da área que Henry havia retornado à França. Mais tarde naquela primavera, os cidadãos da área começaram a suspeitar das atividades de Snow, Mullen e de um terceiro homem se escondendo com eles, Bill Edwards. Quando o corpo de Gordier & rsquos foi encontrado enfiado em um saco e afundado no rio Susan, Snow foi preso e enforcado após um rápido julgamento. Eventualmente, os cúmplices, incluindo Thorrington, foram rastreados e enforcados, exceto Mullen, que desapareceu.

Os habitantes locais sabiam da origem da riqueza de Gordier & rsquos e de que ele trouxera uma grande quantidade de ouro na forma de pepitas. Não foi muito depois dos acontecimentos de 1858 que aqueles vizinhos estavam explorando a propriedade do falecido francês em busca do ouro. Por muitos anos nada foi encontrado, ou pelo menos ninguém alegou ter encontrado ouro, até 1877, quando várias pepitas de tamanhos variados apareceram perto de onde a cabana de Gordier & rsquos havia muito tempo estava.

Nada mais apareceu desde então, embora Gordier fosse conhecido por ter cerca de $ 40.000 em ouro com ele na propriedade (um pouco mais de $ 1,1 milhão hoje). Além das poucas pepitas que viraram na poeira em 1877, nenhuma de sua fortuna foi declarada como tendo sido encontrada. Provavelmente ainda está enterrado na propriedade hoje, embora o conhecimento da localização exata pareça ter morrido com Gordier. É um dos muitos esconderijos enterrados de considerável riqueza no oeste, esperando pacientemente para criar uma fortuna para algum explorador sortudo.


6 tesouros escondidos que ainda estão esperando para serem encontrados (talvez por você?)

Se você sempre quis ser uma Lara Croft ou Indiana Jones da vida real, existem alguns lugares que você pode começar a procurar hoje.

Com tantas lendas de riquezas perdidas por aí, é fácil pensar que o tesouro pode ser encontrado em qualquer lugar. Consulte um fórum de busca de tesouros por apenas alguns instantes e você perceberá que, mesmo agora, um doce saque pode estar escondido em algum lugar a apenas uma curta viagem de distância.

É impossível saber se uma lenda do tesouro é verdadeira até que as riquezas sejam realmente encontradas, mas abaixo está um conjunto de tesouros que realmente parecem valer a pena caçar.

1. O tesouro Forrest Fenn das Montanhas Rochosas

Depois de ser diagnosticado com câncer em 1988, o colecionador de arte milionário Forrest Fenn decidiu que antes de morrer, ele gostaria de esconder um baú de tesouro contendo alguns de seus pertences mais valiosos. Fenn acabou sobrevivendo ao câncer, no entanto, e em 2010 finalmente escondeu seu tesouro em algum lugar nas Montanhas Rochosas. Embora as pistas continuem aumentando (Fenn escreveu dois livros que conduzem aspirantes a buscadores ao esconderijo), e o tesouro supostamente vale milhões, até hoje ele ainda não foi encontrado.

O conteúdo exato do tesouro é desconhecido, mas um amigo de Fenn que ajudou a montar o prêmio disse a Vice: "Quando você abre a tampa. Foi tudo jogado dentro, querendo ou não, apenas esses montes enormes de moedas de ouro maciças, pepitas de ouro, tamanho dos ovos de galinha, joias, pulseiras de ouro, enfeites de ouro da América do Sul e tudo que brilha na luz. ” Isso parece muito brilhante!

Os caçadores de tesouro não mediram esforços para descobrir o tesouro. Alguns recorreram à perseguição de Fenn, enquanto outros cavaram por engano áreas no Central Park e até os túmulos dos pais e do irmão de Fenn. Se você gostaria de participar da caçada, um bom lugar para começar é o blog de Dal Neitzel sobre o tesouro, este perfil recente de Fenn pela blogueira do HuffPost Margie Goldsmith, ou simplesmente dê uma olhada na página do Facebook.

2. O poço de dinheiro da Ilha Oak

Ao largo da costa da Nova Escócia está a Ilha Oak, um lugar onde riquezas inimagináveis ​​(ou absolutamente nada) podem ser encontradas no fundo de um poço de dinheiro que iludiu os caçadores de tesouro por séculos. Originalmente, o poço de dinheiro foi encontrado em 1795 por um adolescente chamado Daniel McGinnis que afirmou ter visto luzes misteriosas vindo da ilha e, ao investigar, encontrou um pequeno buraco circular que parecia valer a pena cavar. Como esta era a era de ouro da pirataria, McGinnis e seus amigos pensaram que poderia haver um tesouro recentemente enterrado na cova. Os meninos fizeram muitas viagens ao local e, em suas escavações, encontraram marcas de picaretas e plataformas de madeira que serviam como sinais de que se tratava de um buraco feito pelo homem onde um tesouro poderia ser encontrado.

No final, entretanto, eles não encontraram nada de valor, mas conforme a lenda crescia, mais e mais pessoas decidiam tentar a sorte. Sinais emocionantes de um tesouro foram sendo desenterrados, como a presença de cascas de coco, que não são nativas da região. Finalmente, a uma profundidade de 30 metros, uma pedra misteriosa foi descoberta com símbolos que até hoje não foram decodificados definitivamente. Essa descoberta desencadeou a busca insana de riqueza nos séculos que viriam.

Várias empresas de caça ao tesouro tentaram a sorte, afundando milhões de dólares e perdendo seis vidas humanas. Infelizmente, conforme os buracos mais profundos eram cavados, o poço continuava a se encher de água, exigindo cada vez mais máquinas poderosas para drená-lo. E como empresa após empresa cavou buracos diferentes para evitar a água, apenas para encontrar problemas financeiros, o local do suposto poço de dinheiro original se perdeu. Essas pessoas não são completamente malucas: vestígios de ouro foram encontrados e outros tesouros supostamente também foram descobertos, embora os descobridores supostamente os tenham mantido escondidos.

As teorias sobre o que está realmente escondido na cova vão desde o "tesouro do pirata" bastante comum até o próprio Santo Graal. Apesar de tudo, as pessoas parecem não desistir da lenda. O presidente Franklin Delano Roosevelt até perseguiu o tesouro, trabalhando no local com quase 20 anos. Até hoje, as pessoas estão procurando por tesouros na cova de dinheiro e, neste ano, o The History Channel começou a exibir um reality show sobre os caçadores de tesouros da Ilha Oak.

3. O tesouro de Lima

Os espanhóis acumularam muitas riquezas após derrotar o império inca no século XVI. Grande parte dessa riqueza foi armazenada em Lima até 1820, quando uma revolta obrigou os espanhóis a tentar salvar seu tesouro retirando-o da cidade. O capitão britânico William Thompson e seu navio, o Mary Dear, foram encarregados de retirar o tesouro da cidade e navegar ao redor da área até que a revolta cessasse. Atingido pela tentação, no entanto, Thompson e sua tripulação mataram os guardas espanhóis e supostamente enterraram todo o transporte. O Mary Dear foi posteriormente capturado e toda a tripulação executada, exceto Thompson e seu primeiro imediato, que concordou em mostrar aos espanhóis onde haviam enterrado o saque. Eles direcionaram os espanhóis para a Ilha de Cocos, perto da atual Costa Rica, mas quando chegaram à costa, os dois piratas poupados correram para a selva, para nunca mais serem vistos.

Muitas perguntas permanecem: Thompson e seu primeiro imediato acabaram desenterrando o tesouro e continuando com suas vidas depois que os espanhóis desistiram de procurá-los? A Ilha do Cocos é mesmo onde enterraram o tesouro ou apenas um lugar que eles sabiam que poderiam se esconder? Qual foi a composição deste tesouro? A última pergunta pode ser respondida pelo menos parcialmente. As autoridades espanholas na época estimaram que o tesouro valia algo entre US $ 12 e US $ 60 milhões, e um "estoque original" incluía uma "imagem da Virgem Maria em ouro maciço, incrustada de gemas", junto com "113 religiosos de ouro estátuas. 200 baús de joias 273 espadas com punhos de joias 1.000 diamantes ouro maciço coroas 150 cálices e centenas de barras de ouro e prata. "

Hoje, o tesouro está avaliado em algo em torno de US $ 200 milhões e seu paradeiro atual continua escondido.

4. O ouro nazista no Lago Toplitz, Áustria.

Nos últimos meses da Segunda Guerra Mundial, os nazistas afundaram contêineres e vários outros objetos no Lago Toplitz por razões ainda não totalmente conhecidas. Alguns desses contêineres foram recuperados, com milhões de dólares em moeda falsa de nações aliadas dentro. Aparentemente, os nazistas queriam destruir as economias aliadas com a inflação em um plano chamado “Operação Bernhard”. Junto com os contêineres, mísseis, uma impressora e até uma caixa cheia de garrafas de cerveja (uma piada) foram encontrados nas várias expedições no último século, que custou a vida de vários mergulhadores.

Infelizmente, o Lago Toplitz tem toras afundadas perigosas que ficam perto da suposta localização do tesouro, tornando a visibilidade escassa e aumentando a ameaça de afogamento enquanto estiver preso sob uma dessas toras. Mergulhadores que desceram afirmam ter visto um avião afundado, mas o que mantém o interesse tão alto no lago é que muitos acreditam que os nazistas afundaram milhões de ouro, diamantes e outros tesouros, possivelmente incluindo maravilhas da arte como o agora lendários painéis da Sala Âmbar do século XVIII.

Talvez este não seja exatamente o melhor tesouro para caçar. Como já mencionado, a busca pode ser muito perigosa, mas também há preocupações ambientais. In 2009, Austrian nature experts sought an almost century-long ban on diving for the buried treasures, though it's unclear if people are still searching today.

5. La chouette d'or, the golden owl hidden in France

In April 1993, someone going by the pseudonym "Max Valentin" supposedly hid a golden owl in the French countryside, promising to offer 1 million francs to whoever found it. Valentin gave 11 clues as to the owl's whereabouts, but it still hasn't been found.

Over the years, a few especially crazy treasure hunters have emerged, busting up concrete and burning down a chapel in the pursuit of the golden owl. Sadly, Valentin died in 2009 and it's unclear whether the owl is still definitively hidden, but during an interview in 1997, Valentin responded to treasure hunters' inquiries and assured those still looking that he had periodically checked on the whereabouts of the owl to make sure it was still there. Apparently, someone had in fact come close, as Valentin saw disturbed ground near the true sight, but as of now, that appears to be the closest anyone has come.

6. Lake Guatavita and the original legend of "El Dorado"

Thousands of years ago, long before the Spanish conquistadors arrived in modern day Colombia to discover this legend for themselves, the leader of the Muisca tribe was said to cover himself in gold dust, float into Lake Guatavita, and toss gold and other treasures into the waters to honor the gods. While this legend may be ancient, it appears to be the real deal.

Located just a couple hours north of Colombia's capitol city of Bogotá, Lake Guatavita is believed to be the site of the El Dorado legend, with actual gold being recovered from the lake since the Spanish arrival in 1536. "El Dorado" means "golden one" in Spanish, but originally the legend may have gone by other names such as "El Hombre Dorado" (the golden man), "El Indio Dorado" (the golden native) and "El Rey Dorado" (the golden king).

Multiple treasure hunts have taken place at the lake since the Spaniards' first attempt to drain the water using gourds in 1545, which only lowered the water level slightly, but did help recover quite a bit of gold. Since then, multiple draining attempts have taken place (with one attempt killing hundreds of workmen), the most recent attempt taking place in 1911. In this try, a company succeeded in draining the entire lake, but the mud at the bottom hardened over, supposedly trapping the treasure under an impenetrable crust. Nowadays, even swimming in the lake is banned by the Colombian government, but apparently there aren't too many people making treasure hunting trips to the area anyway. As of 2002, a report stated that "A lonely ranger with a shotgun [was] the only guardian of the mystery of El Dorado."

If you'd like to see a bit of the El Dorado legend for yourself, you can visit the Gold Museum in Bogotá, which features a few of the treasures found in the lake along with the "The Muisca Raft", which was made sometime between 1500 and 1200 BC and depicts the golden king preparing to offer tribute to the gods.


Superstition Mountains

In Arizona's Lost Dutchman State Park, you'll find camping, hiking, horseback riding, and stargazing, but all of that seems a lot less exciting when you consider that one of the biggest stockpiles of treasure is hidden in the park's Superstition Mountains (seriously, what an appropriate name). The legend of the Lost Dutchman's Mine is one of the most infamous and widely disputed in America-- but the story of a gold mine, loaded with riches, hidden in the desert just won't seem to die out.

There isn't even solid evidence of the mine's actual existance, but that doesn't stop thousands of tourists from flocking to the mountains in Arizona each year, hoping to find the mythical mine and strike it rich. The story varies wildly-- sometimes there's two German immigrants (hence the name "Dutchman"), sometimes one, usually named Jacob Waltz. There's even a version where US Army veterans stumble across the treasure. Sometimes the mine is found randomly, other times the location is revealed by Apaches. Sometimes the treasure is a vein of pure gold, or the abandoned mine of the Peralta family, or a cache of goods stolen from Mexican miners. The only thing that seems to remain consistent is the location-- somewhere in the Superstition Mountains in Arizona.

With so many conflicting stories, the Lost Dutchman's Mine would have simply been forgotten, a legend lost to time, if it hadn't been for an expedition led by a man named Adolph Ruth, an amateur explorer and treasure hunter, in the early 1930's. He set off into the mountains in search of the mine, and half a year later, his remains were discovered, alongside a note, apparently written by him, claiming that he had found the treasure. The map he had that led him to the mine was missing, and there were two bullet holes in his skull, which looked like they were fired at point blank from a high-powered rifle, leading many to believe that he had been murdered. He's not the only one who has lost his life in search of the gold-- since then, about half a dozen or so others have died looking for the mine.

I don't suggest setting off in search for the mine without doing some very thorough preparation. Once you've brushed up on your orienteering and wilderness survival skills, head to the Superstition Mountain Museum to check out their exhibit on the Lost Dutchman's Mine and get a really extensive history on the various legends of the treasure. They also have the Peralta Stones, which they claim are engraved with cryptic clues that point toward the location of the mine.


Where’s the gold? Here are 5 California lost treasures

Lost treasure has been the focus of countless books, myths, and movies for as long as we’ve been telling stories. History is full of tales about stashes of treasure left behind by pirates, scoundrels, and thieves, and lucky for us, some of that fortune is still up for grabs. Here are five undiscovered treasures, along with a few other stories of lost treasure in California.

1.) It was 1851 when Joaquín Murieta, (known as the real-life Zorro) and his gang raided several camps in the mountains east of Chico, California. It was the heyday of the gold rush, and the “Argonauts” or forty-niners had been pouring into both the Mother Lode (ie, the Sierras east of Sacramento) as well as the northern mines. Joaquín Murieta and his gang were often known to hide their stolen loot in the area of their robberies. On one occasion Murieta and his right-hand man, Manuel Garcia, known as “Three-Fingered Jack,” robbed a stagecoach along the Feather River. The strongbox was said to have contained some 250 pounds of gold nuggets worth $140,000 at the time. Allegedly, the pair buried the strongbox on the banks of the Feather River, in a canyon a few miles south of Paradise, (present Butte County). According to Wells Fargo officials, the stolen gold has never been recovered.

Other caches of Joaquín Murieta, or one of them, anyway, is said to lie in the Eastern high desert region of the northern mines. Murieta is believed to have another stash that he had to bury somewhere between Burney and Hatcher Pass, close to Highway 299. That treasure has never been found. Another treasure that remains lost is Murieta’s treasure of $200,000 in 1860s dollars, which is believed to be between Susanville and Freedonyer Pass. This is close to what is known today as Highway 36.

2.) Richard Barter, also known as “Rattlesnake Dick” and Dick Woods, was born in Quebec, Canada, the son of a British officer around 1833. Though little is known of his early history, he was said to have been a reckless sort of boy.

In March 1856 seven men proceeding with a mule train over Trinity Mountain en-route from Yreka to Shasta were held up by a gang of five masked bandits and robbed of $25,000 in gold. The gang buried the gold in several places on the mountainside, and then fled.

They were rounded up a few days later. The notorious “Rattlesnake Dick Barter,” the Pirate of the Placers, engineered the crime, though Barter, nabbed while stealing mules to be used to carry off the loot, was unable to take part. About $15,000 of the gold was recovered in a ravine 12 miles from Mountain House, on the headwaters of Clear Creek. The melting of the snow and the coming of spring changed the look of the terrain. Attempts to find the rest of the loot failed, and $10,000 (now several times in value by today’s gold price) still lies somewhere on the mountain.

The final heist occurred when Rattlesnake Dick hooked up with the Skinner boys. He decided to avoid his old haunts of the Mother Lode and concentrated on the rich spoils of the northern diggings. The robbery was flawless, but the Wells Fargo organized posse was hot on their tails. The gang split up. George Skinner was suppose to meet Rattlesnake Dick and the rest of the bandits at Folsom, however, the gold was too heavy to bring down the mountain pass and George decided to bury half of the loot in the mountains.

No one has been able to find the remaining $40,000 worth of gold bullion buried on Trinity Mountain even Rattlesnake Dick couldn’t find where George had buried the treasure.

3.) On May 1892 one of the most famous gold heists made the new town of Redding famous throughout the state. The Ruggles Brothers held up the stage to Weaverville, just west of Redding, in what is known today as Middle Creek road, and made off with the strong box loaded with gold. As soon as the stage headed around the turn the younger brother Charles jumped out of the Manzanita chaparral with his shotgun aimed, ordering a halt. The driver complied, but unbeknownst to the Ruggles, the stage had an armed escort, Buck Montgomery of the Hayfork Montgomery clan.

In an effort to save himself and his brother, John told the authorities that the stage guard, Montgomery, was in cahoots with them. He also revealed where he had hidden the gold, telling authorities that he had hidden it in Middle Creek. Attached to the strong box was a floating device that came within a foot of the top of the water that would help him in finding the stash later.

The two boys were lynched in Redding July 24, 1892. The mob took the two from jail, led them to a tree on the northwest corner (Redding Blacksmith shop at the time) where Shasta Street met the railroad tracks, the ‘backyard’ of the current Paul Stowers Garage business. Even on the improvised gallows, John Ruggles refused to divulge where he stashed the loot.

Authorities went back and scoured the area, and even found the express bag pouch (with letters intact) in the Lower Springs area, but the $5,000 in gold coins still remains undiscovered, though over a century of seekers have tried.

The place to begin is along the unpaved section of Middle Creek Road between Iron Mountain Road and the Shasta Transfer Station in Old Shasta.

4.) Located in the barren, sun scorched desert of southern California is an enigmatic and somewhat unearthly sight a lake sprawled out amidst the parched, baked earth, ringed by wind blasted ghost towns and with beaches of crushed fish bones rather than sand. This is the Salton Sea, a shallow, saline lake that lies along the San Andreas Fault.

Of all the legends about lost and found, and lost again treasures in the Southwest, there is none more mystifying than the enduring tale of a large sailing vessel which lies, full of riches, somewhere in the restless sands of California’s Salton Sea basin, toward the northern end of the Sorora Desert.

Emigrants have reported such a ship, prospectors and other travelers who claim that she lies with her bow buried deep and her richly carved stem raised high above the sands.

In the 16th century, the Salton Basin was flooded very much like it is now, with a huge lake lying exactly where the current Salton Sea is found. This lake was called Lake Cahuilla. It was an enormous body of water that was the size of the state of Delaware and connected to the Sea of Cortez, which in modern days is known as the Gulf of California. It is here that the story of a lost Spanish Galleon loaded with pearls and gold coins comes in.

The story goes that the galleon ran aground on a sandbar or landslide, after which the crew were forced to abandon it and escape overland through the desert, leaving the ship and its cargo of gold and pearls behind. Over time, the lake disappeared and it is said the ship sank beneath the sands.

Is there an ancient sailing craft lying half-concealed in the sands of the Colorado Desert?

5.)In the early 1900s train robber and gunrunner, (and I would add escape artist to his titles) Roy Gardner, began his career of thievery in Arizona and California. On April 16, 1920 the curly-headed young man stole $78,000 in cash and securities from a mail truck in San Diego, California. Though it was a smooth job, the outlaw was arrested just three days later. Soon his name would become as well known to the lawmen of California as Jesse James.

On May 19, 1921, Gardner boarded the mail car of a Southern Pacific train, tied up the clerk and fled the train in Roseville, California, with $187,000 in cash and securities.

Two days later Gardner was arrested again while playing a game of cards in a Roseville, California pool-hall. Attempting to reduce his long sentence, he offered to lead the lawmen to the money. However, he must have changed his mind when, after leading the officers on a wild goose chase of the surrounding hills, he announced, “I guess I’ve forgotten where I buried that money.”

After many escapes from other prisons he was later moved to Alcatraz to complete his sentence. Gardner made several futile appeals for clemency, but was not released until 1939. He ended his own life in a small hotel room in San Francisco, explaining that men who served more than five years in prison were doomed and that he was old and tired.

Thus ended a criminal career and somewhere, an estimated $250,000 of his loot still remains hidden. Gardner had neither the time nor the opportunity to spend his ill-gotten wealth, nor partners to share it with.

Legend has it that he hid $16,000 in gold coins in the cone of an extinct volcano near Flagstaff, Arizona before he was captured during a train robbery in 1921. But, where is the rest? California?

This pot of gold coins was found by a couple in California while walking their dog.

Not all lost treasures of California are related to the Gold Rush. During the wild and wooly days of Prohibition, a German whiskey smuggler named Carl Hause was doing a brisk business. Hause’s operations were located on Point Reyes Peninsula, at the edge of Drake’s Inlet just south of Inverness. The whiskey smuggler was said to have buried approximately $500,000 in gold-backed currency somewhere between…

Inverness and the old Heims Ranch. However, the liquor entrepreneur would not live to retrieve his ill-gotten gains as he was found shot to death in his car. The currency has never been found.

In 1862, the sheriff of Trinity County was not only responsible for upholding the law, but was also tasked with collecting taxes. On one occasion as he was traveling through the area, his saddlebag was filled with about $1,000 in gold coins and $50 gold slugs. As the sheriff and his horse were cautiously crossing a stream, the horse stumbled and the saddlebag filled with gold was dropped and washed down the creek. Though the lawman made an immediate search of the area, he was unable to find the bag. Soon, the county offered a reward of $250 for the recovery of the saddlebag, but despite diligent search efforts, including damming up the creek, it was never found. In those early days of California, assayers and private mines often minted gold slugs. Today, in addition to their gold value, they have also become major collectible items, and if the treasure were to be found today, some estimate it could be worth as much as a million dollars. The creek was located near Weaverville, California.

Pioneer Peter Lassen, became a very wealthy landowner and rancher in the 1820s and amassed thousands of acres along the south bank of Deer Creek. He is known to have buried his gold coins and dust in iron pots on his property near his home, at the confluence of Deer Creek and the Sacramento River at Vina, or along the Lassen Trail, which follows Deer Creek. Indians killed Lassen at the age of 30 and his treasure hoard was never found.

A stagecoach carrying 2 boxes of $50 gold slugs worth $128,000 was held up at Weed in 1859. A posse from Mt. Shasta came upon the scene less than a 1/2 hour later and took off after the outlaws. They came upon 2 pack animals on the western slopes of Mt. Shasta with empty saddlebags. Three miles beyond this point, they overtook the bandits and all were killed. It was reasoned that the gold, too heavy for a fast getaway, was buried and part of the posse searched the area for a week, but failed to locate the treasure.

The Eskridge outlaw gang buried the loot taken from two successful stage robberies near the Upper Bear Creek Crossing in 1881. The treasure has been estimated between $50,000 and $120,000 and has never been recovered.

John Ellison Trueblood came to California in 1852. He settled on a farm on the outskirts of Red Bluff. He buried his money, 100 to 200 rare octagonal $50 gold slugs, in an iron pot somewhere on his farm. He was killed in an argument over the Southern Pacific RR coming on his land and the secret of his hidden gold died with him. This cache is worth between $500,000 and $1 million today.

The Langley family operated a paying gold mine at (GT) Cherokee in the 1860’s in the Cherokee Hills. In their workings they found a sizeable quantity of raw diamonds and had accumulated quite a large amount of gold dust and nuggets. The Langley’s hid 2 saddlebags filled with their raw gold and diamonds about 1/2 hour’s horseback ride up the creek above their camp for safekeeping. Bandits attacked the family and the brother who hid the treasure was killed. Not knowing exactly where the cache was made, the family never recovered the treasure. The remains of a washout dam mark the location of the old Langley campsite today.

LOST GOLD MINES IN CALIFORNIA

Whether these tales of lost mines are fact or fiction, their legends are still alive for hopeful prospectors of California.


6. Bessie A. White

A 1975 photo of what is believed to be the hull of the Bessie White in the Fire Island Wilderness. NPS Photo

Hurricane Sandy wasn’t all destruction, as the storm exhumed the likely remains of this 90-year-old shipwreck on Fire Island. In February 1922, this schooner was headed to Newport News, VA from St. Johns, Newfoundland with 900 tons of coal when it became lost in heavy fog just west of Smith’s Point. The ship ran aground but the crew and the ship’s cat escaped in two lifeboats, with only one injury. Crews later salvaged what they could of the beached ship before it was buried by a sand dune over time. A 2006 nor’easter exposed the tips of the wreck before Sandy blew away the rest of the dune.


Assista o vídeo: 6 TESOROS Perdidos La Historia que aún puedes ENCONTRAR (Pode 2022).