Podcasts de história

Biografia de George Bush - História

Biografia de George Bush - História

George Bush

George Bush foi o sucessor escolhido a dedo por Reagan. Ele chegou à presidência com um currículo impressionante de realizações de política externa, todas as quais ele usou na diplomacia que conduziu à guerra para libertar o Kuwait. Eleito em 1988


Os primeiros anos

George Herbert Walker Bush nasceu em Milton, Massachusetts. Bush cresceu no rico subúrbio de Greenwich, em Connecticut, em Nova York. Bush frequentou a Greenwich Country Day School. Na idade de 13 ele se matriculou na Phillips Academy. Em 12 de junho de 1942, em seu aniversário de 18 anos, Bush alistou-se na marinha dos Estados Unidos. Ele se tornou o piloto mais jovem da Marinha. Ele voou 58 missões de combate contra alvos japoneses e foi abatido uma vez, para ser resgatado por um submarino.

No final da guerra, Bush foi para Yale, onde se formou em 1948.

Bush decidiu atacar por conta própria e entrou no negócio do petróleo no Texas. Os negócios de Bush no Texas foram bem-sucedidos.

Em 1966, Bush concorreu ao Congresso como Representante da área de Houston. Ele foi eleito. Enquanto estava no Congresso, ele apoiou a Guerra do Vietnã. Ele votou no ato dos Direitos Civis muito impopular (em seu distrito) de 1968. Em 1970, Bush concorreu sem sucesso ao Senado. Ele foi nomeado em 1971 pelo presidente Nixon como embaixador na ONU. De 1973 a 1974, ele atuou como presidente do Comitê Republicano.

Em 1974, o presidente Ford nomeou Bush como chefe da ligação com os EUA na China, efetivamente o embaixador dos EUA na China. De 1976 a 1977, Bush foi Diretor da CIA.

Em 1979, ele iniciou uma campanha malsucedida pela indicação republicana para presidente. Ele perdeu para Reagan. De 1981 a 1989, ele atuou como vice-presidente. Bush desempenhou um papel ativo como vice-presidente.

Realizações no escritório

A presidência de George Bush foi marcada por um presidente ativista nas relações exteriores e, ao mesmo tempo, um presidente em sua maioria passivo na área de política interna. O maior sucesso de Bush foi sua administração nas relações exteriores que ajudou a transição de um mundo bipolar, com os Estados Unidos e a União Soviética em confronto, para um em que a União Soviética se desintegrou e os Estados Unidos foram a única superpotência. Bush mostrou sua habilidade em relações exteriores ao construir uma coalizão internacional para se opor à invasão iraquiana do Kuwait. Ele liderou essa coalizão para a vitória sobre os iraquianos.

Nos assuntos internos, as ações do presidente Bush foram severamente limitadas pelo mandato conservador que ele herdou do presidente Reagan. Sua própria orientação mais liberal o deixou sem uma política clara em muitas questões internas. Bush perdeu a reeleição em 1992 para Bill Clinton. Ele viveu para ser o primeiro presidente a ver seu filho se tornar presidente quando George W Bush foi eleito para a presidência em 2000. Ele levou uma vida muito ativa após sua presidência, saltando de pára-quedas em seus grandes aniversários até os 90 anos. Geoge Bush morreu em 30 de novembro de 2018.

A primeira familia

.
Pai: Prescott Bush
Mãe: Dortohy Walker Bush
Filhos: George W Bush, John Ellis (Jeb) Bush, Neil Bush, Marvin Bush
Filha: Pauline Bush (morreu aos 4 anos)

Gabinete

Secretário de Estado: James Baker Lawrence Eagleburger
Secretário do Tesouro: Nicholas Brady
Secretário de Defesa: Dick Cheney
Procurador-geral: Dick Thornburgh William Barr
Secretário do Interior: Manuel Lujan
Secretário de Agricultura: Clayton Yeutter Edward Madigan
Secretário de Comércio: Robert Mosbacher Barbara Hackman Franklin
Secretária do Trabalho: Elizabeth Dole Lynn Martin
Secretário de Saúde e
Serviços Humanos: Louis Sullivan
Secretário de Educação: Lauro Cavazos Lamar Alexander
Secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Jack Kemp
Secretário de Transporte: Samuel Skinner Andrew Card
Secretário de Energia: James Watkins
Secretário de Assuntos de Veteranos, Ed Derwinski

Endereço inaugural


Biografia de George Bush - História


George Bush trouxe para a Casa Branca uma dedicação aos valores americanos tradicionais e a determinação de direcioná-los para fazer dos Estados Unidos "uma nação mais gentil e gentil". Em seu discurso de posse, ele prometeu em "um momento rico em promessas" usar a força americana como "uma força para o bem".

Vindo de uma família com tradição no serviço público, George Herbert Walker Bush sentiu a responsabilidade de dar sua contribuição em tempos de guerra e de paz. Nascido em Milton, Massachusetts, em 12 de junho de 1924, ele se tornou um líder estudantil na Phillips Academy em Andover. Em seu aniversário de 18 anos, ele se alistou nas forças armadas. O mais jovem piloto da Marinha quando recebeu suas asas, ele voou 58 missões de combate durante a Segunda Guerra Mundial. Em uma missão no Pacífico como piloto de torpedo-bombardeiro, ele foi abatido por fogo antiaéreo japonês e resgatado da água por um submarino dos Estados Unidos. Ele foi premiado com a Distinguished Flying Cross por bravura em ação.

Em seguida, Bush voltou suas energias para completar sua educação e criar uma família. Em janeiro de 1945 ele se casou com Barbara Pierce. Eles tiveram seis filhos - George, Robin (que morreu quando criança), John (conhecido como Jeb), Neil, Marvin e Dorothy.

Na Universidade de Yale, ele se destacou nos esportes e nos estudos, ele foi capitão do time de beisebol e membro da Phi Beta Kappa. Após a formatura, Bush iniciou uma carreira na indústria petrolífera do oeste do Texas.

Como seu pai, Prescott Bush, eleito senador por Connecticut em 1952, George se interessou pelo serviço público e pela política. Ele serviu por dois mandatos como Representante do Congresso do Texas. Por duas vezes ele concorreu sem sucesso para o Senado. Em seguida, ele foi nomeado para uma série de cargos de alto nível: Embaixador nas Nações Unidas, Presidente do Comitê Nacional Republicano, Chefe do Escritório de Ligação dos EUA na República Popular da China e Diretor da Agência Central de Inteligência.

Em 1980, Bush fez campanha pela indicação republicana para presidente. Ele perdeu, mas foi escolhido como companheiro de chapa por Ronald Reagan. Como vice-presidente, Bush tinha responsabilidade em várias áreas domésticas, incluindo desregulamentação federal e programas antidrogas, e visitou muitos países estrangeiros. Em 1988, Bush ganhou a indicação republicana para presidente e, com o senador Dan Quayle, de Indiana, como companheiro de chapa, derrotou o governador de Massachusetts, Michael Dukakis, nas eleições gerais.

Bush enfrentou um mundo em mudanças dramáticas, com o fim da Guerra Fria após 40 anos amargos, o império comunista se separou e o Muro de Berlim caiu. A União Soviética deixou de existir e o presidente reformista Mikhail Gorbachev, a quem Bush havia apoiado, renunciou. Enquanto Bush saudava a marcha da democracia, ele insistia na moderação da política dos EUA em relação ao grupo de novas nações.

Em outras áreas da política externa, o presidente Bush enviou tropas americanas ao Panamá para derrubar o regime corrupto do general Manuel Noriega, que ameaçava a segurança do canal e dos americanos que ali viviam. Noriega foi levado aos Estados Unidos para ser julgado como traficante de drogas.

O maior teste de Bush veio quando o presidente do Iraque, Saddam Hussein, invadiu o Kuwait e ameaçou se mudar para a Arábia Saudita. Prometendo libertar o Kuwait, Bush reuniu as Nações Unidas, o povo dos EUA e o Congresso e enviou 425.000 soldados americanos. Eles foram acompanhados por 118.000 soldados de nações aliadas. Após semanas de bombardeio aéreo e de mísseis, a batalha terrestre de 100 horas apelidada de Tempestade no Deserto derrotou o exército de um milhão de homens do Iraque.

Apesar da popularidade sem precedentes desse triunfo militar e diplomático, Bush foi incapaz de suportar o descontentamento em casa devido a uma economia vacilante, o aumento da violência nas cidades centrais e a continuação de altos déficits nos gastos. Em 1992, ele perdeu sua candidatura à reeleição para o democrata William Clinton.


Presidente dos Estados Unidos - George W. Bush

George W. Bush é o 43º presidente dos Estados Unidos. Ele foi empossado em 20 de janeiro de 2001, reeleito em 2 de novembro de 2004 e empossado para um segundo mandato em 20 de janeiro de 2005. Antes de sua presidência, o presidente Bush serviu por 6 anos como 46º governador da Estado do Texas, onde conquistou a reputação de bipartidário e conservador compassivo que formou políticas públicas com base nos princípios de governo limitado, responsabilidade pessoal, famílias fortes e controle local.

O presidente Bush nasceu em 6 de julho de 1946, em New Haven, Connecticut, e cresceu em Midland e Houston, Texas. Ele recebeu um diploma de bacharel em história pela Universidade de Yale em 1968 e, em seguida, serviu como piloto de caça F-102 na Guarda Aérea Nacional do Texas. O presidente Bush recebeu um mestrado em administração de empresas pela Harvard Business School em 1975. Após a formatura, ele voltou para Midland e começou uma carreira no setor de energia. Depois de trabalhar na campanha presidencial de 1988 de seu pai e rsquos, o presidente Bush reuniu o grupo de sócios que comprou a franquia de beisebol Texas Rangers em 1989. Em 8 de novembro de 1994, o presidente Bush foi eleito governador do Texas. Ele se tornou o primeiro governador na história do Texas a ser eleito para mandatos consecutivos de 4 anos quando foi reeleito em 3 de novembro de 1998.

Desde que se tornou presidente dos Estados Unidos em 2001, o presidente Bush tem trabalhado com o Congresso para criar uma sociedade de propriedade e construir um futuro de segurança, prosperidade e oportunidades para todos os americanos. Ele assinou uma lei de redução de impostos que ajuda os trabalhadores a manterem mais de seu dinheiro suado, bem como as reformas educacionais mais abrangentes em uma geração, a Lei No Child Left Behind de 2001. Esta legislação está inaugurando uma nova era de responsabilidade, flexibilidade, controle local e mais opções para os pais, afirmando a crença fundamental de nossa nação na promessa de cada filho. O presidente Bush também trabalhou para melhorar os cuidados de saúde e modernizar o Medicare, oferecendo o primeiro benefício de medicamentos prescritos para idosos que aumentam a propriedade, especialmente entre as minorias, preservam nosso meio ambiente e aumentam o poderio militar, os salários e os benefícios. Como o presidente Bush acredita que a força da América está no coração e na alma de nossos cidadãos, ele apoiou programas que incentivam as pessoas a ajudar seus vizinhos necessitados.

Na manhã de 11 de setembro de 2001, terroristas atacaram nossa nação. Desde então, o presidente Bush deu passos sem precedentes para proteger nossa pátria e criar um mundo livre do terror. Ele é grato pelo serviço e sacrifício de nossos bravos homens e mulheres uniformizados e de suas famílias. O presidente está confiante de que, ao ajudar a construir sociedades livres e prósperas, nossa nação e nossos amigos e aliados terão sucesso em tornar os Estados Unidos mais seguros e o mundo mais pacífico.

O presidente Bush é casado com Laura Welch Bush, uma ex-professora e bibliotecária, e eles têm filhas gêmeas, Barbara e Jenna. A família Bush também inclui dois cães, Barney e Miss Beazley, e um gato, Willie.


As melhores biografias de George H.W. arbusto

De várias maneiras, George H.W. Bush parece ter passado a vida se preparando para a presidência. Um homem de decência quase sobrenatural, Bush foi o presidente mais velho de todos os tempos até sua morte, trinta e oito dias atrás, aos 94 anos. (Com bons ventos e mares revoltos, Jimmy Carter herdará esse título em pouco mais de dez semanas).

Mas agora, apesar de seu heroísmo em combate, sua perspicácia empresarial, sua extraordinária coragem capitalista e sua ambição política discreta, mas sincera, George H.W. Bush de repente parece uma figura quieta e despretensiosa de uma era há muito passada.

A presidência de Bush 41 & # 8217s terminou há quase um quarto de século, mas ainda parece prematuro considerar as & # 8220best biografias & # 8221 dele devido, em parte, à data recente de sua morte, seu legado ainda em evolução e a escassez de biografias cobrindo sua vida. E, na minha opinião, a biografia definitiva de Bush 41 ainda não foi escrita & # 8230

Li duas biografias de Bush: um livro relativamente datado do famoso historiador (e autor) Herbert Parmet e um muito mais recente do renomado biógrafo (e historiador) Jon Meacham. De muitas maneiras, as biografias são yin e yang, aparentemente muito diferente & # 8230, mas excepcionalmente complementar. Nenhum dos dois é ideal, mas juntos valem claramente mais do que a soma de suas partes.

A proximidade do autor com seu assunto é a característica definidora desta biografia. Meacham conheceu Bush (e sua família) extremamente bem durante a década que passou escrevendo este livro. Meacham foi até escolhido para elogiar Bush em seu funeral recente. Assim, & # 8220Destino e poder & # 8221 oferece aos leitores a oportunidade de ver o mundo pelos olhos de Bush. E de uma forma muito palpável esta biografia se parece com as memórias que Bush nunca escreveu para si mesmo.

Mas a pré-presidência de Bush passa muito rápido e com muito pouca profundidade. E embora sua presidência seja acompanhada em um ritmo mais deliberado, muitas vezes parece muito indulgente. Enquanto Meacham critica Bush ocasionalmente, apontando falhas ou fracassos, o livro exala um ar inegável de simpatia e afinidade.

No entanto, Meacham é capaz de fornecer uma visão sobre o caráter de Bush & # 8217s e sua visão de mundo que provavelmente se provará única entre os biógrafos de Bush 41 & # 8217s & # 8211 no passado e futuro. E embora não tenha correspondido às minhas expectativas, esta é uma leitura obrigatória sobre George H.W. Bush & # 8212 4 estrelas (avaliação completa aqui)

Parmet foi um historiador de longa data, professor e autor prolífico que morreu recentemente. Sua biografia de Bush não é exatamente do berço ao túmulo, ela termina com a presidência de Bush (deixando de lado seus anos de aposentadoria e legado político). Mas, caso contrário, é abrangente e completo.

O melhor aspecto desta biografia é a revisão de Parmet & # 8217s sobre os primeiros anos de Bush. Em nenhum lugar eu vi uma cobertura melhor da ancestralidade de Bush 41 e # 8217, seu serviço militar, sua carreira no Congresso, seu serviço na ONU ou na CIA. Em comparação, a carreira política nacional de Bush é boa, mas não excepcional, as páginas dedicadas à resposta do presidente Bush à invasão do Kuwait pelo Iraque são particularmente dignas de nota, entretanto.

O que Jon Meacham faz bem em & # 8220Destino e Poder & # 8221 tende a ser escasso aqui Meachem vê o mundo da perspectiva de seu sujeito & # 8217s (mas não à distância) enquanto Parmet observa os eventos através dos olhos de um repórter. Para Parmet, as coisas apenas acontecer entendimento porque é comparativamente sem importância. Para Meacham, compreender a mentalidade de Bush é de suma importância ver as coisas de um ponto de vista imparcial de terceiros é menos crítico.

No final, a cobertura de Parmet & # 8217s e Meacham & # 8217s da vida de Bush & # 8217s é surpreendentemente sinérgica. Mas para a pré-presidência de Bush e # 8217s, a cobertura de Parmet e # 8217s recebe o aceno de cabeça & # 8212 3¾ estrelas (avaliação completa aqui)

Melhor biografia de George HW Bush: *** Muito cedo para ligar ***

Sólido & # 8220One-Two & # 8221 Punch: Parmet & # 8217s & # 8220George Bush & # 8221 seguido por Meacham & # 8217s & # 8220Destiny and Power & # 8221


Governador do texas

Em 1994, Bush desafiou a atual democrata Ann Richards para o governo do Texas. Um grande problema na campanha foi a venda de todas as suas ações da Harken por Bush em junho de 1990, poucos dias antes de a empresa completar o segundo trimestre com pesadas perdas. Uma investigação da Securities and Exchange Commission (SEC) em 1991 sobre a possibilidade de comércio ilegal de informações privilegiadas (negociação que tira proveito de informações não disponíveis ao público) não revelou nenhum delito. Bush venceu a eleição com 53 por cento dos votos (em comparação com 46 por cento de Richards), tornando-se assim o primeiro filho de um presidente dos EUA a ser eleito governador de estado.

Como governador, Bush aumentou os gastos do estado com o ensino fundamental e médio e fez com que os salários e promoções de professores e administradores dependessem do desempenho de seus alunos em testes padronizados. Sua administração aumentou o número de crimes pelos quais jovens podem ser condenados a prisões de adultos após custódia em detenção juvenil e reduziu para 14 a idade em que as crianças podem ser julgadas como adultos. Ao longo de seu mandato, Bush recebeu atenção internacional pelo uso enérgico da pena de morte no Texas em relação a outros estados. Bush sancionou várias medidas destinadas a reformar o delito civil, incluindo uma que impôs novos limites aos danos punitivos e outra que estreitou a definição legal de "negligência grave". Reeleito em 1998 com quase 70% dos votos, Bush se tornou o primeiro governador do Texas a ganhar mandatos consecutivos de quatro anos (em 1972, os eleitores haviam aprovado um referendo que estendeu o mandato do governador de dois para quatro).

Bush anunciou formalmente sua candidatura à indicação presidencial republicana em junho de 1999. Ele descreveu sua filosofia política como “conservadorismo compassivo”, uma visão que combinava políticas econômicas republicanas tradicionais com preocupação com os desprivilegiados. Apesar da recusa de Bush em dar respostas diretas a perguntas sobre seu consumo de álcool e possível uso de drogas ilegais (ele deu a entender que não usava drogas ilegais desde 1974), ele ganhou a indicação republicana, assumindo uma forte liderança nas pesquisas de opinião pública sobre o vice-presidente. Al Gore, o candidato do Partido Democrata Ralph Nader, o candidato do Partido Verde e jornalista político Patrick Buchanan, o candidato do Partido Reformista. Seu companheiro de chapa foi Dick Cheney, ex-chefe de gabinete do Pres. Gerald Ford e secretário de defesa durante a presidência do pai de Bush.

À medida que a campanha para as eleições gerais continuava, a lacuna nas pesquisas entre Bush e Gore se reduziu ao máximo em qualquer eleição dos 40 anos anteriores. No dia da eleição, a presidência dependia dos 25 votos eleitorais da Flórida, onde Bush liderava Gore por menos de 1.000 votos populares após uma recontagem automática obrigatória em todo o estado. Depois que a campanha de Gore pediu recontagens manuais em quatro condados fortemente democratas, a campanha de Bush entrou com uma ação no tribunal federal para detê-los. Por cinco semanas, a eleição permaneceu sem solução, já que os tribunais estaduais e federais da Flórida ouviram inúmeras contestações legais de ambas as campanhas. Por fim, a Suprema Corte da Flórida decidiu (4–3) ordenar uma recontagem manual em todo o estado das aproximadamente 45.000 “notas negativas” - cédulas que as máquinas registraram como não expressando claramente um voto presidencial. A campanha de Bush rapidamente entrou com um recurso com a Suprema Corte dos EUA, pedindo-lhe que atrasasse as recontagens até que pudesse ouvir o caso, uma suspensão foi emitida pelo tribunal em 9 de dezembro. Três dias depois, concluindo (7–2) que uma feira em todo o estado a recontagem não pôde ser realizada a tempo de cumprir o prazo de 18 de dezembro para certificar os eleitores do estado, o tribunal emitiu uma decisão controversa 5-4 para reverter a ordem de recontagem da Suprema Corte da Flórida, efetivamente atribuindo a presidência a Bush. Ao vencer na Flórida, Bush venceu por pouco a votação eleitoral sobre Gore por 271 a 266 - apenas 1 a mais do que os 270 exigidos (um eleitor de Gore se absteve).

Com sua posse, Bush tornou-se apenas o segundo filho de um presidente a assumir o cargo mais alto da nação; o outro foi John Quincy Adams (1825–1829), filho de John Adams (1797–1801).


Conteúdo

Bush nasceu em Houston, Texas, filho de Jeb e Columba Bush (nascida Garnica Gallo). Bush tem dois irmãos: a irmã mais nova Noelle Lucila Bush e o irmão mais novo John Ellis Bush Jr. [2] [3] Bush frequentou a Escola Preparatória Gulliver na área de Miami. [ citação necessária ]

Em dezembro de 1994, Bush foi preso na casa de sua ex-namorada depois de tentar arrombar a casa e depois dirigir seu carro pelo jardim da frente. As vítimas se recusaram a prestar queixa. [4] [5] Ele se formou na Rice University com um bacharelado em história em 1998. Ele frequentou a University of Texas School of Law de 2000 a 2003, graduando-se com um diploma de Juris Doctor. [6] [7] [3]

Edição de Ensino

De agosto de 1998 a junho de 1999, Bush ensinou estudos sociais em uma escola pública em Homestead, Flórida. [6] [7] [3] [8]

Edição Legal

Bush foi secretário do Juiz Distrital dos EUA para o Distrito Norte do Texas, Sidney A. Fitzwater, de setembro de 2003 a 2004. [11] [12] De 2004 a 2007, ele praticou direito corporativo e de valores mobiliários com Akin, Gump, Strauss, Hauer & amp Feld LLP em Dallas. [13] Em 2005, Bush foi selecionado como um dos Texas Mensal "Estrelas em ascensão" por seu trabalho com Akin Gump. [14]

De 2007 a 2012, Bush foi sócio da Pennybacker Capital, LLC, uma empresa imobiliária de private equity em Austin, Texas. A empresa foi originalmente denominada N3 Capital e sediada em Fort Worth. [15] [16] Em 2012, ele fundou a St. Augustine Partners, uma empresa de investimento com foco em energia e tecnologia em Fort Worth. [17] [18]

Bush disse Político que compareceu ao lançamento do USS em outubro de 2006 George H.W. arbusto (batizado em homenagem a seu avô que era aviador naval durante a Segunda Guerra Mundial) o inspirou a ingressar na Marinha dos Estados Unidos. Ele também chamou a morte de Pat Tillman, o jogador da Liga Nacional de Futebol e Ranger do Exército que foi morto em um incidente de fogo amigo no Afeganistão em 2004, "um alerta". [19] [20]

Em março de 2007, a Reserva da Marinha dos Estados Unidos selecionou Bush para treinamento como oficial de inteligência por meio do programa de oficial de comissão direta, uma iniciativa da Marinha em que os candidatos em campos civis especializados renunciam aos pré-requisitos típicos de uma comissão, como a Academia Naval, NROTC ou OCS e, em vez disso, frequentar o Curso de Doutrinação de Oficiais comissionados Diretos (DCOIC), [21] um curso de três semanas sobre assuntos como história naval, costumes e cortesias, seguido por aulas online. Ele foi comissionado como oficial da reserva da Marinha em maio de 2007. [22] [23] Bush serviu no Afeganistão por oito meses de junho de 2010 a fevereiro de 2011. [22] Durante o desdobramento, ele recebeu um nome diferente para fins de segurança. [24] Bush deixou a Reserva da Marinha dos EUA em maio de 2017 como tenente. [22] [25]

Edição das eleições de 2014

Em setembro de 2012, Bush anunciou sua intenção de se candidatar, dizendo que estava considerando um dos vários cargos estaduais. Dois meses depois, ele entrou com os papéis necessários para se candidatar a um cargo público no Texas. [26] No mesmo mês, seu pai, Jeb Bush, enviou um e-mail aos doadores solicitando que o apoiassem em sua oferta de 2014 para o Texas Land Commissioner. [27] [28]

Em janeiro de 2013, Bush apresentou um relatório de financiamento de campanha afirmando que havia recebido cerca de US $ 1,3 milhão em contribuições de campanha. [29] Em março de 2013, Bush se candidatou a Texas Land Commissioner. [29] [30] O papel principal do Land Office é negociar e fazer cumprir os arrendamentos de direitos minerais em milhões de acres de terra de propriedade do Estado do Texas. [31]

Em junho de 2013, Bush havia levantado US $ 3,3 milhões, embora nenhum candidato democrata tivesse surgido para comissário da terra. [32] Em 19 de novembro de 2013, ele apresentou oficialmente os papéis para concorrer a comissário de terras do Texas. [33]

Na primária republicana de 2014, o comissário de terras cessante Jerry E. Patterson concorreu sem sucesso para vice-governador [34] [35], enquanto Bush derrotou David Watts de Gilmer no condado de Upshur para a nomeação republicana para comissário de terras Bush recebeu 74 por cento dos votos, totalizando 937.987 votos contra 27 por cento de Watts com 346.949 votos. [34]

Nas eleições gerais de 4 de novembro, Bush enfrentou o democrata John Cook, ex-prefeito de El Paso. [36] Bush ganhou 61 por cento dos votos contra a oposição simbólica, levando "virtualmente todos os grupos demográficos" e surfando em uma onda republicana nacional no meio do mandato. [37] [38] Ele se tornou o único Bush a vencer sua primeira eleição. [39]

Edição da eleição de 2018

Em janeiro de 2017 [atualização], Bush tinha cerca de US $ 3,1 milhões em dinheiro para sua campanha de reeleição. [40] Ele venceu as primárias republicanas de 6 de março de 2018 com quase 58 por cento dos votos, derrotando três outros candidatos, incluindo Jerry E. Patterson, o comissário de terras anterior. [41] Na eleição geral, Bush recebeu 53,68 por cento dos votos para 43,19 por cento do candidato democrata Miguel Suazo e 3,1 por cento do libertário Matt Pina. [42] [43] [44]

Edição de posse

Bush assumiu o cargo em 2 de janeiro de 2015. [45]

Como comissário de terras do estado, Bush supervisiona o Texas General Land Office (GLO), que administra cerca de 13 milhões de acres de terras do estado e é responsável por leilões de arrendamentos para extrair petróleo e gás natural dessas terras. [40]

Em 2015, o GLO sob Bush assumiu o controle do Alamo, um sítio histórico em San Antonio, encerrando a parceria do estado com as Filhas da República do Texas (DRT), que administravam o local há décadas. [46] Ao despedir a DRT como gerentes do Alamo, Bush alegou que o grupo havia violado seu contrato. [47] Bush bloqueou a DRT da Biblioteca das Filhas da República do Texas, e a GLO reivindicou a propriedade sobre as coleções e artefatos da Biblioteca. A DRT processou e o processo foi encerrado em 2016, com Bush e o GLO renunciando às suas reivindicações e concordando em pagar à DRT $ 200.000 em taxas legais. [48] ​​Bush supervisionou uma remodelação de $ 450 milhões do Alamo e da praça ao redor dele. [40] Em 2015, Bush falou em um evento de arrecadação de fundos para o Alamo Endowment, que assumiu a gestão do local em conjunto com o GLO. [46] O cantor inglês Phil Collins doou vários artefatos relacionados ao Álamo para o Estado do Texas, com a estipulação de que o Estado do Texas construísse uma instalação para armazenar os artefatos em um período de sete anos. [46] [47] A legislatura estadual do Texas fez uma infusão única de $ 25 milhões para a GLO de Bush para reconstruir o local do Alamo, e a cidade de San Antonio concordou em fornecer $ 1 milhão para a reconstrução. [47]

Bush demitiu cerca de cem funcionários da comissão agrária contratados pelo comissário anterior, Jerry E. Patterson. De acordo com San Antonio Express-News, Bush pagou quase US $ 1 milhão em fundos do contribuinte para encorajar o pessoal demitido a não abrir processo contra ele ou a agência. Ele manteve pelo menos quarenta pessoas na folha de pagamento por até cinco meses após o término do emprego, que concordaram por escrito em não processar. [49]

Em 2016, o escritório iniciou um estudo de vários anos sobre os efeitos das enchentes na área de Houston e na costa do Texas. [50]

Em junho de 2020, em meio a relatos de que George W. Bush e Jeb Bush não apoiariam a reeleição de Trump, [51] George P. Bush anunciou seu total apoio a Trump, dizendo "Trump é a única coisa que existe entre a América e o socialismo." [51] [52]

Em 2021, Bush apoiou a destituição de Liz Cheney de sua posição como presidente da Conferência Republicana da Câmara no Congresso. [53]

Em 2020 e 2021, Bush disse que estava considerando concorrer a procurador-geral do Texas em 2022 contra o titular Ken Paxton, um republicano atormentado por escândalos. [54] [55] Em 2 de junho de 2021, Bush anunciou oficialmente sua candidatura. [56]

Em junho de 2021, Bush entrou na disputa pelo Procurador-Geral do Texas com um vídeo de campanha que elogia Donald Trump e não menciona seu pai, avô ou bisavô. [57] [58]

Atividades de campanha para parentes e edição Trump

Aos 12 anos, Bush falou antes da Convenção Nacional Republicana de 1988, que indicou seu avô. Ele também falou na convenção de 1992 por ocasião de sua renomeação. Ele fez campanha para seu tio, George W. Bush, durante suas bem-sucedidas campanhas presidenciais de 2000 e 2004, muitas vezes realizando campanhas para os eleitores latinos [59] [32]. Ele trabalhou na campanha presidencial de 2000 de 1999 a 2000. [6] [7] [3] [8] Bush se autodenominou um "George W. Bush Republicano" na reforma da imigração e expressou apoio a partes do DREAM Act no passado. [60]

Quando questionado em 2003 sobre se ele planejava concorrer a um cargo público, Bush respondeu que sua avó, Barbara Bush, havia aconselhado que qualquer pessoa que estivesse pensando em entrar na política deveria se destacar primeiro em algum outro campo: "Faça um nome para si mesmo, tenha uma família , casar com alguém ótimo, ter filhos, comprar uma casa, pagar impostos e fazer as coisas que todo mundo também faz, em vez de apenas sair correndo e dizer: 'Ei, sou sobrinho, filho ou neto de.' "[61]

Seu pai fez campanha na corrida presidencial republicana de 2016, mas depois desistiu. Após a saída de seu pai, Bush fez campanha para Donald Trump, enquanto a maior parte do restante da família Bush não o apoiou. [40] [58] Em 2021, a ABC News descreveu Bush como um "apoiador confesso de Trump" e Trump, que havia mostrado animosidade em relação à família Bush no passado, cunhou favoravelmente Bush como "Meu Bush". [62] [63]

Posições do Partido Republicano Editar

Em 2012, ele era o vice-presidente de finanças do Partido Republicano do Texas. [64]

Trabalho em Comitês de Ação Política Editar

Bush foi o co-presidente nacional do Maverick PAC, um comitê de ação política nacional dedicado a engajar a próxima geração de eleitores republicanos. [65] Bush serviu como membro de várias missões diplomáticas, incluindo uma para a Nicarágua para a segunda transferência pacífica de poder naquele país, e uma para o Brasil para os Jogos Pan-americanos em 2007. Ele também se juntou a duas delegações do Congresso dos EUA, uma para A Arábia Saudita durante a Primavera Árabe de 2011 e uma para a Turquia em 2012, durante a guerra civil na vizinha Síria. [66]

Bush é co-fundador e atua no conselho de diretores dos republicanos hispânicos do Texas, um comitê de ação política cujo objetivo é eleger candidatos políticos republicanos para cargos no estado. [67]

Edição de opiniões

Ele expressou sua opinião sobre algumas questões. Em agosto de 2004, durante uma viagem ao México patrocinada pelo grupo Republicans Abroad, ele chamou o presidente venezuelano Hugo Chávez de ditador [68] e criticou o uso pela Patrulha da Fronteira dos EUA de armas que disparam bolinhas de plástico embaladas com pó de pimenta. Bush foi citado como tendo dito à mídia mexicana: "Se houve aprovação americana para esta política, isso é repreensível. É uma espécie de bárbaro." Ele atribuiu o uso de armas a "algum cara do INS local que está tentando ser duro, agir como macho", embora seja uma política da agência. [69]

Em 2009, Bush criticou o governador da Flórida, Charlie Crist, por aceitar dinheiro do pacote de estímulo de 2009, pedindo um retorno ao conservadorismo fiscal. [70] Em janeiro de 2010, ele apoiou Marco Rubio, oponente de Crist para o Senado dos Estados Unidos. [71]

Bush disse que a mudança climática é uma ameaça séria ao Texas, mas ele não aceita o consenso científico que atribui a mudança climática à atividade humana. [72]

Em fevereiro de 2021, o Texas passou por uma crise humanitária depois que grandes quedas de energia foram causadas pelo fato de a infraestrutura não ter sido danificada. Embora 90 por cento das usinas que faliram fossem movidas a combustíveis fósseis e nucleares, Bush atacou a energia eólica e solar: "Se os últimos dias provaram alguma coisa, é que precisamos de petróleo e gás. Depender exclusivamente de energia renovável seria catastrófico . " [73] [74] [75]

Ele foi apresentado em Pessoas os 100 solteiros mais elegíveis em 2000. [69] [76]

Bush se casou com uma colega de classe da faculdade de direito, Amanda L. Williams, em 7 de agosto de 2004, em Kennebunkport, Maine, em Walker's Point Estate. [77] [78] Williams é um advogado de direito da mídia na empresa Jackson Walker LLP em Fort Worth, Texas. [27] [79] [80] O casal tem dois filhos. [81]

Em 2016, a Liga do Conselho de Cidadãos da América Latina nº 12 em Laredo deu a Bush e ao oficial mexicano José Antonio Meade Kuribreña os títulos de Señor Internacional, uma homenagem concedida a figuras ilustres da região fronteiriça. [82]

Bush era um calouro no time de beisebol da Rice University, não jogava com frequência e havia deixado o time no segundo ano. [3] Bush jogou como zagueiro do time de futebol americano interno do Jones College. [83]

Ele foi apresentado em Revista People os 100 solteiros mais elegíveis em 2000. [69] [84]

When asked in 2003 about whether he planned to run for office himself, Bush replied that his grandmother, Barbara Bush, had advised that anyone thinking about entering politics should distinguish himself in some other field first: "Make a name for yourself, have a family, marry someone great, have some kids, buy a house, pay taxes, and do the things everyone also does instead of just running out and saying, 'Hey, I'm the nephew of or the son of or the grandson of. '" [85]

Bush told Político that attending the October 2006 launch of an aircraft carrier named for his grandfather inspired him to join the Navy Reserve. He also called the death of Pat Tillman, the NFL player and Army Ranger who was killed in a friendly fire incident in Afghanistan in 2004, "a wake-up call". [86] [87]

He is the only Bush to win his first election. [88]

In 2015, at the end of his first year as Texas Land Commissioner, Bush "contrasted the importance of [his father’s presidential] race with 'running for dogcatcher like I did in Texas,' a remark that spread widely." [89]


Youth and Ambition

Bush tells us in his campaign autobiography that he decided to enlist in the armed forces, specifically naval aviation, shortly after he heard of the Japanese attack on Pearl Harbor. About six months later [in 1942], Bush graduated from Phillips Academy, and the commencement speaker was Secretary of War Henry Stimson, eminence grise of the U.S. ruling elite. Stimson was possibly mindful of the hecatomb of young members of the British ruling classes which had occurred in the trenches of World War I on the western front. In any event, Stimson's advice to the Andover graduates was that the war would go on for a long time, and that the best way of serving the country was to continue one's education in college. Prescott Bush supposedly asked his son if Stimson's recommendation had altered his plan to enlist. Young Bush answered that he was still committed to join the navy.

Henry L. Stimson was certainly an authoritative spokesman for the Eastern Liberal Establishment, and Bushman propaganda has lately exalted him as one of the seminal influences on Bush's political outlook. Stimson had been educated at both Yale (where he had been tapped by Skull and Bones) and Harvard Law School. He became the law partner of Elihu Root, who was Theodore Roosevelt's secretary of state. Stimson had been Theodore Roosevelt's anti-corruption, trust-busting U.S. Attorney in New York City during the first years of the FBI, then Taft's secretary of war, a colonel of artillery in World War I, Governor General of the Philippines for Coolidge, Secretary of State for Hoover, and enunciator of the "Stimson doctrine." This last was a piece of hypocritical posturing directed against Japan, asserting that changes in the international order brought about by force of arms (and thus in contravention of the Kellogg-Briand Pact of 1928) should not be given diplomatic recognition. This amounted to a U.S. committment to uphold the Versailles system, the same policy upheld by Baker, Eagleburger, and Kissinger in the Serbian war on Slovenia and Croatia during 1991. Stimson, though a Republican, was brought into Roosevelt's war cabinet in 1940 in token of bipartisan intentions.

But in 1942, Bush was not buying Stimson's advice. It is doubtless significant that in the mind of young George Bush, World War Two meant exclusively the war in the Pacific, against the Japanese. In the Bush-approved accounts of this period of his life, there is scarcely a mention of the European theatre, despite the fact that Roosevelt and the entire Anglo-American establishment had accorded strategic priority to the "Germany first" scenario. Young George, it would appear, had his heart set on becoming a Navy flier.

Normally the Navy required two years of college from volunteers wishing to become naval aviators. But, for reasons which have never been satisfactorily explained, young George was exempted from this requirement. Had father Prescott's crony Artemus Gates, the Assistant Secretary of the Navy for Air, been instrumental in making the exception, which was the key to allowing George to become the youngest of all navy pilots?


HistoryLink.org

George Bush (c. 1790?-1863) was a key leader of the first group of American citizens to settle north of the Columbia River in what is now Washington. Bush was a successful farmer in Missouri, but as a free African American in a slave state, he faced increasing discrimination and decided to move west. In 1844, Bush and his good friend Michael T. Simmons (1814-1867), a white Irish American, led their families and three others over the Oregon Trail. When they found that racial exclusion laws had preceded them and barred Bush from settling south of the Columbia River, they settled on Puget Sound, becoming the first Americans to do so. Bush established a successful farm near present day Olympia on land that became known as Bush Prairie. He and his family were noted for their generosity to new arrivals and for their friendship with the Nisqually Indians who lived nearby. Bush continued modernizing and improving his farm until his death in 1863. Said by some sources to be named George Washington Bush in honor of the first president, he has no known family connection to the two later presidents who share with him the name George Bush.

George Bush was born in Pennsylvania in the late 1700s. Information about his birth and early years is sparse and conflicting. His birth date was probably around 1790, although some accounts place it more than 10 years earlier, which would have made Bush more than 60 when he and his family followed the Oregon Trail west. His exact name is also uncertain. The few census records listing him and news articles published during his lifetime refer to him as "George Bush." However, early Washington historian Edmond S. Meany (1862-1935), who knew people who had known Bush, gives his name as "George W. Bush" in publications dating at least from 1899, and other accounts published through the twentieth century do so as well. Since the early 1960s, most publications mentioning Bush, including eventually many state and other official websites, give his name as "George Washington Bush," with some stating he was so named in honor of the president in office when he was born.

Bush's father, Matthew Bush, of African descent, was said to be a sailor from the British West Indies. His mother was an Irish American servant. Both apparently worked for a wealthy Quaker family named Stevenson, and young George Bush was educated in the Quaker tradition. As a young man, Bush served in the U.S. Army and may have participated in the Battle of New Orleans during the War of 1812. He later worked as a voyageur and fur trapper, first for the St. Louis based Robideaux Company and then for the famed Hudson’s Bay Company, which dominated the fur trade throughout western Canada and in the Oregon Territory. During this time he traveled extensively in the Western plains and mountains, and may have reached the Puget Sound region.

Bush eventually settled in Clay County, Missouri, where he met Isabella (or Isabell) James (c. 1809-1866), a young German American woman. They were married on July 4, 1831. William Owen Bush (1832-1907), the first of their six sons, was born exactly one year later. Four more sons -- Joseph Talbot (1834-1904), Rial Bailey (1837-?), Henry Sanford (1841-1913), and Jackson January (1843-1888) -- were born before the family headed west in 1844.

West With Family and Friends

Bush farmed and raised cattle, and the family was relatively well off. However, the state of Missouri had laws that purported to forbid free African Americans from entering the state, and the climate of bigotry and discrimination was increasing in the years leading up to the Civil War. At the same time, in the late 1830s and early 1840s, reports from the first U.S. residents to cross the continent and settle in the fertile Oregon Territory were beginning to inspire others to follow the Oregon Trail west. Bush saw westward migration as a way to escape the increasing prejudice he and his sons faced in Missouri.

Four white families -- those of Michael and Elizabeth Simmons, James and Charlotte McAllister, David and Talitha Kindred, and Gabriel and Keziah Jones -- joined the Bushes on the journey that would make them the first U.S. citizens to settle on Puget Sound. The five families were all friends and neighbors in Missouri. Kentucky-born Michael Simmons was a longtime friend of George Bush who went on to play a prominent leadership role in the early history of Washington Territory. Simmons’s sister Charlotte was married to James McAllister and Simmons’s wife Elizabeth was David Kindred’s sister.

Simmons and Bush were the recognized leaders of what became known as the Simmons party. Bush was among the wealthier pioneers to follow the Oregon Trail. He was said to have supplied the Conestoga wagons and supplies that allowed some of the other families to make the trip. According to some accounts, a false floor in the Bush family wagon concealed a layer of silver dollars. The Simmons party joined a larger wagon train, which departed Missouri in May 1844. Bush’s frontier experience made him a valuable addition to the train, which he helped lead across the Great Plains and Rocky Mountains.

Change of Destination

When the Simmons party reached the Columbia River in the fall of 1844, they found that discriminatory laws had preceded them. The provisional government set up in Oregon Territory by settlers from the U.S. had enacted legislation, like that of Missouri, barring settlement by African Americans. Not wishing to separate from the Bush family, Simmons and the other members of the party gave up their plans to settle in Oregon’s Rogue River Valley.

The five families spent the winter of 1844-45 on the north bank of the Columbia River, not far from the Hudson's Bay Company’s Fort Vancouver in present-day Clark County. The men of the party found work that winter at the fort. By spring, they had decided to settle north of the Columbia in the Puget Sound region, which was then beyond the practical reach of the settlers’ new legislation. The 1818 Treaty of Joint Occupation placed the Oregon country under joint British and U.S. control. In practice, the provisional government’s authority extended only to the south side of the Columbia River, while the British Hudson’s Bay Company still dominated the territory north of the river.

The Hudson’s Bay Company officially attempted to dissuade Americans from settling north of the Columbia. However, Dr. John McLoughlin (1784-1857), who as the chief factor in charge of Fort Vancouver was the most powerful figure in the Pacific Northwest’s small non-Indian community, helped them just as he helped those settling south of the Columbia. Under McLoughlin’s direction, Fort Vancouver not only employed the men in cutting timber and making shingles but also provided the Simmons party with supplies at good prices and on credit.

Move to Puget Sound

In the summer of 1845, Simmons led an exploring party around Puget Sound, while Bush and the others remained on the Columbia, where Bush had charge of the families’ livestock. Simmons found a site for a settlement at the falls where the Deschutes River enters Budd Inlet in what is now Thurston County. In October 1845, the Bush, Simmons, McAllister, Kindred, and Jones families, accompanied by two single men, Samuel Crockett and Jesse Ferguson, set off from Fort Vancouver for Puget Sound.

They traveled down the Columbia to the Cowlitz, and up that river to Cowlitz Landing. From there they spent 15 days making a road through the forest to Budd Inlet, which they reached in early November. Simmons and his family settled there at the falls of the Deschutes, and Simmons laid out the community he called New Market, which later became Tumwater. The Bushes and others settled farther up the Deschutes River, a few miles south of New Market on a fertile open prairie that soon became known as Bush Prairie.

Help From Hudson’s Bay and the Nisquallies

Having arrived so late in the year, the new settlers hurried to construct crude log cabins before the winter set in. For food that first year they depended largely on the generosity of their neighbors -- the Hudson’s Bay Company outpost at Fort Nisqually farther north on Puget Sound in what is now Pierce County, and the Nisqually Indians whose lands extended widely on both sides of the Nisqually River (now the border between Thurston and Pierce counties).

McLoughlin had provided the party a generous letter of reference to Dr. William F. Tolmie, his counterpart at Fort Nisqually:

With this letter, the families were able to purchase wheat, peas, potatoes, and beef cattle at Fort Nisqually on credit. Interestingly, of the five family names, only Bush does not appear on the Fort’s credit list, apparently corroborating that they brought sufficient cash to pay for their supplies.

The Hudson’s Bay Company had good relations with the Puget Sound Indians, whom they treated as trading partners and allies. With Tolmie’s encouragement, the Simmons party followed that example. They were welcomed by the Nisqually Indians led by Chief Leschi, who brought them horse-loads of supplies. Local Indians taught the newcomers from the Midwest to take advantage of the unfamiliar seafood with which the region abounded. They soon learned to find oysters, dig for clams, and harvest salmon returning up the rivers, as well as to use many native plants.

All the members of the Bush family learned the Nisqually language. They became close to Leschi and other Nisquallies who frequently visited their farm. George and Isabella Bush’s youngest son, who was born at Bush Prairie in December 1847 (and died in 1923), was named Lewis Nesqually Bush. The Bushes helped to treat their Indian neighbors when epidemics carried by the newcomers swept the region.

Aiding New Arrivals

The weather was unusually harsh the first few years following the settlement, and the first harvests were small. But Bush was a skilled farmer and the farm began to thrive. By the winter of 1846-47 Bush and Simmons set up a grist mill on Simmons’s claim at the Deschutes falls. For the first time the settlers could grind their own flour instead of depending on Fort Nisqually. Simmons and others also set up a sawmill, and the growing community was able to gain some cash income by selling lumber.

Bush does not appear to have been heavily involved in the sawmill, concentrating instead on improving and expanding his farm. In addition to his grain and vegetable crops, he established acres of fruit trees, grown from seeds he had carried over the Oregon Trail. As more settlers began to pour into the Puget Sound region -- more than 1,000 by 1850 and another 12,000 in the next decade -- Bush became famous for bestowing on them the same generosity that he and his party had encountered on their arrival.

The Bush farm was located just off the "highway" running south from Tumwater to Cowlitz Landing and Vancouver, so most new emigrants, some half-starved from the journey, passed it on their way to Puget Sound. The newcomers were dependent on established settlers for food and seeds to start their own farms, and the Bush family was foremost in offering assistance. That help was especially important in 1852, when the large number of emigrants exhausted most of the region’s grain harvest, and the Bush farm was one of the few with supplies available. Ezra Meeker (1830-1928), who was among the 1852 arrivals and went on to become a prominent pioneer leader and author of numerous reminiscences, recalled that Bush gave out nearly all his crop that year:

Discrimination and Exception

Ironically, the discriminatory laws the Bushes were trying to avoid had followed them and jeopardized the family’s claim to the land they had painstakingly cultivated and from which they fed the waves of newly arriving white emigrants. The 1845 American settlement north of the Columbia may have been one of the catalysts for the 1846 Treaty of Oregon, which resolved the U.S.-British boundary dispute by giving the territory south of the 49th parallel to the U.S., bringing what is now Washington under the Oregon Territory laws that denied rights to African Americans. As a result, although the long expected Donation Land Claim Act of 1850 authorized married settlers to claim 640 acres per couple, it was argued that Bush could not claim the land his family had settled.

When Washington Territory was separated from Oregon in 1853, many of the new legislators were friends and neighbors of the Bush family and beneficiaries of their generosity. While this experience did not necessarily make them less prejudiced, it did inspire them to make an exception for George Bush and his sons. The first territorial legislature in 1854 voted unanimously for a resolution urging Congress to pass a special act confirming George and Isabella Bush’s title to the land they had claimed and farmed. Congress did so in 1855, and the Bush Prairie farm remained in the hands of the Bush family.

Despite the support for Bush’s claim, many early leaders of Washington Territory including Isaac Stevens (1818-1862), the first governor, were anti-abolitionist Democrats who sought to ban nonwhites from the territory. Michael Simmons, otherwise one of Stevens’s strongest early supporters, led the opposition and Washington did not adopt racial exclusionary laws.

Indian Wars and Final Years

The increasing influx of settlers, followed by Governor Stevens’s efforts in 1854 and 1855 to force Indians in the Territory to sign treaties ceding most of their lands and confining them to reservations, generated increasing hostility between settlers and Indians, culminating in the "Indian Wars" of 1855 and 1856. According to later statements by George Bush’s sons, the Bushes and most of the early settlers at Tumwater and Bush Prairie sympathized with Leschi and the Nisquallies, not Stevens and his troops. Sanford and Lewis Bush explained that Leschi went to war after being deceived about the boundaries provided for the Nisqually Reservation in the Treaty of Medicine Creek. Owen Bush told Ezra Meeker "Leschi was as good a friend as we ever had" (Thomas, 61). Owen said Stevens’s bad management caused the war and that he refused to participate in it. Before the fighting started, Leschi contacted the Bushes and assured them that settlers who remained west of the Deschutes River would not be harmed.

In the final years of his life Bush continued to expand his farm and led the way in modernizing Puget Sound agriculture. At first, farming had been conducted almost entirely by hand using the few simple tools carried overland in the wagons. As more ships began regular visits to the Sound in the 1850s, larger farm machinery became available. In 1856, Bush introduced the first mower and reaper on the Sound. The next year he brought in a thresher and separator. By the end of the decade Bush and his sons were operating a model farm of 880 acres that was one of the leading operations in the Territory.

Death and Succession

George Bush died of a cerebral hemorrhage on April 5, 1863. Isabella Bush died on September 12, 1866. Following George’s death, their eldest son William Owen Bush returned from Grand Mound, where he had a farm, to take over the Bush Prairie homestead, which he operated until his death in 1907. His brothers (of whom only Jackson married) also lived and worked the rest of their lives on the family land. Several of the brothers played active roles in Thurston county civic and political affairs. Owen Bush was an influential member of the first state legislature in 1889-90. Like his father an expert farmer, he became interested in competing in world's fairs and expositions, winning first-place awards at several for produce from the Bush Prairie farm.

Owen Bush’s descendants owned at least some of the original homestead as late as the 1960s. Various implements and artifacts from the Bush farm are now held in the collection of the Washington State Capitol Museum in Olympia. Also in that collection is the five-painting series George Washington Bush, created in 1973 by acclaimed artist Jacob Lawrence (1917-2000), a Washington state resident since 1971. Of necessity his likenesses of Bush are speculative -- no known image of Bush made in his lifetime exists. The widely circulated portrait sketch that accompanies this article is also a speculative rendering, created just four years before Lawrence's paintings by Los Angeles Times illustrator Sam Patrick. Nonetheless, Lawrence's paintings, based like much of his work on extensive research in African American history, vividly depict George Bush's journey by wagon train across the continent from Missouri to Bush Prairie.

Note: This article is part of Cultivating Washington, The History of Our State’s Food, Land, and People, which includes more agriculture-related content, vidoes, and curriculum.

For the History of Our State's Food, Land, and People curriculum, click here

George Washington Bush series, No. 3 (painting by Jacob Lawrence, 1973)

Courtesy Washington State History Museum

George Bush (Los Angeles Times sketch by Sam Patrick, 1969)

Courtesy Henderson House Museum

Michael T. Simmons (1814-1867), Thurston County pioneer, n.d.

Courtesy Washington State Library, Rural Heritage Collections

Three generations of Bush family, Bush Prairie Farm, n.d.

Courtesy City of Tumwater, Henderson House Museum (729)

William Owen Bush (1832-1907), ca. 1889

Courtesy Washington State Historical Society (C1964.1.35)

Henry Sanford Bush (1839-1913), fourth son of pioneers George and Isabella Bush, Bush Prairie, Thurston County, August 3, 1911


Notas

1. Nicholas King, George Bush: A Biography (New York: Dodd, Mead & Company, 1980), pp. 13-14.

4. Joe Hyams, Flight of the Avenger: George Bush at War (New York: Harcourt, Brace, Jovanovitch, 1991), p. 14

7. Donnie Radcliffe, Simply Barbara Bush (New York: Warner Books, 1989), p. 132

8. Fitzhugh Green, George Bush: An Intimate Portrait (New York: Hippocrene Books, 1989), p. 16

9. Radcliffe, op. cit., p. 133.

11. Hyams, op. cit., pp. 17-19.

12. King, op. cit., pp. 10, 20.

14. Claude M. Fuess, The Life of Caleb Cushing, 2 vols. (New York: Harcourt, Brace and Company, 1923).

15. John Perkins Cushing was a multi-millionaire opium smuggler who retired to Watertown, Massachusetts with servants dressed as in a Canton gangster carnival. See Vernon L. Briggs, History and Genealogy of the Cabot Family, 1475-1927 (Boston: privately printed, 1927), vol. II, p. 558-559. John Murray Forbes, Letters and Recollections (reprinted New York: Arno Press, 1981), Vol I, p. 62-63. Mary Caroline Crawford, Famous Families of Massachusetts (Boston: Little, Brown & Co., 1930), 2 vols.

16. Interview with a retired Andover teacher.

17. Claude M. Fuess, Creed of a Schoolmaster (reprinted Freeport, New York: Books for Libraries Press, 1970), pp. 192-93.


Assista o vídeo: George Michael in James Cordens first Carpool Karaoke for Comic Relief (Outubro 2021).