Podcasts de história

Maior mosteiro bizantino de Istambul a ser convertido em mesquita

Maior mosteiro bizantino de Istambul a ser convertido em mesquita


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em um movimento que atraiu críticas e controvérsias significativas, o Mosteiro de São João Stoudios (Imrahor) na Turquia, o maior mosteiro bizantino em Istambul, será convertido em mesquita e seu nome mudado para Mesquita İmrahor İlyas Bey.

O Mosteiro de Stoudios, também conhecido como Monumento İmrahor, foi construído em 462 DC e é um dos mais antigos mosteiros sobreviventes do país. Historicamente, foi o mosteiro mais importante de Constantinopla (atual Istambul), a capital do Império Romano Oriental, e suas leis e costumes foram usados ​​como modelos pelos monges do Monte Athos na Grécia e em muitos outros mosteiros do mundo ortodoxo.

“Não gostaria de falar como membro de um conselho, mas minha opinião pessoal é que a herança cultural não deve ser refletida como uma herança antagônica. Se refletirmos assim, isso prejudicará as sociedades em um nível macro ”, disse Laki Vingas, na qualidade de representante da Diretoria Geral de Fundações.

Vingas acrescentou: “Minha opinião pessoal é que quando você está tentando criar uma nova visão, deve ter cuidado para não criar novos problemas para o futuro”.

O mosteiro encontra-se em ruínas e a reconversão ocorrerá após a sua restauração. A reforma do prédio segue o mesmo destino de outras igrejas em Trabzon e İznik, que já foram transformadas em mesquitas.

A conversão de um edifício do culto de uma religião para o culto de outra religião atraiu controvérsia significativa ao longo dos séculos. Muitos acreditam que um local de culto deve ser mantido para seu propósito original e significado histórico, enquanto outros afirmam que se um edifício está em ruínas e não usado, é melhor ser restaurado e usado por outra religião do que ser deixado para apodrecer.

A conversão de locais de culto não muçulmanos em mesquitas ocorreu principalmente durante a vida de Maomé e continuou durante as conquistas islâmicas subsequentes e sob o domínio muçulmano histórico. Como resultado, vários templos hindus, igrejas, sinagogas, os templos do Partenon e do Zoroastrismo foram convertidos em mesquitas. Várias dessas mesquitas em terras muçulmanas ou ex-muçulmanas foram revertidas ou se tornaram museus, como a Hagia Sophia na Turquia e várias mesquitas na Espanha.

No entanto, os muçulmanos não são os únicos a realizar essas conversões. Houve muitas ocasiões em que locais de culto não cristãos foram convertidos em igrejas no início da história do cristianismo, o que continuou durante as conquistas cristãs subsequentes e a cristianização, muitas envolvendo a destruição de templos pagãos.


    O maior mosteiro bizantino de Istambul a ser convertido em mesquita - História

    Clique para ler o artigo em turco

    Na sequência de um decreto presidencial que prevê a abertura do Museu Chora para o culto como mesquita, as imagens de Jesus Cristo, os frescos e os ícones do museu foram cobertos com uma cortina branca.

    Localizado no atual distrito de Fatih em Istambul, o edifício foi construído como um mosteiro em 534 durante o período bizantino. Depois que Istambul foi tomada pelos otomanos em 1453, foi convertida em mesquita em 1511, assim como Hagia Sophia em Istambul. Servindo como mesquita por 434 anos, foi convertida em museu por um decreto do Conselho de Ministros em 1945, após a criação da República da Turquia em 1923.

    O vice-secretário geral do Município Metropolitano de Istambul (İMM), Mahir Polat, anunciou isso no Twitter, indicando que "a cobertura de afrescos e mosaicos de Chora, uma das obras-primas da história mundial da arte, destruirá o caráter e o valor artístico do construção."

    Polat comparou o antes e o depois do Chora em duas fotos, anexando a nota: "O projeto [é realizado por] o ministério e suas instituições que administram e protegem o patrimônio cultural da Turquia. "

    Dünya sanat tarihinin baş yapıtlarından Kariye fresk ve mozaiklerinin kapatılması ne yazık ki yapının karakterini ve sanatsal değerini öldürecek vasıfısızlıkta.

    Solda eski hali, sağda yeni hali. Proje Türkiye kültür mirası yöneten ve koruyan bakanlık ve kurumları. pic.twitter.com/ijItpmLxCz

    - Mahir Polat (@mhrpolat) 27 de outubro de 2020

    Conteúdo

    O complexo está localizado em Fazilet Sokağı, no distrito de Fatih, em um bairro popular que leva esse nome (Zeyrek) da mesquita e a menos de um km a sudeste da mesquita Eski Imaret. É pitoresco, mas (desde 2007) decadente e perigoso durante a noite.

    Edição do período bizantino

    Entre 1118 e 1124 a imperatriz bizantina Irene da Hungria construiu um mosteiro neste local dedicado a Cristo Pantokrator ("Cristo Todo-Poderoso"). [1] O mosteiro consistia em uma igreja principal (que se tornou o katholikon, ou igreja principal, do mosteiro [2]) também dedicada a Cristo Pantocrator, uma biblioteca e um hospital. [3]

    Após a morte de sua esposa, logo após 1124, o imperador João II Comneno construiu outra igreja ao norte da primeira dedicada a Theotokos Eleousa ("a misericordiosa Mãe de Deus"). Esta igreja estava aberta à população e servida por um clero leigo. [2] Finalmente (o terminus ante quem é 1136 [4]) um pátio sul e um exonarthex foram adicionados ao complexo, [2] e os dois santuários foram conectados a uma capela dedicada a São Miguel, [5] que se tornou o mausoléu imperial (Heroon) das dinastias Comneno e Paleólogo. [1] Além de muitos dignitários bizantinos, o imperador João II e sua esposa Eirene, a imperatriz Bertha de Sulzbach (também conhecida como Eirene, e esposa de Manuel I Comneno) e o imperador João V Paleólogo foram enterrados aqui. [3] [ duvidoso - discutir ]

    Durante a dominação latina após a Quarta Cruzada, o complexo foi a sede do clero veneziano, e o ícone da Theotokos Hodegetria foi alojado aqui. [6] O mosteiro também foi usado como palácio imperial pelo último imperador latino, Baldwin. Após a restauração Paleológica, o mosteiro foi usado novamente por monges ortodoxos. O mais famoso entre eles foi Gennadius II Scholarius, que deixou o Pantokrator para se tornar o primeiro Patriarca de Constantinopla após a conquista islâmica da cidade. [7]

    Período otomano e republicano Editar

    Pouco depois da queda de Constantinopla, o prédio foi convertido em uma mesquita, e o mosteiro foi convertido por um tempo em Medrese. [8] Os otomanos nomearam-no em homenagem Molla Zeyrek, um estudioso que estava ensinando lá. [8] No entanto, devido à sua importância na história bizantina, Zeyrek foi um dos poucos edifícios de Istambul cuja denominação antiga nunca foi esquecida. Entre outras, a igreja de Pantokrator é lembrada por Pierre Gilles em sua obra clássica sobre Constantinopla, escrita no século XVI. Após a conclusão do Medreses no complexo de Fatih em 1471, os estudantes abandonaram Zeyrek, [9] e as salas do mosteiro ocupadas pelo Medrese desapareceram mais tarde. [3]

    Até alguns anos atrás, o edifício estava em um estado desolado e, como resultado, foi adicionado à lista de monumentos ameaçados de extinção da UNESCO. Nos últimos anos, passou por extensas (embora ainda inacabadas) restaurações. [10]

    Hoje a Mesquita Zeyrek é - depois de Hagia Sophia - o segundo maior edifício religioso existente construído pelos bizantinos em Istambul.

    Para o leste fica o Otomano Konak (Zeyrek Hane), que também foi restaurado e agora funciona como restaurante e jardim de chá.

    A alvenaria foi parcialmente construída adotando a técnica do tijolo recuado, típico da arquitetura bizantina do período médio. [11] Nesta técnica, camadas alternadas de tijolos são montadas atrás da linha da parede e mergulhadas em uma cama de argamassa. Por isso, a espessura das camadas de argamassa é cerca de três vezes maior que a das camadas de tijolos. [12]

    A igreja do sul e do norte são ambas com cúpula cruzada com absides poligonais com sete lados, e não cinco como era típico da arquitetura bizantina do século anterior. As absides também possuem janelas de lanceta tripla ladeadas por nichos. [1]

    A igreja do sul é a maior. A Leste possui um esonarthex, que posteriormente foi alargado até à capela imperial. A igreja é encimada por duas cúpulas, uma sobre a naos e o outro sobre o matroneum (uma galeria superior separada para mulheres) do nártex. A decoração desta igreja, que era riquíssima, desapareceu quase por completo, salvo alguns fragmentos de mármore do presbitério e, sobretudo, um bonito piso em opus sectile feito com mármores coloridos trabalhados na técnica cloisonné, onde se encontram figuras humanas e animais. representado. [13] Além disso, fragmentos de vidro colorido sugerem que as janelas desta igreja já foram feitas de vitrais com figuras de santos. [14] Os mosaicos do interior, representando os apóstolos e a vida de Cristo, ainda eram visíveis - embora desfigurados - no século XVIII. [15]

    A capela imperial é coberta por abóbadas de berço e também encimada por duas cúpulas.

    A igreja norte tem apenas uma cúpula, e é notável pelo seu friso, esculpido com um dente de cachorro e motivo triangular correndo ao longo da linha do beiral.

    Perto da mesquita está localizado o pequeno Şeyh Süleyman Mescidi, um pequeno edifício bizantino pertencente também ao Mosteiro Pantokrator.

    Como um todo, este complexo representa o exemplo mais típico da arquitetura do período intermediário bizantino em Constantinopla. [1]


    Qual foi a reação?

    A Unesco disse que "lamenta profundamente" a decisão de transformar o museu em uma mesquita e pediu às autoridades turcas que "abram um diálogo sem demora".

    A organização pediu à Turquia que não mudasse seu status sem discussão.

    O chefe da Igreja Ortodoxa Oriental condenou a mudança, assim como a Grécia - lar de muitos milhões de seguidores ortodoxos.

    A ministra da Cultura, Lina Mendoni, disse que foi uma "provocação aberta ao mundo civilizado".

    & quotO nacionalismo exibido pelo presidente Erdogan. leva seu país de volta seis séculos ”, disse ela em um comunicado.

    A decisão do tribunal "confirma absolutamente que não há justiça independente" na Turquia, acrescentou ela.

    Mas o tribunal administrativo do Conselho de Estado da Turquia disse em sua decisão na sexta-feira: "Concluiu-se que a escritura de assentamento a alocou como mesquita e seu uso fora desse caráter não é legalmente possível."

    "A decisão do gabinete em 1934, que encerrou seu uso como mesquita e a definiu como museu, não obedeceu às leis", disse ele.

    A Igreja na Rússia, lar da maior comunidade cristã ortodoxa do mundo, imediatamente expressou pesar pelo tribunal turco não ter levado suas preocupações em consideração ao decidir sobre Hagia Sophia.

    Ele disse que a decisão pode levar a divisões ainda maiores.

    Embora a medida seja popular entre os defensores religiosos conservadores do autor mais famoso do presidente Erdogan, da Turquia, Orhan Pamuk disse que a decisão tiraria o "orgulho" que alguns turcos tinham por serem uma nação muçulmana secular.

    "Há milhões de turcos seculares como eu que clamam contra isso, mas suas vozes não são ouvidas", disse ele à BBC.


    Decisão do tribunal turco abre caminho para que Hagia Sophia seja transformada em mesquita

    Um tribunal turco abriu na sexta-feira o caminho para que a antiga catedral bizantina de Hagia Sophia em Istambul seja transformada em mesquita.

    O mais alto tribunal administrativo da Turquia decidiu em 2 de julho revogar o decreto de 80 anos que declarou o edifício do século VI um museu. A decisão foi anunciada em 10 de julho.

    Espera-se que o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan, tome a decisão final sobre se Hagia Sophia voltará a ser uma mesquita - uma causa que ele defendeu veementemente.

    Os líderes cristãos no Oriente Médio e na Europa se manifestaram a favor da manutenção do status quo no local histórico.

    O Patriarca Ecumênico Ortodoxo Oriental Bartolomeu de Constantinopla disse que o povo turco tem a responsabilidade "de fazer brilhar a universalidade deste maravilhoso monumento", visto que, como museu, é "o lugar simbólico de encontro, diálogo, solidariedade e compreensão mútua entre o Cristianismo e o Islã. ”

    O Patriarca Bartolomeu dirigiu-se ao lugar de Santa Sofia em sua homilia durante a Divina Liturgia na Igreja dos Santos Apóstolos em Istambul, 30 de junho, informa a agência Fides.

    Hagia Sophia pertence “não pertence apenas aos seus proprietários no momento, mas a toda a humanidade”, disse ele.

    O líder cristão ortodoxo oriental advertiu que convertê-lo em uma mesquita "empurrará milhões de cristãos em todo o mundo contra o Islã".

    “Uma ameaça contra Hagia Sophia é uma ameaça para toda a civilização cristã, ou seja, nossa espiritualidade e história”, disse o patriarca Kirill de Moscou em 6 de julho. Ele disse que a antiga basílica de Constantinopla é “um dos maiores monumentos da civilização cristã”.

    “O que poderia acontecer com Hagia Sophia causaria profunda dor ao povo russo”, disse o patriarca ortodoxo russo.

    Os líderes dos EUA também se opuseram.

    “A Hagia Sophia possui um enorme significado espiritual e cultural para bilhões de crentes de diferentes religiões em todo o mundo”, disse o embaixador geral dos EUA para a liberdade religiosa, Sam Brownback, no Twitter em 25 de junho.

    “Apelamos ao governo da Turquia para mantê-lo como um local do Patrimônio Mundial da UNESCO e para manter a acessibilidade a todos em seu status atual de museu.”

    Hagia Sophia, que significa “Sagrada Sabedoria”, foi construída em 537 sob o imperador bizantino Justiniano. Por um tempo, foi o maior edifício do mundo e a maior igreja cristã. Ela serviu como a catedral do Patriarca de Constantinopla antes e depois que o Grande Cisma dividiu o Cristianismo Ocidental e Oriental em Igrejas Católica e Ortodoxa Oriental.

    Após a captura de Constantinopla pelos otomanos em 1453, a catedral foi convertida em mesquita. Sob os otomanos, os arquitetos adicionaram minaretes e contrafortes para preservar o edifício, mas os mosaicos com imagens cristãs foram caiados e cobertos.

    Em 1934, sob um governo turco secular, a mesquita foi transformada em um museu. Alguns mosaicos foram descobertos, incluindo representações de Cristo, a Virgem Maria, João Batista, Justiniano I e a imperatriz bizantina Zoë Porphyrogenita.

    Foi declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Quando o museu se transformar em mesquita, acredita-se que os mosaicos deverão ser cobertos durante as orações muçulmanas, assim como as figuras serafins localizadas na cúpula da basílica.

    A população da Turquia de 82 milhões é predominantemente muçulmana sunita. As minorias não muçulmanas representam apenas 0,2%, e a população cristã está dividida entre várias igrejas ortodoxas e católicas, bem como outros grupos.


    Vídeos desta área

    Estes são vídeos relacionados ao local com base na proximidade dele.

    Constantinopla - Hagia Sophia

    Publicado: 31 de julho de 2010
    Duração: 46:21 min
    Avaliação: 0 de 5
    Autor: ltapinos

    İstanbul Hotel Bulvar Palas, İstanbul Hotéis na Cidade Velha

    Publicado: 01 de março de 2013
    Duração: 33:25 min
    Avaliação: 3 de 5
    Autor: Kadir Engin

    Desde 2001, İstanbul Hotel Bulvar Palas tem partilhado as experiências especiais, com o seu estimado hóspede tem uma classificação de quatro estrelas. Tem uma boa localização nos hotéis de Istambul. Está dentro.

    GUIA DE VIAGEM O MELHOR DA TURQUIA - Parte 1

    Publicado: 16 de novembro de 2010
    Duração: 50:36 min
    Avaliação: 5 de 5
    Autor: DrVijayanDBAPhD

    TURQUIA 2010. Mais vídeos sobre a Turquia disponíveis em http://www.youtube.com/watch?v=R0OZ39n0wnI e http://www.youtube.com/watch?v=sJ5BpEIxmGc.

    Movimento da cidade

    Publicado: 01 de novembro de 2006
    Duração: 37:07 min
    Avaliação: 5 de 5
    Autor: Onur 77

    ECDL PRP Trip Kenteris 2009

    Publicado: 13 de fevereiro de 2009
    Duração: 43:54 min
    Avaliação: 0 de 5
    Autor: Mike Kenteris

    Ένα αξέχαστο business ταξίδι στην Κωνσταντινούπολη. PRP Trip 2009.

    ISTAMBUL

    Publicado: 05 de abril de 2012
    Duração: 55:25 min
    Avaliação: 4 de 5
    Autor: 24Travel.org

    Istambul, a cidade mais conhecida da Turquia, é sem dúvida a cidade mais exótica da Europa e é o lugar ideal para uma escapadela de fim de semana na cidade ou uma escapadela romântica de fim de semana. Istambul pode.

    Toptenturkey.com - guia popular e essencial para a Turquia

    Publicado: 26 de agosto de 2009
    Duração: 42:20 min
    Avaliação: 5 de 5
    Autor: toptenturkey

    Planejando viajar para a Turquia? Assista ao nosso breve vídeo e visite http://www.toptenturkey.com. Em nosso guia popular, encontre muitas informações, lugares populares para visitar, museus, coisas imperdíveis na Turquia.

    Ταξίδι στη Κωνσταντινούπολη.

    Publicado: 29 de dezembro de 2011
    Duração: 54:24 min
    Avaliação: 4 de 5
    Autor: Airquest Travel Services

    ΤΟΥΡΚΙΑ - Ταξίδι στη Κωνσταντινούπολη. (http://www.airquest.gr/turkey) Ταξίδια με την Airquest Travel Services οπουδήποτε στη Κωνσ.

    Istanbul Intro por IstanbulHotelsResorts.com

    Publicado: 14 de junho de 2011
    Duração: 51:55 min
    Avaliação: 5 de 5
    Autor: PreciseTravelTurkey

    Nós fornecemos a facilidade de atualizar, alterar ou cancelar facilmente sua reserva de hotel. Nossos representantes de atendimento ao cliente estão disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana, caso você precise de nós. Você pode entrar em contato.

    Sega Dreamcast - Pro Pinball Trilogy (PAL)

    Publicado: 12 de julho de 2011
    Duração: 07:21 min
    Avaliação: 4 de 5
    Autor: SeVeRaL85

    Sega Dreamcast - introdução e jogabilidade do jogo Pro Pinball Trilogy (PAL). Este jogo foi lançado apenas na região PAL. Plataforma: Sega Dreamcast Editor: Empire Interactive Europe Ltd. Desenvolvedor.

    Os vídeos fornecidos pelo Youtube estão sob os direitos autorais de seus proprietários.


    Mesquita de Hagia Sophia, a glória da arquitetura em Istambul

    A Mesquita Hagia Sophia é um dos mais belos e famosos símbolos arquitetônicos únicos em Istambul, pois é um exemplo vivo da arquitetura bizantina, e por cerca de milhares de anos este templo foi considerado a maior igreja do mundo.

    Hagia Sophia se tornou a maior igreja do mundo e mostrou ao mundo o valor cultural e religioso de Istambul. Após a conquista de Constantinopla (Istambul) em 1453 pelo sultão Mehmed II, a igreja foi convertida em mesquita e assim permaneceu até ser convertida em museu após a proclamação da República Turca e da chegada de Ataturk & # 8217 ao poder.

    Em 1985, a Organização do Patrimônio Mundial da UNESCO listou Hagia Sophia como Patrimônio Mundial.

    Uma rápida olhada na história da Mesquita de Hagia Sophia em Istambul

    O Templo foi construído por ordem de Constantino II, o Imperador Bizantino, em 360 DC, e Istambul era então conhecida como Constantinopla, onde era o centro do Império Bizantino.

    A igreja recebeu o nome de Hagia Sophia, mas depois de alguns anos, o incêndio irrompeu no chuech e nas áreas ao redor, e o templo foi seriamente danificado durante esse período. O Hagia Sophia foi reconstruído no século VI e foi reaberto ao público.

    No ano de 405 DC, várias seções foram adicionadas, a mais importante das quais eram os cinco altares. Em 532 DC, a Igreja foi destruída novamente devido à famosa Batalha de Nika, que destruiu completamente a atual Istambul. Mais tarde, os arqueólogos descobriram os restos mortais de Hagia Sophia para encontrar os andares inferiores do edifício, que agora estão abertos ao público.

    No século XV, após vários anos de guerra entre os muçulmanos e o Império Bizantino, sob a liderança do rei otomano Sultão Mehmed II, o Conquistador, Constantinopla foi ocupada por muçulmanos. Constantinopla se tornou o centro do califado otomano e foi renomeado como Islamabad, e quatro minaretes foram construídos e ela foi convertida em uma mesquita.

    Sob a liderança de Mustafa Kemal Ataturk, a mesquita ganhou uma nova forma na nova era, ao transformá-la em um museu.

    Edifício Hagia Sophia em Istambul

    A cúpula desta mesquita está 56 metros acima do solo e 33 metros de diâmetro. Ele está localizado em quatro pilares principais. A cúpula é considerada uma das partes mais importantes desta mesquita e chama a atenção antes mesmo de entrar. A razão por trás do alto edifício foi a tendência dos construtores de cúpulas de mostrar o conceito de apego e proximidade com o céu e com Deus.

    Deve-se notar que na arquitetura da mesquita Hagia Sophia, os arcos e colunas são lindamente coordenados, e os quatro pilares impressionantes, que se assemelham à base do elefante, carregam os quatro arcos da mesquita, incluindo a cúpula.

    Existem 40 janelas ao lado da perna da cúpula da mesquita, onde a luz do sol incide sobre o edifício e a cúpula tem 18 metros de profundidade.

    Outra razão para a importância de Hagia Sophia é que o arquiteto Sinan, um dos mais famosos arquitetos do período otomano, trabalhou nela durante a era otomana e reconstruiu muitas partes dela. até que o Museu Hagia Sophia se tornou um símbolo de Istambul e talvez da Turquia, e uma fonte de orgulho para o povo turco.

    Se você visitar esta mesquita, não encontrará apenas um grande salão de culto, como verá um magnífico edifício composto por várias partes:

    O altar:

    Não importa se você considera a Hagia Sophia uma igreja ou uma mesquita, em ambos os casos o altar será a parte mais importante dela. Para ver o altar dourado, você deve ir para o sudeste. Existem castiçais de cada lado do altar, trazidos pelo Rei da Hungria.

    Os ladrilhos:

    Um dos destaques da mesquita Hagia Sophia são seus elegantes azulejos que contam histórias diferentes. Se você visitar o museu com um guia turístico habilidoso, ele contará todas as histórias por trás dessas peças. A parte mais importante desses azulejos é a parte que foi adicionada ao edifício durante a era otomana.

    A cúpulas:

    A mesquita de Hagia Sophia tem uma famosa cúpula de 55,60 metros de altura, e você certamente sentirá sua grandeza quando estiver sob ela. É bom saber que esta cúpula foi destruída várias vezes pelo terremoto e foi reconstruída. Devemos também dizer que a cúpula principal é feita de tijolo e mármore.

    O Minbar:

    O minbar é um dos pilares das mesquitas. Foi construído durante a era do Império Otomano. Para ver este minbar, você deve ir para o lado direito do altar da mesquita.

    O pátio da mesquita:

    A Hagia Sophia tem uma área ao ar livre muito interessante, pois a área de ablução fica no pátio e os turistas estão sempre fotografando neste local.

    Minaretes da Mesquita:

    Esta mesquita contém 4 minaretes com decorações atraentes e uma altura de cerca de 60 metros.

    Tele tumbas:

    Na praça existem muitos túmulos dos sultões otomanos.

    Como chegar ao Museu Hagia Sophia em Istambul?

    Agora que você já conhece este belo museu, aqui estão as maneiras de chegar a este famoso edifício:

    Qual é a distância da Praça Taksim?

    Uma das perguntas mais comuns que os viajantes fazem é a que distância o museu fica da Praça Taksim e da Rua Istiklal? Os dois locais populares ficam a cerca de 100 metros de distância e você pode caminhar da Praça Taksim até Sofia.

    • Passando pelo metrô de Istambul:
      A estação de metrô mais próxima da Hagia Sophia é a estação de metrô Marmaray Sirkeci, que fica a 700 metros da mesquita e pode ser alcançada em cerca de 5 minutos a pé.
    • Passando usando a linha de bonde:
      A parada de bonde mais próxima da Hagia Sophia é a estação Gülhane, que fica a cerca de 3 minutos e # 8217 a pé.
    • Endereço da Mesquita Hagia Sophia em Istambul:
      Turquia, Istambul, área de Fatih, Sultanahmet, Praça Hagia Sophia, Museu Hagia Sophia

    Informações sobre como visitar o Museu Hagia Sophia

    Antes de visitar esta mesquita, recomendamos que você considere o seguinte:

    O preço do ingresso:

    Para adultos: 60 liras turcas
    Para crianças menores de 12 anos: Grátis

    Horário de visitas:

    De 15 de abril a 30 de outubro: 9:00 h às 19:00 h
    De 30 de outubro a 15 de abril: das 9h às 17h, visita à Mesquita de Hagia Sophia
    O museu recebe visitantes e turistas todos os dias da semana, exceto às segundas-feiras

    Atrações turísticas perto do museu

    Se você for à Hagia Sophia, poderá caminhar facilmente até o Palácio de Topkapi em 5 minutos e # 8217 a pé. Este museu fica a apenas 10 minutos a pé do famoso Parque Gülhane. A magnífica Mesquita do Sultão Ahmed ou Mesquita Azul fica a poucos passos deste museu.

    Transformando de museu em mesquita

    No dia 10 de julho de 2020, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan assinou uma resolução estipulando o cancelamento da decisão do Conselho de Administração em 1934, que estipulava a conversão da Hagia Sophia de mesquita em museu, e, portanto, foi aberta ao público por os adoradores.


    Influência duradoura

    Partes do enorme sistema de aquedutos e cisternas que abasteciam Constantinopla com água podem ser encontradas em estacionamentos e ao longo das estradas, alinhando-se nas laterais de estádios de futebol e playgrounds, e embaixo de lojas de tapetes e hotéis. Uma inscrição desbotada sob os beirais de um edifício, uma peça reveladora de alvenaria ou um pedaço de mármore entalhado meio coberto por ervas daninhas pode ser a única indicação visível do passado bizantino de uma determinada estrutura. Mas essas camadas ocultas desmentem uma influência duradoura.

    “A Istambul dos otomanos e de hoje devem sua existência a Constantinopla e sua transformação sob os bizantinos de um posto comercial sonolento em uma grande cidade e centro administrativo imperial”, diz Kutlu Akalın, um professor de antiguidade tardia e história bizantina em Istambul Medeniyet University. Muitos locais importantes e peças de infraestrutura bizantinas mantiveram sua importância sob os otomanos e na moderna República turca, mesmo quando sua aparência, uso e significado foram transformados. Esse processo criou as camadas de história e cultura que tornam Istambul ao mesmo tempo fascinante e carregada.

    O site do hipódromo, onde multidões bizantinas aplaudiam seus cocheiros favoritos e mais tarde soldados otomanos e cavalos treinados para a batalha, é agora um parque tranquilo. A grande mesquita Fatih, que deve o seu nome ao sultão que conquistou Istambul para os otomanos, foi construída sobre o local onde os imperadores bizantinos foram enterrados séculos antes. As estradas do distrito turístico de Sultanahmet ainda estão alinhadas ao plano de ruas bizantino.

    Mas também há continuidades menores na vida diária, de acordo com o historiador independente Axel Çorlu, incluindo grande parte da comida de rua de Istambul e seus famosos meyhane cultura das noites de bebedeira compartilhando pequenos pratos de comida em restaurantes que parecem tavernas.

    “Cada vez que um Istanbulite moderno morde mexilhões recheados na rua, eles estão basicamente comendo culinária bizantina”, diz Çorlu. “Mas uma vez acabei sendo largado na beira da estrada por um motorista de táxi zangado depois de lhe dizer que o Kokoreç [um prato de intestinos grelhados] que ele gosta de comer era, na verdade, um alimento bizantino ”.

    Çorlu avalia a resposta do motorista a um sistema educacional e cultura popular que muitas vezes dá ao povo turco um senso de identidade "nós contra eles". Qualquer coisa anterior à era otomana é vista como “outra”, senão totalmente perniciosa. Esses tipos de atitudes, argumentam Çorlu e outros especialistas, levaram ao abandono dos monumentos da era bizantina e ao apagamento desta era histórica crítica da história predominante de Istambul.

    “A herança bizantina da Turquia é uma questão emocional que também se projeta na política contemporânea devido à sua associação com a ideia da conquista otomana”, diz a arqueóloga Alessandra Ricci, professora da Universidade Koç de Istambul. Muitas comunidades cristãs ortodoxas, a grega em particular, ainda sentem uma conexão com a capital cristã oriental de Constantinopla. E embora Grécia e Turquia sejam vizinhos e aliados da OTAN, eles também são adversários frequentes, atualmente envolvidos em uma disputa acalorada por recursos de gás natural e fronteiras marítimas. “Como resultado, muitos turcos têm dificuldade em incorporar essa herança em sua compreensão cultural da cidade”, diz Ricci.

    Como evidência, ela cita a falta de objetos bizantinos em exibição nos Museus Arqueológicos de Istambul. A cidade também não conseguiu construir um museu planejado para abrigar artefatos de 37 naufrágios bizantinos descobertos em 2005 durante a construção de uma estação de metrô.

    Outros estudiosos observam o apagamento da história bizantina durante o trabalho de restauração em várias igrejas transformadas em mesquitas. Um exemplo proeminente é a antiga Igreja dos Santos Sérgio e Baco, um importante centro monástico construído no século VI e hoje conhecido como a Mesquita da “Pequena Hagia Sophia” (Küçük Aya Sofya).

    “Muitos dos monumentos bizantinos de Istambul, como Küçük Aya Sofya, foram totalmente restaurados dentro de um centímetro de suas vidas, sem nenhuma análise séria ou documentação feita do que é descoberto durante o processo de restauração”, diz Robert Ousterhout, um professor emérito do história da arte na Universidade da Pensilvânia. “Assim, acabamos com uma nova mesquita, mas não aprendemos nada de novo sobre a história do edifício.”

    Ousterhout passou quase uma década estudando e restaurando o antigo Mosteiro de Cristo Pantokrator (agora a Mesquita Molla Zeyrek) antes que os ventos políticos mudassem. A restauração foi interrompida de 1998 a 2001, e então retomada por um tempo antes que a Diretoria de Fundações Pias sob o atual governo da Turquia assumisse o projeto em 2006.

    “Nós argumentamos durante todo o caminho que este era um edifício que poderia ser uma mesquita em funcionamento e um local histórico, restaurado com sensibilidade em relação ao seu passado e representando a história em toda a sua bagunça”, diz Ousterhout. “Mas se você entrar no edifício agora, verá muito poucas evidências de que alguma vez tenha sido uma estrutura bizantina.”


    Monumentos bizantinos que sobrevivem em Istambul

    Esta é uma história, não um guia. Os leitores que visitam Istambul podem gostar de saber quais monumentos ainda sobrevivem desses primeiros séculos de Bizâncio. A lista a seguir não está absolutamente completa, mas inclui todos os monumentos, ou restos deles, que poderiam ser do interesse de um não especialista.

    *** Edifícios de importância mundial, vale a pena ir a Istambul para ver.

    * Interessante, mas muito pequeno ou muito arruinado para o visitante médio de curto prazo.

    Itens sem estrela são ruínas ou vestígios, listados mais por seu valor de curiosidade do que qualquer outra coisa.

    Esta lista não teria sido tão abrangente quanto é, mas para o conhecimento enciclopédico do Sr. John Freely, cujo Passeando por Istambul (Londres, 1987) foi de uma ajuda inestimável.

    Construída pelo imperador Valente em 375 como parte de seu novo sistema de abastecimento de água à capital, ligando o vale entre a Quarta e a Terceira Colinas. Ele tinha originalmente cerca de 1.000 metros de comprimento, dos quais cerca de 900 metros permanecem.

    Atrás da mesquita de Murat Pasha, na esquina da Millet Caddesi com a Vatan Caddesi, várias câmaras abobadadas recentemente descobertas e consideradas datadas do século VI.

    *** Santa Sofia Sede do Patriarca de Constantinopla, a Igreja da Sagrada Sabedoria foi inaugurada por Constâncio, filho de Constantino, o Grande, em 360. O edifício atual é o terceiro no local, redesenhado por Justiniano após os motins de Nika de 532 e dedicado by him on 26 December 537. There have been inevitable restorations, but the Great Church remains structurally much the same as in his day, the principal differences having been occasioned by it's conversion into a mosque after the Turkish conquest of1453.

    *** St Eirene Just inside the first courtyard of Topkapi Palace, the Church of the Holy Peace was one of the earliest Christian churches in Byzantium. Rebuilt by Constantine the Great or his son Constantius, it served as the patriarchal cathedral until the building of St Sophia nearby. Like the latter, it was destroyed by fire in the Nika riots but was rebuilt again by Justinian and rededicated in 537. Usually locked, but permission to visit can be sought from the Director of St Sophia. The rewards are great.

    *** SS Sergius and Bacchus Now a mosque known as Kucuk Aya-sofya, standing just at the point where the Hippodrome, if projected further along its present axis, would meet the Sea Walls. Begun by Justinian and Theodora in 527, it is therefore earlier than St Sophia or St Eirene.

    & middot St John of Studium Near the junction of the Land Walls and the Marmara, founded in 462 and thus the oldest church surviving in the city - insofar as it has survived, for it is now a ruin open to the sky. Of the famous monastery, perhaps the greatest spiritual and cultural centre of Byzantium, nothing remains.

    & middot Martyrium of SS Karpos and Papylos Just below the modern Greek church of St Menas, where it now serves as a carpenter's shop. A large circular domed chamber of brick, dating from the fourth or fifth century.

    & middot St Polyeuktos Beside the huge Sehzade Basi intersection just west of the Aqueduct of Valens, built between 524 and 527. A ruin, but an impressive one.

    & middot Theotokos in Chalcoprateia Of the once great and splendid fifth-century church there remains only the aspe and a length of crenellated wall beside Alemdar Caddesi, some 100 yards west of St Sophia.

    o ** The Basilica Cistern (Yerebatansaray) Built by Justinian after the Nika revolt in 532. The grandest and most beautiful of all the covered cisterns in the city, with 12 rows of 28 columns. Now magnificently restored, and not to be missed.

    o ** Binbirderek Off Divan Yolu to the left, about a quarter of a mile from St Sophia. The name means 'The 1,001 columns' there are in fact 16 rows of 14, the full height being some 14.5 m. The cistern may have been begun in the reign of Constantine the Great, though it was probably enlarged in the fifth or sixth century. Open to the public, but pitch dark, dank and filthy.

    o Open Cistern of Aetios On the Fevzi Pasha Caddesi, just short of the Mosque of Mihrimar. Built in 421 and measuring 224 m by 85 m, it has now been converted into a sports stadium.

    o Open Cistern of Aspar Immediately south-west of the Mosque of Sultan Selim I. Built in about 470 by Aspar, and covering 152 square metres, it is now occupied by a sunken kitchen-garden and farm buildings.

    o Open Cistern of St Modus In the Altimermer district. Built during the reign of Arcadius (491-518) and extending over 25,000 square metres, it is the largest of the early Byzantine reservoirs in the city. Now vegetable gardens and orchards.

    & middot Covered Cistern of Pulcheria Opposite the south-east corner of the Cistern of Aspar. The attribution is uncertain, but the date is almost certainly fifth or sixth century. Four rows of Corinthian columns. Not open to the public.

    & middot Covered Cistern of the Studium At the south-east corner of the outer precincts. Now a junk store, but quite impressive with its 23 Corinthian columns in granite.

    & middot Column of Arcadius On Cerrah Pasha Caddesi, in the second street on the right beyond the mosque. Only the plinth remains of the column erected in 402 by the Emperor, on the model of the Column of Constantine. Inside, a staircase leads to the top of the ruin, where a short length of the column (demolished in 1715) can still be seen.

    & middot Column of Constantine Erected by Constantine to mark the dedication of the city. Still standing, but in a sorry state.

    & middot Column of the Goths In Gulhane Park, behind and below the Palace of Topkapi. A granite monolith with a Corinthian capital, bearing the inscription FORTUNAE REDUCI OB DEVICTOS GOTHOS, 'To Fortune, Returned owing to the Defeat of the Goths'. Erected probably by Constantine the Great, but possibly by Claudius II Gothicus (268-70).

    * Column of Martian (Kiz Tasi) Some 200 yards south of the Fatih Mosque. Erected, according to the inscription, by the Prefect Tatianus in honour of the Emperor (450-57). It has since been credited by the Turks with the power of telling true virgins from false ones.

    Now known as At Meydani, this centre of popular life in Constantinople has preserved its essential outline, together with the central spina containing the Obelisk of Tutmose III (1549-1503 BC), the base of the Serpent Column from the Temple of Apollo at Delphi and the rough pillar of stone which the inscription on its plinth compares, somewhat optimistically, to the Colossus of Rhodes.

    All that remains of this charitable foundation described by Procopius is a jumble of ruins (with a few reconstructed columns) between St Eirene and the outer wall of Topkapi Palace.

    * The Great Palace Built by Constantine the Great, it remained the principal residence of the Emperors until the Fourth Crusade in 1204. Little remains no local except the ruins of the old marine gate of the Bucoleon, marked by three large windows framed in marble, now part of the Sea Walls. The fascinating **floor mosaics can be seen in the new Mosaic Museum.

    Palace of Antiochus Some 300 yards west of St Sophia on Divan Yolu, the ruins are all that is left of the palace of a great fifth-century nobleman. It was later converted into a martyrium for the body of St Euphemia of Chalcedon.

    * Palace of Romanus Some 200 yards south of the Tulip Mosque are the ruins of what was once the Bodrum (Subterranean) Mosque, previously a Byzantine church which formed part of the monastery of the Myrelaion. The huge rotunda below the terrace next to it was built in the fifth century as the reception hall of a palace, but never finished.

    Later it was roofed over and used as a cistern, on which the palace of Romanus was built.

    The oldest part of the walls which surround the city to the west of the Golden Horn dates from the time of Constantine but by far the greatest length - including almost all the present Land Walls - is essentially the work of Anthemius, Prefect of the East under Theodosius II, who completed them in 413. The Land Walls and those along the Marmara are continuous those lining the Horn have largely disappeared.


    Conteúdo

    The complex is placed in Fazilet Sokağı, in the district of Fatih, in a popular neighborhood which got its name (Zeyrek) from the Mosque, and less than one km to the southeast of Eski Imaret Mosque. It is picturesque but (as of 2007) decayed and dangerous in the night hours.

    Byzantine period Edit

    Between 1118 and 1124 Byzantine Empress Irene of Hungary built a monastery on this site dedicated to Christ Pantokrator ("Christ Almighty"). [1] The monastery consisted of a main church (which became the katholikon, or main church, of the monastery [2] ) also dedicated to Christ Pantocrator, a library and a hospital. [3]

    After the death of his wife, shortly after 1124, Emperor John II Komnenos built another church to the north of the first dedicated to the Theotokos Eleousa ("the merciful Mother of God"). This church was open to the population and served by a lay clergy. [2] Finally (the terminus ante quem is 1136 [4] ) a south courtyard and an exonarthex were added to the complex, [2] and the two shrines were connected with a chapel dedicated to Saint Michael, [5] which became the imperial mausoleum (heroon) of the Komnenos and Palaiologos dynasties. [1] Besides many Byzantine dignitaries, Emperor John II and his wife Eirene, Empress Bertha of Sulzbach (also known as Eirene, and wife of Manuel I Komnenos), and Emperor John V Palaiologos were buried here. [3] [ duvidoso - discutir ]

    During the Latin domination after the Fourth Crusade, the complex was the see of the Venetian clergy, and the icon of the Theotokos Hodegetria was housed here. [6] The monastery was also used as an imperial palace by the last Latin Emperor, Baldwin. After the Palaiologan restoration the monastery was used again by Orthodox monks. The most famous among them was Gennadius II Scholarius, who left the Pantokrator to become the first Patriarch of Constantinople after the Islamic conquest of the city. [7]

    Ottoman and Republican period Edit

    Shortly after the Fall of Constantinople the building was converted into a mosque, and the monastery was converted for a while into a Medrese. [8] The Ottomans named it after Molla Zeyrek, a scholar who was teaching there. [8] However, due to its importance in Byzantine history, Zeyrek was one among the few buildings of Istanbul whose ancient denomination was never forgotten. Among others, the church of Pantokrator is remembered by Pierre Gilles in his classic work about Constantinople, written in the sixteenth century. After the completion of the Medreses in the Fatih complex in 1471, the students abandoned Zeyrek, [9] and the rooms of the monastery occupied by the Medrese vanished later. [3]

    Until a few years ago, the edifice was in a desolate state, and as a result it was added to the UNESCO watchlist of endangered monuments. In recent years it has undergone extensive (albeit still unfinished) restoration. [10]

    Today Zeyrek Mosque is - after Hagia Sophia - the second largest extant religious edifice built by the Byzantines in Istanbul.

    To the East lies the Ottoman Konak (Zeyrek Hane), which has also been restored and is now open as a restaurant and tea garden.

    The masonry has been partly built adopting the technique of the recessed brick, typical of the Byzantine architecture of the middle period. [11] In this technique, alternate courses of bricks are mounted behind the line of the wall, and are plunged in a mortar bed. Due to that, the thickness of the mortar layers is about three times greater than that of the bricks layers. [12]

    The south and the north church are both cross domed with polygonal apses having seven sides, and not five as was typical in the Byzantine architecture of the previous century. The apses have also triple lancet windows flanked by niches. [1]

    The southern church is the largest. To the East it has an esonarthex, which later was extended up to the imperial chapel. The church is surmounted by two domes, one over the naos and the other over the matroneum (a separate upper gallery for women) of the narthex. The decoration of this church, which was very rich, disappeared almost completely, except for some fragments of marble in the presbyterium and, above all, a beautiful floor in opus sectile made with colored marbles worked in cloisonné technique, where human and animal figures are represented. [13] Moreover, fragments of colored glass suggest that the windows of this church were once made of stained glass bearing figures of Saints. [14] The mosaics of the interior, representing the apostles and the life of Christ, were still visible - although defaced - in the 18th century. [15]

    The imperial chapel is covered by barrel vaults and is surmounted by two domes too.

    The north church has only one dome, and is notable for its frieze, carved with a dog's tooth and triangle motif running along the eaves line.

    Close to the Mosque is placed the small Şeyh Süleyman Mescidi, a small byzantine building belonging also to the Pantokrator Monastery.

    As a whole, this complex represents the most typical example of architecture of the Byzantine middle period in Constantinople. [1]


    Towards the middle of the ninth century, Princess Thekla, eldest daughter of Emperor Theophilus enlarged a small oratory, dedicated to her patron saint and namesake, lying 150 m east of the Church of Theotokos of the Blachernae. [2] In 1059 on this site, Emperor Isaac I Komnenos built a larger church, as thanks for surviving a hunting accident. [3] The church was famous for its beauty, and Anna Comnena writes that her mother, Anna Dalassena, used to go often and pray there. [3] After the Ottoman conquest of Constantinople, the building was heavily damaged during the earthquake of 1509, which destroyed the dome. [4] Shortly after that, Kapicibaşi [5] (and later Grand Vizier) Koca Mustafa Pasha, executed in 1512, [6] repaired the damages and converted the church into a mosque. [7] Up to the end of nineteenth century, a Hamam, placed 150 m south of the building, also belonged to the mosque's foundation. [2] In 1692, Şatir Hasan Ağa built a fountain in front of the mosque. [2] In 1729, during the great Fire of Balat, the building was heavily damaged and repaired some years later. It was damaged again during the 1894 Istanbul earthquake, which destroyed the minaret, and reopened for worship in 1906. A last restoration occurred in 1922. [2] In that occasion, a marble christening font was brought to the Istanbul Archaeology Museum. [2] Inside the south apse of the building there is the türbe (tomb) attributed to Hazreti Cabir (Jabir) Ibn Abdallah-ül-Ensamı, one of the companions of Eyüp, [8] fallen nearby in 678 during the first Arab siege of Constantinople. [9]

    The building is 15 m wide and 17.5 m long, and has a domed Greek cross plan. It is oriented in a northeast – southwest direction. It has 3 polygonal apses, and the narthex has been destroyed. [10] The edifice has no galleries, and the dome, which has no drum, is almost certainly Ottoman, although the arches and the piers which sustain it are Byzantine. [11] The arms of the cross, the pastophoria, the Prothesis and Diaconicon are covered with barrel vaults, and communicate through arches. The north and south walls have a floor level with three arcades, a first level with three windows, and a second level with a window with three lights. [11] On the southeast side, the three apses project boldly outside with three sides. [11] The roof, the cornice and the wooden narthex, which replaced the old Byzantine narthex, are Ottoman. A cruciform font which belonged to the baptistery of the church and lay on the other side of the street [11] has been moved to the Istanbul Archaeology Museum. The dome piers, which form the internal side of the cross, are L-shaped. They are an example of the stage preceding that of the cross-in-square church with four columns. [11] Remains of frescoes placed on the south side of the building have been published. [12] Moreover, during the floor renewal in the 1990s, several tesserae have been found, showing the previous existence of mosaics panels and frescoes in the building. [13] Despite its architectural significance, the building has never undergone a systematic study. [14]


    Assista o vídeo: Conheça a antiga Constantinopla - Istambul - Turquia (Junho 2022).


    Comentários:

    1. Tiladene

      a frase exata

    2. Kitaxe

      legal claro MAS o significado desse milagre

    3. Hubert

      Nele algo está. Claramente, obrigado pela ajuda nesta pergunta.

    4. Raidon

      Eles estão errados. Vamos tentar discutir isso. Escreva para mim em PM, fale.

    5. Yozshubei

      Eu entendo essa pergunta. Vamos discutir.

    6. Silsby

      Você queima, amigo))

    7. Kachada

      Você atingiu a marca. Nele algo está e é uma boa ideia. Está pronto para te ajudar.



    Escreve uma mensagem