Podcasts de história

Linha do tempo do período tardio do Egito Antigo

Linha do tempo do período tardio do Egito Antigo

  • 525 a.C. - 331 a.C.

    O último período da história egípcia.

  • 525 a.C. - 404 a.C.

    27ª Dinastia do Egito, reis persas governam.

  • 525 a.C. - 522 a.C.

    Cambises II da Pérsia governa o Egito e lidera a campanha para a Núbia.

  • 522 AEC - 486 AEC

    Dario I (o Grande) governa o Egito.

  • 486 AEC - 465 AEC

    Xerxes I governa o Egito, usa o país como recurso para invasão da Grécia.

  • 465 AEC - 424 AEC

    Artaxerxes I governa o Egito.

  • 460 AEC - 454 AEC

    Revolta egípcia de Inaros I com ajuda da Grécia.

  • 424 AEC - 404 AEC

    Dario II governa o Egito.

  • 404 AC - 398 AC

    A 28ª Dinastia do Egito sob Amyrtaeus que libertou o Baixo Egito dos Persas.

  • 404 AEC - 358 AEC

    Artaxerxes II governa o Alto Egito.

  • 398 a.C. - 380 a.C.

    A 29ª Dinastia do Egito.

  • 392 AEC - 379 AEC

  • c. 380 a.C.

    Nepherites II reina no Egito, último rei da 29ª Dinastia.

  • 380 a.C. - 343 a.C.

    30ª Dinastia do Egito.

  • 380 a.C. - 362 a.C.

    Nectanebo I reina no Egito, funda a 30ª Dinastia, revive a glória passada do Egito.

  • 362 a.C. - 360 a.C.

    Teos reina brevemente no Egito até ser traído por seu irmão.

  • 360 a.C. - 343 a.C.

    Nectanebo II reina no Egito, último governante egípcio nativo.

  • 358 AEC - 338 AEC

    Reinado de Artaxerxes III no Alto Egito e todo o Egito após 343 AEC.

  • 343 aC

    Nectanebo II derrotado na batalha por Artaxerxes III, Egito conquistado novamente pelos persas.

  • 343 a.C. - 331 a.C.

    31ª Dinastia do Egito, reis persas governam.

  • 336 a.C. - 332 a.C.

    Reinado de Dario III no Egito.

  • 331 AC

    Persas derrotados por Alexandre, o Grande, que libertou o Egito.


Quando pensamos sobre o "antigo Egito", geralmente estamos imaginando o período dinástico, a época em que o Egito era uma terra unida governada por um rei ou faraó. Esta foi a era das pirâmides, da mumificação e da escrita hieroglífica.

O período dinástico começou com o reinado do primeiro rei do Egito, Narmer, em aproximadamente 3100 AEC, e terminou com a morte de Cleópatra VII em 30 AEC. Durante esse longo período, houve épocas de forte governo centralizado e períodos de governo muito mais fraco e dividido, mas basicamente o Egito permaneceu uma só terra independente.

No entanto, o período dinástico deve ser visto como parte de uma história muito mais longa e contínua. Antes de Narmer unir seu reino, a terra que se tornaria o Egito consistia em uma série de sofisticadas cidades-estado neolíticas, sustentadas por comunidades agrícolas e ligadas entre si pelo comércio. Após a morte de Cleópatra, o Egito foi absorvido por Roma, mas muitas das antigas tradições continuaram.

A Dra. Joyce Tyldesley é professora sênior da Faculdade de Ciências da Vida da Universidade de Manchester, onde escreve e ministra vários cursos de egiptologia.

Para obter mais perguntas e respostas históricas sobre os Tudors, a Roma antiga, a Primeira Guerra Mundial e o Egito antigo, clique aqui.


Seção 1: Origens

Nos milhares de anos após o fim da última Idade do Gelo, o Norte da África tinha um clima muito mais úmido do que hoje. Era uma pastagem bem irrigada, sustentando uma vida selvagem variada. Caçadores-coletores percorriam a região, explorando a flora e a fauna que ali se encontravam.

Com o tempo, o clima do Norte da África começou a ficar mais seco. Ao longo de milhares de anos, as pastagens úmidas deram lugar ao Deserto do Saara que conhecemos hoje - um vasto deserto seco, hostil às sociedades humanas de qualquer tipo. Porém, através da região que hoje chamamos de Egito, corria o rio Nilo.

Perto do Nilo, a vida poderia sobreviver. Na verdade, ele poderia prosperar. Por volta de 5.000 aC, o vale do Nilo era um pântano de canaviais, lagoas e muita vida selvagem, tudo regado pelo grande rio que passava.

A secagem do terreno circundante estava empurrando mais e mais pessoas para a estreita faixa de terra ao longo das margens do rio. Evidências arqueológicas sugerem uma grande expansão da população no Vale do Nilo por volta dessa época e, o que é crucial, eles adotaram a agricultura. Isso havia se espalhado a partir do Oriente Médio e era a única maneira de um número crescente de pessoas viver em uma área tão limitada de terra. Eles já estavam cultivando cevada e emmer, que seriam as safras básicas do antigo Egito, junto com feijão, ervilha e várias outras plantas.

Irrigação

Apesar da abundância de água, a geografia do Vale do Nilo ofereceu grandes desafios para esses primeiros agricultores. O Nilo inunda a cada ano. Isso permitiu que a planta prosperasse - por um tempo. Se a água puder fluir para o mar, os níveis da água caem, deixando a terra à mercê do sol escaldante. As colheitas murcham e morrem.

Para alimentar a população crescente, portanto, as águas das cheias do Nilo tiveram que ser canalizadas para piscinas e tanques, onde poderiam ser armazenadas. À medida que as águas baixavam, ficava disponível o suficiente para manter as safras crescendo ao longo da estação de crescimento. Colheitas abundantes teriam permitido que uma população crescente fosse alimentada.


Vale do Nilo - Inundação do Nilo
Imagem de James Webster

Construir e manter os diques, represas, lagoas, canais de irrigação e valas de drenagem necessários para conter a água da enchente e, em seguida, guiá-la ao longo dos caminhos escolhidos para onde era necessária, exigiu uma enorme quantidade de trabalho. Também pediu que muitas comunidades trabalhassem juntas em um esforço coordenado, em uma (para aquela época) grande escala e em uma ampla área. Isso, por sua vez, exigiu o que hoje chamaríamos de “gerenciamento”. Naquela época, seria visto como a autoridade sagrada de líderes poderosos.

Uma civilização em formação

Dominar as águas da enchente do Nilo conferiu outro grande benefício à terra. Suas águas trouxeram uma rica carga de lama das terras mais ao sul, por onde corria o longo rio. Durante a enchente anual, muito disso foi depositado como um solo maravilhosamente fértil no fundo do vale. Isso permitiu o crescimento de uma população muito densa.

Por volta de 3500 aC, o esforço de irrigar e cultivar a terra, realizado por gerações após gerações, havia remodelado a geografia social e física do vale do Nilo. O rio era agora ladeado por numerosas aldeias agrícolas, rodeadas por uma densa rede de campos irrigados. Essas aldeias eram governadas por poderosos chefes, cada um cobrindo uma seção do longo vale do Nilo. Dentro dessas chefias, uma elite social emergiu, aparente para os arqueólogos modernos nas sepulturas refinadas recuperadas do período. Eram funcionários reais, servindo a governantes sagrados, com autoridade sobre o resto da população para garantir que o trabalho fosse realizado de maneira adequada e que as águas do dilúvio do Nilo fossem repartidas de maneira justa. Cidades grandes e bem planejadas com paredes fortificadas e edifícios de tijolos também apareceram. Esses desenvolvimentos representam uma atualização fundamental da cultura material no país.

No decorrer de seu trabalho, esses funcionários estavam desenvolvendo uma série de capacidades que mais tarde permitiriam o florescimento da civilização do antigo Egito. Isso incluía organizar e controlar um grande número de pessoas empregando técnicas avançadas de construção, engenharia e matemática e, possivelmente, mesmo nessa data inicial, uma forma inicial de escrita.

Dentro dessas chefias, então, os traços característicos do Antigo Egito, uma das grandes civilizações da história mundial, estavam começando a tomar forma.


História: Tempo & # 8211 1001 AC

8.000 a.C. Provavelmente, invenção da roda. Com o cultivo de grãos nos vales dos rios, começa a era da agricultura. Vinho e cerveja são produzidos.

7000 AC Uso de cerâmica.

6000 AC O linho é feito da planta do linho.

5300 AC A cultura Romênia Turda-Vinča escreve os comprimidos Tărtăria.

5000 AC Civilização mesopotâmica. Desenvolvimento da irrigação. Cultivo de milho. Uso de cobre.

4241 AC Data mais antiga registrada no calendário egípcio.

4000 AC Meslim, rei de Kish, governa a Suméria (sul da Babilônia). Desenvolvimento da aração e doma de cavalos. Ilustração de uma roda na província de Sindh, na Índia.

3760 AC Primeiro ano do calendário judaico.

3500 AC Primeira escrita fonética e formação do sistema de numeração pelos sumérios, que também estiveram entre os primeiros a usar carroças para transportar mercadorias e pessoas. Mais antigo zoológico conhecido estabelecido em Hierakonpolis (agora Nekhen), Egito.

3100 AC Fundada pela primeira dinastia egípcia, Menu (Narmer) torna-se o primeiro faraó.

3000 antes de Cristo As tumbas megalíticas construídas em Newgrange, Irlanda. Construção de templos e canais na Suméria, governada por Ur-Nina. Polimento de diamante praticado na China.

2950 AC Primeiro período de construção de Stonehenge. (Alguns estimam 3100 aC).

2850 AC Fu-Hi se torna o primeiro imperador da China.

2.800 a.C. Desenvolvimento do calendário. Primeira revolução registrada: pessoas da cidade suméria de Lagash derrubaram burocratas que estavam enchendo seus próprios bolsos, mas continuaram aumentando os impostos.

2700 a.C. A Epopéia de Gilgamesh, em forma de poesia, escrita (Uma das obras mais antigas da literatura. Fragmentos da Epopéia de Gilgamesh foram encontrados em tábuas de argila no século 19 na antiga cidade de Nínive. Ela conta a história de um rei semidivino chamado Gilgamesh que buscava a imortalidade. O rei provavelmente foi baseado em um rei histórico de Uruk, na Mesopotâmia.)

2680 AC Concluída a Grande Pirâmide de Gizé.

2650 AC Império acadiano na Mesopotâmia fundado por Sargão.

2637 AC Primeiro ano do calendário chinês.

2600 AC A Sexta Dinastia no Egito acaba com o antigo Império Egípcio. Pepy II reina 94 anos, o reinado mais longo da história.

2550 AC O Antigo Império Egípcio sob Khufu, seu filho Khafre e seu neto Menkure, iniciaram a construção das grandes pirâmides. Invenção do vidro.

2500 AC Começa a Era Minóica dos Cretenses. Domesticação de camelos. As primeiras bibliotecas aparecem na Assíria, Egito e China. Sabão usado. (A primeira menção ao sabão foi em tabletes de argila suméria datados dessa época & # 8211 o sabão era feito de água, álcali e óleo de cássia.)

2.400 a.C. Ur-Engur estabelece a Dinastia de Ur na Suméria.

2350 AC Os reis da Mesopotâmia estabeleceram a primeira lei registrada, conhecida como Código Urukagina & # 8217s. (O código nunca foi descoberto, mas é mencionado em outros documentos.)

2300 a.C. Papel feito da planta do papiro no Egito.

2100 AC Primeira dinastia da Babilônia estabelecida por Sumu-Abu. Abraão nasceu em Ur, na Mesopotâmia.

2050 AC O mais antigo código legal escrito conhecido, Ur-Nammu & # 8217s Code, data dessa época. Embora chamado de Código Ur-Nammu & # 8217s, é geralmente aceito que foi escrito por seu filho Shugli. (O código permitia a demissão de homens corruptos, a proteção dos pobres, o testemunho sob juramento e a capacidade dos juízes de ordenar o pagamento de indenização a uma vítima pela parte culpada.)

2000 AC Começa a décima segunda dinastia egípcia, com Tebas como capital. Hammurabi, Rei da Babilônia, reforma a lei e introduz melhorias agrícolas. Abraham deixa Ur.

1850 AC Decisão legal escrita mais antiga conhecida. (Uma tábua de argila revela o caso do assassinato de um funcionário do templo por três homens. A esposa da vítima sabia do assassinato, mas permaneceu em silêncio. Por fim, o crime veio à tona e os homens e mulheres foram acusados ​​de assassinato. Duas testemunhas testemunhou que a mulher não fez parte do assassinato, que ela havia sido abusada por seu marido e que piorou depois da morte do marido. Os homens foram executados na frente da casa da vítima, mas a mulher foi poupada .)

1800 aC Kyksos governa o Egito.

1750 AC Hamurabi, um rei do Império Babilônico, estabelece leis para muitos aspectos da vida diária, incluindo casamento, divórcio, comércio e preços. As punições do código incluem cortar o dedo ou a mão por roubo, cortar a língua para difamação e cortar o lábio inferior de um homem se ele beijou uma mulher casada. O código incluía a lei da retaliação, da qual surgiu a frase & # 8220 um olho por olho, dente por dente. & # 8221

1700 AC A Assíria torna-se independente da Babilônia.

1500 AC O Livro de Jó escrito por um israelita desconhecido. As obras sagradas do hinduísmo, os Vedas, uma coleção de hinos são escritos em sânscrito.

1446 AC O Pentateuco (os primeiros cinco livros da Bíblia) foram escritos entre 1446 e 1406 AC.

1400 AC Uso do ferro pelos hititas na Anatólia (Ásia Menor).

1415 AC Amenófis IV do Egito substitui a antiga religião pela adoração do sol.

1375 AC Ikhnaton desenvolve religião monoteísta no Egito.

1355 AC Ramsés I começa a décima nona dinastia no Egito.

1300 AC Moisés recebeu os Dez Mandamentos diretamente de Deus.

1280 AC Índia & # 8217s Leis de Manu escritas, regulamentando quase todos os fatos ou regras, desde contratos até o direito penal. Também forma a base do sistema de castas, onde as pessoas eram classificadas por sua posição social. Os membros da casta superior foram punidos com mais severidade do que os das castas inferiores. (Várias datas de registro fornecidas, até mesmo em 880 AC.)

1200 AC Ramsés III lidera a vigésima dinastia egípcia.

1193 AC Os gregos destroem Tróia.

1186 AC A Guerra de Tróia. (Troy foi atacado várias vezes.)


Slavery Timeline 1400-1500

Esta página contém uma linha do tempo detalhada dos principais eventos históricos, literários e culturais relacionados com a escravidão, abolição e emancipação nas Ilhas Britânicas entre 1400 e 1500. Dado o papel limitado da Grã-Bretanha neste período, inclui principalmente referências aos eventos mais significativos ocorrendo fora da zona de influência britânica (no século XV, que era a maior parte do mundo), bem como alguns eventos-chave na história da exploração e colonização europeia.

Embora haja muitos detalhes nesta linha do tempo, é claro que é impossível registrar todos os eventos relacionados à escravidão neste período. A seleção a seguir destina-se, portanto, a fornecer uma visão geral apenas do tópico. Se houver algo que deixei de fora que você acha que deveria ser incluído, entre em contato.

Clique em uma data na lista abaixo ou role a página para baixo para obter informações. Os links são fornecidos apenas para as páginas deste site. Para minhas fontes e leituras adicionais, veja a página Leituras Adicionais: Escravidão, Abolição e Emancipação.

1400 | 1425 | 1450 | 1475 | 1500 | 1501-1600 | 1601-1700 | 1701-1800 | 1801-1900 | 1901-2003

Antes de 1400: A escravidão existia na Europa desde os tempos clássicos e não desapareceu com o colapso do Império Romano. Os escravos permaneceram comuns na Europa durante o início do período medieval. No entanto, a escravidão do tipo clássico tornou-se cada vez mais incomum no norte da Europa e, nos séculos 11 e 12, foi efetivamente abolida no norte. No entanto, formas de trabalho não-livre, como vilarejo e servidão, persistiram no norte até o início do período moderno.

No sul e no leste da Europa, a escravidão de estilo clássico permaneceu uma parte normal da sociedade e da economia por mais tempo. O comércio através do Mediterrâneo e da costa atlântica significou que escravos africanos começaram a ser trazidos para a Itália, Espanha, sul da França e Portugal muito antes da descoberta do Novo Mundo em 1492.

Por volta do século VIII em diante, um comércio de escravos dirigido por árabes também floresceu, com grande parte dessa atividade ocorrendo na África Oriental, na Arábia e no Oceano Índico. Além disso, muitas sociedades africanas tinham formas de escravidão, embora estas diferissem consideravelmente, tanto umas das outras quanto das formas européia e árabe.

Embora várias formas de trabalho não-livre tenham prevalecido na Europa ao longo de sua história, os historiadores se referem à "escravidão móvel", na qual os escravos são mercadorias a serem compradas e vendidas, em vez de empregados domésticos ou trabalhadores agrícolas vinculados à terra. A escravidão do Chattel é a forma característica de escravidão no mundo moderno, e esta cronologia está preocupada principalmente com esta forma.


Conteúdo

  • 107 Martírio de Inácio de Antioquia crucificação do Apóstolo Simeão, segundo Bp. de Jerusalém.
  • 108-124 Perseguição sob o Imperador Trajano, continuando sob o Imperador Adriano.
  • ca.110 Apocalipse de Pedro, obra apócrifa, considerada Escritura por Clemente de Alexandria e a lista do Cânon Muratoriano.
  • ca.110-112 O magistrado romano Plínio, o Jovem, governador imperial da província de Bitínia e Ponto, escreve ao imperador Trajano para obter instruções sobre a política oficial relativa aos cristãos (Epístulas X.96 Livro 10) o conteúdo das cartas se tornaria a política padrão para os cristãos pelo resto da era pagã, também contendo o mais antigo relato externo do culto cristão e as razões para a execução dos cristãos.
  • ca.117-138 Rylands Library Papyrus P52 é geralmente aceito como o registro mais antigo existente de um texto canônico do Novo Testamento, datando em algum lugar entre 117 d.C. e 138 d.C.
  • 120 Início dos tempos dos apologistas: Justino, Mártir, Aristides, Taciano, Atenágoras de Atenas, Teófilo, Minúcio Félix, Tertuliano e Quadrato, escrevendo para defender a Igreja contra heresias internas e para defender a fé perante os judeus e perante os maiores mundo pagão, usando conceitos e termos filosóficos gregos.
  • 124 Os apóstolos Quadrado e Aristides apresentam desculpas cristãs ao imperador Adriano em Atenas.
  • 128 Tradução grega de Áquila do Antigo Testamento.
  • 130 Conversão de Justin Martyr.
  • 132 judeus, liderados por Bar Kochba, que alguns identificam como o Messias, se revoltam contra Roma.
  • 135 Natal instituído como dia de festa em Roma.
  • 136 O imperador Adriano esmaga a resistência judaica, proíbe os judeus de retornar a Jerusalém e muda o nome da cidade para Aelia Capitolina primeiro uso gravado do título Papa para o bispo de Roma pelo Papa Hyginus.
  • 144 Excomunhão de Marcião por sua rejeição herética do Antigo Testamento e por seus ensinamentos semignósticos, particularmente o docetismo.
  • 150 Justin Martyr descreve a Divina Liturgia.
  • 155 Martírio de Policarpo de Esmirna.
  • 156 Começo do Montanismo.
  • 165 Martírio de Justino.
  • 166 O Papa Soter inaugura em Roma uma festa anual separada para a Páscoa, além das celebrações dominicais semanais da Ressurreição, que também é realizada em um domingo, em contraste com os Quartodecimans.
  • 167 Morte de Abercius de Hieropolis, Wonderworker e igual aos Apóstolos.
  • ca. 170 Emergence of Muratorian Canon.
  • ca. 175 O Diatessaron de Taciano harmoniza os quatro evangelhos canônicos em uma única narrativa.
  • 177-180 Persecção sob o imperador Marco Aurélio (161-180).
  • ca.180 Morte do cronista da Igreja primitiva Hegesippus, que escreveu contra as heresias dos gnósticos e de Marcião.
  • 180 Irineu de Lyon escreve Contra heresias& # 160 São Dyfan primeiro mártir nas Ilhas Britânicas (em Merthyr Dyfan, País de Gales) morte de Mártires Scillitan no Norte da África.
  • 180-192 Tradução grega de Theodotion do Antigo Testamento.
  • 190 Pantaenus funda a Escola Catequética de Alexandria.
  • 193-211 Tradução grega de Symmachus do Antigo Testamento.
  • 195 O Bispo Saint Elvan morre em Glastonbury.
  • 196 O filósofo gnóstico siríaco Bardaisan escreve sobre os cristãos entre os partos, bactrianos (kushans) e outros povos do Império Persa.
  • 197 Controvérsia Quartodeciman, Tertuliano escreve Apologeticus, seu trabalho mais famoso, incluindo a frase “o sangue dos mártires é a semente da Igreja” (Apologeticus, Ch.50).
  • 200 Martírio de Irineu de Lyon.
  • 202 O imperador Septimus Severus emite édito contra o Cristianismo e o Judaísmo Martírio de Haralampus de Magnésia.
  • 202-210 Perseguição sob o imperador Septímio Severo (193-211).
  • 203 Martírio dos Santos. Perpétua e Felicitas no anfiteatro de Cartago.
  • 206 O rei Abgar IX converte Edessa ao cristianismo.
  • 208 Tertuliano escreve que Cristo tem seguidores do outro lado da muralha romana na Grã-Bretanha, onde as legiões romanas ainda não penetraram.
  • ca. 209 Martírio de Alban na Grã-Bretanha.
  • 210 Hipólito de Roma, bispo e mártir e último dos pais de língua grega em Roma, escreve Refutação de todas as heresias (Philosophumena), e Tradição Apostólica, o último contendo a descrição mais antiga conhecida do rito de ordenação também escreve contra o sabelianismo, um tipo de monarquianismo.
  • 215 Conversão de Tertuliano ao Montanismo.
  • 220 Sextus Julius Africanus escreve o Chronographiai, uma história do mundo até o ano 217.
  • 225 Morte do martírio de Tertuliano de Tatiana de Roma.
  • ca.225-250 Didascalia Apostolorum, "Ensino dos Apóstolos", o mais antigo manual de ordem da igreja existente descreve a vida da igreja naquela época, amplamente difundido na Pérsia, sendo traduzido desde o início do grego para o siríaco.
  • 227 Origen começa Comentário sobre o Gênesis, conclui o trabalho em Primeiros Princípios.
  • 232 Heraclas torna-se Papa de Alexandria.
  • 235-238 Perseguição sob o imperador Maximinus Thrax martírio de São Hipólito de Roma.
  • 236 Hieromartyr Antheros, Bp. de Roma.
  • 238 Durante os reinados de Górdio e Filipe, o Árabe, a igreja proclama a fé abertamente e atrai cada vez mais convertidos bem-educados.
  • 240 Igreja em Dura-Europos construída (a primeira igreja cristã identificada).
  • ca.240 Hexapla de Orígenes do Antigo Testamento, a maior produção crítica da antiguidade.
  • 244 Plotino funda a escola neoplatonista em Roma, cujo sistema é desenvolvido em oposição consciente ao Cristianismo, porém cujos ensinamentos influenciaram indiretamente Agostinho de Hipona e Pseudo-Dionísio, o Areopagita e, portanto, teólogos e místicos medievais.
  • 246 Paulo de Tebas retira-se para o deserto egípcio e torna-se o primeiro eremita cristão.
  • 246-247 Dois Conselhos da Arábia.
  • 247 Roma celebrou seu milésimo aniversário este ano, testemunhando um período de crescente perseguição aos cristãos.
  • 248 Origen escreve em Contra Celsus que o império romano é uma vontade divina.
  • 249-251 Perseguição sob o imperador Décio.
  • 250 Hieromartyr Fabian, Bp. do martírio de Roma de Pionius de Smyrna.
  • 257-260 Perseguição sob o Imperador Valeriano (253-260).
  • 257 Hieromartyr Stephen, Bp. de Roma, e aqueles que foram martirizados com ele.
  • 255-256 Três Conselhos de Cartago.
  • 258 Bp. Cipriano de Cartago é martirizado.
  • 260 Paulo de Samosata começa sua pregação herética contra a divindade de Cristo Sínodo em Roma condena o sabelianismo e o subordinacionismo.
  • 262 Porfírio de Tiro torna-se discípulo do neoplatonista Plotino em Roma.
  • 263 Porfírio de Tiro escreve Filosofia dos Oráculos, um livro anticristão.
  • 264 Excomunhão de Paulo de Samosata.
  • 265 A palavra "Homoousios", "da mesma substância", para definir a relação entre Pai e Filho, usada pela primeira vez pelos Modalistas Monarquistas de Cirene, desempenhando um papel importante na definição da Ortodoxia no Concílio de Nicéia em 325.
  • 268 Morte de Firmilian, Bp. de Cesaréia.
  • 274-275 Perseguição sob o Imperador Aureliano.
  • 270 Antes de 270, Gregório Thaumaturgus vê a primeira aparição conhecida de Theotokos. Morte de Gregório Thaumaturgus Porfírio de Tiro escreve Contra os cristãos, um livro anticristão poderoso, que levou vários contemporâneos cristãos a tentarem refutá-lo, e que mais tarde foi banido e queimado em 448 o primeiro sacerdote ordenado em Selêucia-Ctesiphon.
  • 272 Martírio de Sabbas Stratelates ("o General") de Roma e 70 soldados.
  • 284 Diocleciano torna-se imperador romano, persegue a Igreja e mártires cerca de um milhão de cristãos, martírio de Cosmas e Damião, André Stratelates ("o General") e 2.593 soldados com ele na Cilícia, a Era dos mártires O sistema de datação, atualmente utilizado pela Igreja Copta, teve seu início nesta data, no ano um.
  • 285 Antônio, o Grande, foge para o deserto para levar uma vida de oração.
  • 286 Martírio de Maurício e a Legião Tebana.
  • 290 Breve perseguição aos cristãos persas sob Bahram II.
  • ca.300 Bp. David de Basra empreendeu trabalho missionário na Índia, entre os primeiros missionários cristãos documentados na Índia.
  • 300 Nesta data, a população cristã é de cerca de 6.200.000, ou 10,5% da população do Império Romano (com base na população de 60 milhões).
  • 301 Gregório, o Iluminador, converte o rei Tirídates I da Armênia à fé cristã.
  • 302 20.000 mártires queimados em Nicomedia.
  • 303 Surto da Grande Perseguição (303-311), com Diocleciano e Galério lançando a última e mais severa perseguição aos cristãos no Império Romano, o martírio de Jorge, o portador do troféu, o martírio de Genesios de Roma.
  • 305 Martírio de Panteleimon e Catarina de Alexandria. Martírio do bispo Ianouarios de Beneventio da Campânia e seus companheiros.
  • ca.305-311 Lactantius escreve Divinae Institutiones, a primeira conta latina sistemática da visão cristã da vida.
  • 306 Martírio de Demétrio de Tessalônica.
  • ca.306 Sínodo de Elvira na Espanha, requer continência de todo o clero e severas penalidades disciplinares para apostasia e adultério, tornando-se o padrão no Ocidente.
  • 308 O papa Marcelo, um rigorista, se opõe a um tratamento mais brando dos cristãos que caíram sob a recente perseguição.
  • 310 A Armênia se torna a primeira nação cristã a perseguir os cristãos sob o rei persa Shapur II (310-379).
  • 311 Galerius emite Édito de Tolerância terminando a perseguição aos cristãos em sua parte da rebelião do Império Romano dos Donatistas em Cartago.
  • 312 Visão e conversão de Constantino, o Grande, derrota de Maxêncio na Batalha da Ponte Milvian, tornando Constantino Imperador do Ocidente o martírio de Luciano de Antioquia, que completou uma recensão da Septuaginta e dos Quatro Evangelhos em grego, e inspirou o desenvolvimento de a Escola de Antioquia e o estudo textual da Bíblia.
  • 313 Édito de Milão emitido por Constantino, o Grande e co-imperador Licínio, declarando oficialmente a liberdade religiosa no Império Romano, nomeando especificamente a tolerância religiosa para o cristianismo, a restauração de propriedades às igrejas cristãs e o reconhecimento legal.
  • 314 Concílio de Ancira realizado Concílio de Arles condena o Donatismo.
  • 315 O Conselho de Neo-Caesaria deteve Constantino, o Grande, aboliu a crucificação no Império Romano.
  • 316 Lactantius escreve "De Mortibus Persecutorum", um relato gráfico das vidas e mortes horríveis daqueles que perseguiram a igreja.
  • 318 Publicação de Na Encarnação por Atanásio, o Grande, influenciando a condenação do início do Arianismo à Controvérsia Ariana.
  • 318 Pacômio, o Grande, discípulo de Antônio, o Grande, organiza uma comunidade de ascetas em Tabennis, no Egito, fundando o monasticismo cenobítico.
  • 319 Tradução das relíquias de Theodore Stratelates ("o General").
  • 320 Expulsão de Ário por Alexandre de Alexandria martírio de Quarenta Mártires de Sebaste.
  • 320-21 As medidas de Licínio contra os cristãos no leste foram aplicadas.
  • 321 Constantino declara o domingo feriado em homenagem à Ressurreição.
  • 323 Constantino, o Grande, constrói uma igreja no local do martírio de Pedro em Roma.
  • 324 Constantino derrota Licínio e torna-se o único imperador do Labarum com o Cristograma "Chi-Rho" tornando-se o padrão oficial do Império Romano.

Linha do tempo do período tardio do Egito Antigo - História


casa

Clique aqui para obter mais informações: [Público em geral] [Para crianças]

Ouça & quotDid Newton Really See an Apple Fall? & Quot Episódio 606 de The Engines of Our Ingenuity


Benjamin Franklin
(1706-1790)

1732 Benjamin Franklin começa a publicar Poor Richard's Almanack. James Oglethorpe e outros encontraram a Geórgia.

Clique aqui para obter mais informações: [Público em geral] [Para crianças]

Ouça & quotBen Franklin, Electricity, and Revolution & quot Episódio 510 de The Engines of Our Ingenuity

1751 A primeira Enciclopédia é publicada (Voltaire, Rousseau, Diderot, d'Alembert)

Clique aqui para obter mais informações: [Público em geral] [Para crianças]


Samuel Johnson
(1709-1784)

1755 O Dicionário de Samuel Johnson foi publicado pela primeira vez. Estabelecido o serviço postal dos EUA.

1756 Guerra dos Sete Anos (Guerras Francesa e Indígena na América) (até 1763), na qual a Grã-Bretanha e a Prússia derrotam a França, Espanha, Áustria e Rússia. França perde colônias da América do Norte A Espanha cede a Flórida à Grã-Bretanha em troca de Cuba.

Clique aqui para obter mais informações: [Público em geral] [Para crianças]

Ouça & quotVoltaire, Newton, Science, and the French Revolution & quot Episódio 1168 de The Engines of Our Ingenuity

Clique aqui para obter mais informações: [Público em geral] [Para crianças]

Ouça & quotA Revolução Industrial chega à América & quot, Episódio 181 de The Engines of Our Ingenuity

Clique aqui para obter mais informações: [Público em geral] [Para crianças]

1775

1776

Clique aqui para obter mais informações: [Público em geral] [Para crianças]


Ludwig van Beethoven
(1770-1827)

1783 A guerra revolucionária termina com o Tratado de Paris. Primeiras obras impressas de Ludwig van Beethoven.


George Washington
(1732-1799)

1789 A Revolução Francesa começa com a tomada da Bastilha. Nos EUA, George Washington eleito presidente com todos os 69 votos do Colégio Eleitoral, faz juramento de posse na cidade de Nova York.


Localização da nova capital
cidade no Potomac

1790 Capital temporária da Filadélfia dos EUA. enquanto o Congresso vota para estabelecer uma nova capital em Potomac.


Napoleão Bonaparte
(1769-1821)

Napolão Bonaparte derrota os austríacos. Nos EUA, o discurso de despedida de George Washington (17 de setembro), John Adams elegeu o presidente Thomas Jefferson, vice-presidente. Edward Jenner apresenta a vacinação contra a varíola.

Clique aqui para obter mais informações: [Público em geral] [Para crianças]

Ouça & quotNapoleão Bonaparte e a construção de ferro na França & quot
Episódio 77 de The Engines of Our Ingenuity

Clique aqui para obter mais informações: [Público em geral] [Para crianças]

Ouça & quotA Primeira Marinha Americana & quot, Episódio 1267 de The Engines of Our Ingenuity

1799 Pedra de Roseta descoberta no Egito. Napoleão lidera o golpe que derruba o Diretório, estabelece o Consulado, torna-se o Primeiro Cônsul - um dos três que governam a França juntos.


O conteúdo contido nesta linha do tempo está alinhado com o Centro Nacional de História nas Escolas: Padrões de História Mundial para as séries 7-12 e o Conhecimento e Habilidades Essenciais do Texas (TEKS) para Estudos Sociais da 8ª série.


Página inicial | Os anos 1500 | Os anos 1600 | Os anos 1700 | Os anos 1800
Exposição | Colecionadores e suas coleções | Para professores | Intercâmbio Cultural | Para famílias | Linha do tempo | Sobre este site | Mapa do site
Museu de Belas Artes de Houston | Faculdade de Educação, UH


Linha do tempo do período tardio do Egito Antigo - História


Presidente Lyndon Johnson em Cam Ranh Bay, Vietnã, 26/10/1966. Fotografado com o general William Westmoreland, o tenente-general Nguyen Van Thieu e o primeiro-ministro Nguyen Cao Ky do Vietnã do Sul. Foto: Escritório de Fotografia da Casa Branca. Cortesia dos Arquivos Nacionais.



Martin Luther King, com Mathew Ahmann, na Civil Rights March em Washington, D.C., 28 de agosto de 1963. Foto: U.S. Information Agency, Press and Publications Service. Cortesia dos Arquivos Nacionais.

Histórico da linha do tempo


Agora em formato digital fácil de pesquisar para o formato Kindle, Nook ou pdf. Também vem em brochura.

Foto acima: Astronauta John Glenn na foto acima com o presidente John F. Kennedy olhando para dentro da Mercury Space Capsule em 1962. Cortesia dos Arquivos Nacionais. À direita: Nave espacial Soyuz TMA-7. Cortesia da NASA.

Linha do tempo dos EUA - década de 1960

Patrocine esta página por $ 275 por ano. Seu banner ou anúncio de texto pode preencher o espaço acima.
Clique aqui para patrocinar a página e como reservar seu anúncio.

1 de maio de 1960 - Na União Soviética, um avião de reconhecimento U-2 dos Estados Unidos é baleado pelas forças soviéticas, levando à captura do piloto americano Gary Powers e ao eventual cancelamento da conferência de cúpula de Paris. Em 19 de agosto, Powers é condenado pela União Soviética a dez anos de prisão por espionagem. Em 10 de fevereiro de 1962, ele seria trocado por um espião soviético capturado em Berlim.

Compre cronologia

3 de janeiro de 1961 - Disputas sobre a nacionalização de empresas dos Estados Unidos em Cuba levam o governo dos EUA a romper as relações diplomáticas e consulares com o governo cubano.

15 de fevereiro de 1961 - Toda a equipe de patinação artística dos Estados Unidos morre em um acidente de avião perto de Bruxelas, na Bélgica, em sua jornada para o Campeonato Mundial. Setenta e três pessoas são mortas.

17 de abril de 1961 - A invasão da Baía dos Porcos a Cuba é repelida pelas forças cubanas na tentativa de exilados cubanos sob a direção do governo dos Estados Unidos de derrubar o regime de Fidel Castro.

28 de dezembro de 1961 - O National Park Service estende suas terras para as Ilhas Virgens dos EUA quando o presidente John F. Kennedy proclama o Buck Island Reef como Monumento Nacional. O recife inclui uma trilha subaquática e um dos melhores jardins marinhos do Mar do Caribe.

February 7, 1962 - The first sign of a looming Vietnam conflict emerges when President Kennedy admits that the military advisors already in Vietnam would engage the enemy if fired upon.

February 20, 1962 - Lt. Colonel John Glenn becomes the first U.S. astronaut in orbit in the Friendship 7 Mercury capsule. He would circle the earth three times before returning to earth, remaining aloft for four hours and fifty-five minutes. This flight equalized the space race with the Soviet Union, whose Vostok I flight on April 12, 1961 with Yuri Gagarin had become the first manned spaceflight into orbit one year earlier.

March 21, 1963 - The last twenty-seven prisoners of Alcatraz, the island prison in San Francisco Bay, are ordered removed by Attorney General Robert F. Kennedy, and the federal penitentiary is closed.

June 11, 1963 - A patent for the first manned space capsule, the Mercury, is issued to Maxime A. Faget, Andre J. Meyer, Jr., Robert G. Chilton, William S. Blanchard, Jr., Alan B. Kehlet, Jerome B. Hammack, and Caldwell C. Johnson, Jr.

June 17, 1963 - The Supreme Court of the United States ruled in the case of Abington School District vs. Schempp that laws requiring the recitation of the Lord's Prayer or Bible verses in public schools is unconstitutional. The vote was 8 to 1.

January 9, 1964 - The Panama Canal incident occurs when Panamanian mobs engage United States troops, leading to the death of twenty-one Panama citizens and four U.S. troops.

January 13, 1964 - Beatlemania hits the shores of the United States with the release of I Want to Hold Your Hand, which becomes the Liverpool group's first North American hit. One week later, their first U.S. album Meet the Beatles is released.

February 25, 1964 - 1960 Olympic champion Cassius Clay (Muhammad Ali) wins the World Heavyweight Championship in Boxing from current champ Sonny Liston.

November 3, 1964 - President Lyndon B. Johnson wins his first presidential election with a victory over Barry M. Goldwater from Arizona. Johnson extended the Democratic victory by former running mate John F. Kennedy with a 486 to 52 thrashing of the Republican candidate in the Electoral College and over 15 million surplus in the popular vote.

February 7, 1965 - President Lyndon B. Johnson orders the continuous bombing of North Vietnam below the 20th parallel.

October 15, 1965 - The first public burning of a draft card occurs in protest to the Vietnam War. It is coordinated by the anti-war group of students, National Coordinating Committee to End the War in Vietnam.

Kevlar is developed by Dupont scientist Stephanie Louise Kwolek. She would patent the compound, used extensively in bullet proof vests, in 1966.

June 29, 1966 - United States warplanes begin their bombing raids of Hanoi and Haiphong, North Vietnam. By December of this year, the United States had 385,300 troops stationed in South Vietnam with sixty thousand additional troops offshore and thirty-three thousand in Thailand.

July 1, 1966 - Medicare, the government medical program for citizens over the age of 65, begins.

November 8, 1966 - The first black United States Senator in eighty-five years, Edward Brooke, is elected to Congress. Brooke was the Republican candidate from Massachusetts and former Attorney General of that state.

January 15, 1967 - The first Super Bowl is held in Los Angeles between the Green Bay Packers and the Kansas City Chiefs with Green Bay winning 35-10. Over fifty one million people watch on television.

July 1967 - Black riots plague U.S. cities. In Newark, New Jersey, twenty-six are killed, fifteen hundred injured and one thousand arrested from July 12 to 17. One week later, July 23 to 30, forty are killed, two thousand injured, and five thousand left homeless after rioting in Detroit, known as the 12th Street Riots, decimate a black ghetto. The riots are eventually stopped by over 12,500 Federal troopers and National Guardsmen.

March 31, 1968 - President Johnson announces a slowing to the bombing of North Vietnam, and that he would not seek reelection as president. Peace talks would begin May 10 in Paris all bombing of North Korea halted October 31.

April 4, 1968 - Civil Rights leader Martin Luther King is assassinated in Memphis, Tennessee while standing on a motel balcony by James Earl Ray.

June 5, 1968 - Presidential candidate, the Democratic Senator from New York, Robert F. Kennedy, is shot at a campaign victory celebration in Los Angeles by Sirhan Sirhan, a Jordanian, after primary victories, and dies one day later.

November 5, 1968 - Richard M. Nixon recaptures the White House from the Democratic party with his victory of Hubert H. Humphrey and 3rd Party candidate George Wallace. Nixon captures 301 Electoral College Votes to 191 for Humphrey and 46 for Wallace.

January 12, 1969 - The New York Jets win Super Bowl III over the Baltimore Colts after a bold prediction by quarterback Joe Namath. This is the first victory in the National Football League for a former American Football League team.

January 25, 1969 - Four-party Vietnam war peace talks begin. In April, U.S. troops in the war reached its zenith at 543,400 and would begin their withdrawal on July 8.

July 20, 1969 - The Apollo program completes its mission. Neil Armstrong, United States astronaut, becomes the first man to set foot on the moon four days after launch from Cape Canaveral. His Apollo 11 colleague, Edwin E. Aldrin, Jr. accompanies him.

July 25, 1969 - President Richard M. Nixon announces his new Vietnam policy, declaring the Nixon Doctrine that expected Asian allies to care for their own military defense. This policy, and all Vietnam war policies, would be heavily protested throughout the remainder of the year. On November 15, 1969, more than two hundred and fifty thousand anti-Vietnam war demonstrators marched on Washington, D.C. to peacefully protest the war.

November 20, 1969 - Alcatraz Island, the former prison in São Francisco Bay, is occupied by fourteen American Indians in a long standoff over the issues of Indian causes.


Joseph In Egypt

Joseph was an important biblical figure in the history of the Jewish people. God used his life to preserving the Israelites from a devastating famine that had spread throughout the land of Israel. Joseph was an important Egyptian official who was given the responsibility of storing and distributing food to people who were in need. Joseph was not only an important government official he was also a worshipper of God and his life was dedicated to this end. Joseph’s name means to “add to” or to increase or double. His life was a testimony to this definition. He appears on the Bible Timeline circa 1750 BC.

These Articles are Written by the Publishers of The Amazing Bible Timeline
Quickly See 6000 Years of Bible and World History Together

Unique Circular Format – see more in less space.
Learn facts que você não pode aprender apenas lendo a Bíblia
Attractive design ideal for your home, office, church …

Joseph’s story began in Genesis 30 when he was born to Jacob and Rachel. In Genesis 30:22 God remembers Rachel’s prayers. She had been praying for a child of her own to give to Jacob because she was not able to conceive. Jacob had children with her sister Leah (see Genesis 29), and Rachel became jealous. She eventually had Joseph and stated that God had removed her disgrace (Genesis 30:23). In verse 24 she says, “May the Lord add to me another son” and this meaning is attributed to Joseph’s name.

Genesis 37 tells the story of Joseph’s early years and how Jacob favored him over his brothers. Joseph also told Jacob whenever his brothers did wrong and when Jacob made Joseph a special coat his brothers would not speak a kind word to him. In Genesis 37:5-7 Joseph tells his brothers about a dream where they would they bow down to him, and this dream infuriated them. Eventually, Joseph brothers took Joseph and threw him into a cistern (or well) and sold him into slavery. The slavers took him to Egypt where he ended up in the service to an Egyptian official named Potiphar.

Joseph eventually learned the Egyptian culture, customs, and language while he served under Potiphar. God was with him during this period of his life and eventually was placed in a leadership position within his home. Potiphar’s wife wanted Joseph because he was a handsome man, but he refused her advances. She lied and had him arrested for attempted rape. Joseph spent many years in jail where he was placed in charge of the prison because God was with him once again. Whatever Joseph did in Potiphar’s house and the prison was blessed by God. He “added to” the organization and efficiency of the operations of these places.

Eventually, the pharaoh’s cupbearer and baker ended up in prison, and Joseph interpreted their dreams. The Baker lost his life but the cupbearer was spared and though he forgot Joseph he eventually remembered him when Pharaoh had a troubling dream. Joseph was taken from prison to interpret pharaoh’s dream, and he warned him about an impending famine. He also told the Pharaoh what he must do to avoid disaster. His advice was well received, and Pharaoh made him second in charge over all of Egypt. These events take place in Genesis 41.

Joseph had increased the holdings of Pharaoh’s grains during the prosperous period before the famine. Once the famine had arrived, there was more than enough food stored away to feed many people. Soon, his brothers and fellow countrymen came to Egypt looking for food (Genesis 42).

Joseph hadn’t seen them in many years, and he reconciled with them. He realized over time that God had used them so that he could gain the position that he held for second in command over Egypt. Through Joseph’s efforts, knowledge and faith in God he was able to increase the Egyptian’s food while preserving the Israelites and the Egyptians (Genesis 45:5-7). Once again, Joseph’s life was a living testimony about the meaning of his name.


Timeline Middle Ages and Early Modern Period

Environmental upheavals linked to sever climate variability characterised the period from 1300 to 1400. All tree ring series in northern Europe show a decline in growth rates, indicating an adverse climatic change. This marked the transition from a “Medieval Warm Period” to the “Little Ice Age” when temperatures were on average 1.5 degrees Celsius lower than before and with greater seasonal variation. The cooling trend associated with the Little Ice Age progressively moved from north-west to south-east across Europe, with the Vikings in the far North experiencing the clooing first, British Isles experiencing the effects from the 1290s and the Mediterranean after 1320.

Written records from the 14th century provide accounts of severe weather in the period from 1314 to 1317, which led in turn to crop failure and famine. This episode of failed harvests and its consequences is known as “The Great Famine”. Notwithstanding these ecological calamities, the population of northern Europe was at an all time high by the second quarter of the 14th century. However, the arrival of the Black Death, in Europe in 1347 pushed the European population into a century-long demographic decline and caused long-term changes in economy and society.

Germs and microbes are part of our environment. In fact, these creatures can be regarded as the most successful living things on the planet. Our invisible environment of microbes has also shaped events in world history in many ways. Nowhere was this more evident and visible ultimately, in the Black Death that affected, and infected, Eurasia during the 14th century. The Black Death spread from central Asia along trade routes and reached southern Europe in 1347. It swept quickly through the continent and reached northern Scandinavia and Iceland in 1350. Few areas escaped and by late 1350 between 30 and 40% of the European population had perished.

But what catapulted the Black Death on the world stage? Recently it has been suggested that a climatic event similar to the 536 dust veil event is responsible. Based on comparing the chronologies of prices, wages, grain harvests and the corresponding chronologies of growing conditions and climactic variations, taking into consideration dendrochronology, the Greenland ice cores it has emerged that the episodes of the Black Death coincide with depressed temperatures. Find out more in this video lecture by Professor Bruce Campbell of Queens University Belfast.

The dramatic decline of the European population caused by the Black Death coincided with a decline in global temperature. Coincidência? The climate was already getting colder because the northern hemisphere was heading for the Little Ice Age. At the same time agricultural land was taken out of production in Europe because of the 25-40% decline of the European population (depending on region). This means ploughing of less ground, which releases greenhouse gasses (Methane and carbonates) and forest clearance was reversed. More trees and scrubs mean that more carbon (CO2) was taken out of the atmosphere and stored in biomass. The abandoned farmland acted as a significant carbon sink because trees store carbon taken from the CO2 in the air.

From about 1350 CO2 levels in the atmosphere appear to fall following the Black Death. However, a long term declining trend may have already started before the Black Death. We know that the first two decades of the 14th century were wetter, windier and climatically more unstable than before. The declining trend also continued after the recovery of agriculture after 1440. The reforestation that followed the Black Death and the resulting decrease of CO2 in the atmosphere pronounced a natural cooling trend that was already underway: the beginning of the Little Ice Age (LIA). This does not mean the LIA was triggered by the Black Death but the latter possibly contributed to it, although temporarily.

Leitura adicional
Gottfried, Robert S., The Black Death: natural and human disaster in medieval Europe (New York and London: Macmillan, 1983).

Yeloff, Dan and Bas van Geel, ‘Abandonment of farmland and vegetation succession following the Eurasian plague pandemic of ad 1347-52’, Journal of Biogeography, Vol. 34, No. 4 (2007), 575-582

Biological exchanges and invasions are important drivers in history. Over the course of the Earth’s history there have been many biological invasions. Think for example of the species that took advantage of land bridges during ice ages, when sea levels were lower, to expand into new areas where they did not live before. These processes were relatively slow and only the most mobile species were able to migrate over long distances. Geographic barriers, such as oceans and mountain chains, inhibited migrations of most species and divided the earth into distinct biogeographical provinces. But with the development of long distance navigation in the 15th century people started to transport species from one continent to another on a scale and with a speed that the world had never experienced before.

This process of the exchange of biota is now familiar to many historians, as the Columbian Exchange, thanks to the work of Alfred Crosby. Crosby used the term to describe the exchange of agricultural goods and disease between the Eastern and Western Hemispheres that has occurred since 1492. To America, Europeans introduced crops like wheat, rice, bananas, sugar, and grapes. Europeans also brought a number of domesticated animals to the New World, including horses, cattle, pigs and sheep. The Eurasian species thrived in the America’s because their animals and plans encountered less competitions or it was even absent, altering eco-systems forever but also aiding the success of Europeans in the New World, a phenomenon dubbed “ecological imperialism” by Crosby.

However, the exchange process was not a one-way street. Africa and Eurasia acquired some very useful crops from the Americas, most notably potatoes and maize. The new food crops fuelled population growth in Europe, Africa and China.

One of the most dramatic consequences of the Columbian Exchange was the transportation of microbes to the America's that caused pandemics among the local populations. These populations had never been exposed to diseases such as small pox or measles. As a result is has been estimated that between 75 to 90 per cent of the indigenous populations of the America's perished.

Leitura adicional

Crosby, Alfred W., Ecological Imperialism: The Biological Expansion of Europe, 900-1900 (Cambridge New York: Cambridge University Press, 1986)

Crosby, Alfred W., “Columbian exchange: plants, animals, and disease between the Old and New World”,National Humanities Center, nationalhumanitiescenter.org/tserve/nattrans/ntecoindian/essays/columbian.htm

Crosby, Alfred W., The Columbian Exchange: Biological and Cultural Consequences of 1492 (Westport, Connecticut: Greenwood Publishing Co., 1972)

o Pequena Idade do Gelo is a period between about 1300 and 1870 during which Europe and North America were subjected to much colder winters than during the 20th century. The period can be divided in two phases, the first beginning around 1300 and continuing until the late 1400s. There was a slightly warmer period in the 1500s, after which the climate deteriorated substantially. The period between 1600 and 1800 marks the height of the Little Ice Age.

During the height of the Little Ice Age, there are indications that average winter temperatures in Europe and North America were as much as 2°C lower than at present. The Baltic Sea froze over, as did most of the rivers in Europe. Winters were bitterly cold and prolonged, reducing the growing season by several weeks. These conditions led to widespread crop failure, famine, and in some regions population decline.

At the same time the 17th and 18th centuries were characterised by the expansion of European trade and the formation of European sea born Empires. This was directly linked to advances in technology harnessing more of nature's power and towards the end of the period fossil-fuelled power. These two hundred years also saw the specialisation of agricultural regions, which produced specific products for local and international markets.

For more details read the article The Little Ice Age.

The exact cause of the Little Ice Age is unknown, but many people have pointed at the coincidence in low sunspot activity and the timing of the Little Ice. This so called Maunder Minimum coincided with the coldest part of the Little Ice Age, in particular during the period roughly from 1645 to 1715, when sunspots were a rare occurrence, as noted by solar observers such as Cassini and Flamsteed. A minimum in sunspots, indicates an much less active and possibly colder sun and consequently less energy output to warm the earth.

The Maunder Minimum is named after astronomer E.W. Maunder who discovered the absence of sunspots during that period. Recently published data suggests that the Sun expanded during the Maunder Minimum and its rotation slowed. A larger and slower Sun, it is speculated, might also mean a cooler Sun that provides less heat to Earth. (Just why the Sun expands and contracts is not entirely understood).

Leitura adicional
H.H. Lamb, "Climatic Fluctuations", in H. Flohn (ed), World Survey of Climatology. Vol.2. General Climatology (New York: Elsevier, 1969), p. 236 Schneider, S. H., and C. Mass, "Volcanic dust, sunspots, and temperature trends", Science, 190 (1975) 741-746.

John A. Eddy, "The Maunder Minimum", Ciência, 18 June 1976, Vol. 192, No. 4254, 1198-1202.

Air pollution is not a new phenomenon. By the mid-1600s, London’s air had attracted the attention of one of the greatest minds of the time, John Evelyn, and advocate for forest regeneration. He published a book in 1661 entitled Fumifugium or the Inconvenience of the Aer, and Smoake of London Dissipated. The pamphlet is a call to clean up the air of the city of London. It described the effects of air pollution caused by coal burning on the on the population of London:

[In London] her Inhabitants breathe nothing but an impure and thick Mist, accompanied by a fuliginous and filthy vapour, which renders them obnoxious to a thousand inconveniences, corrupting the Lungs, and disordering the entire habit of their Bodies so that Catharrs, Phthisicks, Coughs and Consumptions, rage more in this one City, than the whole Earth besides.

Evelyn suggested that burning wood instead of coal would be less harmful to the lungs and recommends relocating some of London’s more polluting industries outside the city, in particular lime-burning and brewing.


Assista o vídeo: HISTÓRIA GERAL #3 EGITO FORMAÇÃO, POLÍTICA E ECONOMIA (Dezembro 2021).