Podcasts de história

Comodoro Perry - História

Comodoro Perry - História

Comodoro Perry

Oliver Hazard Perry nasceu em 3 de agosto de 1786 em South Kingston, RI, e entrou na Marinha como aspirante em 1799. Depois de servir destacado na Quase-Guerra com a França e nas Guerras da Bárbara, Perry comandou as forças americanas no Lago Erie na Guerra de 1812. Lá ele obteve uma vitória decisiva sobre os britânicos em 10 de setembro de 1813, que deu o controle dos lagos aos Estados Unidos. Ele morreu a bordo de John Adams em Port of Spain, Trinidad, em 23 de agosto de 1819.

Matthew Calbraith Perry, seu irmão, nasceu em Newport, RI, em 10 de abril de 1794, e tornou-se aspirante da Marinha em 1809. Perry comandou o Esquadrão do Golfo durante os estágios finais da Guerra do México e em 1853-64, enquanto comandava o Esquadrão das Índias Orientais negociou o tratado histórico que abriu o Japão ao comércio americano. Ele morreu em 4 de março de 1868 na cidade de Nova York.

(SwStr: t. 612; 1. 143 ', b. 33'; dr. 10 ', cpl. 125, s. 7 k.
uma. 2 9 ", 2 32.pdr. Sb, 1 12 .pdr. Como.)

Commodore Perry, uma balsa de roda lateral armada, foi construída em 1859 por Stack e Joyce, Williamsburg, N.Y

adquirido pela Marinha em 2 de outubro de 1861; e comissionado no final do mês, o Mestre Interino F. J. Thomas no comando.

O Comodoro Perry partiu de Hampton Roads, VA., Em 17 de janeiro de 1862 para se juntar ao Esquadrão de Bloqueio do Atlântico Norte, e em 7 e 8 de fevereiro participou do ataque, em cooperação com o Exército, que resultou na rendição da Ilha Roanoke, parte de a longa campanha através da qual a Marinha garantiu pontos costeiros importantes: o Comodoro Perry participou da captura de Elizabeth City em 10 de fevereiro, e no dia seguinte capturou a escuna Lynnhaven. À medida que as operações ao longo da costa da Carolina do Norte continuavam, ela se juntou à captura de New Bern e Washington em março e, em abril, pegou sozinha ou em conjunto com outros de seu esquadrão quatro escunas e um veleiro no rio Pasquotank e Newtogen Creek.

Em 3 de outubro de 1862, o Comodoro Perry se juntou a uma expedição do Exército-Marinha contra Franklin, VA., E em 10 de dezembro, juntou-se a um ataque contra Plymouth, NC. Depois de outra expedição combinada contra Hertford NC, em 30 de janeiro de 1863, o Comodoro Perry patrulhou constantemente em Pamlico e Albemarle Sounds e os riachos que neles entram, freqüentemente trocando tiros com pequenos destacamentos de confederados em terra. Reparada em Norfolk e Baltimore no final de 1863, ela voltou ao seu esquadrão em março de 1864 para trabalhar nas águas interiores e costeiras da Virgínia em piquete, guarda e patrulha, participando de muitas expedições anfíbias até o fim da guerra. Ela partiu de Norfolk para Nova York em 12 de junho de 1866 e foi desativada em 26 de junho e vendida em 12 de julho de 1866.


Commodore Perry Estate: primeiro a entrar

Rolando sobre a calçada de pedra branca esmagada até o Commodore Perry Estate, parte da Auberge Resorts Collection, é como se eu tivesse dirigido por horas a um retiro europeu rural, em vez de 10 minutos ao norte do centro de Austin. Auberge é uma marca sediada em Napa conhecida por revitalizar o clássico Mauna Lani e o Vanderbilt do Havaí & # x27 em Newport, Rhode Island. Mas em seu primeiro retiro baseado na cidade, carvalhos gigantes protegem a estrutura italiana restaurada de 1928 (a mansão), enquanto jovens trepadeiras de hera começaram a escalar a nova construção da propriedade, um edifício de três andares branco-sujo com um terraço telhado de cotta e arcos clássicos (a Pousada). Funcionários vestidos com máscaras bege explicam seus extensos procedimentos de limpeza com manobrista em conformidade com a COVID-19 enquanto me conduzem do meu veículo até a porta de madeira robusta da pousada e puxam com gosto a longa alça de ferro para me conduzir para dentro.

É um luxo especial passar uma noite em sua própria cidade, mas também é um conforto ver os funcionários praticando o distanciamento social, sinalizando para as estações de higienização das mãos, detalhando métodos e medidas de limpeza completa do quarto, como como eles desinfetam e, em seguida, lacram as chaves do quarto em envelopes antes de entregá-los aos convidados.

O ar-condicionado afasta a umidade do calor do verão texano enquanto admiro as paredes pintadas à mão cobertas por murais de paisagem campestre no saguão da pousada, e o pátio interior em estilo espanhol descontraído com uma fonte borbulhante à sombra de palmeiras. A empresa de arquitetura Moule & amp Polyzoides, com sede na Califórnia, elaborou os 42 quartos e sete suítes com terraço do Inn, e o designer internacionalmente aclamado Ken Fulk trouxe-os - além das cinco suítes na histórica Mansão - à vida como em sua estreia no hotel.

Auberge manteve muitos dos toques clássicos no Commodore Perry Estate.

Cortesia de Auberge Commodore Perry Estate

Os dois anos de viagens de sourcing de Fulk para Round Top, aclamada feira de antiguidades do Texas, resultaram em salas que misturam o toque da cidade natal com toques italianos e revivalistas espanhóis. Poltronas confortáveis ​​em marrom uísque e arcos arredondados dividem espaço com objetos decorativos antigos (suportes de livros em forma de cisne, molduras douradas), enquanto ladrilhos pretos e enferrujados com estrela e cruz ecoam as cores dos tapetes vintage que pontuam os pisos de madeira clara.

Disseram-me que 90 por cento das luminárias da propriedade são originais ou antiguidades encontradas, incluindo as que ficam penduradas sobre as camas e imitam potes de pedreiro cheios de vaga-lumes. E não seria Austin sem a água com gás Topo Chico e o lanche de boas-vindas com chicharrones picantes, ou o carrinho de bar dos anos 1920 completo com copos gravados para oferecer o coquetel mais simples.

Papel de parede alegre que leva ao banheiro da suíte Mansion

Cortesia de Auberge Commodore Perry Estate

As suítes mansão canalizam as personalidades animadas dos proprietários originais, Edgar e Lutie Perry. Os Perry venderam a propriedade em 1944, de acordo com Edgar, a mansão era “um ótimo lugar para dar uma festa, mas grande demais para morar”. Na suíte Mr. Perry, papel de parede de árvore e buck e uma estátua de um antílope acenam com seu amor por safáris e viagens de aventura, enquanto no quarto Mrs. Perry, veludos femininos e tons suaves de salmão se misturam com tapete leopardo discreto.

Entrando na mansão de 10.800 pés quadrados, listada no Registro Nacional de Locais Históricos, é difícil saber onde descansar os olhos. Para começar, há a porta de ferro forjado projetada por pavão, a escada original em caracol e uma luminária de ferro iluminando um afresco pintado à mão por Deborah Phillips. Sem mencionar o papel de parede com estampa de raposa Pierre Frey único, colunas iônicas intrincadas e molduras de gesso e madeira entalhada originais elevando-se sobre ladrilhos mexicanos restaurados em curry, celadon e damasco. O efeito geral é como entrar em uma propriedade texana durante os anos 20.

A biblioteca, com interiores do designer veterano Ken Fulk

Cortesia de Auberge Commodore Perry Estate

Como qualquer casa, você está livre para tomar seus coquetéis e refeições em toda a mansão, incluindo o solário, sala de estar, loggia, biblioteca, terraço e o restaurante Lutie’s Garden (que abrirá no outono). Meu jantar socialmente distanciado, completo com equipe mascarada, é preparado pela equipe de marido e mulher Bradley Nicholson e Susana Querejazu (dos famosos Barley Swine e Odd Duck de Austin), e apropriadamente oscila entre a herança do Texas e a era do jazz. Quase tudo no menu é feito em casa com ingredientes orgânicos sazonais. Em breve, muitos dos ingredientes virão dos jardins e pomares de dois hectares da propriedade. Os hushpuppies de milho verde com raiz-forte e trufas, e o lombo do Texas de 42 dias, envelhecido a seco, com jus de tutano são ambos indispensáveis.

Os hóspedes em vestidos e roupas de cama arejados passeiam pela propriedade de 10 acres, completa com jardins em estilo inglês, piscina e tendas listradas para piqueniques privativos. Sentado sob uma dessas barracas com minha cesta de piquenique de caviar do Texas, frango frito frio, molho picante caseiro, salada de batata e pão de banana, o terreno de arbustos e flores meticulosamente plantados entra em foco. É difícil não notar a cerca de uma dúzia de carros que diminuem a velocidade para olhar a propriedade lindamente restaurada. Alguns param para olhar mais de perto, talvez procurando onde Waller Creek atravessa o terreno, ou possivelmente para ver o que nós, moradores de tendas, estamos fazendo. Eu não os culpo. Se meus olhos não estivessem começando a fechar quando eu cair em uma soneca pós-piquenique, eu estaria olhando também.


Commodore Perry Mansion e # 038 Estate em Austin

O Austin American-Statesman relatou em junho de 2017 que o Commodore Perry Estate será transformado em um hotel boutique de luxo com 53 quartos. A mansão dos anos 1920 & # 8217 passou por várias fases & # 8211 primeiro servindo como residência da família Perry, a propriedade serviu então como uma escola católica para meninas e, mais recentemente, um centro de aprendizagem para um guru indiano. Enquanto a mansão original permanecerá, dois dos prédios da escola serão demolidos para dar lugar ao hotel. A mansão continuará a ser usada como local para casamentos, recepções e outros eventos públicos.

Edgar Howard & # 8220Commodore & # 8221 Perry nasceu em 1876 em Caldwell, Texas e se formou em Baylor University. O Commodore Perry veio para Austin em 1904. Ele começou um negócio de muito sucesso no transporte de algodão de Taylor, Texas, no Condado de Williamson para a Europa até 1929. Ele também era conhecido como um incorporador imobiliário de longa data em Austin que construiu o Commodore Perry Hotel (agora um prédio de escritórios na 802 Brazos), desenvolveu a subdivisão Highland Park West no noroeste de Austin, o Perry-Brooks Office Building, e foi sócio do hotel Stephen F. Austin no centro da cidade. Este era um homem que parecia ter uma energia infinita e a capacidade de realmente fazer as coisas acontecerem em Austin até sua morte em 1964.

O Comodoro Perry e sua esposa, Lutie, construíram a mansão e propriedade agora conhecida como Perry Estate em 1928. Esta casa de 10.800 pés quadrados construída em 10 acres simboliza o otimismo e extravagância da era & # 8220Great Gatsby & # 8221 conhecida como & # 8220Roaring 20 & # 8217s & # 8221. Histórias dessa época relatam que o Sr. Perry estava jogando golfe no Hancock Golf Course, então conhecido como Austin Country Club, quando notou o poço de cascalho do outro lado da rua. Sempre preocupado em melhorar a aparência de uma comunidade, ele comprou o local de 10 acres e contratou o proeminente arquiteto de Dallas, Henry Bowers Thomson. A mansão em estilo de villa mediterrânea tinha uma casa de hóspedes, piscina, pista de boliche, casa verde, garagem para seis carros, um jardim formal na encosta com uma fonte de mármore e um jardim submerso com uma piscina espelhada. Waller Creek fluía no lado oeste da propriedade.

o Perry Mansion cumprimenta você com vários arcos entrando em uma longa varanda ao ar livre chamada de loggia. Uma vez na entrada da frente, um longo corredor se abre para todas as salas principais do andar inferior. À direita, a sala de estar com uma grande lareira de pedra calcária e, através das portas de ferro ornamentadas, fica o solário na extremidade leste da casa. À esquerda, a sala de jantar formal com painéis de nogueira se abre para a sala de café da manhã e cozinha. Há uma biblioteca em forma oval localizada na área leste inferior equilibrada por uma sala com escada em espiral oval no lado oeste inferior. O segundo andar inclui uma série de quartos lindamente decorados com detalhes finos embutidos.

Estaremos esperando ansiosamente para ver os resultados do novo desenvolvimento. Se você estiver interessado em saber mais sobre como comprar uma casa histórica na área metropolitana de Austin ou no centro do Texas, não hesite em entrar em contato com Betty Saenz hoje.


Por dentro do Commodore Perry Estate e # 8211, um novo resort de luxo agora inaugurado em Austin

O Commodore Perry Estate está agora aberto no Hyde Park! O marco arquitetônico, que fica em 10 acres imaculados ao norte do campus da UT, tem um passado histórico. Originalmente construído no auge da Era do Jazz em 1928 como o país natal de Edgar e Lutie Perry, a propriedade agora abriga um lindo resort da cidade.

Crédito da foto: Douglas Friedman

A história da propriedade

Baylor grad Edgar Perry foi um homem de negócios de muito sucesso que ganhou dinheiro com o envio de algodão de Taylor, Texas para a Europa até 1929. Ele também é o homem por trás do Commodore Perry Hotel (agora um prédio de escritórios na 802 Brazos), o desenvolvimento de Highland Subdivisão de Park West no noroeste de Austin, o Perry-Brooks Office Building, e ele era sócio do hotel Stephen F. Austin no centro da cidade.

Em 1928, de acordo com texashistorichomes.com, Perry estava jogando golfe do outro lado da rua, no Hancock Golf Course, então conhecido como Austin Country Club, quando notou uma caixa de cascalho do outro lado da rua. Sempre preocupado em melhorar a aparência de uma comunidade, ele comprou o local de 10 acres e contratou o proeminente arquiteto de Dallas, Henry Bowers Thomson.

Inspirado nas viagens do proprietário pela Europa, o Commodore Perry Estate original incluía uma grande mansão italiana, casa de carruagens, piscina, pista de boliche, casa verde, garagem para seis carros e jardins formais. Na época, a mansão do Renascimento italiano, que está listada no Registro Nacional de Locais Históricos, abriu um precedente para entretenimento.

Em 1944, Edgar Perry vendeu a propriedade declarando que a mansão era "um ótimo lugar para dar uma festa, mas grande demais para morar". Desde então, tem servido como escola para meninas católicas e centro de aprendizagem para um guru indiano.

Foto: Commodore Perry Estate, Auberge Resorts Collection

Por dentro de The Commodore Perry Estate, coleção Auberge Resorts

O novo Commodore Perry Estate marca a primeira propriedade urbana do Auberge & # 8217s & # 8211, sem mencionar sua primeira propriedade no Texas. O desenvolvedor local Clark Lyda, em colaboração com a The Marchbanks Company, trabalhou por muitos anos para adquirir o Commodore Perry Estate, selecionando Auberge Resorts Collection como o parceiro de hospitalidade para dar vida a sua visão da propriedade.

Crédito da foto: Douglas Friedman

A peça central é a mansão original de 10.800 pés quadrados, onde todos os cinco quartos da residência original da família Perry foram transformados em suítes de hotel incrivelmente charmosas e luxuosas. Demos uma olhada nos detalhes das suítes durante a construção e podemos garantir que as suítes são bastante impressionantes.

A mansão inclui um novo bar de coquetéis artesanais e um Solarium, proporcionando experiências gastronômicas informais, bem como uma sala de jantar, copa, sala de estar e biblioteca. O destaque de cada quarto é o detalhe e decoração únicos. Grite para o designer e diretor criativo Ken Fulk, que passou mais de dois anos em excursões de compras na Round Top Antiques Fair para coletar uma mistura de detalhes e móveis sob medida.

Crédito da foto: Casey Dunn

A propriedade também possui: uma nova pousada de três andares, piscina oval de 15 metros, academia, horta orgânica, Lutie’s Ice Cream Bike, Lutie’s Garden Restaurant e uma capela, perfeita para casamentos íntimos e eventos sociais.

Foto: Commodore Perry Estate, Auberge Resorts Collection

o Commodore Perry Estate, coleção Auberge Resorts agora está aberto a membros e convidados. O Lutie & # 8217s Garden Restaurant estará aberto ao público neste outono.


O Commodore Perry fecha

Este site parece remontar muito ao ano de 1927. Não foi apenas um grande ano para Toledo, mas também para os Estados Unidos. Foi o ano em que Lindbergh cruzou o Atlântico. O ano em que o rádio realmente se tornou um meio de comunicação de massa. Foi o ano em que Ed Ames nasceu.

Em Toledo, o boom da década de 1920 continuou. Lasalle e Koch anunciaram planos para adicionar três andares ao prédio existente nas ruas Adams e Huron. A oeste do planejado Hospital de Toledo (que seria construído em 1928), o bairro Old Orchard estava sendo construído. A Willys-Overland pagou US $ 28 milhões em salários em 1926 e gastou US $ 17 milhões em materiais no ano anterior. Ohio Bell dedicou seu novo prédio de $ 1 milhão em 121 N. Huron St. Provavelmente estou apenas arranhando a superfície.

O Secor Hotel, à esquerda, e seu rival iniciante, o Commodore Perry Motor Inn, à direita. A Torre Branca fica do outro lado da rua. O Secor fechou como hotel em 1969. Foto de 1978 cortesia da Biblioteca Pública do Condado de Toledo-Lucas, obtida em http://images2.toledolibrary.org/

Enquanto isso, no centro da cidade, em 18 de janeiro de 1927, um rival do Secor Hotel (que estava aberto há quase 20 anos, inaugurando em 1º de agosto de 1908) abriu suas portas do outro lado da rua na Jefferson e N. Superior: o Commodore Perry Hotel.

Naturalmente, uma grande história brilhante no News-Bee, acompanhada de anúncios do hotel e de muitos fornecedores (incluindo Porkettes, & # 8220Made From Fresh Tender Little Pig Pork & # 8221) contou tudo sobre o novo hotel de 17 andares com 500 quartos que se elevava sobre seu rival. Entre seus muitos recursos:

& # 8211 Uma drogaria (& # 8220 provavelmente uma das melhores drogarias dos Estados Unidos & # 8221).

& # 8211 Sua própria agência de tráfego Western Union.

& # 8211 Um hospital totalmente equipado & # 8220de tamanho suficiente para atender qualquer caso de emergência. & # 8221

& # 8211 Serviço Servidor. Servidor era um pequeno compartimento embutido na porta de um quarto, onde um hóspede pode colocar uma camisa suja para ser lavada, por exemplo, ou um funcionário do hotel podia deixar algo sem incomodar o hóspede (ou obrigar o hóspede a dar gorjeta).

& # 8211 A maior barbearia & # 8220city & # 8217s & # 8221, com 12 cadeiras e seis postos de manicure e um salão de beleza, ambos sob a supervisão (de acordo com um anúncio) de Lott Gadd Jr., que, o News-Bee disse, dirigia o salão de beleza a bordo do RMS Lusitania quando foi torpedeado por um submarino alemão em 1915, embora este link do Museu Marítimo Merseyside indicasse que ele era apenas um barbeiro.

O hotel veiculou um anúncio de página inteira (este link levará você mais perto) alardeando sua abertura e não se conteve.

Para Toledo, esses dezessete andares de pedra e aço & # 8211 esses três milhões de dólares & # 8217 em beleza estrutural representam a porta de entrada para a época da grandeza da cidade.

Uma representação arquitetônica do Commodore Perry, embora obviamente ele tenha três torres contra as duas que foram realmente construídas. Foto cortesia da Biblioteca Pública do Condado de Toledo-Lucas, obtida em http://images2.toledolibrary.org/

O diretor administrativo era J.A. Hadley, cujo nome aparece constantemente quando se fala em hotéis em Toledo da antiguidade. Ele estava no Secor e abriu o Hotel Lorraine dois anos antes. O hotel abriu com grande alarde, com 700 hóspedes e 900 reservas rejeitadas. & # 8220 Figuras proeminentes na vida social e empresarial da cidade & # 8217s estiveram presentes. & # 8221

O Commodore serviu como & # 8216o & # 8217 lugar para ficar por muitos anos se você estivesse visitando Toledo, e os funcionários se lembraram de seus dias de glória com carinho. Hospedaram-se presidentes, celebridades e personalidades do esporte, e foi inegavelmente o melhor hotel da cidade. O Rei e a Rainha da Grécia ficaram lá durante a sua visita de 1955. Mesmo com hotéis mais antigos, como o Waldorf e o Ft. Meigs fechou, e o lugar do centro da cidade como o centro da vida cívica e de varejo de Toledo e # 8217 desbotou na década de 1970, o Commodore permaneceu como um hotel e um ponto de encontro movimentado para grupos cívicos, bem como abrigando residentes permanentes.

Mas quando o Commodore anunciou seu fechamento em novembro de 1980, a história em The Blade revelou alguns insights sobre seu desempenho financeiro. Sua fortuna nunca atingiu as expectativas de seu dono, o veterano George Jones. O hotel não pagou dividendos sobre suas ações ou juros sobre os empréstimos desde o dia em que foi inaugurado, de acordo com as notícias do dia.

O hotel foi vendido em 1934 por cerca de US $ 3 milhões para compradores de Nova York que formaram o Commodore Perry Hotel Co. Em dezembro de 1949, a empresa controlava as operações do Commodore, junto com o antigo Secor Hotel, em 425 Jefferson, e o antigo Willard Hotel, agora Edifício Municipal da Renascença, nas ruas Adams e St. Clair.

De 1974 a 1980, o hotel perdeu US $ 1,8 milhão, mais do que qualquer outro período de seis anos na história do Commodore. O anúncio de página inteira que o hotel veiculou no The Blade em 11 de novembro de 1980, anunciando seu fechamento, foi um pouco mais direto:

Em seus primeiros anos como uma das principais propriedades hoteleiras da Northwest Ohio & # 8217s, o Commodore Perry teve um sucesso considerável. No entanto, o desempenho operacional do hotel & # 8217s deteriorou-se desde o final da década de 1950, e um total de quase $ 4.000.000 foi perdido neste período. O mau desempenho recente do hotel é resultado de dois fatores básicos: o uso cada vez menor das instalações do hotel no centro por hóspedes temporários e os custos em rápida escalada, incluindo alimentos, mão-de-obra, serviços públicos e manutenção.

Uma foto de uma sala de conferências no Commodore Perry Hotel, localizado na 505 Jefferson Avenue em Toledo, Ohio. As paredes da sala de conferências são decoradas com murais de cenas de Toledo, Espanha. Foto de 1938 cortesia da Biblioteca Pública do Condado de Toledo-Lucas, obtida em http://images2.toledolibrary.org/ Uma foto do salão de baile no salão de baile do Commodore Perry Hotel, localizado na 505 Jefferson Avenue, em Toledo, Ohio. A foto destaca os murais de Dom Quixote ao longo de uma parede. Foto de 1938 cortesia da Biblioteca Pública do Condado de Toledo-Lucas, obtida em http://images2.toledolibrary.org/

The Blade enviou Chase Clements, que, digno de nota, cobriu todos os tipos de notícias em Toledo por 40 anos no rádio, na televisão ou na mídia impressa, para cobrir a noite de encerramento. O hotel esteve ocupado durante toda a semana com pessoas parando para dar uma olhada final, uma última refeição no Captain & # 8217s Table (Oliver & # 8217s, o restaurante mexicano, deveria permanecer aberto), ou um último drinque para o bem dos velhos tempos no Quarterdeck Lounge. Até o prefeito Doug DeGood foi visto sozinho tomando uma taça de vinho no meio da tarde. & # 8220Nostalgia, pura e simples, & # 8221 disse ele.

O chef Andrew Trigg relatou que, graças aos caçadores de souvenirs, duzentas ou trezentas peças de prata desapareceram desde que o fechamento foi anunciado no início da semana. Os quase 250 funcionários que estavam perdendo seus empregos tinham se saído bem com as gorjetas, no entanto.

E com isso, o Commodore Perry Motor Inn (como ficou conhecido após uma reforma de 1968) encerrou seus dias como um local de hospedagem.

O Commodore Perry é uma parte da história de Toledo que não foi exatamente perdida. O hotel é agora um prédio de apartamentos, o Commodore Perry Apartments. A julgar pelas fotos, parece que muito do esplendor ornamentado do antigo hotel que foi tão aclamado em 1927 foi deixado intacto.


Comodoro Perry

Onde posso encontrar a lista dos marinheiros que acompanharam o Comodoro Perry na abertura do Japão?

Re: Comodoro Perry
Katharine Seitz 13.04.2018 15:58 (в ответ на Kathy Haut)

Obrigado por entrar em contato com o History Hub!

Sua pergunta tem uma resposta em duas partes. Os marinheiros que navegavam com o Comodoro Perry apareciam nos registros do convés da Marinha dos EUA e nos registros de agrupamento. No entanto, os registros do convés listam apenas os oficiais, enquanto as listas de agrupamento listam todos os marinheiros. (Para obter mais informações sobre a diferença entre os registros do convés e os testes de agrupamento, leia esta postagem do blog: "Conheça seus registros: Registros do convés da Marinha dos EUA" [https://text-message.blogs.archives.gov/2013/11/01/ know-your-records-us-navy-deck-logs /].) Os registros físicos e os rolos de agrupamento não estão disponíveis para os pesquisadores porque foram microfilmados. Para cada navio conectado à Expedição Perry, os rolos de microfilme de que você precisa estão listados abaixo.

Steam Frigates

USS Mississippi - toras de convés 1852-1855 - T1088 / rolos de reunião T829, rolo 5

USS Susquehanna & # 160 - toras de convés 1853-1855 - T1087 / rolos de reunião T829, rolo 10

USS Powhatan - toras de convés 1853-1854 - T1096 / rolos de agrupamento T829, rolo 7

USS Allegheny - rolos de agrupamento T829, rolo 1 (não cobre 1850-1855)

Sailing Sloops

USS Vandalia - toras de convés 1853-1855 - T1092 / rolos de reunião T829, rolo 11

USS Macedônio - toras de convés 1853-1855 - T1091 / rolos de agrupamento T829, rolo 5

USS Saratoga - toras de convés 1852-1853 - T1090 / rolos de agrupamento T829, rolo 9

USS Plymouth - toras de convés 1852-1855 - T1095 / rolos de agrupamento T829, rolo 6

Navios de armazenamento armado (Steam)

Abastecimento USS - toras de convés 1852-1855 - T1094 / rolos de agrupamento T829, rolo 10

USS Lexington - toras de convés 1853-1855 - T1089 / rolos de reunião T829, rolo 4

USS Southampton - toras de convés 1852-1855 - T1093 / rolos de agrupamento T829, rolo 9

Você pode visualizar essas publicações em microfilme em determinados locais dos Arquivos Nacionais ou solicitar reproduções de registros de microfilme em DVD ou por meio de nosso sistema de entrega eletrônico. Para saber como acessar as publicações de microfilme dos Arquivos Nacionais, visite as seguintes páginas:

Pesquise e navegue no Catálogo de microfilmes da NARA - esta página informará quais instalações dos Arquivos Nacionais têm esse microfilme e qual rolo você pode precisar. Também o ajudará a solicitar uma cópia, se necessário.

Compra de microfilmes - esta página explica como usar o catálogo de microfilmes e links para informações sobre como solicitar microfilmes digitalizados.

Esperamos que isso seja útil para sua pesquisa. Obrigado novamente por sua consulta do History Hub!


Uma breve história da bandeira de batalha do Commodore Perry

O capitão James Lawrence nunca esperou ser um oficial da Marinha dos Estados Unidos. Na verdade, ele estudou direito antes de se tornar aspirante da marinha em 1798. Assim que se alistou, no entanto, fez um grande sucesso e um amigo com um grande nome - o Comodoro Perry. Juntos, seu heroísmo e seu amigo criaram relevância histórica de longo prazo para o capitão Lawrence.

Morte precoce

O capitão Lawrence morreu em seus trinta e poucos anos, vendo sua batalha naval final apenas três meses após ser premiado com sua capitania. Como capitão da fragata Chesapeake, Lawrence foi mortalmente ferido em 1 de junho de 1813, durante um breve e violento tiroteio com a fragata da Marinha Real Shannon. Enquanto seus homens corriam para baixo do convés para tratamento, Lawrence berrou: "Não desista do navio!" Ele morreu três dias depois.

O determinado Comodoro Perry

O Comodoro Oliver Hazard Perry (foto ao meio, à direita) sabia desde muito jovem que passaria a vida comandando navios de guerra. Com a idade de 12 anos, ele navegou com seu pai para as Índias Ocidentais, e com a idade de 13 foi nomeado aspirante da Marinha dos Estados Unidos. Ele experimentou o gosto da batalha pela primeira vez aos 15 anos de idade e entrou na Guerra de 1812 - onde ganharia sua famosa reputação - no final dos vinte anos.

Destinado à glória

Ao saber da morte de seu capitão Lawrence, Perry ordenou uma grande bandeira de batalha azul costurada com a frase "Não desista do navio" como um memoriam. Pelos relatos históricos, a tripulação do capitão Lawrence não honrou seu comando enquanto ele o pronunciava. Por outro lado, a tripulação de Perry, navegando sob a bandeira, o fez, garantindo aos homens e à bandeira seu lugar na história.

O noivado mais famoso do Comodoro Perry ocorreu em 10 de setembro de 1813, na Batalha do Lago Erie. Lá, o tiroteio favoreceu tanto os britânicos que seu próprio navio, o USS Lawrence, foi desativado. Ele e seus homens foram forçados a comandar um navio de guerra alternativo. Então, Perry comandou aquele brigue, o USS Niágara, em dizimar heroicamente a frota inimiga restante. Finalmente, Perry e seus homens embarcaram novamente no USS Lawrence e aceitou a rendição do inimigo do topo de seu convés danificado - tudo isso enquanto exibia a bandeira de batalha do Comodoro Perry.

A bandeira de batalha do Commodore Perry

A bandeira do Comodoro Perry é um símbolo duradouro da tenacidade, camaradagem e bravura americanas. Encomende a sua bandeira Commodore Perry ao ar livre aqui ou a pequena bandeira da área de trabalho aqui.


Descobrindo Buffalo, uma rua de cada vez

Perry Street foi originalmente chamada de Beaver Street por Joseph Ellicott no plano original de 1804 de New Amsterdam / Buffalo. Em 1907, o vereador Hendrick Callahan sugeriu novos nomes para várias ruas. As ruas que ele rebatizou foram Liberty, Erie, Columbia e Perry. Ele também sugeriu renomear Main Street para Iroquois Avenue, no entanto, isso não foi aprovado. Liberty Street foi mais tarde rebatizada de Baltimore Street. Perry também empresta seu nome para os projetos do Commodore Perry, localizados perto da Perry Street.

Além disso, o Perry Boulevard ficava localizado ao longo da antiga rota do Canal Erie, onde a I-190 Thruway está localizada atualmente. A estrada ia da Main Street até a Porter Avenue e foi construída quando o canal foi preenchido durante a construção do Lakeview Housing Project. Na época, o leito do canal não utilizado era considerado perigoso para a saúde, por isso foi preenchido para proteger os moradores das moradias públicas. Uma pequena parte da estrada sob a Thruway ainda é chamada de Perry Boulevard.

Oliver Hazard Perry nasceu em 1785 em Rhode Island. Seu irmão mais novo, Matthew Calbraith Perry, esteve envolvido na abertura do Japão. Matthew Perry também serviu para seu irmão durante a Batalha do Lago Erie.

Perry serviu nas Índias Ocidentais, no Mediterrâneo e no Caribe, mas é mais conhecido como o & # 8220Hero do Lago Erie & # 8221 por seu papel durante a Guerra de 1812. No início da Guerra de 1812, a Marinha Britânica controlava os Grandes Lagos, exceto o Lago Huron. A marinha americana controlava o lago Champlain. A Marinha americana tinha apenas uma pequena força, o que permitiu aos britânicos avançarem nos Grandes Lagos e nas vias navegáveis ​​do norte de Nova York.

Perry foi nomeado Chief Naval Officer em Erie, P.A., e construiu uma frota na Baía de Presque Isle. Em 10 de setembro de 1813, Perry lutou uma ação bem-sucedida durante a Batalha do Lago Erie. Durante a batalha, o navio Perry & # 8217s, o USS Lawrence, foi severamente danificado. o comandante britânico, Robert Barclay, pensou que Perry se renderia. O comandante Barclay enviou um pequeno barco para solicitar que os americanos puxassem a bandeira.

1911 Pintura da Batalha do Lago Erie por Edward Percy Moran. Perry está parado na frente do barco

Perry permaneceu fiel à frase & # 8220DON & # 8217T DESISTA DO NAVIO & # 8221, que foi parafraseada das últimas palavras do capitão Lawrence, amigo de Perry & # 8217s e homônimo do navio & # 8217s. Os homens remavam com tiros pesados ​​para se transferir para o USS Niagara. As forças de Perry & # 8217s continuaram até que os navios Barclay & # 8217s se renderam. Embora Perry estivesse a bordo do Niagara durante a luta da batalha, ele fez os britânicos se renderem no convés do Lawrence para permitir que os britânicos vissem o preço que seus homens pagaram. O relato de Perry & # 8217s após a batalha foi breve, mas ficou famoso: & # 8220Nós encontramos o inimigo e eles são nossos dois navios, dois brigs, uma escuna e um saveiro & # 8221. Esta foi a primeira vez na história que um esquadrão naval britânico inteiro se rendeu.

Perry & # 8217s Congressional Gold Medal

Ele foi premiado com a Medalha de Ouro do Congresso e por seu papel durante a Batalha de Buffalo. Ele também ajudou a concluir resultados bem-sucedidos em todas as nove campanhas militares do Lago Erie, que foi um ponto de viragem durante a Guerra de 1812.

A estátua de Perry em Front Park foi erguida pelo Comitê do Centenário da Vitória de Perry no estado de Nova York. A estátua foi dedicada na centésima reunião anual da Associação de Veteranos de Nova York. A estátua foi restaurada recentemente e devolvida ao parque, junto com os canhões que estavam originalmente localizados no parque devido à conexão do parque com o Fort Porter, que estava localizado perto de onde a Praça da Ponte da Paz está localizada atualmente.

O Comodoro Perry não viveu até a velhice. Ele morreu em 1819, no seu 34º aniversário, de febre amarela enquanto estava no mar. Ele foi enterrado em Port of Spain, Trinidad, com todas as honras militares. Em 1826, seus restos mortais foram transferidos para Newport, Rhode Island.

Aprenda sobre as origens de outros nomes de ruas conferindo o Índice de Ruas.


História do Clube

O CPYC foi formado em 1972, quando um grupo de velejadores que morava em Erie e pertencente ao Barcelona Yacht Club decidiu fundar um novo clube mais perto de casa.

Tired of driving thirty miles to attend yacht club meetings and social functions, the group began to solicit prospective members to form a new club. Invitations were sent to lists from Presque Isle Marina and other bay boating facilities to see if anyone would be interested in forming a new Erie, PA yacht club.

A fairly large group of boaters turned out for this initial meeting held at Syd’s Cafe on West Eight Street. Those attending the meeting agreed to start a new club and committees were set up to name the club and agree on a structure. Of those at the meeting only I-LYA Commodore Bill Heider and CPYC P/C Ed (Corky) Wienczkowski are still members.

Through the efforts of the Board of Directors, the club was granted a charter as a nonprofit corporation by the State of Pennsylvania on August 29, 1973. For the next few years the club existed mostly as a social organization, holding monthly meetings, picnics, dances, and other activities. Soon the members started calling for a facility to call home and a committee was formed to find a suitable site. Bill Heider was named to chair the committee and after spending several months looking over all available property a site was recommended at the foot of Poplar St. The membership agreed on the location and after some negotiations with the Erie-Western-PA Port Authority a long-term lease was signed.

After obtaining the lease, permits were needed from the Pennsylvania DER and the Army Corps of Engineers to put in the docks. This proved to be more difficult than anyone had anticipated resulting in 18 months of negotiations with environmentally conscious government agencies. Finally a permit was granted.

Next a decision had to be made on how to fund and construct the club. Some members wanted to go to a bank and borrow a million dollars and have it built by outside contractors. After much discussion it was decided that in the long run this would be much too expensive and the club would be financially better off to build the club themselves. In order to accomplish this the board voted to assess each member $1,000 to get the project started. From a membership of about 350, approximately 80 stayed on to see the project through. Ground breaking for the club was held on April 15, 1978 with city and port authority officials there to help turn over the ceremonial first shovelful of dirt.

Using the member’s money to buy materials and hire a contractor to drive pilings and put the break wall sections into place, the club members and their families, working weekends, vacations, and whenever else they could find the time assembled all the break wall sections, filled the break walls and the main parking area. The members also built all the docks, working through the winter of 1978-79 using the bay ice as a work platform. While some members worked on the docks, others worked on building all the other CPYC facilities.

The first boats moved into the west side of the club in the summer of 1979. That was a tough summer as the east break wall was not finished and the easterly winds made it very rough in the basin. Working through the winter of 79-80 the east break wall was finished and the east side docks were built.

Since that time the tradition of the members building the club has continued. Members have constructed picnic shelters, rebuilt the docks and finger piers using long-lasting materials, laid sidewalks, built a fuel dock and did the landscaping.

It bears pointing out that all of this has been done on a pay-as-you-go basis.

Thanks to the diligence of the membership and the conscientious efforts of the clubs leadership, CPYC remains debt free.

In 1984 it was decided that the club was in good shape both physically and financially and it was time to build a clubhouse. To do this a design was needed along with someone to head up the construction project. The board of directors came up with the plan, John Evans, a member who is also an architect, came up with a design and Herb Olson who worked as a construction foreman was chosen to head the project.

Herb, through his knowledge of construction and a desire for CPYC to have the best clubhouse possible made many modifications to the original plans as the work progressed. Since the work was being done by mostly amateurs, Herb had to exercise a great deal of patience. Fortunately, there were enough talented craftsmen amongst the membership, most of whom were more than willing to donate their time to work on the building, and the project proceeded nearly on schedule. Thanks to Herb’s leadership, CPYC’s clubhouse turned out to be the fine facility he had envisioned it to be. Upon completion, the club formally dedicated the building to Herbert R. Olson.

With the club completed, the membership turned it’s efforts to furnishing it along with a beautification project for the grounds. Work did not stop there, however, the Board of Directors appointed all the past commodores to a long range planning committee to come up with plans for the future of the Commodore Perry Yacht Club.

In 1997, a new lease was negotiated with the Port Authority, giving the club a longer term and more property to the south. This enabled expansion of parking facilities and provided more room for the winter storage of boats.

In 1998 the construction of a new fence began along with efforts to beautify the property in an effort to keep up with the many new developments that are occurring along the Erie waterfront.

In 1999 the club purchased two 40 ft. barges and a Bucyrus Erie Crane with a clam shell bucket. The barges were coupled together to provide a 18 ft. by 40 ft. barge with the crane mounted on it. This will provide the club with the ability to dredge the club basin and and with the expansion of the club.

In 2000 the club members approved an expansion plan consisting of building a new outer break wall which will provide docking for vessels over 44 feet.

If you have not seen our facilities, please feel free to visit us by either car or boat.


Commodore Perry - History

University of Texas at Dallas

Dower, John and Shigeru Miyagawa, Black Ships and Samurai. Massachusetts Institute of Technology, 2003,< http://www.blackshipsandsamurai.com >(accessed Feb. 27, 2006). This site contains 200 Japanese and American displays depicting Perry's mission to Japan, including the entire Black Ship Scroll, a complete list of all gifts exchanged by the Japanese and Americans as well as paintings of the presentation of silk to American officers, and the dogs given to Perry by the Japanese commissioners.

Halsall, Paul, "Commodore Matthew Perry: When We Landed in Japan, 1854", Internet Modern History Sourcebook, 1998,< http://www.fordham.edu/halsall/mod/1854perry-japan1.html >(accessed February 27, 2005). This website presents excerpts from the notes and journals of Commodore Perry.

Mystic Seaport. The Museum of America and the Sea, 2005, (accessed March 19, 2005). Library collections of correspondences and ship logs from whaling voyages in the Pacific.

Naval Historical Center. Department of the Navy, 2005, . (accessed March 19, 2005). The Dictionary of American Naval Fighting Ships at this site presents detailed information on early steam warships.

Toppan, Andrew C., Haze Gray and Underway. Naval History Information Center, 2003, <http:// www.hazegray.org> (accessed March 19, 2005). This site provides ship histories for the Powhatan, Perry's flagship on his 1854 journey as well as on other earlier steamers.

Fukuzawa Yukichi, The Autobiography of Yukichi Fukuzawa, (trans.) Eiichi Kiyooka (New York: Columbia University Press, 1966) Contains Fukuzawa Yukichi's account of his 1860 voyage to America, as well as his impressions of both America and Europe in the 1860's.

McCauley, Edward Yorke, With Perry in Japan: The Diary of Edward Yorke McCauley, ed. Allen B. Cole ( Princeton: Princeton University Press, 1942). McCauley's diary is an excellent eyewitness account of Perry's voyage and contains his personal reflections on Japan.

Miyoshi, Masao, As We Saw Them: The First Japanese Embassy to the United States (New York: Kodansha International, 1994). This book is a comprehensive study of the first Japanese voyage to the United States in 1860, undertaken to ratify the 1858 commercial treaty between Japan and the United States.

Morison, Samuel Eliot, "Old Bruin": Commodore Matthew C. Perry, 1794-1858 (Boston and Toronto: Little, Brown, 1967). This account of Perry's life contains maps and descriptions of the scenes from Perry's trip to Japan.

Trautman, F. (trans.), With Perry to Japan: a Memoir by William Heine (Honolulu: University of Hawaii Press, 1990). A memoir by the German artist William Heine who accompanied Perry.

Wiley, Peter Booth, Yankees in the Lands of the Gods (New York: Penguin, 1992). This work explains the deliberations in Congress over a Japanese expedition as well as analyzes the impact Perry's arrival had on the Tokugawa political system. It also describes the voyage itself in great detail.


1 Matthew C. Perry as cited in Peter Booth Wiley, Yankees in the Lands of the Gods (New York: Penguin, 1990), 68.

2 Department of the Navy, "The Dictionary of American Naval Fighting Ships," Naval Historical Center, 2003, <http://www.history.navy.mil> (accessed March 19, 2005).

5 Herman Melville, Moby Dick, edited by Charles Child Walcutt, (New York: Bantum Books, 1967), 108. This quote is also cited in Wiley, Yankees. 5.

11 Noel Perrin, Giving Up the Gun: Japan's Reversion to the Sword, 1543-1879 (Boston: David R.Godine, 1979), 45-72.

15 Andrew Gordon, A Modern History of Japan (New York: Oxford University Press, 2003), 49.


Assista o vídeo: Samurai, Daimyo, Matthew Perry, and Nationalism: Crash Course World History #34 (Outubro 2021).